« SOLIDÃO | Entrada | MINUTO 109 »

julho 04, 2004

PORTUGAL-GRÉCIA: 3 A 2

«E o Brasil parte novamente para contra-ataque a toda a velocidade, bola na posse de Tonino Cerezo que entra na nossa grande área, olha para o seu pé, faz pontaria e remata para a baliza, mas aparece Gaetano Scirea, um anjo vestido de azul, que intercepta a bola com o pé, e a bola sobe, sobe para o céu até ficar um pontinho que já não se vê, ninguém a consegue ver, mas depois volta a descer à terra, chega lá primeiro Fulvio Collovati, corta de cabeça e atira a bola para trás, para Scirea, Scirea passa a Oriali, todos os brasileiros entram na nossa área, a bola parece que queima, Oriali passa-a novamente para Scirea, Scirea dá para Collovati que entrega novamente a Oriali, Oriali liberta para Scirea, Oriali, Scirea, Collovati, Oriali, Scirea, quando do grande círculo se ouve um grito, é um tipo baixo, atarracado, com o cabelo todo à frente da cara, o seu nome é Bruno Conti, .Passem-me a bola., Scirea não quer acreditar e lança-lhe logo a bola, e Bruno Conti domina a bola e começa a correr como um louco, e corre, e evita os brasileiros, dribla os italianos, faz um túnel ao árbitro, corre veloz, parece um comboio perseguido pelos índios, nunca mais pára, até que da nossa linha de baliza o quarentão que a defende, o seu nome é Dino Zoff, grita. .Bruno! Onde é que vais?!? Enganaste-te no lado! Tens que ir para o outro lado!. Bruno Conti pára, olha à sua volta .Pois é! É verdade.... Dá meia volta e recomeça a correr em direcção à baliza certa, a do Brasil, e aparece Sócrates . vê-se o Brasil todo que avança em direcção a ele . ele cruza a bola para o outro lado do campo, a bola está quase a sair quando chega Antonio Cabrini, o jogador mais lindo do mundo . é tão lindo Antonio Cabrini . e todas as fãs começam a tirar-lhe fotografias, as fãs italianas, as fãs brasileiras, as fãs espanholas, na minha casa a minha mãe diz .que apetitoso que é o Antonio Cabrini. e o meu pai diz-lhe .Zinù: voltas a dizer isso e levas dois estalos à frente de toda a gente!., e Antonio Cabrini faz pose, deixa-se fotografar por todas as mulheres do mundo, quando da nossa linha de baliza se ouve o grito de um quarentão: .Antonio! Então? Despacha-te que é tarde! Temos de ganhar o nosso ou não?.; e Antonio Cabrini volta-se, olha para o nosso capitão e diz .Às ordens., e começa a correr ao longo da faixa lateral, e que linda corrida! Como é gracioso Antonio Cabrini, parece um príncipe em cima de um burro com o manto azul e tudo, chega à linha de fundo e faz um lindíssimo cruzamento para a área do Brasil. E na grande área brasileira, não há rasto dos nossos jogadores, apenas camisolas verde ouro, quando, de repente, por trás das costas de um defesa brasileiro, aparece um gajo magrinho, com o número vinte nas costas, o seu nome é Paolo Rossi, nascido em Prato, salta para o céu e parece que toca de verdade na bola. Os adeptos italianos por trás da baliza não querem acreditar, o guarda-redes brasileiro interroga-se .donde é que este gajo saiu?., e Paolo Rossi cabeceia a bola, a bola vai em direcção à baliza do Brasil, Enzo Bearzot fuma o cachimbo como uma chaminé, um adepto por trás do banco do Bearzot põe-se aos berros, na minha casa saltamos todos no ar, o meu pai pergunta .quem é que cabeceou?. .Paolo Rossi. respondemos em coro. .Então esse cabrão vai falhar!. diz o meu pai e vira-se para o outro lado, mas logo a seguir volta a ver o jogo porque a bola vai na direcção da baliza mas parece que o guarda-redes brasileiro a vai agarrar. Os adeptos brasileiros têm o coração nas mãos e os italianos também, mas esses mesmo assim continuam a ver a jogada. A bola está perto da linha de baliza, o guarda-redes estica-se, Paolo Rossi entrega-se nas mãos de Santa Rosália .Santinha, ajuda-me., o Bruno Curcurú come os Nazionale sem filtro, o Vicenzo Filiponne come a chávena de café, o meu pai come a poltrona, o guarda-redes não consegue apanhar a bola e é
GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLO!»

Excerto de «Italia-Brasile 3-2», de David Enia, traduzido por Alessandra Balsamo e publicado no último número da Revista Artistas Unidos sobre .Os teatros que vêm de Itália.. Se a final de hoje não se saldar num resultado semelhante ao do jogo mítico do Mundial de 82, resta-nos vibrar em diferido na leitura que José Airosa (dirigido por Pedro Marques) fará deste texto fabuloso, dia 9 de Julho, pelas 18h00, no Teatro Municipal de Almada.

Publicado por Margarida Ferra às julho 4, 2004 05:31 PM

Comentários

Guida: acertaste no prognóstico, mas não na modalidade. Portugal ganhou de facto à Grécia por 3-2... mas foi no voleibol.

Publicado por: José Mário Silva em julho 6, 2004 09:33 AM