« MILHO | Entrada | ITÁLICO MILITANTE »

março 28, 2005

MARBURG

Um vírus da família do Ebola provoca 120 mortos numa região remota de Angola e ameaça propagar-se a outros países por contágio directo. Parece a sinopse de um romance de Michael Crichton? Parece. O problema é que a trama assustadora do potencial best-seller («O Vírus de Marburgo», com as letras do título prateadas e em relevo) está longe de ser ficção.

Publicado por José Mário Silva às março 28, 2005 10:51 AM

Comentários

Penso que ainda é cedo para imaginarmos o cenário do "Outbreak" neste caso. Quando apareceu o Ébola também os cenários não eram muito animadores e apesar do grande número de vítimas o caso não se tornou uma epidemia à escala mundial.
Até agora a infecção está limitada geograficamente. Esperemos que se consigam eliminar os focos de contágio rapidamente e que se evite a propagação da doença.

Publicado por: Nelson em março 28, 2005 11:10 AM

Região remota de Angola? Para além do Uíge já chegou cá a Cabinda, depois de ter ido para Luanda (Cacuaco). E agora há o risco de estar na Huíla por um dos enfermeiros que tratou a única vítima mortal ter viajado para esta província...

Publicado por: Miguel S. em março 28, 2005 12:07 PM

O homem já está localizado e isolado. Agora é esperar, assim como todos os que já estão de quarentena. Nada de alarmismos mas "olho vivo e pé ligeiro".

Publicado por: Miguel S. em março 28, 2005 12:15 PM

O Uíge não é uma zona remota, além de ser provavelmente uma das mais populosas.

Publicado por: toix em março 28, 2005 05:19 PM

O Uíge não é uma zona remota. Fica até bem perto da capital, Luanda. Basta olhar no mapa...

Publicado por: charlino em março 28, 2005 07:40 PM

Se matar só pretos não faz mal.

Publicado por: psp em março 28, 2005 07:51 PM

O vírus de Marburg não é o Ebola. O Ébola mata cerca de 90% das pessoas atingidas, o vírus de Marburg mata 20-25% das pessoas atingidas. Claro que isto não minimiza a gravidade do surto, eu até estou bastante preocupado porque o meu pai trabalha no Norte de Angola e não sei dele. Acho que esse comentário do psp é muito infeliz, porque além de serem seres humanos, o que é inquestionável, merecendo portanto o mesmo respeito que o psp tem (ou não) pela mãe dele, dado o periodo de incubação relativamente maior que o Ébola e, o facto do surto ter surgido numa área populosa, potencia a possibilidade de contágio noutros continentes (nomeadamente Europa e Portugal). Se isso acontecer (se é que não aconteceu já), quero ver se fazes comentários como o anterior....

Para quem rege este blogue, peço desculpa, mas não podia ficar calado perante a demonstração de ignorância e ignominidade no comentário do psp.

R.

Publicado por: Raul em março 29, 2005 09:47 AM

Em relação ao comentário do psp eu também o li e também tive a mesma reacção. Mas há certas coisas que não atingem o patamar humano mínimo para que eu me digne a comentar. Seria como comentar os urros de um animal selvagem e tentar dialogar com ele. Quando um cão anda a pedinchar comida à mesa o melhor a fazer é ignorar. O mesmo se passa aqui. Quando uma besta tenta mandar "bujardas" à procura de atenção o melhor é dar-lhe a atenção que merece e "cagar de alto".

Publicado por: Nelson em março 29, 2005 10:25 AM

From MADALENA, in a hurry (while being chased by two Lisbon Press operatives down a dark alley in Area 51)

To JOSÉ MÁRIO SILVA and
JORGE PALINHOS (to save time)

Zé Mário,

At last! You are showing some sorriness (parece) for the people of Angola. They have been writing about this all over the place for the last 10 days. However, correspondents of this blog and journalists not working for the public may benefit from a little help from famous Dr Leonard Horowitz about the Marburg-Ebola virus. Maybe you can profit as well by clicking his name into Google’s entrails. But get ready for heavy material– CIA, depopulation, vaccines, secret labs, military, paranoia, the usual undemocratic stuff.

Jorginho,

What’s wrong with you mate? Five posts in a row yesterday (corn to feed the many cackling birds) and five plus clues the other day on the whereabouts of a dying pope? Some fixation with number five, is it? Or maybe you prefer Enid Blyton to Jules Verne? PARRRANOIA? My goodness! You can be direct and vitriolic sometimes, pal. It felt like being bitten by a worm. Watch the overuse of the word “paranoia” though. It’s copyrighted by one of my friends, Count Vulpus.

Publicado por: Madalena em março 29, 2005 11:54 AM