fevereiro 28, 2004

Crónica

Tenho um ritual diário. Beber um café, fumar um cigarro e ler um jornal da bola (que não seja "O Jogo", porque, e com todo o respeito, não me atrai minimamente). Portanto, geralmente leio ou "A Bola" ou o "Record". Como gosto bastante de ler mas nada de gastar dinheiro, leio no café. E aí, sujeito-me ao que o(a) dono(a) compra. Antes, o café onde vou comprava "A Bola". Actualmente, compra o "Record".
Admito, "A Bola" sempre foi o meu jornal favorito. E continua a sê-lo, sem desprezo para o "Record", que faz também um belíssimo trabalho informativo.
Acontece que, de há dois/três meses para cá, tenho reparado num pequeno pormenor. O "Record" publica, na sua última página, uma espécie de "homenagem" a um acontecimento ou figura pública, seja ela do desporto ou não (desde que tenha uma qualquer ligação, como por exemplo Hale Berry, numa edição desta semana, que foi apresentar um dos filmes que estão a patrocinar o Atlético de Madrid).
Até aí, tudo bem. Até é uma atitude de louvar. O senão está em que, num espaço de sete "homenagens" semanais, uma vai para o próprio jornal. Hoje, até se comemora o Centenário do Benfica (e, mesmo não sendo benfiquista, aproveito agora para endereçar os meus parabéns a toda a nação Vermelha, assim como 100 anos mais de sucessos - desde que não directamente à custa do Sporting =P). Poderiam ter "homenageado" esse acontecimento, pois não se fazem 100 anos todos os dias. Mas não. Homenagearam-se a eles próprios, dizendo que em Janeiro conseguiram uma média de vendas de 90000 jornais. E depois? Que interessa isso aos leitores? Saber qual o público que lê o jornal interessa para alguma coisa? E as suas faixas etárias? E a tiragem mensal, etc. etc. etc.?
Mas pronto... Fazer-se publicidade ao próprio umbigo também se desculpa.
Aquilo que me irritou profundamente com o "Record" hoje foi mesmo o facto de terem tratado "A Bola" como o "terceiro jornal desportivo do País", quando as sondagens e testes que o próprio "Record" publica admitem que é o segundo - eu continuo a achar que é o primeiro. Mas não fica por aí. Também apontam o dedo a "A Bola" por não publicar médias de tiragem, médias de vendas, etc., que o "Record" publica. E porquê, pergunto eu?
É claro que se publicassem diriam que eram os primeiros. Senão, veja-se:
Em 1998, tanto o "Record" como "A Bola" publicaram as suas contagens gerais. Ambas feitas pela Barame/Marktest, uma empresa reconhecida pela sua integridade e verdade nas sondagens. No entanto, em cada um dos jornais ambos dizem "eu sou primeiro, ou outro é segundo". Em que é que ficamos?!
É um pouco (ou melhor, é a mesma coisa) que a guerra das audiências. Os outros não prestam, nós é que somos bons.
Meus senhores, ao menos aprendam a ser cordiais entre colegas (tudo certo, também rivais) de profissão. Olhem para o vosso próprio umbigo e deixem o dos outros em paz. E não ataquem assim... Além de ser baixo, pode um dia vooltar-se contra vós.
E com tudo isto, um dia acabo a comprar diariamente "O Jogo", que, apesar de não ser tão bom como os outros dois, ao menos não se mete em polémicas...

Publicado por aShBuRn em 09:00 PM | Comentários (4) | TrackBack

fevereiro 27, 2004

Culturas!!!

Pois é... Embora seja uma completa paródia, as coisas passam-se mais ou menos assim!!!

Num arquipélago maravilhoso e deserto, no meio do nada, naufragaram as seguintes pessoas:
- dois italianos e uma italiana;
- dois franceses e uma francesa;
- dois alemães e uma alemã;
- dois gregos e uma grega;
- dois ingleses e uma inglesa
- dois búlgaros e uma búlgara;
- dois japoneses e uma japonesa;
- dois chineses e uma chinesa;
- dois americanos e uma americana
- dois irlandeses e uma irlandesa;
- dois portugueses e uma portuguesa;

Passado um mês, nestas ilhas absolutamente maravilhosas, no meio do nada, passava-se o seguinte:
- Um italiano matou o outro italiano por causa da italiana;
- Os dois franceses e a francesa vivem felizes juntos num menage-a-trois;
- Os dois alemães marcaram um horário rigoroso de visitas alternadas à alemã;
- Os dois gregos dormem um com o outro e a grega limpa e cozinha para eles;
- Os dois ingleses aguardam que alguém os apresente a inglesa;
- Os dois búlgaros olharam longamente para o oceano, depois olharam longamente para a búlgara e começaram a nadar;
- Os dois japoneses enviaram um fax para Tóquio e aguardam instruções;
- Os dois chineses abriram uma farmácia/bar/restaurante/lavandaria, e engravidaram a chinesa para lhes fornecer empregados para a loja.
- Os dois americanos estão a equacionar as vantagens do suicídio porque a americana só se queixa do seu corpo, da verdadeira natureza do feminismo, de como ela é capaz de fazer tudo o que eles fazem, da necessidade de realização, da divisão de tarefas domésticas, das palmeiras e da areia que a fazem parecer gorda, de como o seu último namorado respeitava a opinião dela e a tratava melhor do que eles, como a sua relação com a mãe tinha melhorado e de que, pelo menos, os impostos baixaram e também não chove...
- Os dois irlandeses dividiram a ilha em Norte e Sul e abriram uma destilaria. Eles não se lembram se sexo está no programa por ficar tudo um bocado embaciado depois de alguns litros de whisky de coco. Mas estão satisfeitos porque, pelo menos, os ingleses não se estão a divertir...
- Quanto aos dois portugueses, mais a portuguesa que tb se encontravam na ilha, até agora não se passou nada porque os dois portugueses resolveram constituir uma comissão encarregada de decidir qual dos dois homens seria autorizado a requerer por escrito o estabelecimento de contactos íntimos com a mulher.
Acontece que a comissão já vai na 17ª reunião e até agora ainda nada se decidiu, até porque falta ainda aprovar as actas das 5 últimas reuniões, sem o que o processo não poderá andar para a frente. Vale ainda a pena referir que, de todas as reuniões, 3 foram dedicadas a eleger o presidente da comissão e respectivo assessor, 4 ficaram sem efeito dado ter-se chegado a conclusão que tinham sido violados alguns princípios de procedimento administrativo, 8 foram dedicadas a discutir e elaborar o regulamento de funcionamento da comissão e 2 foram dedicadas a aprovar esse mesmo regulamento. É ainda notável que muitas das reuniões não puderam ser realizadas ou concluídas, já que 2 não continuaram por falta de quorum, uma ficou a meio em sinal de protesto por Timor e 5 coincidiram com feriados ou dias de ponte.

Publicado por aShBuRn em 11:10 PM | Comentários (10) | TrackBack

fevereiro 26, 2004

Reflexão Geral

Bom, para quem dizia que isto não iria ser actualizado com regularidade... Adiante.
Em seguimento da minha antepenúltima entrada, venho continuar a falar de blogs, mas desta vez não apenas do meu; venho falar de toda a comunidade alojada no Weblog.com.pt. É de facto impressionante a adesão que temos tido (temos porque, e não retirando mérito ao Paulo, ele mesmo é que diz que quem faz isto somos nós e não ele - eu continuo a discordar; se não fosse ele, quem éramos nós?! Mas isso agora não interessa nada...).
Imaginem vocês que eu, (como penso, todos os bloggers) costumava, obviamente, consultar diariamente as estatísticas. Há já um mês (ou mais) que não lá ia. E constatei por lá o sucesso...
Vejamos:
O Barnabé conta já (à hora a que o post é escrito) 9404 comentários. É muito (mesmo MUITO!!!) comentário!!! O Silêncio conta 5116!!!
Outra coisa: Toda a gente no Top20 tem 1000+ comentários!! Agora, imaginem que cada um tinha apenas mil... Só nos primeiros 20 seriam 20000 comentários!!! Ai, minha rica base de dados... =P
Do 21º ao 42º toda a gente tem mais de 400 comentários...
E, em todo o Top100, não há ninguém com menos de 100 comentários!!!
Mas isto não é tudo...
Falemos agora das entradas:
O amigo XupaCabras tem a espantosa quantia de 2229 (!!!!!!!) entradas, estando por isso no primeiro lugar. Até ao oitavo, toda a gente tem mais de 1000 entradas. Até ao 23º, toda a gente tem mais de 500!!! E, em todo o Top100 de sempre, ninguém tem menos de 100 entradas!!! É mesmo MUITO texto...
E que dizer das visitas?!
Quanto a essas, não há tops de sempre... Mas há o top do mês, e é nele que nos vamos basear, visto que o mês está praticamente no fim. Vejamos:
Só neste mês, volta o Sr. Barnabé a estar em evidência: 45302 visitas!!! Até ao 32º lugar, ninguém tem menos que 5000... E em todo o Top100 do mês, não há ninguém com menos de 2500 visitas!!! Agora, imaginem vocês o tráfego que, com estas visitas e tendo em conta o número de entradas/comentários analisados interiormente... A propósito, e caso o Paulo leia isto, veja lá o comentário que lhe deixei na entrada dos Serviços... Preciso de uma resposta! =P
Bom, acho que não há mais nada para dizer... Continuação, que eu vou arrumar o quarto! =D

Publicado por aShBuRn em 04:14 PM | Comentários (5) | TrackBack

História de um Filho da Puta

HISTÓRIA DE UM FILHO DA PUTA

O meu nome é Afonso Soares de Melo, e resolvi contar uma coisa que se passou comigo. Estava eu sentado no meu escritório quando me lembrei de uma chamada telefónica que tinha que fazer.

Encontrei o número e marquei. Atendeu-me um tipo mal humorado dizendo:
- Diga!!!
- Bom dia. Poderia falar com a Andreia?
O tipo do outro lado resmungou algo que não percebi e desligou o telefone na minha cara. Eu não podia acreditar que existisse alguém tão malcriado.
Depois disso, procurei na minha agenda o número correcto da Andreia e liguei. O problema era que eu tinha invertido os dois últimos dígitos do seu número.
Depois de falar com a Andreia, observei o número errado, ainda anotado em cima da minha mesa. Decidi ligar de novo.
Quando a mesma pessoa atendeu, eu disse:
- Você é um filho da puta !!!
Desliguei imediatamente e anotei ao lado do número a expressão "filho da puta"e deixei o papel sobre a minha agenda.
Assim, quando estava nervoso com alguém, ou num mau momento do dia, igava para ele e, quando ele atendia,dizia-lhe "Você é um filho da puta" e desligava sem esperar pela resposta.
Isto fazia-me sentir realmente muito melhor. Acontece que a Portugal Telecom
introduziu o novo serviço RDIS de identificação de chamadas, o que me deixou
preocupado e triste porque teria que deixar de ligar para o "filho da puta".

Então, tive uma ideia: disquei o seu número de telefone, ouvi a sua voz a dizer
"Está" e mudei de identidade:
- Boa tarde, estou a ligar da área de vendas da Portugal Telecom para saber se
o senhor conhece o nosso serviço de identificação de chamadas RDIS.
- Não estou interessado! - disse ele, e desligou na minha cara.
O tipo era mesmo mal-educado. Rapidamente, disquei novamente:
- Está?
- É por isso que você é um filho da puta!!! - e desliguei.

Aqui vai uma sugestão: se existe alguma coisa que o está realmente a incomodar, você sempre pode fazer alguma coisa para se sentir melhor: basta discar 21- 0764367 ou o número de qualquer outro filho da puta que você conheça e diga a ele o que ele realmente é.
Acontece que eu fui até ao shopping, no centro da cidade, comprar umas camisas.
Uma senhora estava a demorar muito tempo para tirar o carro de uma vaga no
estacionamento. Cheguei a pensar que nunca mais fosse sair. Por fim, o seu carro começou a mover-se e a sair lentamente do seu espaço. Dadas as circunstâncias, decidi fazer marcha atrás com o meu carro um pouco para dar à senhora todo o espaço que fosse necessário para ela sair.
"Até que enfim que se vai embora", pensei. De repente, apareceu um Vectra preto vindo do outro lado do estacionamento e entrou de frente na vaga da senhora pela qual eu estava à espera. Comecei a tocar a buzina e a gritar:
- Eh amigo, não pode fazer isso! Eu estava aqui primeiro!
O fulano do Vectra limitou-se a sair do carro, fechou a porta e ligou o alarme,
caminhando no sentido do shopping e ignorando a minha presença, como se nada tivesse ouvido. Perante a sua atitude, pensei: "esse tipo é um grande filho da puta! De certeza que há uma data de filhos da puta neste mundo!".
Foi então que reparei que o tipo tinha uma folha de papel A4 com um telefone
colada no vidro do Vectra. Então, anotei o seu número telefónico e procurei outra vaga para estacionar. Alguns dias depois, estava sentado no meu escritório e acabara de desligar o telefone - após ter discado o 21 - 0764367 do meuvelho "amigo" e dizer "Você é um filho da puta" (agora já é muito fácil ligar, pois tenho o número dele na memória do telefone), quando vi o número que tinha anotado do tipo do Vectra preto pensei:
"Devia ligar para esse tipo também". E foi o que fiz. Depois de um par de
toques, alguém atendeu:
- Está?
- Estou a falar com o senhor que está a vender um Vectra preto?
- Sim, é o próprio.
- Poderia dizer-me onde posso ver o carro?
- Sim, eu moro na Rua XV, n.º 527. É uma casa amarela e o Vectra
está estacionado em frente.
- Qual é o seu nome?
- O meu nome é Eduardo Cerqueira Marques- disse o tipo.
- Qual é a hora mais apropriada para eu me encontrar consigo, Eduardo?
- Pode-me encontrar em casa à noite e aos fins de semana.
- É o seguinte Eduardo, posso-lhe dizer uma coisa?
- Sim.
- Eduardo, você é um grande filho da puta!!! - e desliguei o telefone.
Depois de desligar, coloquei o número do telefone do Eduardo (que parecia não ter RDIS, pois não fui importunado depois de ter falado com ele) na memória do meu telefone.

Agora, tinha um problema:eram dois "filhos da puta" a quem ligar.
Depois de alguns telefonemas ao par de "filhos da puta" e de lhes desligar, a
coisa não era tão divertida como antes. Este problema parecia-me muito sério.
Pensei numa solução. Em primeiro lugar, liguei para o "filho da puta 1". O tipo,
mal-educado como sempre, atendeu:
- Alô - e então eu disse:
- Você é um filho da puta - mas desta vez não desliguei.O "filho da puta 1"
disse:
- Ainda estás aí, desgraçado?
- Siiimmmmmmmm, amooooor!!! - respondi a rir.
- Pára de me telefonar, meu filho da mãe - disse ele,irritadíssimo.
- Não paro, não, filho da putinha querido!!!
- Qual é o teu nome, piolhoso? - berrou ele, descontrolado.
Eu, com uma voz séria de quem também está furioso, respondi:
- O meu nome é Eduardo Cerqueira Marques, seu filho da puta. Porquê?
- Onde é que moras, que eu vou aí dar cabo de ti,desgraçado? -gritou.
- Você acha que eu tenho medo de um filho da puta? Eu moro na Rua
XV, n.º 527, numa casa amarela, e o meu Vectra preto está estacionado em
frente, seu palhaço filho da puta. E agora, vai fazer o quê???? - gritei eu.
- Eu vou até aí agora mesmo, meu. É bom que comeces a rezar,porque vou-te fazer a folha - rosnou ele.
- Uuiii! Ai é? Já estou cheio de medo, filho da puta. És uma merda!
- E eu estou à porta de casa à tua espera!!! - e desliguei o telefone.
Liguei imediatamente para o "filho da puta 2".
- Está? - atendeu ele.
- Olá, meu grande filho da puta!!! - disse.
- Meu, se te apanhar vou...
- Vais o quê? O que é que vais fazer??? Filho da puta!
- Vou dar-te chutos na boca até ficares sem dentes, meu!!
- Achas que eu tenho medo de ti, filho da puta? Vou-te dar uma grande oportunidade de tentares dar chutos na minha boca,pois estou a ir para a tua
casa, meu filho da puta!!! E depois de rebentar-te a fronha, vou partir todos os
vidros dessa merda desse Vectra que tens. E reza para que eu não deite fogo a
essa casa amarela de paneleiro. Se és homem, espera por mim à porta dentro
de 5 minutos, meu filho da puta!!! - e bati com o telefone no gancho.
Fiz logo outra chamada, desta vez para a Polícia e, com uma voz afectada e chorosa, disse que estava na Rua XV, n.º 527, e que ia matar o meu namorado homossexual assim que ele chegasse a casa. Finalmente, peguei no telefone e liguei para a SIC, a dizer que estava prestes a começar uma briga de um marido que ia voltar mais cedo para casa para apanhar o amante da mulher, que morava na Rua XV, n.º 527. Depois de fazer isto, peguei no meu carro e fui para a Rua XV, n.º 527, para ver o espectáculo. Foi demais, observar um par de "filhos da puta" a agredirem-se à frente de duas equipas de reportagem, até à chegada de 3 viaturas da Polícia, a qual levou os dois algemados e bastante maltratados para a esquadra.
A moral da história?
Não tem moral nenhuma! Foi sacanagem mesmo.
E, já agora, veja lá se atende o telefone educadamente, pois posso ser eu a ligar para si, por engano...

(No final de tudo, eu pergunto-me... Mas quem será o verdadeiro filho da puta?!?)

Publicado por aShBuRn em 02:23 PM | Comentários (8) | TrackBack

Ponto de Viragem

Chegou o ponto de viragem. A altura que todos nós passamos na vida, seja em que momento for. É altura de pensar; tentar assimilar todas as vertentes possíveis, escolher um caminho, tentar ver quais as possibilidades, contrariedades, vantagens e desvantagens desse caminho. Pesar tudo. Tentar ver onde cada um nos pode levar. E depois, escolher. Não é fácil; se formos a ver, nada é. Apenas é tornado mais fácil pelo nosso optimismo. Mas eu não sou optimista. Sou um pessimista por natureza. Sempre pensei que, se algo pode correr mal, correrá (sim, sou apologista dessa famosa lei do não menos famoso Murphy). No entanto, sou obrigado a reconhecer que não é bem assim; o trabalho corre bem, o namoro corre bem... Até o blog corre bem. Algo que, e como sempre disse, me fez reflectir e me surpreendeu desde início. Sinceramente, (e isto é apenas uma ideia minha) sempre pensei algo do género:
"Mas o que é que caralho vêm as pessoas aqui?! Há por aí tantíssimos blogs de qualidade superior ao meu..." Mas o facto é que as pessoas cá vêm. Fica desde já prestado o agradecimento a quem faz deste espaço um espaço a visitar. Regularmente, pelo que tenho visto no contador de visitas. Mesmo sem entradas regulares, há já um tempo que a quantidade mínima de visitas se cifra nas 120, mais coisa menos coisa. Mas já me estou a desviar; não era disto que vinha falar. Vinha falar, isso sim, da escolha de um caminho. Um caminho que terei que ser eu a escolher, visto que sou eu quem o vai percorrer. Algumas coisas continuarão como antes; outras, nem por isso. Talvez deixem, até, pura e simplesmente, de existir. Há prioridades a rever, outras a criar e, inevitavelmente, outras a destruir. Ainda não sei, nesta altura, que prioridades continuarão ou não. Só sei que terão que (algumas) ser alteradas. Daí que fique o aviso; se o blog não tem entradas regulares, é porque provavelmente será uma das prioridades a ser mudada. Não quer dizer que deixe de existir; simplesmente, e por enquanto, continuará como antes. Ou, mais provavelmente ainda, com um "timing" de actualização ainda mais alongado. Por manifesta falta de tempo; porque não sou (já fui) alguém que passe o dia em casa, sentado ou não ao computador; porque, simplesmente, a minha vida privada não o permite. Espero, no entanto, poder alterar a situação; o blog sempre foi, desde que o criei, o meu espaço de desabafo, o meu espaço de cuidados, algo que tenho sempre em conta no meu dia. É como um filho; tem que ser tratado, tem que ter atenção permanente. Pena é que a atenção que eu tenho para dispensar não seja tão permanente quanto seria desejável. Como dizia, espero poder alterar esta situação. Entretanto, e como "adenda", fica aqui uma outra entrada (acima desta) que penso que vai fazer rir alguns e deixar outros na indiferença. Não interessa; nunca interessou. Mas espero que gostem. Espero também, e em jeito de comentário final, que esta entrada não seja um adeus, mas sim um até já (sim, isto é um cliché... Mas eu não sou nenhum génio).

Publicado por aShBuRn em 01:36 PM | Comentários (0) | TrackBack

fevereiro 24, 2004

Reflexão - Parte II

A propósito da minha entrada acerca dos assassinos que há em nós, li um comentário de um caro colega blogger (cujo blog pode ser encontrado aqui).
Nesse comentário dizia que, se houvesse pelo menos um espermatozóide igual a mim que escapasse, estava tudo fodido.
Ora por um comentário destes o Pirómano entende que a sua presença não é mais desejada na blogosfera nacional.
Como tal, aqui fica o comunicado da Gerência:

--- Início do Comunicado ---

A Gerência informa que, devido ao teor de alguns comentários publicados nos últimos dias no sistema do blog, o mesmo será fechado (temporariamente ou não, ainda não se sabe, é um caso a pensar e decidir) para reflexão acerca da sua continuidade. Por tais comentários, a Gerência entende:
1. - Que a sua presença na blogosfera já não é desejada;
2. - Que a sua presença na blogosfera já não é desejada;
e, por último, 3. - Que a sua presença na blogosfera já não é desejada.
Tendo em conta estes três pontos, a Gerência emitirá, em data a definir em reunião registada em acta, um outro comunicado em que será exposta a sua decisão sobre o caso.

Respeitosamente,


A Gerência.

--- Fim do Comunicado ---

Publicado por aShBuRn em 05:14 PM | Comentários (0) | TrackBack

fevereiro 20, 2004

Toda a Verdade

Hoje, fui ler a minha caixa de mails. Já há uns tempos que não o fazia. Montes de spam, como é óbvio... Mas o que me chamou a atenção foi um mail de um colega meu... Onde mostra Toda a Verdade
.
Só gostava de dizer que as coisas deveriam ter-se passado assim, na realidade, porque ao menos haveria "gente" que perderia toda a mania! =)

Publicado por aShBuRn em 09:10 PM | Comentários (4) | TrackBack

Reflexão do Pirómano

Pus-me cá a pensar numa coisa que me veio à ideia enquanto tomava banho, hoje de manhã...
Um gajo chama assassino ao Bin Laden. Chama assassino ao Saddam. Chamámos assassino a Hitler, a Mussolini, a Napoleão, a Salazar, a Franco...
Até ao conas do Bush, hoje em dia, chamamos assassino.
Ora, eu, sinceramente, não concordo.
Olhemos para o nosso próprio umbigo por uns instantes...
Eu vou dar-vos tempo para pensar.

...


...


...


...


...

Já está? Pensaram tudo? Bem, tenham pensado ou não, eu vou dar-vos a resposta.
Um gajo, cada vez que bate uma segóvia, ou cada vez que dá uma queca e se vem ou fora da parceira (ou parceiro, no caso dos leitores abichanados) ou se vem para o preservativo, quantos milhões de vidas mata logo ali à nascença, huh?!
Pois é... Olhemos para nós próprios!! Há um assassino em cada um de nós. Então, se for um gajo que esteja "solteiro", quão assassino não será? Imaginemos que, de cada "esporradela", saltem 3 milhões de espermatozóides, sendo cada um uma vida em potencial. Ora um gajo que bata 7 segóvias por dia... Façam lá as contas...

Publicado por aShBuRn em 08:54 PM | Comentários (6) | TrackBack

fevereiro 16, 2004

O Gregório

Este Sábado, fui ao casamento de um dos meus primeiros amigos aqui neste fim de mundo que é o Cu de Judas (perdão, o Valado dos Frades). O rapazito chegou a chorar no meu ombro porque não conseguia encontrar uma mulher que gostasse dele... Enfim, era alguém que eu nunca pensei ver casado. Mas que me deu uma grande satisfação que assim fosse; ao menos, agora, não preciso de ir lavar a sweat quando estou com ele... Adiante, não foi isso que vim contar.
Ora o rapazito é assim meio atrasadito, uma beca para o stressado e então... Na Sexta, eram quatro da manhã e estava o moçoilo a comer hamburgueres... Estragados. Resultado: má disposição dos diabos... Obviamente.
O casamento começa... O Padre dá o habitual recital da seca... O pessoal quase que adormece... Até que chega o momento fatídico:
"Pode beijar a noiva".
E eis que eles se aproximam, e cada vez mais, e mais, estão quase a tocar-se...
"GRRRRRREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE
EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEGGGGGGG..."
O noivo vomita-se todo. Ele é noivo, padre, noiva, chão, cadeiras, microfone, tudo vomitado.
Tudo bem que a noiva não é nenhuma beldade, mas também não era motivo para um embaraço daqueles...

Publicado por aShBuRn em 08:45 PM | Comentários (12) | TrackBack

fevereiro 13, 2004

Spam - Parte II

Já aqui fiz a crítica aos spammers. Aliás, não sou o único; toda a gente o faz. No entanto, alguns aspectos carecem de esclarecimento.
Hoje, fui visitar o blog do "Big Boss" e li lá um(ns) texto(s) acerca deste mesmo assunto, nos quais se criticam a Microsoft e os já habituais bugs do Outlook. Ora bem, concorda-se com tudo o que lá se disse. Mas, sinceramente, acho que as culpas não são unicamente da Microsoft e dos filhozinhos da puta que mais não têm que fazer que não seja foder-nos as caixas de correio.
Em primeiro lugar, considero eu que a culpa é acima de tudo do utilizador. Senão, vejamos:
Como disse o Paulo, 7% das pessoas que compram viagra on-line fazem-no porque clicam nos anúncios que vêm no spam. Ora, meus amigos, isso é pura e simples burrice. Metem pessoas não formadas à frente de um PC e depois queixam-se... Óspois, quem os manda ler as mensagens?! Fazei como eu; não há nada mais fácil do que identificar um e-mail e ver se ele é spam ou "real". E também não custa nada seleccionar as mensagens todas e apagá-las; são dois clicks...
Depois, os filhozinhos da puta. Ide ser fortemente enrabados por pretos com pilas de 30 centímetros... De largo. Só me apraz dizer que, no dia em que vosso cabrãozíssimo pai deu a foda na vossa putíssima mão, mais valia ter batido a real pívia - o resultado seria uma merda qualquer parecida a vós, nada mais que uma mancha no cobertor deslavado que é a sociedade de hoje.
Por fim, a Microsoft. MAS QUANDO É QUE VOCÊS APRENDEM A PROGRAMAR, meu Deus? Vejam lá vocês que a Microsoft vai buscar programadores à Oracle, à Sun, etc., e mesmo assim não se safam... Mas não sei como é que fazem, nunca vi um programa da Sun ter sequer metade dos bugs que os da Microsoft usualmente têm!!
Enfim, e em termos de resumo:
A Microsoft tem, obviamente, culpas no cartório. Assim como os filhozinhos da puta. No entanto, considero eu, a culpa maior reside no utilizador. Ou em quem dá a formação, se é que ela é dada de todo. Hoje em dia, não basta ser autodidacta; tem que se aprender com alguém. Isso de aprender por si é coisa do século passado; além do mais, à velocidade que as coisas vão, se hoje aprendermos o que é o spam, amanhã estaremos preocupados com isso mesmo, mas esqueceremos vírus, trojans, etc...

Publicado por aShBuRn em 06:50 PM | Comentários (6) | TrackBack

fevereiro 11, 2004

A Tristeza (...)

Pois é. Mais uma prova cabal de que o País em que vivemos, realmente, anda cada vez mais na mó de baixo. Sem mais delongas, passo a contar a "estória" que me leva a dizer isto. Ontem, recebo na minha caixa de correio uma convocatória do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) para me apresentar nas suas instalações hoje, dia 11, por volta das 12 horas, por forma a que pudessem inteirar-me da oferta que tinham para mim, para eu a analisar e a aceitar/declinar. Até aqui, tudo certo, tudo bem. Explicaram-me do que se tratava (uma empresa informática de Alcobaça precisava de um técnico de software, hardware e redes. Caso tivesse conhecimentos de Software Primavera, melhor.) Fui até à empresa. E vim-me embora como lá entrei; sem estar ligado a eles.
Passo a explicar:
1 - A minha situação, caso aceitasse o emprego, seria ilegal, visto que estou a trabalhar - e se não fosse à convocatória, ainda me apagavam a inscrição!!! Segundo eles, erro no sistema - e, acima de tudo, uma manhã de sono perdida, pois ando a sair às seis da manhã.
2 - O que eles precisavam era, isso sim, alguém que tivesse profundos conhecimentos de Software Primavera. Técnico de software, hardware e redes já eles têm. Ora eu sei trabalhar no Primavera na óptica do utilizador e tenho familiaridades com a estrutura do Software, mas nada mais que isso... Ou seja; tempo mais que perdido, tanto para mim como para a empresa - por culpa, obviamente, do IEFP, cujas empregadas precisam de um urgentíssimo exame aos tímpanos. E depois ainda querem que eu não critique Portugal...
No meio desta trapalhada toda, uma boa notícia; o rapaz que está como técnico na empresa não sabe se pode ou não continuar, visto que está a estudar. Eu falei à senhora (bastante simpática e prestável, por sinal - pois entendeu a minha posição) na hipótese de um part-time, algo que ela disse ir de encontro às expectativas da empresa, visto que um técnico a tempo inteiro não é, hoje em dia, rentável. Ou seja; a correr bem, tenho praticamente dois empregos... E a minha vida lançada.
E agora, com licença, mas eu vou jantar... =)

Publicado por aShBuRn em 10:05 PM | Comentários (4) | TrackBack

fevereiro 10, 2004

Tu

Abro os olhos. Mantê-los fechados cansar-me-ia menos e faria o mesmo efeito; não conseguia ver. Estava cego. Sinto uma presença; algo furtivo move-se atrás de mim. Varro o chão com a minha mão, à procura de algo para me defender. A lama que sinto faz-me pensar em ratazanas e o meu coração dispara, batendo cada vez mais rápido à medida que o pânico se apodera de todas as minhas células. Sinto algo duro; a sua textura rugosa e tamanho irregular fazem-me pensar que se trata de uma pedra. Agarro-a com todas as poucas forças que me restam, na esperança que tal insignificante objecto sirva de alguma defesa contra tão destruidores animais. Sinto o momento aproximar-se; o rastejante ruído, cada vez mais intenso, diz-me que cada vez são mais animais e cada vez estão mais perto... Mas uma outra presença afirma-se, mais forte que todas as outras. Sinto o seu andar rápido, a urgência que o move, de encontro a mim... Mas a sua aura não é hostil; sinto o amor irradiar de si, como do Sol jorra a luz que eu desesperadamente tentava ver... O desespero dá lugar à segurança e à felicidade de te sentir, enquanto a tua mão agarra a minha, me ajudas a levantar e, com o teu amor, me trazes fora das trevas em que me encontrava para a luz que encontrei ao teu lado... Salvaste-me, e por isso te estou eternamente grato... E para sempre te hei-de amar.

Publicado por aShBuRn em 12:17 AM | Comentários (6) | TrackBack

fevereiro 08, 2004

Got some work to do...

Help!!! Vou entrar agora à uma da manhã... Ninguém quer ir trabalhar por mim?!?!?!? =\\\

Publicado por aShBuRn em 09:53 PM | Comentários (6) | TrackBack

fevereiro 06, 2004

Entretem

Ser vidreiro é fodido. Podeis pensar que é fácil; nada a ver. Imaginem o que é passar um dia a correr de um lado para o outro, sem parar, carregando com pesos que chegam a ter a ostensiva quantia de 20 quilos... Isto, claro, unicamente quando estamos a meter a obra no forno. Agora, imaginem que estamos a fechar um molde a um moldador; coisa fácil, se o molde for de ferro. Basta fechá-lo e puxar-lhe a tranqueta. Se o molde for de alumínio (como é a maior parte...) a coisa muda de figura, pois o molde precisa de ser molhado. Então, aí, será preciso, de minuto a minuto, levantar 10, 20, 30 (hoje levantei - a imenso custo, as costas que o digam - um de 60) quilos constantemente não é tarefa fácil. Mas isto é só quando se começa a aprender... Estágio onde estou agora. Nem quero ver daqui a uns anitos (se correr bem) como vai ser... Esperemos para ver.
Ora para que é esta lenga-lenga toda?, perguntam vocês... Eu explico.
É para poderdes ver como eu ando: total, absolutamente e contundentemente fodido. É óbvio, nesse caso, que não vou postar nada no blog; nem sequer tenho ligado o pc. 10 minutitos de manhã para ver dos comentários, mas logo perco a paciência (em detrimento do sono), desligo isto tudo e ou vou dormir ou trabalhar (consoante o turno - mais essa, trabalhar por turnos é do real pénis - para não dizer caralho; não quero ferir susceptibilidades).
Entretanto, lembrei-me de um entretémzito para o pessoal; mais uma votaçãozeca. Sempre tive curiosidade acerca dos meus leitores; quem são, o que fazem, o que vêm, o que desejam e... O que ouvem. Assim sendo, fica aqui uma votação (tentarei ser o mais ecléctico possível) para tentar descobrir o que se ouve dentro deste humildemente merdoso blog... Mais lá para a frente (quando estiver razoavelmente satisfeito com as votações) farei uma mais específica; entretanto, fica assim... Have fun. =)

Publicado por aShBuRn em 01:14 AM | Comentários (9) | TrackBack