« A CASA DA NOSTALGIA (2) | Entrada | DIGA O QUE DISSER, O MISTER ESTÁ SEMPRE CERTO »

julho 28, 2004

OS NEUTRINOS OSCILAM

Prometi física a sério na semana passada e aqui a têm. Não é nenhuma opinião de um teórico, como a de Stephen Hawking (pareço um daqueles meus amigos do CERN ou do laboratório de Brookhaven que ficam horas a fio a controlar aparelhos para medirem secções eficazes).
É verdade: seis anos depois da descoberta das oscilações de neutrinos (e da confirmação da sua massa), este fenómeno foi agora identificado directamente nos neutrinos atmosféricos, no caminho do Sol para a Terra. Uma explicação básica e concisa do fenómeno e das suas consequências pode ser encontrada aqui e aqui; um bom resumo é esta notícia do Público. Com isto confirma-se uma hipótese que tinha sido aventada pela primeira vez há 35 anos por Gribov e Pontecorvo e que permite explicar o défice no fluxo de neutrinos solares observado, quando comparado com o previsto teoricamente.
Como reagir quando foi confirmada uma teoria com 35 anos? Um físico teórico poderá encolher os ombros... No estado actual da Física fundamental, em que a teoria anda muito à frente da experiência, tornando-se muitas vezes especulativa (por dificuldades tecnológicas e de outros tipos em fazer experiências a uma escala de energia em que estes fenómenos se passam), esta é "mais uma" hipótese que acaba por ser confirmada. Com excepção do célebre bosão de Higgs (que ainda está em investigação e não está de forma alguma excluído), tudo o que as teorias sérias (ao ponto de durarem tantos anos sem nunca lhes ter sido detectada nenhuma inconsistência) previram foi detectado quando se esperava. (Não incluo aqui, e em nenhum lugar deste texto (quando fale de teorias) as célebres teorias supersimétricas e de supercordas. Vamos ver nos próximos anos, quando finalmente entrar em vigor o colisionador LHC no CERN.)
Mas como vêem eu sou optimista. O optimismo é uma qualidade essencial na Física Teórica. Einstein encolheu os ombros quando a relatividade geral foi confirmada e disse que, se não tivesse sido esse o resultado, a experiência estaria errada. Paul Dirac deduziu a sua célebre equação quântica relativista para o electrão com base em princípios puramente estéticos, sem se preocupar com a existência de antimatéria (que a sua equação previa, muito antes de ser detectada). Em contrapartida, cientistas como Schroedinger e o próprio Einstein, a partir do momento em que se tornaram cépticos, nunca mais produziram nenhum resultado científico de relevo.
Mas ser optimista não significa nem deixar de ter os pés assentes na terra e nem ser arrogante ao ponto de menosprezar uma grande (e excitante) descoberta experimental. Sinto-me como quando ia para as aulas de laboratório de mecânica. O professor brincava comigo e dizia "lá está o teórico todo contente porque a teoria funciona". Na prática, o que se descobriu agora não passou de uns números de um detector, de uns gráficos de um computador. Mas é uma grande descoberta que dará seguramente um prémio Nobel daqui a uns anos. O Zé Mário que me desculpe, mas para mim isto é muito mais excitante do que os anéis de Saturno.

Publicado por Filipe Moura às julho 28, 2004 09:19 AM

Comentários

Estás desculpado, Filipe. Eu é que sou um lírico.
:)

Publicado por: José Mário Silva em julho 28, 2004 09:27 AM

Compreendo-te Filipe, mesmo que não compreenda a teoria que está por detrás disto... Talvez um dia destes vos mande alguma coisa para o itálico sobre (engenharia) química.

Publicado por: João André em julho 28, 2004 09:44 AM

Zé Mário, obrigado pela belíssima imagem! A beleza da natureza também se vê assim.
João, ficamos então à espera.

Publicado por: Filipe Moura em julho 28, 2004 10:28 AM

é um exercício de ciência bem bonito mas não chga para explicar por que é que santana é o primeiro. Isso sim, deverá demorar mais de 35 anos a provar, será mais difícil de explicar do que os cabelos no buraco negro que se chama Portugal.

Publicado por: Pedro Vieira em julho 28, 2004 11:20 AM

Stephen Hawking pouco mais pode ser que um teorico. A sorte que "os" ratos de laboratório têm em poder investigar.

Publicado por: Raio em julho 28, 2004 12:40 PM

Mais excitante, sim, sem dúvida. Mais bonito, não. Quanto mais não seja pelo facto de nos estar vedada a observação directa de neutrinos, mas não a dos belíssimos anéis de Saturno, ainda que através de "proxy".

Publicado por: Vasco em julho 28, 2004 02:37 PM

O Stephen Hawking anúncio há dias que a sua teoria estava errada!

Publicado por: Mocho em julho 28, 2004 02:59 PM

Os neutrinos têm massa. Sabe-se desde 1998 e tal nunca foi desmentido.
Vasco, nunca pus em causa a (grande) beleza da imagem aqui apresentada. Tens razão: absolutamente espectacular.

Publicado por: Filipe Moura em julho 28, 2004 03:13 PM

Quem se interessa pelo conhecimento cientifico sem ser especialista devia começar por ler o fascinante livro de I Prigogine "A Nova Aliança", salvo erro, publicado pela Gradiva.

Publicado por: Real em julho 28, 2004 03:15 PM

Nunca li, Real. A minha escola é mesmo o Feynman (e, noutro aspecto, o Jearl Walker, de quem hei-de falar). Mas agradeço a sugestão.

Publicado por: Filipe Moura em julho 28, 2004 03:18 PM

A matemática está errada desde o inicio. Recentemente é que foi descoberto o maior número primo.

Quanto é que é um mais um?
Dois.
E quanto é que é dois mais dois?
Quatro? Ou será cinco?

Publicado por: João Eduardo em julho 28, 2004 05:36 PM

O Prigogine foi prémio Nobel da Quimica nos anos noventa.

Publicado por: Real em julho 29, 2004 01:33 AM