« Never ending story | Entrada | O PARADOXO DE BELÉM »

julho 11, 2004

COISAS QUE EU GOSTARIA DE SABER ESCREVER

O frágil ritmo da respiração do bebé que dorme ao meu lado; a mágoa que repassa os últimos acordes daquele quarteto que já só ouço em segredo; o alívio de acordar sem que isso doa; a estranheza agridoce de ver os meus filhos transformarem-se aos poucos em estranhos gentis mas distantes, com vidas cheias de portas fechadas e janelas opacas; a brandura do desespero destes dias vagos; o assombro de um ou outro momento que refulge, redentor e inesperado, sem motivo claro; mesmo a descoberta de mais uma banal maravilha para juntar a este rol.
Se ao menos eu fosse poeta, as minhas palavras talvez pudessem aspirar à condição da música, talvez fossem capazes de ignorar a fenda entre e o artifício e a essência das coisas que magoam, que nos mordem. Mas não: sei-me condenado a permanecer aquém, tagarela e inconsequente. Assim, com muito pouco tenho de me contentar. Nestas linhas repousará o meu parco consolo, por descobrir mais uma fronteira traçada pelo giz das minhas imperfeições. One more line crossed, one more mystery explained...
Uma só questão: se não consigo, se nem sequer tento, chegar às paragens que realmente almejo, porque hei-de perder tempo com excursões irrisórias a parte alguma?

Publicado por Luis Rainha às julho 11, 2004 09:08 PM

Comentários

e não sabes.

Publicado por: ele em julho 12, 2004 02:37 PM

o harakiri do s.paio com efeito duplamente penetrante já que o ferrinho estava as cavalitas, deixou-me extasiado!!!!!!

Que grande jogada a do durao
ahahahaahhahahahahhahahahahahhaha

Compensou o campeonato ahahahahahahahaha

Publicado por: Afonso Henriques em julho 12, 2004 03:19 PM