« | Entrada | REWIND »

fevereiro 02, 2005

O GENOCÍDIO É UMA QUESTÃO DE PERSPECTIVA

In response to a Turkish request, officials in the state of Brandenburg have removed a passage in a history lesson about a controversial event in Turkish history - the deaths of thousands of Armenians in the early 20th century.

(O não-genocídio)

UN Darfur report does not see genocide - Sudan

Publicado por Jorge Palinhos às fevereiro 2, 2005 12:41 PM

Comentários

a pergunta que se coloca é: esteve o meu amigo na Arménia?

Publicado por: tchernignobyl em fevereiro 2, 2005 01:00 PM

Se calhar irá acontecer-nos o mesmo em relação ao ano de 2004, irá ser cuiadosamente apagado da história

Publicado por: um porco e uma vaca em fevereiro 2, 2005 05:23 PM

Tchern, quando perguntas "esteve na Arménia" era na altura do genocídio ou nos dias de hoje?
Eu nunca estive na Arménia mas já estive na Casa da Arménia da Cidade Universitária de Paris (é uma boa aproximação). Por todo o lado se viam cartazes a apelar à participação numa manif contra a entrada da Turquia na UE. Conheço arménios, gente do mais progressista que há, e que nem podem ouvir falar em turcos.

Publicado por: Filipe Moura em fevereiro 2, 2005 06:29 PM

certo filipe, o meu comentário foi uma divagação quando ainda estava a remoer um comentário do valupi lá mais para baixo sobre os "pressupostos" dos meus comentários às eleições do Iraque.
relativamente à arménia, não deixa de ser talvez instrutivo pensar que foram apenas algumas das vítimas que proporcionaram que a Turquia seja hoje um estado muçulmano "relativamente ocidentalizado". o esforço de "ocidentalização para reduzir o atraso" contra a paralisia atávica do mundo islâmico levado a cabo pelo Ataturk que granjeou à turquia o estatuto de "parceiro apresentável" e a Kamal a estatura de "grande estadista", passou por um imenso massacre. DEpois, há quem se admire do fanatismo dos "irmãos muçulmanos".

Publicado por: tchernignobyl em fevereiro 2, 2005 07:06 PM

"Ao falarmos de genocídio [o extermínio deliberado, parcial ou total, de uma comunidade, grupo étnico, racial ou religioso] a maioria das pessoas associa o vocábulo ao destino cruel de seis milhões de Judeus durante a II GM e aos massacres perpetrados no Ruanda. Sobeja, não obstante, o extermínio por parte dos turcos de cerca de 2 milhões de arménios, iniciado entre 1894-96 [600.000 mortos devido ao incumprimento do Tratado de Berlim pelo governo turco] e que teve o seu sangrento culminar entre 1916 e 1918 [1.500.000 mortos às mãos do governo dos Jovens Turcos]. O monte Ararat, inacessível do outro lado da fronteira [na Turquia], simboliza o espectro da perda que constitui um dos pilares capitais da identidade arménia. Simboliza uma nação por concretizar". (de um post antigo que escrevi)
Mas pronto, se calhar não aconteceu nada... Aliás, o Holocausto tb nunca aconteceu.

Publicado por: Francisco Curate em fevereiro 2, 2005 09:50 PM

A relatividade do genocídio?

É como tudo! Se és benfiquista, quando o Nuno Gomes cai na área é penalty. Se não és benfiquista é teatro e devia levar amarelo.

Na guerra só há heróis e vítimas do lado vencedor. Do lado perdedor há criminosos de guerra e baixas.

Publicado por: Nelson Sousa em fevereiro 6, 2005 11:45 PM