« Stress da meia noite | Entrada | ELE É UM «POPULISTA CONTROVERSO» »

julho 12, 2004

Onde está o Wally?

Por outro lado, esta demissão do Ferro... o que significa?
Alguém me explica a razão de ser de uma demissão destas neste momento mesmo admitindo que Ferro se sentiu "traído" pelo Sampaio?
Fez isto para "lixar" ou afrontar o Sampaio?
E a oposição ao novo Governo? Não é isso o mais importante?
Medo de enfrentar o regresso do Papa Vitorino?
Mas não acabou de sair de uma vitória eleitoral?
O que é que foi? Não pode sofrer uma contrariedade que nem é um sério revés uma vez que quem ficará com o ónus da manutenção da direita no Governo é apenas o Sampaio?
Não é o historial dos disparates e becos sem saída provocados pelas .reacções. temperamentais do Ferro acompanhado de perto pela pasionaria Ana Gomes uma prova que o melhor é mesmo a esquerda e em particular o PS se deixar de indignações epidérmicas e arranjar cabeça fria, organizar-se e preparar-se para vencer as próximas eleições com uma alternativa estruturada para o governo do País?
Ou o pessoal satisfaz-se com a vitória de um partido fantasma nas eleições europeias por reacção instintiva do eleitorado contra o Governo, festejada na rua por quatro cidadãos tristonhos e bem intencionados à porta do Hotel Altis?
Com este PS incapaz de criar um movimento na desmobilizada sociedade portuguesa, ainda a sair do pesadelo Casa Pia, desarticulado, à procura de um líder de um baralho onde os ases são o Sócrates, o Lamego, o João Soares, o Coelho, provavelmente o Vitorino ou mesmo o Seguro, o que é que o pessoal estava à espera que viesse a ser o tal Governo da Esquerda que forçosamente sairia de umas eleições antecipadas?
O regresso da Edite Estrela? Do Narciso? do Gomes? do Monterroso? Dos "notáveis"? Do "aparelho"?
RENOVA-TE PS ganha a iniciativa política e depois falamos.
Ou estão à espera que seja o Bloco como de costume a fazer as despesas da crise e a levar a oposição às costas com o seu enorme grupo parlamentar para depois assumirem a pose de Estado quando chega a hora do poder e desprezarem solenemente a restante esquerda a quem conforme ao papel que lhe está reservado no script resta gritar (novamente) .ó da guarda traição traição. ?

Publicado por tchernignobyl às julho 12, 2004 01:18 AM

Comentários

O "Bloco como de costume a fazer despesas da crise e a levar a oposição às costas". Cómico.

Publicado por: MCG em julho 12, 2004 02:39 AM

Continuam as surpresas.

Concordo com quase tudo na análise que o autor deste .post. fez à situação na esquerda.

É capaz de ser um indício de que o fim do mundo está próximo.

Publicado por: Leonardo Ralha em julho 12, 2004 03:15 AM

Eduardo Ferro Rodrigues já não tinha qualquer margem de manobra no PS. Este foi o preço a pagar pela unanimidade em seu torno, em caso de eleições antecipadas. Não sejamos inocentes: Ferro não ganharia o Partido em Novembro, nem este lhe teria passado um cheque em branco para as possíveis antecipadas. Estou cada vez mais certo que um acordo foi feito: em caso de eleições agora, és candidato indiscutível; se não houver, das o lugar a outro. Era o tudo ou nada, era a aposta de uma vida. Perdeu-a, às mãos de um dos seus melhores amigos, de alguém que sempre apoiou. Ao Presidente não caberia compensar esse apoio com eleições, mas compreende-se que Ferro sinta pesar sobre si o que o amigo decidiu. Colocar nas mãos de Santana o governo é ir contra tudo aquilo por que, durante trinta e cinco anos, ambos lutaram, muitas vezes, lado a lado.
É que elas não matam, mas moem...

Publicado por: Filipe Vasconcelos Romão em julho 12, 2004 03:21 AM

A análise neste post e no anterior está muito fixe.
Em política não há amizades nem estados de alma.
Ferro demitiu-se porque é fraco, assim como o são muitos no PS. Sucumbiu. O PS é mole, à imagem do presidente que temos o desprazer de ter. O Santana pode ser um imbecil mas ao menos nunca deu uma imagem de fraco. Barroso raramente. Agora por falar nisso, os gajos do PSD não são muito sofisticados mas parecem quase todos tê-los no sítio. E os portugueses gostam disso. Vá-se lá saber porquê.

Publicado por: dave em julho 12, 2004 09:27 AM

Muito lúcido Tchern. Vais completamente ao encontro ao que tenho pensado e dito. Não podemos entrar em crises temperamentais "à Ana Gomes" ou estamos mesmo tramados. Temos de arregaçar as mangas e aproveitar este tempo para uma verdadeira organização. Neste momento o adversário é claro, e tudo o resto são desabafos desapontados ( e quase suspeito, nalguns casos, de pessoas que já se viam no governo) que têm de ser ultrapassados para construir uma oposição firme e clara, que não o tem sido.

Publicado por: Emiéle em julho 12, 2004 09:32 AM

a opinião do dave sobre os tomates é subjectiva.
Cada um tem o direito de ver os tomates da sua horta mais viçosos do que os demais.
Para mim, que não alinho nas análises piedosas do "interesse nacional" é difícil entender a atitude do barroso como algo que não seja uma fuga ditada pelo carreirismo e uma deslealdade para os seus apoiantes, mas como estes não se queixam...

quanto ao comentário da Emiéle, só acrescentaria que gostaria de saber quantos colegas de carreira do barroso agora tão críticos teriam os tomates de rejeitar este maná que lhe caiu do céu quando por vezes se assiste às situações mais ridículas nas disputas de lugares elegíveis nas listas de deputados?
o sentimento prevalecente entre a arraia sobre estas questões de oportunidades não foi bem explicitado no editorial do inenarrável saraiva do expresso quando "analisando" as opções de barroso escreveu que Guterres "desperdiçou" a opostunidade quando a teve?

Publicado por: tchernignobyl em julho 12, 2004 10:13 AM

O Ferro fez o que tinha que fazer: dizer que o rei ia nu dentro do PS. A única saída do Ferro era ir a eleições e ganhá-las. Sem isso iria sempre estar em maus lençóis dentro do partido.
Duma forma geral dizes que a esquerda não deve entrar em parafuso. Mas o Bloco já disse que vai apresentar uma moção de censura ao Governo mesmo antes de conhecer o seu programa e a sua constituição. Eu acho que é uma atitude precipitada do Bloco. As oportunidades de cascar em cima do novo Governo e do novo 1º ministro vão ser mais que muitas. Do ponto de vista da compreensão do eleitorado (antigamente dizia-se "da compreensão popular"), esta iniciativa pode ser entendida como algo que soa a .revanchismo.. Tipo, o Presidente não fez o que nós queríamos, então .bora lá. dizer-lhe que connosco não brinca. Como se tem visto, esta não é a melhor forma de responder aos adversários em política. Duma forma geral o Bloco tem sabido gerir este problema, mas desta vez acho que deve ter dado ouvidos a alguns (algumas) .Anas Gomes. que circulam por dentro da estrutura dirigente. E como vimos e pressentimos, as declarações daquele tipo revelam uma total desorientação política. O Bloco não se pode dar ao luxo de demonstrar qualquer tipo de desorientação política se quiser ser alguma vez poder. Foi evidente que o PS não tinha capacidade de resposta para aos .media. numa situação como aquela. Era como se esperassem que a decisão que foi tomada pelo Presidente nunca, jamais, podia ocorrer. Será que o Bloco pensava o mesmo?

Publicado por: Xose em julho 12, 2004 12:29 PM

Então o novo governo não foi plebescitado nas urnas e ainda por cima diz que vai manter as políticas do anterior governo (por sua vez diferentes das que propuseram nas anteriores eleições legislativas) contrárias a tudo o que o BE defende, e o Xose acha que o BE faz mal em propôr desde já uma moção de censura a um governo de um PM sem legitimidade democrática, e apoiado por partidos que hoje em dia não reflectem a vontade popular?... A isto chamo coerência política e a esmagadora maioria dos eleitores ou potenciais eleitores do BE compreende-a perfeitamente.

Publicado por: viana em julho 12, 2004 12:48 PM

O melhor post deste blogue nos últimos tempos...

Publicado por: Nuno Morais em julho 12, 2004 12:51 PM

Curioso.
Estamos a falar de oposição, esquerda, moções de censura, reacções a quente, estratégia politica, eu sei lá o que mais e... esquecemo-nos do PC.
"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades"

Publicado por: carlos camacho em julho 12, 2004 02:48 PM

o harakiri do s.paio com efeito duplamente penetrante já que o ferrinho estava as cavalitas, deixou-me extasiado!!!!!!

Que grande jogada a do durao
ahahahaahhahahahahhahahahahahhaha

Publicado por: Afonso Henriques em julho 12, 2004 03:00 PM

o nick do louça é : lobo em pele de cordeiro

Publicado por: Afonso Henriques em julho 12, 2004 03:44 PM

"Bloco como de costume a fazer despesas da crise e a levar a oposição às costas"
Como já disse aqui e volto a dizer, a culpa da crise é do PS e, em parte, do BE: do PS porque são uns incompetentes; do BE porque a câmara de Lisboa foi parar às mãos do Santana às custas dos votos que - narcisismo - roubaram ao Ps-Pcp. para quê? narcisismo. E agora, mal disseram ao Presidente que queriam formar governo com o PS - ele deve ter telefonado ao santana na altura - forma um governo rápidooo!

Publicado por: Acolito Espirita em julho 12, 2004 04:12 PM

Caro Viana,
Na minha opinião o Bloco tem mais votos do que simpatizantes e muitos mais votos do que militantes. E se os tem é porque consegue fazer passar uma mensagem política que se caracteriza pela seriedade e competência sobre os temas da política nacional que afectam milhares de pessoas que todos os dias sofrem na pele a incapacidade dos Governos para responder às suas ansiedades e aspirações. Muitas vezes até, tem sido dito que é o Bloco quem marca a agenda política da oposição. Concerteza que isto não é fruto do acaso.
Ora, competência é o contrário de populismo como estamos fartos de ver discutido recentemente. Seriedade é o contrário de oportunismo. E a forma e o momento como o Bloco aparece a aventar para a praça pública a moção de censura parece-me faltar-lhe quer a oportunidade quer o amadurecimento que costumam traduzir aquelas características. De aí me parecer que a melhor forma de fazer o combate político a esta NOVA situação passe por não dar aso a que o Bloco possa ser confundido com posições do tipo que todos nós condenamos no actual PM: populista e oportunista.

Publicado por: Xose em julho 12, 2004 04:56 PM

Caro Viana,
Na minha opinião o Bloco tem mais votos do que simpatizantes e muitos mais votos do que militantes. E se os tem é porque consegue fazer passar uma mensagem política que se caracteriza pela seriedade e competência sobre os temas da política nacional que afectam milhares de pessoas que todos os dias sofrem na pele a incapacidade dos Governos para responder às suas ansiedades e aspirações. Muitas vezes até, tem sido dito que é o Bloco quem marca a agenda política da oposição. Concerteza que isto não é fruto do acaso.
Ora, competência é o contrário de populismo como estamos fartos de ver discutido recentemente. Seriedade é o contrário de oportunismo. E a forma e o momento como o Bloco aparece a aventar para a praça pública a moção de censura parece-me faltar-lhe quer a oportunidade quer o amadurecimento que costumam traduzir aquelas características. De aí me parecer que a melhor forma de fazer o combate político a esta NOVA situação passe por não dar aso a que o Bloco possa ser confundido com posições do tipo que todos nós condenamos no actual PM indigitado: populista e oportunista.

Publicado por: Xose em julho 12, 2004 05:00 PM

Kamaradas
O Emplastro congrega apoios para se candidatar.
Sugeria uma manif em apoio deste nosso kamarada. Podiamos marcá~la para o sítio do costume.

Publicado por: pirolito em julho 12, 2004 05:30 PM

Ferro fez oq ue tinha de fazer. Se sempre pensei que o Ferro andava a ser tramado agora tenho a certeza.
O atestado de incompetencia passado por Sampaio foi o fim. Não existe paciência para ser líder de oposição destes modos.
Que venha outro renovar o partido e dar uma nova cara. A cara pouco importa, porque segundo o que ficamos a saber , a malta vota nos partidos, por isso pode ir qq um para o PS que é completamente indeferente.

Publicado por: cachucho em julho 12, 2004 05:35 PM