« DICAS QUE SÓ DOU AOS MEUS MELHORES AMIGOS (1) | Entrada | A tribo sempre »

julho 18, 2004

Um modelo para o Pacheco

Muitos devem ter apreciado o pequeno e deslavado exercício de "crónica social" que o Pacheco foi inventar para evitar ter de falar noutras coisas numa das suas últimas crónicas de quinta feira no Público .
Nessa crónica acompanha-se a deriva de uma família suburbana portuguesa perdida entre a outra banda, Rio de Mouro e o Algarve, o filho "gótico", o divórcio, as frustrações e "last but not least" graças à magnanimidade do autor, um leque vasto de opções de voto a condizer com a total ausência de perspectivas:
a CDU, o PS e o Bloco de Esquerda (nas europeias).
A história é frouxa, palavrosa e recorre demasiado aos lugares comuns chapa sete sobre essa família de temas.
Para apimentar a próxima crónica talvez o Pacheco ganhe inspiração em histórias reais vindas do El Dorado com a vantagem de os protagonistas terem grandes hipóteses de ser entusiásticos apoiantes do Partido Republicano de cujo franchising ele detém em Portugal os direitos.

Publicado por tchernignobyl às julho 18, 2004 10:21 AM

Comentários

Às vezes o desconhecimento da realidade facilita a crítica aos textos dos outros. Quando não se conhece a população que habita a margem sul porque se vive no nosso pequeno mundinho e para além disso, não há mais realidade, é fácil achar as histórias frouxas.
As radiações afectam sempre o julgamento e a última coisa a morrer no corpo é o umbigo.

Publicado por: daniela em julho 18, 2004 12:31 PM

daniela és uma admiradora dos textos do pacheco e é a mim a quem chamas de umbiguista?

Publicado por: tchernignobyl em julho 18, 2004 12:43 PM

JPP, um "falso" desalinhado.

Publicado por: Atento em julho 18, 2004 12:44 PM

Pacheco pereira, por favor, em termos de ficção, fique-se por aqui. Esta incursão basta. Dedica-se aos seus artigos de opinião. Aliás, o melhor pacheco pereira é aquele que desalinha do unanimismo do seu próprio partido é que critica ferozmente mas com propriedade o PP desde os tempos de Manuel Monteiro até agora.

Publicado por: Sacha em julho 18, 2004 01:23 PM

A Daniela, por se atrever a questionar o eminente bloguista, é logo rotulada como "admiradora dos textos do pacheco" e vê indiciada uma ligação entre tal facto e o temido "umbiguismo". Bonita tolerância às críticas.
Mas, afinal, qual a grande diferença de qualidade literária entre o vituperado texto de JPP (mauzinho, na verdade) e a obra de génio da "imprescindível" Isabel Ferreira? É nula, mas isto não vê o olho clínico do glorioso escriba de fim-de-semana. Quem te manda a ti, sapateiro...

Publicado por: Troll em julho 18, 2004 01:58 PM

entramos na cena da pescadinha de rabo na boca troll.
a daniela criticou, eu respondi à critica e ela ripostou, até aqui tudo bem mas faltavas tu (falando em lugares comuns) com a referência requentada à "bonita tolerância à crítica".
Situa logo o carácter "construtivo" dos teus comentários.

Publicado por: tchernignobyl em julho 18, 2004 03:54 PM

se o acutilante critico literário/bloguistico Troll não vê diferença entre a qualidade dos textos da Isabel e o exercicio (mauzinho na verdade) do pacheco, aconselho a compra urgente de uns óculos. E já agora que peça a alguém que lhe faça uma interpretação do comentário da Daniela e do meu para ver se consegue situar a questão do umbiguismo.

Publicado por: tchernignobyl em julho 18, 2004 04:00 PM

de facto o texto do JPP é fraco. Mas também não é o acontecimento mais recente do senhor. A demissão do cargo da Unesco era capaz de merecer comentário. Quase dá ideia que se foi buscar o velho texto para "tapar" a dita demissão.
Tudo isso era acessório não fosse o caso do postador Tcher estar a evidenciar, dia para dia, um azedume e intolerância que não mostrava quando era mero comentador.
Parece cada vez mais reactivo e crispado e não eleva o nível do blogue. Para maior tristeza e aumento dos umbigos também temos agora a inenarrável poetisa Marta.

Publicado por: André Gomes em julho 18, 2004 04:10 PM

Se me é permitido dizer alguma coisa, gostaria de vos dizer, meus senhores, que eu não mereço tanto.
Mais gostaria de oferecer um óculos ao senhor Tcher embora me pareça irrelevante porque ele necessita efectivamente é de um aparelho auditivo ou então, quiçá, uma operação que lhe remova o umbigo.
Efectivamente, eu gostei daquele texto do JPP. E agora mereço ser queimada em pleno Rossio? Porque a minha estética não se enquadra nos critérios do Torquemada Tcher?
Valha-me Santo Ambrósio!

Já agora, vai uma caixa de bombons para o Troll, cuja lucidez mostrou não necessitar de visita ao oftamologista nos tempos mais próximos.

Publicado por: daniela em julho 18, 2004 10:19 PM

daniela é chato relembrar mas o perspicaz troll já classificou de "mauzinho" e "fracote" o texto do pacheco enquanto me chamava de intolerante por eu ter dito que tu gostavas dos textos do pacheco o que tu acabaste de confirmar pelo menos relativamente a um deles, aquele que eu acho (e parece que não estou nada sózinho) que é "atípico" porque muito xôxo.
Agora, também te digo que independentemente de qualquer tipo de lógica argumentativa podes chamar-me de intolerante, torquemada, cavaquista, enfim tudo aquilo de que te fores lembrando. é gratuito e por isso mesmo não custa nada.

Publicado por: tchernignobyl em julho 18, 2004 11:17 PM