« UM SINAL | Entrada | OS NEUTRINOS OSCILAM »

julho 27, 2004

A CASA DA NOSTALGIA (2)


"Mistério e Melancolia de uma Rua" de Giorgio de Chirico, 1914

Quando comecei a desconfiar que o império da nostalgia não encontrava fronteiras traçadas nos mapas das ideologias, decidi que era problema clínico relacionado com a idade. Mais uma vez, o dispositivo parecia infalível na sua limpidez: os jovens sonham com o futuro que ainda querem ajudar a construir; os velhos, cientes que afinal não ajudaram grande coisa, limitam-se a sonhar com dias em que tudo era melhor.
Mais do que provavelmente, não tenho razão nenhuma. Mas, no que me diz respeito, a tese geriátrica parece um êxito absoluto: tantos ataques agudos de nostalgia tenho sofrido que até temo que me esteja a transformar, desde que passei o cabo dos 40, numa criatura de direita!
Eu cresci com paixões ferozes por Ficção Científica, Comunismo, Ciência, Arte Contemporânea e tudo o mais que me parecesse atalho seguro para o Futuro . assim mesmo, a cantar com maiúscula. Agora, dá-me mais prazer mirar o futuro como era há umas décadas, revendo episódios bolorentos do "Star Trek"; agora, leio fiadas de biografias sobre imperadores romanos; agora, deixo os discos do Boulez a coleccionar pó enquanto ouço mais uma dúzia de vezes o "Pelléas et Mélisande". (Mas a maleita já há muito dava sinais que eu devia ter entendido: o meu amor desordenado pelas colagens novecentistas de Ernst, pelas praças clássicas de Giorgio de Chirico, pelas assemblages nostálgicas de Cornell, pelos monumentos saudosos de Kiefer.)
Neste dias, tenho nostalgia de tudo. Sinto saudade de tempos e paragens que conheci ou que apenas imagino: a minha infância, o Império Bizantino, Paris dos anos 20, o tempo dos meus trisavós, os dias do 25 de Abril, sei lá.
Tranquilizem-me: não sou caso único, pois não? Há por aí, no mundo real, muita gente de esquerda doente de nostalgia em último grau. Não há?

Publicado por Luis Rainha às julho 27, 2004 10:31 PM

Comentários

não contem comigo.
a não ser que seja considerado concessão o ter posto o jerusalem do kiefer como imagem de fundo do meu desktop

Publicado por: tchernignobyl em julho 27, 2004 10:48 PM

eu ainda vou no "Estranho Numa Terra Estranha"...

Publicado por: Animal em julho 28, 2004 12:12 AM

Escusavas de enumerar, anhuca. Nós já tínhamos percebido que só podia ser esse o teu curriculum vitae.

Publicado por: José Mário Silva em julho 28, 2004 08:18 AM

De esquerda e sem ser de esquerda, Luis.

PS - Com imensa pena minha a ida ao solar fica para a próxima, ok?

Publicado por: Rogério da Costa Pereira em julho 28, 2004 10:49 AM

Desculpe Dave,poderia resumir numa frase!

Publicado por: José Manuel Faria em julho 28, 2004 02:31 PM

Luta, vocês? Só se for para se libertarem das fraldas que, pelos vistos, ainda têm deusar.

Publicado por: Rogério da Costa Pereira em julho 28, 2004 02:55 PM

Desculpem lá mas "Um Estranho numa Terra Estranha" só é nostalgia cronologiacmente... Afinal de contas, aquilo é um verdadeiro manual que "ainda falta cumprir". Ficção científica à parte, quem me dera que aparecessem uns quantos Mikes a revolucionar isto. Livro fantástico!!

Publicado por: Prometeu em julho 28, 2004 03:53 PM

pois. por isso ainda vou aí...

Publicado por: Animal em julho 29, 2004 12:22 AM

Esquizofrenia é quando um indivíduo se desdobra e partilha com ele próprio saudades de um tempo que nunca viu.

Publicado por: MBP em julho 29, 2004 06:27 PM