« SERÁ QUE É POSSÍVEL, EM PORTUGAL, MANTER UMA COLUNA DIÁRIA (AINDA POR CIMA EXCELENTE) SOBRE TEMAS CULTURAIS? | Entrada | PARA ONDE VÃO OS LEITORES DE LIVROS BLASFEMOS? »

março 16, 2005

«NÃO LEIAM NEM COMPREM O CÓDIGO DA VINCI»

Está em curso mais uma gigantesca campanha de promoção ao mega-bestseller de Dan Brown (como se fosse preciso), desta vez made in Vaticano.

Publicado por José Mário Silva às março 16, 2005 01:11 AM

Comentários

_


Não tem tempo para ir ao cinema?...

...veja, então, filmes em 30 segundos!

No caricas!

http://ocaricas.blogspot.com/


_

Publicado por: piro em março 16, 2005 01:40 AM

Ooops... tarde demais, eu já li o Código Da Vinci, e o Pêndulo de Foucault, e o nome da Rosa e.... pronto já vou parar para o Inferno..

;) Raúl

Publicado por: Raul em março 16, 2005 03:04 AM

O Pêndulo de Foucault, merecia bem mais esta campanha do que o livrito do Dan Brown mas enfim, foi mais lido

Publicado por: JCV em março 16, 2005 10:06 AM

Esta igreja católica não tem vergonha nenhuma na cara!!!!

www.blocoesquerdaprocaralho.blogspot.com

Publicado por: Pantera em março 16, 2005 11:19 AM

Ainda se o livro fosse alguma coisa de jeito, mas não, é apenas um policialzinho que se lê bem e que tem umas ideias não conformes com a doutrina da ICAR.

Publicado por: Mariana Pereira da Costa em março 16, 2005 02:03 PM

Tanto o O Nome da Rosa como o O Pêndulo de Foucault estão uns largos furos acima do C´digo Da Vinci... Ainda melhor, para mim, é A Ilha do dia Antes...

Publicado por: Francisco Curate em março 16, 2005 10:04 PM

Sim, devo concordar contigo Francisco. Eu só li os dois primeiros e ainda não tive oportunidade de ler a Ilha do Dia Antes, mas dado o calibre dos outros dois, acho que esse não ficará atrás. No entanto, o Da Vinci é muito fácil de ler, e é óptimo para uma longa viagem de avião..

R.

Publicado por: Raúl em março 16, 2005 10:46 PM

Ó Mariana, e você acha «um policialzinho que se lê bem» coisa de desprezar?

O livro é - de resto - bem mais, e melhor, do que apenas isso. E ensinaria muito desengonçado ficcionista português a fazer uma história.

É um divertimento como há poucos no mundo, senhora.

Publicado por: fv em março 17, 2005 04:17 AM