« EUFORISMO | Entrada | MOMENTO MORI »

março 23, 2005

A MULHER DE CÉSAR...

Segundo a imprensa, o Governo anterior adjudicou um contrato no valor global de 500 milhões de euros (100 milhões de contos por um sistema de comunicações??? Não há aqui um exagero nisto? Um valor destes não justificaria que em Portugal se desenvolvesse um sistema alternativo em vez de comprá-lo?) três dias depois de ter sido derrotado nas eleições.
Quanto a mim não estará em causa o facto de um Governo adjudicar um contrato, mesmo que este valor astronómico talvez exigisse uma outra ponderação numa altura tão sensível politicamente.
O que me faz confusão é a notícia referir que o ex-Ministro da Administração Interna, Daniel Sanches, um dos assinantes do despacho conjunto que adjudicou o contrato, tinha ligações profissionais ao consórcio vencedor antes de ir para o Governo, o que levanta mais uma vez o problema da "promiscuidade" entre governantes e interesses privados.
O conjunto de serviços envolvido num contrato deste valor (e mesmo que haja aqui um engano nas verbas indicadas) pressupõe o envolvimento de muitos profissionais, alguns deles ligados aos partidos do governo, outros contra, outros nem por isso. Parece-me que isto é uma situação normal.
Mas como é possível que alguém se disponha a ir para Ministro de uma determinada tutela quando sabe que vai ter poder de decisão sobre determinado dossier sensível que envolve a sua actividade profissional?
E como é possível que alguém CONVIDE alguém para o Governo nessa qualidade de interessado?
E como é possível que se pretenda que alguém acredite que uma coisa com esta importância seja assinada de uma forma que só pode parecer precipitada, apenas porque urge tomar uma decisão?
Será que esta gente já ouviu falar numa coisa chamada "conflito de interesses"?
O mais grave é que este tipo de situações são provavelmente a regra e não a excepção e, depois, é claro que é fácil dissertar sobre a "ineficiência" do Estado.
Será que vamos estar livres deste tipo de "ocorrência" com o novo Governo?

Publicado por tchernignobyl às março 23, 2005 11:20 AM

Comentários

Eu só espero que haja um pouco de vergonha.
O mais provável é que, a esse nível, tudo continue na mesma. Mas esperemos que alguma coisa melhore.
Abraço.

Publicado por: Nilson em março 23, 2005 11:22 AM

"Será que esta gente já ouviu falar numa coisa chamada "conflito de interesses"?"

De certeza que sim; o problema é que esta gente pelos vistos não encontrou qualquer conflito, apenas interesses! Aliás, está muito em voga agora achar-se normal que com uma declaração de interesses, os políticos ou outros profisionais fiquem "ilibados" de qualquer "culpa" em actos que possam efectuar na sua actividade; é como se nos estivessem a avisar de que eventualmente podem incorrer no ilícito. Isto tem algum paralelismo quase com a confissão católica e o respectivo perdão posterior. (desculpem a divagação!)

Publicado por: oinsurgente em março 23, 2005 11:50 PM

Convém, entretanto, acrescentar que os dois outros concorrentes desistiram de ir até ao fim afirmando que se sabia, à partida, qual seria o ganhador...

Publicado por: jsm em março 24, 2005 07:23 PM

seria outra coisa curiosa de se investigar. porque é que em certos concursos os concorrentes vencidos por vezes com a batota mais descarada não reclamam com a energia que seria de esperar...
se calhar este tipo de cenas não é um jogo de soma zero pelo menos para a gente do meio, ou mais propriamente "milieu" ...

Publicado por: tchernignobyl em março 24, 2005 08:16 PM