« ÓSCARES | Entrada | MAIS UM CLUBE DE REAÇAS »

fevereiro 28, 2005

OS MONUMENTOS CATURRAS FICAM MELHOR COBERTOS DE NEVE

Assim que entrei pela primeira vez no Jardim do Luxemburgo, logo concluí que aquele local era feito para estar coberto de neve. Só com neve as estátuas e as fontes entram em harmonia com as plantas.
Assim que caíu o primeiro grande nevão, fui logo para lá de máquina fotográfica a tiracolo. Como eu, muitos parisienses, residentes ou de passagem, e turistas.
Não pudemos entrar. Devido às condições de intempérie, o jardim estava fechado. Só havia alguma neve, e não gelo. O jardim não é especialmente inclinado. Não havia quantidades apreciáveis de neve nas árvores que se pudessem tornar perigosas. Mesmo assim. As autoridades parisienses privam assim os visitantes do Jardim de disfrutarem do mesmo na melhor altura.
O Parc Montsouris, pelo contrário, estava aberto, com algumas partes que pudessem ser mais perigosas vedadas, e com os vigias atentos. O Parc Montsouris, recordo, que não precisa de neve para ser harmonioso. Assim se comprova mais uma vez a superioridade moral dos parques sobre os jardins. No Luxemburgo contentei-me, tal como os outros visitantes, com fotografias tiradas de fora do gradeamento.


Publicado por Filipe Moura às fevereiro 28, 2005 09:04 AM

Comentários

Que lindo. A Anita vai ao parque. Ou ao jardim. Ou lá ao que é.
Porque não escreves antes isto num postal à namorada em vez de consumires bits e largura de banda a meio mundo?

Publicado por: Ai ai em fevereiro 28, 2005 11:22 AM

De facto, parece bonito visto de longe... vivi durante 29 anos em Paris. Passada uma hora após uma queda de neve, fica tudo cheio de lama grisalha, suja e perigosa. Depois, botam sal e os sapatos ficam estragados... que bom, neve em Paris!...

Publicado por: Elvira em fevereiro 28, 2005 12:27 PM

Bacano, consumir bits, consumir largura de banda, tudo isso se justifica para ter os teus comentários. Devo ser na blogosfera portuguesa um caso único de bloguista com comentador privativo.
E não fales em "Anita", ou pode vir aí grande polémica... (Não comigo.)

Publicado por: Filipe Moura em fevereiro 28, 2005 01:13 PM

Se queres ver-te livre deste "bacano" armado em Grilo Falante, só tens de começar a escrever coisas com pés, cabeça e interesse. Se esta casa se intitula "de esquerda", que faz a tua prosa inodora, sensaborona e neutra por aqui? Ao menos, arranja temas que interessem a alguém que não viva dentro do teu umbigo.
E porque não haveria de falar na "Anita"?

Publicado por: Oh, oh! em fevereiro 28, 2005 03:27 PM

Nunca vi Paris com neve, infelizmente,
o Parc Montsourris é um que está particularmente em destaque num Blake & Mortimer(O Caso do Colar), não é?

Publicado por: João Pedro em fevereiro 28, 2005 07:05 PM


João Pedro, realmente não sei se o Parc Montsouris vem referido nesse álbum. É um parque ao sul de Paris, perto da Cidade Universitária.
Bacano, mas eu não quero nada ver-me livre de ti, pá. Nem pouco mais ou menos. Quando disse que era uma honra ter um comentador privativo, não estava a ser irónico. A tua opinião, respeito-a, como a de qualquer outro leitor. À tua mais ainda, pois resulta de uma leitura atenta e de uma participação nos comentários regular e, nos últimos tempos, num tom aceitável. Mas eu não vou deixar de escrever o que quiser escrever só para te agradar, pá...

Publicado por: Filipe Moura em março 1, 2005 01:01 AM

Ah e quanto à Anita, não tenho tempo de te explicar. Mas não é nada de muito grave. Põe blogue de esquerda anita no google.

Publicado por: Filipe Moura em março 1, 2005 01:03 AM

So uma precisão: não são "as autoridades parisienses (que) privam assim os visitantes do Jardim de disfrutarem do mesmo na melhor altura." Se assim fosse, o Parc Montsouris também estaria fechado.

Ora o Jardin du Luxembourg não esta sujeito à jurisdição da Ville de Paris, mas sim do Sénat. Talvez por isso um esta fechado e o outro aberto...

Publicado por: Vasco Campilho em março 1, 2005 10:53 AM

Et voilá! Esclarece-se assim a caturrice do Jardim do Luxemburgo - é a caturrice do senado francês. Quiçá dos senadores franceses. Quiçá dos senadores, seja de que país forem.
Com o tempo que eu levo de Paris, já deveria ter discorrido por mim isso que disseste, Vasco. Até já fui jantar ao Senado, como aqui ufanei. Mas não sabia que o Jardim do Luxemburgo estava na dependência do Senado, apesar de serem contíguos. Obrigado e manda sempre.

Publicado por: Filipe Moura em março 1, 2005 05:58 PM