« LUZ AO FUNDO DO TÚNEL? | Entrada | CHOQUE ÍNTIMO DE VALORES »

fevereiro 09, 2005

O PÚBLICO EXPRESSO

O Público é o melhor jornal português, tanto por mérito próprio como por falta de comparência dos adversários. Por isso faz espécie que se tenha rebaixado a publicar esta pseudonotícia sobre a hipotética "aposta" de Cavaco Silva numa maioria absoluta do PS.
O artigo não tem qualquer fundamento concreto: "tem manifestado essa opinião em reuniões sociais em que tem participado " (ou seja, não se sabe de nenhum momento ou situação específica em que tenha dito tal coisa); "se tem encontrado com figuras do PSD, sobretudo críticos da actual liderança de Pedro Santana Lopes" (legitimando assim as paranóias de Santana).

Em resumo, o texto é claramente um rumor divulgado para provocar uma certa reacção e favorecer a candidatura presidencial de terceiros.

Nada que o Expresso não nos tenha habituado, mas a que se esperava que o Público resistisse.

Publicado por Jorge Palinhos às fevereiro 9, 2005 02:53 PM

Comentários

Tenho bom olfacto e a mim cheira-me a noticia encomendada... digo eu de que...

Publicado por: polittikus em fevereiro 9, 2005 03:31 PM

por quem, eis a questão...
serão os mesmos gajos que arranjaram um jornal brasileiro da terceira divisão para divulgar tretas sobre o sócrates para servir de alibi ao "crime"?

Publicado por: tchernignobyl em fevereiro 9, 2005 03:40 PM

Eu não sei se o "Sr. Silva" disse o que disseram que ele disse. Não aprecio por aí além O Público e muito menos o meu homónimo, mas a verdade é que este jornal não é propriamente o pasquim do ps onde se escrevem as maiores nulidades por encomenda. É, isso sim, o jornal do sr Belmiro e, toda a gente sabe a admiração deste pelo actual regente do reino. Vai daí... que a notícia foi mesmo encomendada, só que também não foi directamente desmentida, e, isto em política o que não é desmentido pelo próprio Professor Cavaco Silva não pode ser deixado à mercê do desbocado sr jardim.

Publicado por: Elfo em fevereiro 9, 2005 05:21 PM

A questão não é saber quem encomendou a notícia, mas sim como é que uma notícia daquelas passou pelo crivo dos redactores e director (ou alguém por ele) do jornal. Não há o mínimo de fundamento, não há uma única referência a fontes, o autor da notícia parte do princípio que quem lê acredita: e o pior é que eu, como todos os leitores do Público, habituei-me a acreditar. O nível da campanha vai baixando, baixando...

Publicado por: Sérgio em fevereiro 9, 2005 11:20 PM

O Público retracta-se hoje, quinta. Está visto, e a gente já via: ganda jornal.

Publicado por: fernando venâncio em fevereiro 10, 2005 08:10 AM

se é bem verdade que no "melhor pano cai a nódoa", é difícil acreditar que isto se passou "por acaso". Só que mesmo que o não seja, é tão tosco tão tosco tão tosco...
é que se o santana ganhar as próximas ( e ele vai "ganhar" sempre de alguma forma mesmo que tenha 0% de votos ) e se por catástrofe for o próximo primeiro ministro, não se compreende que cambalhota possa dar para se posicionar para as presidenciais... dá aos calcantes como o barroso?
se perder.... ele pode querer concorrer a presidente, isso vai ser um "sonho" que o não largará sem dúvida... mas... não haverá uma voz amiga que o chame às realidades? nem que seja um psiquiatra?

Publicado por: tchernignobyl em fevereiro 10, 2005 01:42 PM