novembro 09, 2003

Versos sem Nexo

Abrindo caminho pelas profundas trevas da minha mente,
Vem um Halo de Luz brilhante, um clarão, um irresistível escrutínio
Uma necessidade de lhe tocar, intensa, premente,
Utilitários de uma vida execrável prendem-me o raciocínio.

Olho para cima, abro os braços em direcção a um Céu
Estrelado, nublado, tempestuoso, enraivecido
A chuva cai, um trovão reverbera, num mundo só meu
E eu sinto-me, por si, aconchegado e aquecido...

Guerras entre dois mundos
Mil exércitos, uma só alma
Bem e Mal, conjuntos
De Trevas e Luz, a Guerra é feita Paz, é feita Calma...

Na solidão, choro sozinho
Num mundo disperso
A ti, te dou o carinho
De um Mundo que não soube apreciar o Verso...

A Palavra que sai dos teus lábios
Carnudos, sensuais, de veludo feitos
Rivaliza com as dos mais sábios
E os seus anos de estudos e sonhos desfeitos...

Por uma Sabedoria que nunca chegou, nem nunca poderá chegar.

Publicado por aShBuRn em novembro 9, 2003 05:32 PM
Comentários