« Queixinhas | Entrada | Está mau, mas não é para todos (XI) »

novembro 23, 2005

Números (dos professores)

No passado dia 18, data de uma das maiores greves dos professores, foi divulgada e bem noticiada as faltas dos professores no ano lectivo 2004/05.
Qualquer coisa como 7,5 a 9 milhões de horas de aulas.

Se consultarmos o estudo, verifica-se:

1- O estudo é parcial (103.159 docentes)
2 – O número de faltas calculados em dias, é de 1.732.653
180 dias lectivos x 103.159 professores e educadores = 18.568.620
Taxa de assiduidade dos professores = 90,7%

3 – O número de aulas garantidas foi superior.
As Faltas por Doença (36,3% do total) significa que os professores que faltaram por períodos superiores de 1 mês ou mais foram substituídos por outros contratados para o efeito.

4- Os milhões de faltas, correspondem:
- Em média, cada professor faltou 0,4 dias (menos de meio dia) por ano ao abrigo do Estatuto do Trabalhador estudante.
- Por conta do período de férias cada professor faltou, em média 3 dias por ano, o que significa que não deu 75% das faltas que poderia ter dado.
- Por Doença, cada professor faltou 6 dias por ano. Correspondendo muitas dessas faltas a doenças prolongadas, foram inúmeros os que não deram qualquer falta por doença.
- Para Assistência Inadiável à Família (filhos com mais de 10 anos ou familiares idosos) cada professor faltou, em média, 1 dia por ano.
- Para Assistência a filhos menores de 10 anos, cada docente, em média, faltou 0,8 dias.
- E para tudo o resto (acções de formação, reuniões sindicais, greve, falecimento de familiares, casamento, cumprimento de obrigações legais, faltas não imputáveis ao trabalhador, participação em campanhas eleitorais como candidato, …) cada professor, em média, utilizou 5 dias por ano.

Todas estas faltas são devidamente justificadas.

A manipulação está evidente !

Publicado por rpx às novembro 23, 2005 10:31 PM

Comentários

cada vez mais se confirma....
esta choldra é governada por canalha!!!!

Publicado por: luikki às novembro 23, 2005 11:06 PM

Muito bem. o meu aplauso. Se a ministra ainda não percebeu o mal que está afazer aos profs, então é sem remissão: afinal, neste patamar de responsabilidade política, não há só moleirinhas sãs, também há "crânios" fendidos.

Publicado por: ACarvalho às novembro 24, 2005 12:10 AM

Comente




Recordar-me?