« ALKMAAR DE A A Z | Entrada | UMA MORTE CULTURAL »

maio 06, 2005

PASSAR A FERRO

É ignorância minha, ou o meu post anterior contém a primeira referência a "passar a ferro" da blogosfera portuguesa?
Como parece que todos os colegas bloguísticos estão muito ocupados a ler livros, ouvir músicas e ver filmes para passar a ferro, vou deixar-lhes algumas pistas sobre esta bizarra actividade:

- "Passar a ferro" consiste na prática de alisar a roupa acabada de secar com um mecanismo algo triangular e quente, com o intuito de lhe conferir uma aparência aprumada e nova.
- A operação não é particularmente essencial à vida social, mas é profissionalmente correcta em certos empregos, implicando por isso em elevado grau de sofisticação social (para precisar de a fazer) e baixo nível financeiro (não se pagar a outrem para a fazer).
- O objectivo da operação parece-me ser a de anular os vincos e rugas da roupa. É, portanto, um acto bastante estalinista e totalitário de apagar a diferença e promover a homogeneização.
- Não é particularmente absorvente nem delicada, podendo ser feita ao mesmo tempo que se telefona, ouve música, vê um filme, embala o berço e se pensa em posts para escrever. Exige, no entanto, a permanência imóvel de pé (muito mau para pés,coluna e varizes) e um certo cuidado para evitar a auto-incineração.
- A operação é mais complicada com peças de roupa de corte mais complexo, como camisas e calças, exigindo recurso a truques e técnicas específicas a cada lar doméstico.
- Não é particularmente conveniente deixar o ferro muito tempo sobre a roupa, sob pena de esta apresentar estampados estranhos ou causar acidentes domésticos bastante inconvenientes.

Publicado por Jorge Palinhos às maio 6, 2005 11:32 AM

Comentários

estou sempre a aprender contigo jorge.
depois deste breve curso talvez me abalance a enfrentar finalmente esse objecto que vejo por vezes estacionado em cima de uma tábua esquisita ali ao fundo da marquise

Publicado por: tchernignobyl em maio 7, 2005 09:28 AM

Gostei do manual de instruções, género literário tão masculino, e devo dizer que dentre as tarefas domésticas talvez seja a menos estúpida, dado que permite a multitasking. Tenho reparado, além disso, que favorece o nível de concentração no que se ouve (mesmo que seja na televisão), a projecção em actividades futuras e a reflexão em geral. Será por isso que (conforme dizem) as mulheres a sabem toda?

Publicado por: tb em maio 7, 2005 01:50 PM