« LEITURAS: SÃO JOSÉ ALMEIDA | Entrada | OK, ADMITO QUE ALIMENTEI ESPERANÇAS »

julho 27, 2004

LEITURAS: GEORGE JOFFÉ

Nas escassas horas por dia em que a edição electrónica do DN está disponível, vale a pena ler a entrevista (publicada ontem) de George Joffé, antigo director-adjunto do Royal Institute of International Affairs e hoje professor convidado do Kings College de Londres (apesar de o entrevistado nunca vir identificado, como é hábito na edição electrónica do DN, com um pouco de pesquisa chega-se lá). Joffé é especialista em relações internacionais no Médio Oriente. Vale a pena ler a sua perspectiva sobre a situação no Iraque e o conflito israelo-palestiniano, mesmo que possa não se concordar com tudo (e eu não concordo).

"Derrubar de forma incompetente um regime, ser incapaz de reconstruir de forma eficaz as infra-estruturas básicas do país é uma receita para garantir o caos. E foi isso o que os EUA fizeram. Os americanos e os britânicos não foram eficazes e o preço muito elevado por não o terem sido, não é pago tanto por eles mas pelos iraquianos."

"O plano [de Sharon] é bastante simples: sabe perfeitamente que a Faixa de Gaza não tem qualquer interesse e é difícil de manter. Rabin já o sabia; a retirada de Gaza há muito que fazia parte dos planos dos trabalhistas e do exército. O que Sharon está a fazer é aceitar a verdade - controlar Gaza é uma tarefa impossível e os custos não se justificam - e a ideia inteligente é usar isso para justificar a apropriação de território na Cisjordânia. (...)
Sharon compreendeu o que os demógrafos israelitas já tinham percebido há muitos anos: a alta taxa de natalidade entre os palestinianos significa que com o tempo Israel tornar-se-á um Estado judaico onde os judeus estão em minoria. (...) Sharon tenta libertar-se de um milhão de palestinianos em Gaza para lhe dar mais tempo para impor uma solução no resto dos territórios. Porque não retira da Cisjordânia? Porque não pode mover 120 colonatos e 14 mil colonos, mas pode mudar 6700 colonos de Gaza. E na Cisjordânia encontra-se a maioria dos locais sagrados judaicos, mais do que em Israel."

Publicado por Filipe Moura às julho 27, 2004 10:56 AM

Comentários