julho 04, 2005


"Forged from the love of liberty", hino nacional de Trinidad e Tobago.
[Os comentários ficam abertos, sem necessitar de registo.]

julho 03, 2005

SHAZAM

Corações ao alto!

Sonatina burocrática

Aqui há uns tempos, um blogue conservador, imaginativamente chamado "On Being Conservative", dedicou ao Barnabé um poema de Álvaro de Campos

Não estou pensando em nada
E essa coisa central, que é coisa nenhuma,
É-me agradável como o ar da noite,
Fresco em contraste com o verão quente do dia,

Não estou pensando em nada, e que bom!

[etc.]

A coisa ficou uns tempos no technorati; depois esvaiu-se.

A mim deu-me que pensar. E a conclusão a que cheguei, depois de umas equações que a guilhotina da meia-noite e o fim do Barnabé mesmo aqui em cima da nuca não permitem que refaça para melhor satisfação da clientela, e rabiscando num caderno de notas que agora procurei e não consegui achar – a conclusão a que cheguei, dizia eu, é de que a direita precisa de amor.

De amor. O sisudo José Manuel Fernandes; a severa Fátima Bonifácio, sempre saudosa de uma época sem pieguice; esse conquistador do oeste que é Paulo Portas mais os seus cowboys dos sobreiros; Pacheco Pereira, que não admite a ninguém que seja mais modesto do que ele; lord João Carlos Espada; Helena Matos e a newsletter do saudoso Banco Português do Atlântico; o axiomático João Miranda; esse grande pensador da contra-reforma que é João César das Neves; Filomena Mónica na busca incessante da empregada perfeita; os desleais orgânicos Pedro Lomba e Pedro Mexia; Cavaco Silva, também chamado de o rei do bolo; e João Pereira Coutinho que já está um homenzinho – todos eles precisam de carinho, de uma ternura cósmica, transbordante, ou de uns desvelos pequeninos – miminhos, afinal – de atenção, de qualquer coisa que os acalme, que lhes dê confiança, que os deixe regressar ao colo da mãe, esse mundo certinho, seguro, cheio de cavalheirismo, rapazes com a tabuada na ponta da língua, livros com intriga e personagens, torradas.

Eu estou de saída e não sei se volto. Vocês, que aqui ficam, dêem-lhes amor.

Era uma vez um arrastão

Estive até ao ultimo momento a pensar escrever um post de despedida. Mas não. Parece-me que o melhor tributo que se pode fazer ao Barnabé é, neste seu ultimo dia, continuar como se nada fosse, procurando sempre aquilo que o fez “diferente dos outros”. Um blogue que nunca se importou de ir contra a corrente do politicamente correcto, um blogue que nunca fugiu de uma polémica por medo da polémica.

Assim, e parafraseando o João Mac Donald, também eu estou grato à Diana Andringa pelo seu vídeo ”Era uma vez um arrastão".

Porque, como diz a sinopse do documentário, ”Era uma vez um arrastão" passa em revista um crime que nunca existiu, a atitude dos media perante uma história explosiva e as consequências políticas e sociais de uma notícia falsa”.

Último post

A man walks into a bar with a slab of asphalt under his arm and says: "A beer please, and one for the road".


Obrigado pela atenção. Abraços e até já.

A essência da matemática é a liberdade

A urgência, muitas vezes falsa, da imprensa tende para resumir em duas páginas e pouco mais a vida dos grandes homens. Foi assim com Emídio Guerreiro, desaparecido neste mês de Junho de 2005.

Por certo nem as páginas todas de um jornal servem para evocar a vida de um homem, muitíssimo menos a de Emídio Guerreiro. O futuro e os conscienciosos de que nada se faz bem com pressa tratarão de organizar dignamente a memória deste lutador pela Liberdade.

Entretanto, na tentativa de contrariar um pouco essa urgência mediática, e principalmente porque sei que alguns desses conscienciosos estão sempre activos, aproveito para deixar no Barnabé um pedaço de memória e de ciência referente ao também matemático que Emídio Guerreiro foi.

O que se pode ler mais abaixo é o prefácio que o matemático Paulo Almeida, professor do Instituto Superior Técnico, escreveu para Dois apontamentos matemáticos – dois textos de Emídio Guerreiro publicados pela Sociedade Portuguesa de Matemática (mas ainda sem edição comercial). Esta transcrição é apenas mais uma forma de homenagear Guerreiro, na certeza de que será útil aos apaixonados pela Matemática portuguesa.

(Este texto, como todos os outros, manter-se-á no arquivo do Barnabé.)

Continue a ler "A essência da matemática é a liberdade"

A posta restante

Quando um tipo chega à marisqueira do bairro onde vive e o empregado com um ar meio trocista meio cúmplice lhe pergunta:
o prego é com imperial, sr. Barnabé? - percebe que esta coisa de ter um blog com uns amigos excedeu todas as suas expectativas. A cena passou-se, e repetiu-se várias vezes, depois de eu e o Daniel termos ido ao Cabaret da Coxa promover o livro e é para mim o melhor emblema do sucesso deste blog. O Barnabé conseguiu ser provocador, falar de coisas complicadas numa linguagem simples e agitar algumas cabecinhas acomodadas, ao mesmo tempo que lhes oferecia um espaço para poderem espumar à vontade. Este é, aliás, um dos benefícios do aparecimento da blogosfera que o Barnabé tão bem capitalizou: renovar a linguagem no espaço público, fornecer-lhe uma ousadia no discurso que a maioria da imprensa, demasiado cristalizada geracionalmente, não evidencia.
Tudo isto foi divertido e deu muito trabalho, sobretudo ao Daniel e ao Rui Tavares que com voluntarismo e inteligência foram quem mais contribuiu cá para a chafarica. A eles, ao André, ao Pedro e aos que a nós se juntaram depois, quero agradecer o facto de me terem deixado fazer parte do clube.
Uma palavra sobre a crise dos últimos tempos. Não usemos de paninhos quentes: o Barnabé acaba minado pelo sectarismo, mas não é essa a prova última e definitiva de que este é um blog verdadeiramente de esquerda e genuinamente português?
Estou certo de que pioneiros como o Rui e o Daniel não andarão muito tempo afastados da bloga e o mesmo pode valer para os outros. Quanto a mim, pode ser que haja novidades em Setembro, depois de umas férias retemperantes.

Até lá, queria agradecer àqueles que tiveram paciência para nos aturar e desejar a todos, como faria o Pacheco,

Saúde e bichas.

Mais quatro quadras ao mesmo assunto

Quem levas tu, ó blogueiro?
nesse caixão tão furado
é aí que vai deitado
o barnabé tão ligeiro?

meu amigo tão atento
não é nada do que you think
barnabé já virou link
tal qual pôs no testamento

meu amigo mais que tudo
tira daí o bedelho
neste caixão tão vermelho
quem vai dentro é o entrudo

inda antes que alguém saia
bebamos a derradeira
que esta cena tá porreira
pra dar parabéns à praia

Contra-décima ao enterro do Barnabé no dia 3 de Julho

Se fora eu a enterrá-lo
Esse, entre os blogues diferente
Acabara-o de repente
Sem dar azo a mais badalo
Desta morte só não calo
Contra maldizentes tantos
Que não causar deve espantos,
Nem é sucesso admirado
Quem não morre endiabrado
Fica a postar pelos cantos

Ao enterro do Barnabé no dia 3 de Julho

Aqui vai com muito abalo
Um blogue dos mais diferente
(Pois o lia tanta gente)
Vem a morte terminá-lo
Eu de pasmo já não falo
Entre os fúnebres espantos
Mas digo o que dizem tantos,
Fica o mundo admirado,
Que um blogue já finado
Queiram tantos enterrá-lo

[Saiu em contraposição desta décima outra pelos mesmos consoantes — aliás mais correcta — que se publicará no post que vem]

julho 02, 2005

Arrumar os móveis, depressa! depressa!

O Pedro Vieira do magnífico Vida Agridoce e o João Pedro da Costa d'As Ruinas Circulares (que gosta de bandas de que eu também gosto – e gostaria de assinalar isto publicamente) reenviaram-me aqui há tempos aquele inquérito agora passado de moda sobre livros (foi aqui e aqui). Não me esqueci deles; mas não tive ocasião de responder. Agora, antes que as portas giratórias (da vida!) fechem e eu fique com o casaco preso, cá vai disto:

Continue a ler "Arrumar os móveis, depressa! depressa!"

Um dia a gente chega lá

"...estava pensando que para Portugal ter uma situação de desemprego parecida com o Brasil vai precisar de pelo menos dez anos de investimento na irresponsabilidade."

Tom Zé, em reportagem de João Bonifácio, ao suplemento Y do Público.

Onde começa a escravatura

O físico Freeman Dyson publica no último número da New York Review of Books um bom artigo sobre o matemático Norbert Wiener, "ex-criança prodígio" (estudante universitário aos onze anos, licenciado aos quatorze, doutorado aos dezassete), "pai da cibernética" durante a maior parte da sua vida, e "consciência moral da ciência" na terceira idade, quando decidiu anunciar a sua recusa em colaborar com o governo dos EUA após o lançamento das bombas de Hiroxima e Nagasaki. Vale a pena ler todo o artigo, mas fica aqui uma frase para mastigar com calma.

...qualquer tipo trabalho que aceite as condições de uma competição com trabalho escravo aceita as próprias condições do trabalho escravo e é, na essência, trabalho escravo...
[any labor that accepts the conditions of competition with slave labor accepts the conditions of slave labor, and is essentially slave labor]

Concorrência com a China, trabalho infantil, falsos recibos verdes? Não. Wiener reflectia sobre a competição entre humanos e máquinas. Mas não está mal achado.

julho 01, 2005

A Beatriz apresenta-se ao mundo puxando dos seus galões

A Beatriz é a miúda mais querida do sanquiéme árrondissemã. O sanquiéme é ali na rive gôche.

Mais querida que a Beatriz só mesmo a mãe da Beatriz, que era o sorriso mais querido da Casa de Portugal (ganda nome, ganda claustrofobia) no final dos anos 90. Ela está muito bem, vê-se pelas fotos.

O pai da Beatriz também é querido, mas isso não se pode dizer (que isto aqui ainda é um blogue de homens, moribundos mas homens). Ele está muito bem, vê-se pela voz.

A Beatriz tinha esta madrugada 3 quilos 170 gramas (hoje terá um bocadinho menos, como é normal) e foi, aí pelas 4h25, a mais jovem moça do mundo.

Foi ali à Salpétrriérre. Que já fica no trréziéme arrondissemã.

(um dia acho que vou fundar um blogue chamado gárdelest)

E amanhã ou depois vou lá vê-la, porque ela já é da família. Viva a Beatriz.

ismael
do Barnabé
O Livro
Novo
Quem é o Barnabé?
Barnabé no telemóvel!
Petição Liberdade para Lúcia de Jesus!
Petição Zé Manel para o Iraque [1120]
Álbum do Barnabé
Álbum da Revolução
25 de Abril dos leitores: Cada um com seu Abril
Guarda Barnabé
Um Sarau nas Laranjeiras
A Visita do Inspector
Folhetim
Debate Sangrento
[1] [2] [3] [4]
[5] [6] [7] [8]
Barnabé XL
Cultura nas eleições 2005
Carlos Nô: desaparecidos
António Tomás: Seis horas em Lisboa
De Goya a Abu Ghraib
Luís Trindade: os Excessos de Abril
O federalismo
O tabu da sátira religiosa
Ácidos e bases da blogosfera
Chico Buarque: Budapeste
Imigração II
WG Sebald
Imigração
Renato Carmo
Manuel Monereo
Ensino Superior
Sérgio Godinho
Últimas Entradas

SHAZAM
Sonatina burocrática
Era uma vez um arrastão
Último post
A essência da matemática é a liberdade
A posta restante
Mais quatro quadras ao mesmo assunto
Contra-décima ao enterro do Barnabé no dia 3 de Julho
Ao enterro do Barnabé no dia 3 de Julho
Arrumar os móveis, depressa! depressa!
Um dia a gente chega lá
Criaturas que odeiam a liberdade e o Ocidente
Onde começa a escravatura
A Beatriz apresenta-se ao mundo puxando dos seus galões
Arquivo
O que é que tem o Barnabé?
julho 2005 junho 2005 maio 2005 abril 2005 março 2005 fevereiro 2005 janeiro 2005 dezembro 2004 novembro 2004 outubro 2004 setembro 2004 agosto 2004 julho 2004 junho 2004 maio 2004 abril 2004 março 2004
Blogues
1001 Orientes
Abrupto
O Acidental
Acuso
Ad Libitum
O Abre-surdo
Adufe
Afixe
Aguarela Temperamental
Albergue dos Danados
Almocreve das Petas
Ambio
Amor e Ócio
Ânimo
Arcabuz
Aura do Dia
Avatares de Desejo
Aviz
Bazonga da Kilumba
Beco das Imagens
Blasfémias
Blof
Blogo Social Português
Blogue de Esquerda (II)
Blogue dos Marretas
Bloguítica
Bomba Inteligente
Bota Acima
Briteiros
Buba
Cartas de Londres
A causa foi modificada
Causa Nossa
O céu sobre Lisboa
O céu ou Las Vegas
Cibertúlia
Contra a Corrente
Conversas na Travessa
Crítica de Música
Crítico Musical
Crónicas da Terra
Daedalus
À Deriva
Desassossegada
Diário Ateísta
Diário de Lisboa
O Dispensado
E o Esplendor dos Mapas
Enchamos tudo de futuros
Enfado
Enresinados
A ervilha cor de rosa
Esplanar
Esquerda Republicana
Estaleiro
Estrangeirados
Estrangeiros no Momento
Eternuridade
Fadista Valéria Mendez
Foguetabraze
Food-i-do
Fora do Mundo
Fórum Comunitário
Gato Fedorento
O Gin Tónico
Glória Fácil
Golpes de Vista
Lembranças do Guerreiro
Grande Loja do Queijo Limiano
Grão de Areia
Homem a Dias
Homem ao Mar
Um Homem na Cidade
Internet prás domésticas já
O Insubmisso
Janela Indiscreta
Janela para o Rio
Jaquinzinhos
Klepsydra
Lâmpada Mágica
Laranja Amarga
Leviathan
Lorenzetti
Maizumpomonte
Malaposta
Mar Cáustico
Mar Salgado
Marasmo do Caos
Margens de Erro
A Memória Inventada
Memória Virtual
Metrografismos
A Minha Jornada
Muro sem Vergonha
My moleskine
A Natureza do Mal
Notas Verbais
Oeste Bravio
Ondas
Opiniondesmaker
O País Relativo
Palácio dos Balcões
Partículas elementares
Pé de Meia
Placard
Ponto e Virgula
Ponto Media
Post-scriptum
A Praia
Pula pulga
Puxa Palavra
Quase em Português
No Quinto dos Impérios
Rameloso
Renas e Veados
Resistente Existencial
Rojmatolas
Rua da Judiaria
Sentidos da Vida
Serras
Sopa de Nabos
Sopa de Pedra
SOS Racismo
Sous les Pavés la Plage
Os Tempos que Correm
Terras do Nunca
O Teu Olhar
Tomara que Caia
Touch of Evil
Tugir
Turing Machine
Universos desfeitos
O Vento lá Fora
O Vilacondense
Voz do Deserto
What do you represent
Xupacabras
Pesquisa


janeiro 2009
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
Syndicate this site (XML)
Motor editorial:
Movable Type 3.2

Alojado por:
Weblog.com.pt, Blogs portugueses em Portugal

Estatística
ontem:
dia 19 - hits: 1.579; páginas: 1.264; visitas: 39; kbytes: 53.357
desde sempre:
hits: 473.611; páginas: 570.262; visitas: 411.470; kbytes: 886.429
créditos:
gerado: 2012-06-20 09:45:01
(pqstats versão 0.2)
Últimas Notícias


Público
BBC News
The Guardian
The New York Times
Barnabé Rebelo de Sousa
In Larger Freedom: propostas de Annan para Reforma da ONU
Perry Anderson sobre Rawls Habermas & Bobbio [PDF]
Programa do XVII Governo
Perry Anderson sobre Rawls Habermas & Bobbio [PDF]
Dossier R. Crumb
Sócrates vs. Santana, transcrição integral [PDF]
Forum Porto Alegre
Forum Davos
Objectivos do Milénio
Amartya Sen [PDF]
Derrida, o sobrevivente
Como sair do Iraque
Aos críticos da guerra: calem-se
Timorenses roubados de novo?
Edgar Morin sobre anti-semitismo
Os neoazelhas
Um forward sobre forwards
Richard Perle, romancista
Entrevista a Tariq Ali
Mark Lombardi, pintor de investigação
Bush em 30 segundos
Relatório Carnegie [web][PDF integral]
Instantâneos de Genebra
A guerra de Sharon
Amos Oz e Genebra
Especial Guantánamo
Edward Said
Paulo Pedroso
Zygmunt Bauman
Referência
Açoriano Oriental
aesthetics+computation
Al Ahram [ing]
Al Bab [ing]
Al-jazira [ing] American Prospect
Anarchist Studies
Angola Press
Art News Online
Art Newspaper
Artforum
Arts & Letters Daily
Asahi Shimbun [inglês]
Asian Studies
Atlantic Monthly
The Australian
BBC news
The Believer
Black Rose
Book Forum
Boston Globe
Boston Globe Ideas
Boston Review
Cairo Times
Cape Times
El Caribe
Carta Capital
Chance
Chicago Tribune
Chronicle Higher Ed
CIA Studies
City Journal
Columbia Journal Rev
Commentary
Correio Brasiliense
Corriere della Sera
Common-place
Cross Currents
Daily Kos
Daily Telegraph
Dar al Hayat [ing]
Diario della Settimana
Discover
Dissent
Diário Digital
Diário Insular
Diário de Notícias
The Economist
The Edge
Estado de São Paulo
EU politix[ing][fr]
Eurozine
Expresso
Expresso das Ilhas
Faro de Vigo
Far East Econ Rev
Le Figaro
Financial Times
First Things
Folha de São Paulo
Foreign Affairs
Foreign Policy
Forward
Frankfurter Allgemeine Zeitung [inglês]
La Gazette du Maroc
The Globalist
Globe & Mail
O Globo
The Gramophone
Granta
Guardian
Gulf News
Ha’aretz
Harper's Magazine
Hudson Review
Independent Review
Imprensa do Timor Leste
Les Inrockuptibles
In These Times
The Independent
International Herald Tribune
Iraq Daily
Japan Times
Jerusalem Post
Jerusalem Times
John Pilger
La Jornada
Jornal de Angola
Jornal de Notícias
Jornal Digital
Jornal do Brasil
Jornal Lusófono
Kuensel [Butão]
Libération
London Review of Books
Los Angeles Times
Il Manifesto
Mojo
Le Monde
Le Monde Diplo
Mother Jones
MoveOn.org
El Mundo
La Nación
The Nation
New Criterion
New Labor Forum
New Left Review
New Republic
New Scientist
New York Review of Books
New York Times
New Zealand Herald
New York Observer
NY Times Magazine
New Yorker
Newsweek
Noam Chomsky
Observer
Open Democracy
Osservatore Romano [it][pt]
Pagina 12
El Pais
El Pais [Uruguai]
Philosophers’ Mag
Philosophy & Literature
Plastic
Poets & Writers
Policy
Policy Review
Pravda[en][pt]
The Progressive
Prospect
Prototypo
Public Interest
Público
Reason
La Repubblica
Robert Fisk
Salon
Scientific American
Skeptical Inquirer
Slate
Sydney Morning Herald
South China Morning Post
The Spectator
Der Spiegel
The Straits Times
Storm Magazine
Suara Timor Lorosae
Tehran Times
Tempo [Indonésia]
The Times
This Modern World
Times Literary Supplement
Threepenny Review
Tikkun
Time Magazine
Times of India
USA Today
Utne Reader
La Vanguardia
Village Voice
Visão
WSJ Opinion
Walrus magazine Washington Post
Weekly Standard
Wilson Quarterly
The Wire
Wired
Znet · Zmag
***

Actualize o seu browser. O Explorer 5.0 [ou inferior] não vale um caracol

Melhores soluções: Opera, Mozilla, Safari [mac],Firefox, Camino [mac], Omniweb, IE 6.0

Monitor 800*600 ou superior

Fonte preferencial para títulos: Gloucester MT condensed