« MUITAS BOCAS, POUCA CABEÇA | Entrada | CONFRONTOS (3) »

julho 07, 2004

OS MEANDROS DA CRÍTICA

Acho deliciosa a bisbilhotice da crítica textual: andar à cata dos passos de Pessoa, as cartas que escrevia, com quem se dava, os negócios, os amores, os outros poetas, a convivência com espíritos, as cartas astrais, as ideias políticas, decifração de caligrafia difícil. Enfim, coisas de detective.
Marta Lança

Publicado por José Luís Peixoto às julho 7, 2004 01:00 PM

Comentários

Detesto essa bisbilhotice! E detesto ainda mais quando as vítimas são autores de que gosto.

Publicado por: Leitora em julho 7, 2004 06:56 PM

Paulo Pedroso ao poder , já.
estou conbosco.
pá frente popular .
coligaçom PS BE PCP já

Publicado por: Afonso Henriques em julho 8, 2004 01:56 PM

Marta: coisas de detective, exactamente. Há, no estudo de Fernando Pessoa, um elemento de jogo, há mesmo o da criação de uma ficção. Tudo isso é delicioso, não acha? Mantém os investigadores presos em casa, cheios de um belo stress, longe dos bares e dos acidentes de trânsito. São os jogos de vídeo deles.

No princípio do século XX, isso acontecia com Camilo (fizeram-se metros de estante com esses livros), depois sucedeu ao Eça, e por fim o Pessoa. E, mais ano menos ano, começa-se com o próximo, sobre quem, se calhar, já se juntava um metrozinho.

Tenha paciência, os investigadores literários parecem mesmo uns miúdos. Como você e como eu.

Publicado por: Fernando Venâncio em julho 8, 2004 05:15 PM

uns miúdos que crescem no assombro de ser pessoa

Publicado por: Marta Lança em julho 8, 2004 07:06 PM