« PAREM AS MÁQUINAS | Entrada | A MADRE TERESA FICAVA MELHOR SEM BARBAS, NÃO ACHAM? »

julho 23, 2004

DAS PARÁBOLAS

«Muitos se queixam de que as palavras dos sábios frequentemente são apenas parábolas, mas sem utilidade para a nossa vida do dia a dia, que é, afinal, a única que temos. Quando o sábio diz: "Passa para o outro lado", não quer dizer que devemos ir para a outra margem, coisa que sempre poderíamos fazer, se o resultado do caminho valesse a pena. Refere-se, sim, a um lendário outro lado, a qualquer coisa que não conhecemos, que nem ele próprio consegue definir de forma mais exacta, e que por isso não nos serve de nada neste mundo. Todas essas parábolas querem dizer, no fundo, que o inexplicável é inexplicável, e isso já nós sabíamos. Mas aquilo que nos dá que fazer todos os dias são outras coisas.
Ao que alguém disse: "Porquê toda essa resistência? Se vos deixásseis guiar pelas parábolas, transformar-vos-íeis vós próprios em parábolas e ficaríeis livres das canseiras diárias."
E um outro respondeu: "Aposto que também isso é uma parábola."
O primeiro: "Ganhaste."
O segundo: "Sim, mas infelizmente só na parábola."
O primeiro: "Não, na realidade. Na parábola perdeste."»

Franz Kafka, «Parábolas e Fragmentos» (selecção e tradução de João Barrento, Assírio & Alvim)

Publicado por José Mário Silva às julho 23, 2004 04:37 PM

Comentários

Bolas também gosto de Kafka, mas nestes dias não é bem este tipo de leitura que eu preciso.
Na selecção de textos Zé Mario és de facto bom, só é pena algumas incursões politicoides, que estragam tudo.

Publicado por: provocador em julho 23, 2004 05:59 PM