« OS NEUTRINOS OSCILAM | Entrada | ELEIÇÕES? NEM SEI PARA QUE NOS INCOMODAMOS COM TAL COISA... »

julho 28, 2004

DIGA O QUE DISSER, O MISTER ESTÁ SEMPRE CERTO

No DN de hoje, há uma caixa (no fim das páginas dedicadas à discussão do programa de Governo) em que Nuno Simas descreve o que se passou «nos corredores de São Bento». Está lá tudo: a subserviência, a idolatria e o seguidismo acrítico do povo laranja, prostrado aos pés do líder que passeou a sua recém-estreada pose de estado (e o seu eterno capacete de gel) pelo Parlamento, com 16 . sim, leram bem: dezasseis . guarda-costas atrás. Infelizmente, o link para a peça não está disponível. Mas deixo-vos o elucidativo primeiro parágrafo:
«Os rituais parlamentares têm destas coisas. Ainda o novo primeiro-ministro não tinha dito uma palavra do seu discurso . aquela frase "senhor Presidente, senhores membros do Governo, senhores deputados" . e já as bancadas da maioria . PSD e CDS/PP . se apressavam a aplaudir Pedro Santana Lopes. De pé. Todos? Todos não. A ex-ministra Teresa Patrício Gouveia, que criticou o processo de substituição de Durão Barroso por Santana Lopes, preferiu ficar sentada... Os deputados da coligação que trocou de primeiro-ministro a meio do mandato esforçaram-se por dar "sinais exteriores" de união na estreia de Santana. Mesmo sem saber o que ia dizer!»

Publicado por José Mário Silva às julho 28, 2004 11:27 AM

Comentários

A maioria silenciosa, quando se manifesta, revela, naturalmente, inexperiência.
:))

Publicado por: Francisca em julho 28, 2004 02:11 PM

É Teresa Gouveia, sem Patrício pelo meio. Ai, os lapsos destes jornais de referência...

;-)

Publicado por: SP em julho 28, 2004 02:29 PM

Meu, eu não gosto nada do Santana mas gostaria de saber o que é que faria uma maioria PS/BE no primeiro discurso de um eventual primeiro-ministro Ferro Rodrigues...

É uma questão pertinente, não achas?

Publicado por: Rui Silva em julho 28, 2004 04:25 PM

Se eles sãos os mesmos... E se não os pais, os filhos e filhos dos filhos dos que já tiveram esse papel de 'lambedores' do chefe único e patrão: "Apoiado!" Paf-paf-paf... "Muito bem!" Paf-paf-paf... No governo que também não ia a sufrágio de eleições.

Publicado por: Charles em julho 28, 2004 04:29 PM