« O DEMÓNIO É UMA METÁFORA COM OLHOS RAIADOS | Entrada | O CONSERVADORISMO EM 12 LIÇÕES PRÁTICAS »

maio 09, 2005

LA FORRRRMULE UN

Falar com franceses sobre pessoas ou nomes anglo-saxónicos requer sempre um ouvido muito atento para conseguir entender a sua peculiar pronúncia destes nomes. Brewster é Brrewstérre, Randall-Sundrum é Rôndále-Sundrrum, Calabi-Yau é Calabí-Yô (esta é a minha favorita - e Yau é um chinês). Quem ouvir pela primeira vez julga que nos referimos a pessoas diferentes. Quando falo com estudantes franceses sobre cientistas anglo-saxónicos, já sei que se pronunciar o nome em inglês (como se pronuncia em Portugal e na generalidade dos outros países) vou ter dificuldade em ser entendido. Com excepção dos seminários, os estudantes franceses com orientador francês nunca ouvem falar outra língua que não o francês. Condescendentemente, quando lhes falo nalgum cientista tenho de lhes perguntar "E este, como se diz em francês?"
Ao assistir-se à transmissão de um Grande Prémio de Fórmula 1 na TF1 também se fica com a impressão de que estamos a ver um campeonato diferente, com outros pilotos. O Alonsô e o Fisichellá, a gente ainda chega lá (tudo palavras agudas). Mas... e o Schumarrer, de quem eles estão sempre a falar? E o Cultarrde? Este fim-de-semana, por exemplo, ganhou o Raikonân num McLarrân.

Publicado por Filipe Moura às maio 9, 2005 09:26 AM

Comentários

E as crianças adoram o filme da Marri Popân...
:-D
Abraço

Publicado por: Nuno Morais em maio 9, 2005 10:01 AM

Tens razao! Isto e' materia para o realismo fantastico do Gabriel Garcia Marquez.

Publicado por: Luis Oliveria em maio 9, 2005 10:16 AM

Filipe, cheio de razão é verdade, mas os britânicos a pronunciarem nomes franceses? E se mete o som U...? e os espanhois?
:)
Ou seja, nós é que somos muitabons!!!

Publicado por: Zé em maio 9, 2005 11:42 AM

A primeira vez que cheguei a França, naquela altura a Lyon, levei ai umas duas aulas para perceber que o professor de informática estava a dar uma matéria que eu já conhecia! Os termos informáticos são em inglês e os nomes de alguns investigadores também.

Depois decobri uma estratégia: olhar para o caderno do colega do lado, e mais tarde, "tradução fonética". Se pensarmos como se escreveria em francês a palavra que o interlocutor está a dizer, chegamos ao nome escrito correctamente.

Mas isso não acontece só com os ingleses: quem diria que o "Léonard da Vânsi" é o Leonardo da Vinci?

Publicado por: Helena Romao em maio 9, 2005 04:40 PM

deve ser pelo abraço francês ao multiculturalismo...

eu felizmente estou no outro lado da mancha, e não dans la merde.

Publicado por: pfig em maio 10, 2005 01:05 AM