« OS LUCROS E O DESEMPREGO | Entrada | MAIS SOBRE CUISINE INTERNATIONALE »

março 14, 2005

DA POUCA FIABILIDADE DAS PREVISÕES TECNOLÓGICAS

Em 1954, os informáticos imaginavam que os computadores pessoais do futuro (isto é, desse então remoto ano de 2004) seriam assim:

computador.jpg

Alguém se atreve a imaginar como é que serão os PC's em 2054?

Publicado por José Mário Silva às março 14, 2005 03:47 PM

Comentários

Esta foto é bem conhecida e é muito recente. Trata-se de uma brincadeira, aqui desmontada: http://www.snopes.com/inboxer/hoaxes/computer.asp

Publicado por: Pensativo em março 14, 2005 03:59 PM

Ups. É o que dá confiar nos e-mails que nos enviam...
Obrigado pelo aviso.

[Aos cépticos: querem um exemplo da utilidade dos comentários? Ei-lo. O controlo por terceiros dos possíveis erros, enganos e omissões que vamos publicando por aqui.]

Publicado por: José Mário Silva em março 14, 2005 05:21 PM

De qualquer maneira, é um exemplo importante para demonstrar: nunca confiar na ficção científica. Ficção científica, é tudo o que sejam previsões do tipo "daqui a cinquenta anos vai ser assim".

Publicado por: Filipe Moura em março 14, 2005 05:53 PM

ZM,

Não sei - não me atrevo a imaginar - como serão os computadores de daqui a 50 anos. Mas os daqui a 25 anos serão mais ou menos como segue [guarda este texto, não sei em que formato, mas guarda].

Tu tens um 'chip' implantado no cérebro. A sua capacidade é enorme, vinte ou trinta vezes o que hoje é possível na tecnologia de ponta. Na realidade, a capacidade é praticamente infinita, já que faz uso dos TEUS neorónios. Esse É o teu computador.

Está em ligação (tem um link) com a Enciclopédia Britânica e com as Páginas Amarelas [designação romântica] Terrestres. Queres ler? No problem. Lês. No teu ecrã mental (para os mais saudosos há uma imagem espacial, 3D, com sombra e tudo), aí está um texto. Queres ler um romance, mas não estás para te chatear? Pedes a leitura, com a voz de quem quiseres, a tua, por exemplo, mas a da jovem Catarina Furtado, entretanto avozinha, há-de soar-te fielmente sintetizada. E os jogos..., e os filmes... e o que entretanto se tiver inventado, pensando só no teu gozo.

Lá muito no fundo, haverá um link (também mental, claro) para um Word, onde podes escrever, clandestinamente, romances. Ou teclar um post para um clandestino blogue.

A sério: nós estamos mais perto DESSE cenário do que Camilo esteve DESTE AQUI. Porque poder eu, de Amsterdão, daqui a uns segundos, mandar este textozinho para o Mundo Inteiro, inclusive o nosso tão estremecido Rectângulo... o pobre Camilo dir-nos-ia loucos varados.

E não teria razão?


Publicado por: fernando venâncio em março 14, 2005 09:23 PM

Nota tardia:

Camilo era um exemplo bonito, mas falha como termo de comparação. 25 anos sempre são 25 anos. Pois bem, porei Miguéis, que morreu em 1980, portanto antes do PC e até do Mac.

Publicado por: fernando venâncio em março 14, 2005 09:48 PM

Isso lembra-me as previsões e as gravuras que faziam em 1900: as pessoas viajariam todas em dirigíveis, haveria prédios altíssimos - todos em art deco- e o vestuário seria exactamente o mesmo.

Publicado por: João Pedro em março 15, 2005 01:25 AM

Outra vez: exactamente, João Pedro.

Publicado por: Filipe Moura em março 15, 2005 01:38 AM

A mim faz-me lembrar a história da fibra de vidro. Quando surgiu dizia-se que era tão cara que apenas daí a uma década, década e meia poderia ser utilizada e apenas para a medicina. Apenas uns 5 anos depois começaram a fazer-se os primeiros pára-choques com ela (referências a anos são aproximadas e de memória).

Publicado por: João André em março 15, 2005 09:38 AM

Só para ler os dois comentários do Fernando Venâncio, suscitados por este post, já valeu a pena alguém ter perdido umas horas a "inventar" esta imagem.
E vou guardar o texto, FV, não sei em que formato mas vou guardá-lo.

Publicado por: José Mário Silva em março 15, 2005 01:02 PM