« JARDINS, PARQUES E CATURRICES | Entrada | MORREU UMA SANTA »

fevereiro 14, 2005

LIBERTAÇÃO DA PRISIONEIRA MAIS ANTIGA DO MUNDO

Parece-me que estamos no dia ideal para lembrar estes posts (1, 2, 3) do Luis Rainha e recomendar este texto do Rui Tavares.

Publicado por Jorge Palinhos às fevereiro 14, 2005 10:08 AM

Comentários

O milagre era deixarem de ser primários...

Publicado por: João Gundersen em fevereiro 14, 2005 11:22 AM

Obrigado pela referência que me toca. Quanto ao texto do Rui, julgo que ele avalia mal o papel de Lúcia na consolidação de Fátima. É errado descrever a sua existência pós-1917 como apagada; não esqueçam que, já em Tuy, ela continuou a ter visões... até o Menino Jesus lhe apareceu. Ela nunca deixou de pressionar, com a ajuda destas "visões", a Igreja; fosse no sentido de pedir a consagração dos primeiros sábados ou da Rússia ao Sagrado Coração de Maria, fosse no sentido de actualizar e "completar" a mensagem de Fátima. O papel de Lúcia na farsa de Fátima não acabou em 17, muito longe disso. Ela pode ter sido uma das primeiras vítimas da implantação do "altar do mundo" em Portugal; mas foi por certo a principal autora deste fenómeno, sempre acolitada, claro está, por uma Igreja pressurosa e ávida de "milagres".

Publicado por: Luis Rainha em fevereiro 14, 2005 11:57 AM

Caro Luís Rainha,

Quando penso em Fátima e nos pastorinhos, costumo lembrar-me da telenovela Roque Santeiro, em cujo enredo é também uma menina, para evitar um castigo (se bem me lembro), inventa um milagre, dando assim origem a uma indústria milagreira. Hoje não será o melhor dia para falar disto; afinal houve um ser humano que morreu. Mas, adoptando um ponto de vista estritamente materialista, o que teria sido Fátima, então? Teriam os pastorinhos tido algum tipo de alucinação colectiva (de diferentes graus para os três), ou teriam simplesmente mentido para esconder qualquer coisa (e, neste caso, poderia até ter-se dado o caso de a Irmã Lúcia o ter confessado a dada altura à hierarquia católica, mas já depois de o fenómeno se ter tornado "incontrolável")?

Publicado por: L em fevereiro 14, 2005 03:27 PM

Caro Jorge:

Tu acreditas mesmo nisso?

Publicado por: Rodrigo Moita de Deus em fevereiro 14, 2005 04:17 PM

L,

Provavelmente, tratou-se de uma pequena mentira que ganhou uma escala inesperada, muito graças ao carácter mitómano de Lúcia.
Outra teoria interessante acabou por influenciar José Rodrigues na escrita do seu "Milagre Segundo Salomé": os pastores teriam visto apenas a mulher do major Genipro Almeida, vestida de forma que lhes pareceu completamente fora deste mundo...
É interessante ver que o pároco que anotou, ainda em 1917, as primeiras descrições da "visitante" escreveu que os miúdos a tinham isto com uma saia pelo meio da coxa, coisa que nenhuma mulher então vestiria. Isto foi, aliás, visto como um empecilho de vulto à aceitação, por parte da Igreja, das "Aparições"...

Publicado por: Luis Rainha em fevereiro 14, 2005 04:23 PM

Rodrigo:

Acho muito suspeito todo o secretismo e clausura a que foi submetida a Lúcia.
Não digo que ela fosse prisioneira contra vontade - uma espécie de "freira da máscara de ferro"-; mas uma adolescente analfabeta, ignorante, educada num ambiente rural, supersticioso e obscurantista, e a começar a ter as suas primeiras menstruações é muito fácil de manipular, especialmente por uma casta sacerdotal que ela foi ensinada desde o berço a temer e a venerar.

Enfim, há muitos tipos diferentes de prisões e, às vezes, as grades mais claustrofóbicas são aquelas que põem dentro da nossa cabeça.

Registo e lamento a morte de um ser humano, mas vendo o tipo de vida que levou ou a forçaram a levar e o peso que carregava aos ombros pergunto-me mesmo se o momento da morte não terá sido para ela um momento de alegria e liberdade.

Publicado por: Jorge P. em fevereiro 14, 2005 04:41 PM