setembro 29, 2004

Inadmissível

Segundo uma notícia do Correio da Manhã (divulgada também pelos vários canais televisivos nacionais), as administrações de saúde portuguesas querem diminuir em 30% os vencimentos de médicos e enfermeiros, aumentando também a sua carga horária semanal de trabalho. Meus amigos, isto é completamente inadmissível. Não sou enfermeiro, é verdade. Mas a minha namorada é enfermeira e lido de perto com a situação que ela vive todos os dias.
Hoje em dia não é nada fácil arranjar trabalho na saúde perto da nossa área de residência. Pelo menos, não com um mínimo de condições. Agora, imaginem que têm residência em Pombal, namorado na Nazaré e trabalho em Abrantes. A isto soma-se o facto de se ter que trabalhar por turnos, estando a obrigação nas 42 horas semanais. Com um ordenado base de mais ou menos 200 contos por mês.
É bastante dinheiro? Pois é. Mas, se a esses 200 contos tirarmos água, renda, luz, gás, comida e gasolina/gasóleo (e isto só para a residência na terra onde trabalhamos, fora o resto) com que é que ficamos? Não se fica com muito, isso vos garanto eu.
42 horas semanais não é muito? Pois... 42 horas semanais é a obrigação; não quer dizer que não se façam mais, como muitas vezes é o caso. Mais a mais, aumentando essa carga para 45 horas semanais, como é desejo da administração. Ora eu sei que, muitas das vezes (e nisto tenho experiência própria, pois também trabalho por turnos), vamos fazer um turno completamente rebentados pelo turno anterior. Os descansos não são tantos como se pensa (eu, por exemplo, não tenho hipótesde de estar com a pessoa que amo há mais de uma semana) e os horários muitas vezes são mal distribuídos. E ainda querem meter mais horas. E menos dinheiro.
E se a saúde anda mal, a continuarem assim só farão pior. E darão razão à crítica que escrevi numa das entradas anteriores.

Publicado por aShBuRn em setembro 29, 2004 11:26 PM
Comentários