« E A MONA, ONDE É QUE PÁRA? | Entrada | PRENÚNCIO DE QUEDA »

abril 21, 2005

AUTOCARROS (I)

Um autocarro em hora de ponta é um testemunho da tolerância humana. Meia centena de homens e mulheres encurralados numa plataforma ambulante, sufocados pelo calor ou encharcados, apressados, preocupados, adoentados, mal-dormidos, mal-amados, fedorentos, reumáticos, com escassos recursos de lugares sentados e pontos de apoio que só muito raramente se envolvem em cenas de pugilato físico e verbal.

Publicado por Jorge Palinhos às abril 21, 2005 11:02 AM

Comentários

Por isso é que em oito anos em Coimbra, o meu módulo de dez senhas de autocarro não chegaram a ser gastas (OK, nos últimos dois anos tinha carro e não contam).

Claro que Coimbra não é Lisboa ou o Porto, mas ainda assim acho que fiz bastantes quilómetros a pé...

Publicado por: João André em abril 21, 2005 12:09 PM

apesar de muitos desses adjectivos também se aplicarem prefiro o metro. em plena hora de ponta faço vinte minutos bastante tranquilos comparados com o suplicio do autocarro (antes do metro "aterrar" a escassos 5 minutos a pé de minha casa).

Publicado por: bruno em abril 21, 2005 12:19 PM

Eu aguardo, ansiosamente, que o M de Lx passe a Km, para as minhas bandas.

Publicado por: jpb em abril 21, 2005 01:37 PM

viagem de comboio, os que podem, claro! :)

Publicado por: Kraak/Peixinho em abril 21, 2005 03:05 PM

Bela imagem do mundo dos nossos dias...
;)

Publicado por: tb em abril 21, 2005 06:27 PM

Só confirma a frase "quem nuca andou de autocarro não conhece o mundo".
Se bem percebi o Jorge mora no Porto, Provavelmente já nos cruzámos nalgum STCP por aí.

Publicado por: João Pedro em abril 22, 2005 11:37 PM