« ENTRE MÃE E FILHA, NO SUPERMERCADO | Entrada | TUDO DE VOLTA AO NORMAL »

abril 20, 2005

O FADO DA RENOVAÇÃO COMUNISTA

aqui o tinha notado antes, e hoje infelizmente confirmou-se mais uma vez. Luís Sá, João Amaral, José Barros Moura, Lino de Carvalho, agora Edgar Correia. Triste sina persegue esta geração. Triste sorte a deles.

Publicado por Filipe Moura às abril 20, 2005 04:56 PM

Comentários

E entretanto o outro é eterno. Sem inveja. Mas acho que o estalinismo conserva. E as tensões da dissidência matam.

Publicado por: fernando venâncio em abril 20, 2005 05:10 PM

Filipe, ele continuou sempre a afirmar-se como comunista? Pergunto-te porque não sei.

Publicado por: André em abril 20, 2005 06:11 PM

Mas ainda não perceberem que o unico meio de Renovação Comunista que existe é o comunistas morrem todos ?!!

A unica via de renoavção para as teses comunistas é elas deixarem de existir ! Visto que é uma ideologia tão retrogada e bârbara que não deixa margens para liftings !!!

Os "Renovadores" apenas estão a fazer o seu trabalho de renovação !!!


Publicado por: Mr X em abril 20, 2005 09:28 PM

André, só uma pessoa completamente de fora desta área ideológica (como tu...) faria essa pergunta como fazes.
Primeiro é preciso definir o que é, hoje em dia, ser comunista. Eu não sei e não creio que o Edgar Correia soubesse.
TOmando para efeitos práticos como definição de comunismo o posto na prática, o modelo soviético, aí o Edgar Correia até nem foi dos primeiros a demarcar-se. No ponto decisivo, de não-retorno, do golpe de Moscovo de 1991, ele esteve com o Álvaro Cunhal. Posteriormente reconsiderou. Não sei se por convicção se por estratégia, mas reconsiderou.

Publicado por: Filipe Moura em abril 20, 2005 11:44 PM

É engraçado, Mr. X, como alguém que se abespinha sempre que se discute a Igreja Católica, porque supostamente a esquerda não teria legitimidade para falar do que não conhece "por dentro", vem aqui comentar com desfaçatez e mau gosto a morte de um comunista. A "bondade" cristã é só para as ocasiões e para as missas cantadas, não é?
E já agora, "bârbara" é a forma como o caríssimo senhor incógnito escreve em português (será português?). Há muito tempo que não via tantos erros ortográficos por frase.

Publicado por: José Mário Silva em abril 21, 2005 08:28 AM

Teve a palavra o professor, poeta, critico de arte e literatura, anti-vaticanista, jornalista, sportinguista, bloguista e motociclista. Aprende Mr X para não te armares em carapau de corrida.

Publicado por: Madalena em abril 21, 2005 08:59 AM