« SINOPSE ELEITORAL | Entrada | MUDAM-SE OS TEMPOS »

fevereiro 20, 2005

ASSISTINDO, EM DIRECTO, À MORTE POLÍTICA DE PORTAS & SANTANA

1) Santana Lopes, por muita lata que tenha (e tem), nunca mais poderá lutar pela liderança do PSD. Esta noite, não só terá que assumir uma das mais pesadas derrotas do seu partido em legislativas como verá o PS, liderado por um político sem carisma, a alcançar o que sempre pareceu uma meta impossível: a maioria absoluta. Politicamente falando, os barões do PSD não espetarão mais facas nas costas de Santana; desta vez irão directos à jugular.

2) Depois dos constantes apelos a uma votação de dois dígitos e da reiterada certeza de que a iria alcançar, Paulo Portas não tem condições para continuar à frente do PP, se se confirmarem votações na ordem dos 7 ou 8%. Quem anda sempre a gabar-se de um inefável "sentido de Estado" e da seriedade com que encara a política, só tem, num cenário de hecatombe eleitoral como este, um caminho a seguir: engolir a soberba e demitir-se. Resta saber o que acontecerá depois. É que o PP sem Paulo Portas não é o PP.

3) Vão ser interessantes, os tempos que aí vêm. Muito interessantes mesmo.

Publicado por José Mário Silva às fevereiro 20, 2005 09:02 PM

Comentários

Só não concordo na análise ao PP e a Paulo Portas. Passar de 8.7% para 7.5 ou 8% não é motivo para demissão. Mesmo que se tenha pedido em campanha os 10%. Pela mesma lógica Sócrates teria de se demitir se não obtivesse a maioria absoluta.

Publicado por: Lourenço em fevereiro 20, 2005 09:13 PM

Não acredito que o Portas se demita. Não é menino para isso e o CDS não tem alternativas credíveis. Psicologicamente, o CDS atribui a descida ao acontecimento Santana, pelo que podem continuar em negação.

De resto, o Portas fala para um nicho de básicos, mistura de cegueira ideológica e paralisia social, que pode voltar a estar disponível daqui por 4 anos, levando a um resultado parecido com o de 2002.

Publicado por: Valupi em fevereiro 20, 2005 09:14 PM

é estranho ter assim tanta consciencia disto e ficar se aqui quieto...sem nada se poder fazer.

Publicado por: joana panda em fevereiro 20, 2005 09:15 PM

Gostaria de relembrar aqui, aquilo que foram os objectivos do PP, e que foram sorrateiramente alterando ao longo do tempo de campanha:

1) Ficar à frente dos votos PCP+BE juntos. Resultado: DERROTA TOTAL.

2) Ficar como terceiro partido. Resultado: DERROTA TOTAL.

3) Ficar acima dos 10%. Resultado. DERROTA TOTAL.

Na realidade o que sobra? Muito provávelmente ficar com os mesmo votos do BE. Nos 6-7 %.
Não deveriam antes tirar ilações sobre a liderança e o futuro de Paulo Portas à frente do PP?
Não é este facto uma evidente derrota do PP ? Ou a derrota é só do PSD !?

Publicado por: J. Afonso em fevereiro 20, 2005 09:24 PM

Nem mais, J. Afonso. São essas três derrotas absolutas de Portas que creio não poderem passar impunes.

Publicado por: José Mário Silva em fevereiro 20, 2005 09:26 PM

Pois eu sinceramente desejo que o Santana e o Portas permaneçam à frente dos seus partidos.

É que não nos podemos esquecer que a vitória da esquerda se deve muito à sua incompetência também.

Estou a ver na Televisão e a lembrar-me de todas aquelas eleições que ficava a ver se era desta que o partido onde eu votava elegia o seu primeiro deputado e não se tinha 7, 8, 9 ou 10.

Publicado por: Pedro Farinha em fevereiro 20, 2005 09:35 PM

A derrota é só do Santana e do Durão, nem sequer do PSD. É ouvir o Pacheco Pereira, um intelecto lúcido e vergonhosamente desaproveitado pelos caciques.

Publicado por: Valupi em fevereiro 20, 2005 09:43 PM

E não é que o homem vos surpreendeu e demitiu-se? Podia ter culpado a burrice dos eleitores, como costuma suceder com uns quantos quando o eleitorado não é iluminado ao ponto de eleger os candidatos “correctos”. Mas não. Derrotado em todos os seus objectivos e, mesmo sem uma hecatombe comparável à do PSD, foi fiel à sua consciência. Tomara muitos pudessem fazer o mesmo.

Publicado por: Leonardo Ralha em fevereiro 21, 2005 12:40 AM

Achei o anúncio da demissão uma fantochada, o registo patético de um mentiroso nato. Duvido que alguém o leve a sério, o homem é um bufão e não pode passar sem a ilusão cesarista.

Claro, posso estar enganado - mas apostava um jantar.

Publicado por: Valupi em fevereiro 21, 2005 08:15 AM

Morte política? A ingenuidade só funciona com os adversários...Que morte política? Perderam, ainda bem, mas escusais de vos armar em vampiros senhores! Nem na vitória conseguis destilar um bocadinho menos de ódio.
Fantochada é a política e os políticos. Só no dia em que se reconhecer isso é que vamos a algum lado.

Publicado por: zangalamanga em fevereiro 21, 2005 10:04 AM