« DA FALÊNCIA DOS DITADOS POPULARES | Entrada | HOMENAGEM À NATA DA MALANDRAGEM »

março 01, 2005

COMPRANDO OS BILHETES PARA OS U2

Nunca me hei-de esquecer de quando fui comprar os bilhetes para os U2, há pouco mais de três anos, ainda estava nos EUA. Os bilhetes eram vendidos pela TicketMaster, e estariam disponíveis on-line e nas agências a partir das 8 da manhã de um certo dia de Outubro de 2001. Não tendo internet em casa, e de qualquer maneira não confiando na internet para estas coisas, decidi acordar às seis da manhã e dirigir-me à agência TicketMaster mais próxima, das muitas que há por Long Island, a uns minutos de carro da minha casa. Quando cheguei, já tinha pessoas à minha frente, mas isso não lhes adiantava de muito. Para evitar concentrações e "acampamentos" de fãs, de véspera, e situações como as descritas aqui (e aqui, e aqui), a TicketMaster adoptava a seguinte política: minutos antes de a loja abrir, a cada cliente era atribuído um número; esses números eram depois sorteados aleatoriamente, pelo que os clientes eram atendidos pela ordem do sorteio, e não pela ordem de chegada. (Claro que, se alguém chegasse depois da distribuição dos números, seria atendido pela ordem de chegada, mas dificilmente conseguiria um bilhete). Pode sempre questionar-se uma certa injustiça que este factor aleatório gera. As primeiras pessoas a chegar, e que não foram as primeiras a ser atendidas, ficaram aborrecidas. Havia um certo sabor a injustiça, mas eram as regras do jogo. Pelo menos ninguém tinha de passar uma noite ao relento. Mais importante do que estas questões de compra e venda é que haja bilhetes para todos os interessados. Em Nova Iorque, durante aqueles breves minutos em que aguardava pela minha vez, foi anunciada uma data suplementar de concerto!
Estávamos, repito, em Outubro de 2001: era a Elevation Tour. Eu já tinha perdido um concerto em Junho, também em Nova Iorque, quando estive numa escola de Verão. Desde então tinha-se dado o 11 de Setembro e a música New York, bastante recente, tinha ganho outro significado. Não queria voltar a perder o concerto. E não queria gastar mais do que cinquenta e poucos dólares, o preço do bilhete mais barato (e o mais alto preço que eu alguma vez pagara por um espectáculo, até hoje incluído). Lá conseguimos os nossos bilhetes, e tivemos bastante sorte: arranjámos dos melhores lugares do Madison Square Garden que aquela quantia poderia comprar. Parece que a maior procura era para os bilhetes mais caros. Um homem ainda jovem que estava à minha frente procurava obter de novo um lugar em frente ao palco (dentro do "coração" que se pode ver na imagem), para poder ver os seus ídolos de perto. Para tal, teria de desembolsar mais de cem dólares. Já o tinha feito no concerto de Junho, e decidiu repetir. O mesmo concerto, meses mais tarde. E conseguiu o bilhete. Perguntei-lhe o que fazia: disse-me que ganhava o salário mínimo.
A explicação? Não encontro outra - são os U2.

Publicado por Filipe Moura às março 1, 2005 05:21 PM

Comentários

Clap, clap, clap!

Obrigado Filipe, mais uma vez, obrigado!

Publicado por: Golfinho em março 1, 2005 06:26 PM

U2? Vi-os aquando da tour que fizeram a seguir ao Discotheque e não gostei particularmente, mesmo sabendo que o teor do concerto seria sempre mais frio que o normal devido ao tipo de albúm. Isto mesmo apesar de ter ficado a escassos 5 metros da passadeira por onde vinham mais à frente. Lembro-me que gostei mais dos Placebo que fizeram a primeira parte que dos U2.

Quanto ao preço do bilhete, bato-te facilmente: 110 euros para ver o Tom Waits em Berlim em Novembro do ano passado. A esse dinheiro junto os 70 euros pelo bilhete para o NickCave na véspera. Em ambos os casos terão sido mais bem gastos que o dinheiro (não me lembro do preço, mas certamente que foi menos) que paguei pelo tal concerto dos U2. Mas claro, são gostos. Espero que o concerto tenha sido bom...

Abraço que eu já cá não aparecia há uns tempos.

Publicado por: João André em março 1, 2005 10:42 PM

???????? Estranho. Ao preço que estão os bilhetes, pensei que fossem apenas para gajos de direita ou seja patrões... hehehehe

Publicado por: polittikus em março 1, 2005 11:20 PM

Polittikus, a força dos U2 é essa. O gajo que eu referi não era patrão. E nem eu...
Golfinho, obrigado por quê? Ora essa, é com todo o gosto!
João, já tinha dado pela tua falta. Desculpa não aparecer a perguntar notícias. Esse abraço espero que signifique que o teu braço está bom. Um abraço forte para ti também.

Publicado por: Filipe Moura em março 2, 2005 12:49 AM

pelo que se tem generalizado acerca dos fãs.
há que distingu-los. Tu deste uma bofetada em muita gente. sabes quantos posts iam ser escritos, senão escrevesses este?

Publicado por: Golfinho em março 2, 2005 02:13 AM

Quem vai ver o concerto nao e de direita, mas quando se sabe o preco dos bilhetes, os U2 e a organizacao devem ser de direita de certeza. :)

Publicado por: Asterix em março 2, 2005 09:48 AM

Filipe: bom, bom, não está, mas está bom o suficiente para escrever posts ou comentários. O que me tem atrasado na últmia semana tem mesmo sido o trabalho. Raramente escrevo de casa e apenas nas pausas do trabalho escrevo do gabinete.

Publicado por: João André em março 2, 2005 01:35 PM