« O GENOCÍDIO É UMA QUESTÃO DE PERSPECTIVA | Entrada | AS CARTAS ESTÃO LANÇADAS »

fevereiro 02, 2005

REWIND

Um pequeno exercício na secção Almanaque:
Substitua os números por palavras à sua escolha no texto abaixo.

From (1) (2), (3):

U.S. Encouraged by (4) Vote
Officials Cite (5)% Turnout Despite (6) Terror

by (7), Special to the New York Times

WASHINGTON, (8)-- United States officials were surprised and heartened today at the size of turnout in (9) election despite a (10) terrorist campaign to disrupt the voting.

According to reports from (11), (12) per cent of the (13) million registered voters cast their ballots yesterday. Many of them risked reprisals threatened by the (14).

...A successful election has long been seen as the keystone in President (15) policy of encouraging the growth of constitutional processes in (16). The election was the culmination of a constitutional development that began in January, (17), to which President (18) gave his personal commitment when he met (19) and (20), the (21), in (22) in (23).

The purpose of the voting was to give legitimacy to the (24), which has been founded only on (25) when President (26) was overthrown by a military (27).

Ver resultados abaixo.

From September 3, 1967:

U.S. Encouraged by Vietnam Vote
Officials Cite 83% Turnout Despite Vietcong Terror

by Peter Grose, Special to the New York Times

WASHINGTON, Sept. 3-- United States officials were surprised and
heartened today at the size of turnout in South Vietnam's presidential
election despite a Vietcong terrorist campaign to disrupt the voting.

According to reports from Saigon, 83 per cent of the 5.85 million
registered voters cast their ballots yesterday. Many of them risked
reprisals threatened by the Vietcong.

....A successful election has long been seen as the keystone in
President Johnson's policy of encouraging the growth of constitutional
processes in South Vietnam. The election was the culmination of a
constitutional development that began in January, 1966, to which
President Johnson gave his personal commitment when he met Premier Ky
and General Thieu, the chief of state, in Honolulu in February.

The purpose of the voting was to give legitimacy to the Saigon
Government, which has been founded only on coups and power plays since
November, 1963,
when President Ngo Dinh Deim was overthrown by a
military junta.

Publicado por tchernignobyl às fevereiro 2, 2005 12:50 PM

Comentários

Tcher, different war, same agenda. God bless America...(get ready for the wolf pack at three o’clock – i.e. from the right - when they see this).

Publicado por: Germano Filipe em fevereiro 2, 2005 03:13 PM

Christofer Hitchens não concorda contigo

http://slate.msn.com/id/2112895/

Publicado por: Nuno Anjos em fevereiro 2, 2005 07:54 PM

Nuno, Hitchens also writes for "Playboy", "Mayfair" or whatever. Likes America a lot. His choice.I like America too: the Rocky Mountains,Julia Roberts and the rest. My choice. He used to write for the New Statesman in old times when being on the left was more fashionable and proper. But the Soviet Empire fell and he had to find better things to write about. Clever guy. He had, and perhaps still has,a column in the Daily Mirror, the only paper who fought for Britain not to get involved with in the war with Iraq. That paper published some of the best political jokes ever, together with his lonely reports from America against the general opinion that there were any WMD to be found. So who is Cristopher (not Cristofer, I think) Hitchens - a guy who goes to the toilet like any of us every morning and looks at the crap before flushing the loo?

Publicado por: Germano Filipe em fevereiro 2, 2005 09:27 PM

Muita bem esgalhado! Os meus parabéns pelo passatempo!

Publicado por: André Militão em fevereiro 2, 2005 09:36 PM

Hum! E depois? Além disso o próximo Vietnam vai ser o Brasil (segundo RDP).

Publicado por: zangalamanga em fevereiro 3, 2005 10:06 AM

caro nuno, obrigado pela sugestão de leitura.
a minha opinião é que o artigo começa logo por ser um bocado parvo quando compara estas eleições com as eleições palestinianas, afegãs e iranianas.
quanto ao caso que nos interessa, o vietnam, por muito interessante que seja a leitura falha o objectivo porque não necessitamos dele, não somos assim tão parvos ou ignorantes que não saibamos que o contexto histórico, político geo-estratégico, o que se queira é diferente.
para já, em termos "estreitos" o que interessa realçar é o facto de a notícia poder ser usada em ambos os casos sem se perder o essencial da informação que pretende veicular. Já noutro plano mais "político", o "jogo" que eu fiz acaba por fazer mais sentido como observação crítica do mesmo optimismo inconsciente que pretende justificar perante a opinião pública procedimentos criminosos e irresponsáveis pintando à boa maneira da propaganda um cenário idílico quando na realidade tudo se encontra em adiantado estado de decomposição.
a terminar o artigo não falta o toquezinho autojustificatório do homenzinho. Naquela época, justificava-se (porque ele participou empenhadamente ) o movimento anti-guerra, hoje quem se opõe a ela são apoiantes baathistas e fundamentalistas. Tal como cá. Alguns dos propagandistas que lemos diariamente nos jornais justificam os mercenários das empresas privadas que enxameiam o iraque espalhando o terror entre as populações mas indignam-se contra a Pide porque um dia levaram um chuto ou lhes raparam o cabelo.~Eles estão sempre do lado da "legitmidade".

Publicado por: tchernignobyl em fevereiro 3, 2005 10:50 AM

Sinceramente, não me apetece comparar o Vietnam com o Iraque. Lembro-me da primeira Guerra do Golfo, lembro-me da segunda Guerra do Golfo. Não me lembro do Vietnam. Do Vietnam só sei o que vi em documentários e em filmes (alguns bons, outros do Chuck Norris).

A verdade é que li o artigo com os números e ia substituindo os números por palavras como "Iraqi", "Rebels", "Baghdad", "Bush", etc. A notícia não perdeu actualidade, só a ganhou.

E independentemente de se concordar com a guerra ou não, independentemente de se achar que os EUA fizeram bem em atacar ou não, ou se havia ou não armas de destruição maciça, é preocupante que uma tal notícia pudesse ser escrita quase 40 anos depois e ninguém repararia que é uma notícia antiga, referente a outra guerra.

Não querendo começar com comparações entre a realidade e os livros do Orwell, por mais acertadas que fossem algumas das suas previsões, lembro-me que no 1984 as guerras mudavam frequentemente de adversário. As notícias eram as mesmas, só mudava a nacionalidade dos heróis e dos vilões. E isso é preocupante.

Publicado por: Nelson Sousa em fevereiro 6, 2005 11:33 PM