« VEM AÍ UMA NOVA SÉRIE DO «GATO FEDORENTO» | Entrada | AUTOCARROS (III) »

abril 28, 2005

EARLY MORNING BLOGGING

Quando abro o BdE de manhã, chego a ficar comovido com o número de comentários da RIAPA deixados durante a noite. Sabem certamente do que falo: essa erva daninha que se replica de post em post, como uma espécie de spam reaccionário. Logo a seguir penso: caramba, há quem se levante às sete da manhã para nos atazanar o juízo, isto deve querer dizer alguma coisa. Mais concretamente: se os neo-salazaristas reprimidos e grosseiros se sacrificam deste modo, é porque estamos a fazer o nosso trabalho como deve ser, é porque os irritamos, é porque somos suficientemente perigosos para merecer o seu ódio. E isso é bom.
De certa forma, a descarga de bílis matutina da RIAPA representa uma espécie de doce empurrão, um estímulo, um sinal de que vale a pena continuar. Melhor do que mil elogios, garanto-vos. E não julguem que ironizo. Olhando para aquele lixo verbal que se acumula nas caixas de comentários, agradeço secretamente ao(s) seu(s) autor(es) a trabalheira, o incómodo, a fidelidade à causa. E depois, claro, carrego no botão onde está escrito Delete.

Publicado por José Mário Silva às abril 28, 2005 09:24 AM

Comentários

pobre órfão de causas, resta-me agradecer a doce consolação de me permitirem ir dando uso à velha técnica do "détournement"

Publicado por: tchernignobyl em abril 28, 2005 10:27 AM

Engraçado. Eu nunca mais dei por eles, pensei que se tinham extinguido. Acredito mesmo que quem tenha começado a frequentar este blogue há menos tempo (para aí há meio ano), nem saiba do que tu falas.

Publicado por: ZeroAesquerda em abril 28, 2005 10:28 AM

Acho que é a primeira vez que aqui venho. Como te ouvi (não te vi, pois eu estava na assistência e tu deves ser muito tímido, pois não olhaste prá gente) na Biblioteca de Beja, senti curiosidade em ver o que é o BdE.
Vou dar uma vista de olhos.

Publicado por: nikonman em abril 28, 2005 10:42 AM

Acho que é a primeira vez que aqui venho. Como te ouvi (não te vi, pois eu estava na assistência e tu deves ser muito tímido, pois não olhaste prá gente) na Biblioteca de Beja, senti curiosidade em ver o que é o BdE.
Vou dar uma vista de olhos.

Publicado por: nikonman em abril 28, 2005 10:43 AM

Zé Mário,


Gostei muito deste teu pontapé de saída que é, ao mesmo tempo, confissão de que também és capaz de recorrer às armas daqueles que dizes condenar e admissão de que tens dificuldade em manteres o equilibrio entre as pressões das válvulas do humor e da raiva. O Riapa (que a maior parte das vezes passo por cima sem ler) não é só acerca de coisas que ofendem. As observações da Quitéria Barbuda fazem-me sorrir muitas vezes ajudando-me a esquecer ataques à minha capacidade intelectual neste blogue por gente que abraças de perto ou à distância. Talvez não te fizesse mal atentares nestas palavras de Chomsky, um homem que certamente admiras. Deixo em inglês, para saboreares melhor o paladar. Espero que o teu “partidarismo” não se ponha pelo meio.

“If we don`t believe in freedom of expression for people we despise, we don`t believe in it at all”.

Poderias também agarrar-te à sabedoria popular do tipo “Mulher honrada não tem ouvidos”. Mas se achas que não, porreiro. Já estou acostumada. Mas não te vás embora antes que eu acrescente isto: A Internet (ainda não sabemos) pode ser uma coisa boa ou uma coisa má. Se for boa, é sinal de que a verdade um dia triunfará e todos seremos felizes. Se for má, estaremos perdidos para sempre neste mundo de ilusões e só o cosmos nos salvará. Please delete not.

Publicado por: Madalena em abril 28, 2005 11:26 AM

Please do not delete, desta vez a Madalena marcou um ponto. Também me tenho interrogado acerca da validade do apagar comentários, por muito ignóbeis que sejam.

Publicado por: JCV em abril 28, 2005 11:34 AM

Madalena, tratas os megamails para aumentar o pénis que certamente recebes -- alguns com indubitável engenho literário -- como liberdade de expressão que urge preservar a todo o custo?

Publicado por: Goncalo P. em abril 28, 2005 11:35 AM

Caríssima Madalena,

Como muito bem sabes, nós respeitamos a "freedom of expression" com o maior dos cavalheirismos. Se assim não fosse, e se nos revelássemos tão vulneráveis ao insulto como insinuas, passaríamos a vida a apagar os teus desaforos, barbaridades e enxovalhos. E não o fazemos, pois não?
Se apagamos (e continuaremos a apagar) os comentários da RIAPA é porque eles não são comentários. Eles são puro terrorismo, um ruído que visa apenas acabar com esta forma de comunicação livre que é a blogosfera. Se não agissemos, eles inundariam de tal maneira as caixas de comentários que não seria possível «passar por cima sem ler».
Além disso, espalhas-te ao comprido ao trazeres para a conversa a liberdade de expressão. Nós só estaríamos a atacar este direito fundamental se defendêssemos a extinção do site da RIAPA (e nunca o fizemos). No site deles, eles podem escrever as enormidades que muito bem entenderem. É um problema deles e dos infelizes que lá forem parar. Mas aqui, no BdE, eles não podem exigir que os respeitemos, sobretudo quando eles manifestamente não nos respeitam. A «liberdade de expressão» é o que está aqui em causa, Madalena, tens razão. Mas é a nossa liberdade de expressão, não a deles.
Quanto ao resto, se aprecias assim tanto os remoques da Quitéria Barbuda tens bom remédio: é visitar mais a RIAPA e menos o BdE. Ninguém te levará a mal por isso.

Publicado por: José Mário Silva em abril 28, 2005 11:44 AM

Uma coisa é liberdade de expressão. Outra coisa é difamação pura e simples. Se não se lembram, a maior parte dos comentários da RIAPA são insinuações sobre a sexualidade do José Sócrates e insultos a bloggers do BdE e de outros blogs.
Se os autores dos comentários dessem a cara, isso seria resolvível com processos cíveis, mas como são cobardes que se escondem com nomes falsos, não tenho qualquer contemplação sobre possíveis direitos. Afinal, o direito à liberdade de expressão implica o dever de dar a cara pelo que se expressa, o que não é o caso.

Além de que os ditos comentários são repetidos ad nauseam em vários posts, criando um monte de lixo imundo que faz todo o sentido incinerar.

Publicado por: Jorge P. em abril 28, 2005 11:45 AM

Ó Madalena, sinceramente. "Liberdade de expressão" aplica-se quando há alguma coisa a expressar, ou não? Porque senão porias no mesmo saco um discurso qualquer televisivo com os ruídos que a televisão por vezes (nalguns casos de forma insistente) produz. Num caso é comunicação e expressão, no outro é apenas ruído e poluição comunicativa. Os tipos do RIAPA não dizem nada, limitam-se (ou limitavam-se, como disse, há muito que os não vejo) a fazer vários copy paste de textos que não tinham nada a ver com qualquer um dos posts deste blogue. Era poluição e tem sido de forma bastante eficiente eliminada.

Publicado por: ZeroAesquerda em abril 28, 2005 01:31 PM

Esta última do RIAPA até merece ficar aqui, LOL! Só como exemplo.

Publicado por: hetero_doxo em abril 28, 2005 01:41 PM

Ah, o sapo encerrou-lhes o site... Está tudo explicado. Até que enfim, eu já me tinha questionado como é que o sapo abergava estes tipos. Quando estavam no auge da sua actividade, eram verdadeiros terroristas. Eu lembro-me bem. Quando queria comentar alguma coisa escrita no Bde, eles metiam pelo meio os seus textos absurdos e impossibilitavam qualquer troca de ideias.

Publicado por: ZeroAesquerda em abril 28, 2005 02:29 PM

Já agora, ZeroAesquerda, nunca mais deste por eles porque há sempre alguém a passar, blogue acima blogue abaixo, com o carro do lixo.

Publicado por: José Mário Silva em abril 28, 2005 03:45 PM

nikonman:
Por acaso até nem sou tímido, estava era de lado.
;)

Publicado por: José Mário Silva em abril 28, 2005 03:47 PM

De há uns dias para cá,no BdE, a legitimidade de festejar Abril tem dado lugar a discussão acesa e impropérios do piorio. Ao discutir-se aqui, hoje, um dos pilares instituídos naquela data, a Liberdade (no que toca aos seus limites, note-se), fica patente a homenagem maior que todos lhe devemos e prestamos.Viva o 25 de Abril!

Publicado por: tb em abril 28, 2005 05:18 PM

Zé Mário,

Chega uma pessoa a casa, suada de andar a dar o coirão ao capitalismo e depara com um homem muito senhor do seu nariz (tu), rodeado de vários democraticidas do mesmo quilate, muito solidários e aquiescentes, a arrotar azias antigas sobre a “nossa liberdade de expressão” que, na realidade, na tua boca, apenas quer dizer “propriedade de expressão”, já que frizaste quem são os donos. E se calhar até és capaz de chamar “liberdade de expressão” àquilo que se escreve e se diz publicamente numa sociedade em que um grupo de gajos com dinheiro chama “nossos” aos 90 por cento dos jornais e instrui os seus jornalistas a escrever com “liberdade” sobre coisas que não põem em causa os interesses de patrões ou grupos politicos que representam. E se não se tornasse enfandonho não faltariam mais comparações para reforçar as tuas vistas liberais sobre esta questão. Que triste cena. Ainda bem que este blogue não tem som. Teria Dolby, tenho a certeza. E passas tu a vida a lamentares nests folha a ignorância e apêgo ao passado daqueles que se opõem ao modernismo que defendes noutras áreas perto do cú e da matriz.

No fim, não sei se fui eu que me espalhei ao comprido ou se és tu que gostas de portar-te como um sempre em pé. A conclusão que tiro disto tudo é que nem tu nem eu somos do direito ou do avesso, mas eu sei das razões e tu não pareces saber, apesar do desensofrido, por vezes estravagante, entusiasmo político com que te cobres. Portanto fico à espera que o teu convite para me ir deitar com a malta do Riapa ganhe formas mais ameaçadoras, expulsórias, operáticas de carregar no botão..
--------
Palinhos - Quanto ao corneteiro-mor, o dos posts de muitas alíneas de encherem o saco e não ensinar nada, fiquei intrigado com a carbonicidade da sua língua de víbora castrada. A escolha de “incinerar” fica-lhe mesmo a matar. Mas em que discurso nacional-socialista se costumavam dizer coisas vis como estas? Aguardemos para saber em que penico é que ele vai decidir fazer cócó “democrático” quando me atacar outra vez.

----
E quem é esse nalgueiro/a que se assina por Gonçalo P? Um catamite que não gosta das Madalenas que lhe roubam a freguesia? Safio de pêlo curto com falta de bodes ou safista? Se calhar um mistura de tudo. Mas em democracia tem de haver de tudo, por isso não me vou queixar. O que isto precisa é de mais música e de “provocaçõeszinhas” como diria o meu dilecto amigo, camarada e companheiro das horas dificeis,Tcher.

JVC - Proponho este homem para presidente de todos os blogues.

Publicado por: Madalena em abril 28, 2005 09:00 PM

WTF is RIAPA ??
Os comentários aqui são moderados ??!!
Ainda n tinha reparado !!??

Publicado por: Mr X em abril 28, 2005 09:37 PM

Não tenho qualquer tipo de intenção presidencialista, e a base de apoio não me entusiasma.

Publicado por: JCV em abril 29, 2005 12:30 AM

carbonicidade? Catamite? Safio? ó Madalena, nunca pensou em fazer concorrência ao seu dilecto camarada Saramago?

Publicado por: João Pedro em abril 29, 2005 12:50 AM

Ó madalena, o que tu querias mesmo era que eu apagasse um dos teus comentários, não era? Andas mortinha para que isso aconteça, bem sei, mas acontece que eu não tenho lá muita paciência para estes joguinhos parvos e palavrosos, de quem se julga mais importante do que realmente é.

Publicado por: José Mário Silva em abril 29, 2005 09:03 AM

João Pedro,

Quase me assustei com essa entrada de espermagnóstico de faxina à biblioteca. Mas não havia razão, afinal era mera ignorância de besugo com falta de oxigénio que não conhece o dialecto e o deletrear endêmico e disléquesia das cidades obscuras. À primeira vista, também não pareces estar muito a par das coisas do céu nem da terra nem das entranhas ou manhas. Sabes o abcedário visível e isso é quanto te basta para te sentires feliz. Cais, em consequência, na ambição oportunista de quereres rir em boa companhia quando o que devias fazer era expelires um peido que se ouvisse ou, melhor ainda, uma extrusão anatómica que te esvaziasse de vez, que te deixasse largar no dejectório deste municipio os venenos de sarcasmo que decerto carregas no tubo mal informado. A alusão ao Saramago também não te ajudou nada. Nem a ti nem a ele. Aviso: é contra os teus interesses de ser humano armares-te em Esmeralda de novelas com fins tristes porque fazendo-o impedes-me de responder-te da maneira que mais te faria proveito para voltares à tua forma original. Que Ganimedes me saíste, rapaz. Cuidado, não te deixes roubar, Zeus anda por aí à cata de meninos maduros como tu. No entretanto, fascina-te com mais uns pretextos que te deixei para matares a fome de respeito à nossa a lingua. Arçoule.

Zé Mário,

Que pedrada bem atirada!. Essa do jogo de palavras a dar-te cabo da paciência! Claro que sou menos importante que aquilo que ando a julgar, meu filho. Sério. Mas vou fazendo o que posso, aos pouquinhos, sem maldade e sem partido e sem bonecos políticos para espetar alfinetes. Mas sempre com a esperança de que gente mais importante que eu (tu e a tua colecção de amigos, entre muitos) se torne mais modesta, e se interesse pela verdade que anda por aí aos trambolhões, abandonada, à espera que reparem nela. Olha, não precisas de carregar no botão quando te vier irritar outra vez com as minhas barbaridades, desaforos e enxovalhos. Basta pedires-me, com delicadeza e sem irritação, para me ir embora. E garanto-te que me irei, que irei dar uma volta, rever a história, mudar o nome e a capa . Talvez o sexo, nunca se sabe. Não quero ser acusada de andar a agravar o estado já bastante inflamado das almorreimas do esquerdal lusitano.. Onde há problemas de almorreimas há problemas de coração, ou fígado, especialmente as de tipo crónico. Eu sei, as azeitonas e o piri-piri é que pagam as favas...

Sancho de Paternoy, Luis de Santangel, Gabriel Sánchez , Felipe Climent, and Alfonso de la Caballería.

Como é que estas cinco figuras da saga da Inquisição (director´s cut) vieram parar aqui? Devem ter saltado do teu post do kichote que ajudaste a transformar, com a ajuda do silly Crazynocrata, numa sensaborona coca-cola-mac-mac dos fingidos.


JVC –Com que então não precisas duma mulher proletária de carnes rijas para te comprimir os amortecedores de coxas (suiças, ou carnes parietais se não fores cabeludo) entre as pernas de apoio de base eleitoral? Mas isso é um suicídio! Vê-se logo que não és macaco político com experiência.

Publicado por: Madalena em maio 1, 2005 10:36 PM