janeiro 10, 2004

Cenas-quando ainda havia o Escudo

Fade Out

EXT. PORTA DE BANCO – DIA

A camera aproxima-se do quadro da cotação de câmbios e enquadra no valor da lira italiana: 0.10$.

EXT. RUA – DIA

A vítima fala ao telemóvel com um amigo.

Vítima
...EPÁ NÃO SEI. CHEGUEI AGORA MESMO DE ITALIA...
...AINDA NÃO TIVE TEMPO DE FAZER NADA...
...POSSO TE LIGAR AMANHÃ? OK HASTA...

A vítima desliga o telemóvel e surgem os dreads, Ofélia, Formiga e Gafanhoto, jovens, vestidos como se tivessem saído de um vídeo de Rap, com o andar característico e a expressão de mauzões do bairro na cara. Ofélia e Formiga são negros, Gafanhoto é branco. Olham para a Vítima e decidem assaltá-lo.

Ofélia
Ò Sócio, orienta aí um nite!

Vítima
Desculpe?

Formiga
Um cigarro!

Vítima
Eu não fumo.

Gafanhoto
Deixa lá curtir o teu telelé.

Vítima
O quê?

Ofélia tira-lhe o telefone da mão.

Ofélia
É fixe! Quanto é que te custou?

Vítima
Vintes contos! Mas o que é que vocês estão a fazer? A Assaltar-me?

Os três riem-se em coro. Formiga tira uma navalha.

Formiga
Ya, meu. É isso mesmo. Deixa lá ver o relógio.

Vítima
Mas, mas...

Formiga agarra-lhe no pulso e arranca-lhe o relógio.

Formiga
Aí, altamente. Curte lá o relógio do man.

Ofélia
Agora passa para cá a carteira!

Vítima
Mas... vocês não me podem fazer isso!

Ofélia tira-lhe a carteira do bolso de trás. Abre-a e tira quatro notas de mil Liras italianas de dentro.

Ofélia
Curtam lá. O bacano tem dinheiro camone na carteira.

Formiga
Hi, bué da fixe.

A Vítima passa-se e resolve reagir.

Vítima
Vocês devem tar mesmo muita felizes!
Que é que vão dizer à polícia quando vos apanhar?
Vão apresentar uma factura do telemóvel?
Vão dizer que o relógio é vosso?
Que a faca é porque vocês vivem num bairro perigoso e que é só pra se defenderem?
Que as 4 mil liras a polícia é que vai ter de responder porque vocês nunca as tinham visto na vida?
E ainda por cima isso só vale...

Ficam todos em suspense a olhar para a vítima.

Gafanhoto
Vale quanto, dread?

A vítima fica com um olhar maldoso.

Vítima
Cem contos. A lira tá a 25 escudos.

Ofélia
Cem barras!

Formiga
Quanto é que isso dá a dividir por três?

Começam a fazer contas de cabeça.

Insersor: 23 minutos depois.

Estão todos de roda de Ofélia que tem uma caneta e um papel na mão.

Gafanhoto
Epá, eu acho que é...

Ofélia
Tem lá calma, Tem lá calma!

A vítima continua especada a olhar pra eles. Revira os olhos e pergunta:

Vítima
Porque é que não usam a calculadora do telemóvel?

Eles olham feitos parvos para a vítima.

Ofélia
Já sei! Vamos é fazer assim: temos quatro notas.
Uma é pra mim. Outra pra ti (dá a gafanhoto). Esta é pra ti ( dá a formiga) e outra é aqui pro dread ( dá à vítima). Toma lá pra não ficares tristes e se alguém te vier catar diz que és amigo do Ofélia.

Eles afastam-se e a vítima olha para a nota de mil liras e chama-os de volta.

Vítima
Ouçam lá, querem fazer um negócio?

Eles viram-se para trás.

Ofélia
Que negócio?

Vítima
É assim: eu compro de volta o meu relógio e o meu telemóvel.

Formiga
Ai é? E quanto é que dás?

A vítima acena a nota de mil liras.

Vítima
Vinte e cinco contos.

Eles olham uns para os outros e conferenciam. Voltam a olhar para a vítima.

Gafanhoto
Mas assim vai ser fodido para voltar a dividir o dinheiro.

Vítima
'Tão, vão jantar todos e pagam com a minha nota...

Voltam a conferenciar. Voltam para a vítima.

Ofélia
Negócio fechado!

Fazem a troca.

EXT. PORTA DE RESTAURANTE DE LUXO – DIA

Os dreads estão à porta.
Um empregado vê os aproximar e barra-lhes a passagem

EMPREGADO
Onde é que vocês vão?

Ofélia
Queriamos uma mesa pra três.

EMPREGADO
Tá tudo reservado.

Conferenciam.

Ofélia
Pá a gente devia era dar qualquer coisa aqui ao bacano.

Gafanhoto
Podiamos dar uma das nossas notas estrangeiras.

Formiga
Tás ta passar? Isto é bueda guita meu!

Ofélia
Algum de vocês tem dinheiro português?

Formiga
Pá tenho aqui uma nota de cinco.

Ofélia
Fixe. Siga lá.

Dirigem-se À porta.
O empregado olha para eles.

Ofélia
O chefe tá com ar de quem tá a ter um ataque de anésica. Veja lá se isto dá pro tratamento.

Estende a nota ao empregado. Este mete-a no bolso e deixa-os entrar.

INT. RESTAURANTE DE LUXO – DIA

Os dreads estão sentados a uma mesa coberta de carcaças de lagosta e garrafas de Moet et Chandon vazias.
Fumam charutos e têm umas boazonas à volta deles.

Ofélia
Isto é que é ser gangsta!

Formiga
Ouve lá isto deve ser muita caro, meu.

Ofélia
Caras são as putas. Até parece que tás ta esquecer quanta guita é que tens ai no bolso. Gafanhoto! Pede aí a conta.

Gafanhoto estala os dedos.

Gafanhoto
Garçon! A conta.

O empregado vem com a conta. Formiga apanha-a e assobia ao ver o preço.

Formiga
Hi meu bueda caro!

Ofélia olha para a conta e faz um ar indiferente.

Ofélia
Não passa nada! Ó chefe! Aceitam dinheiro estrangeiro?

Empregado
Não, mas tem uma maquina de cambio automático ali do outro lado da rua.

Ofélia
Tá-se bem! Malta, venho já. Tomem bem conta das nossas amigas.

Gafanhoto
Aproveita e troca o meu.

Dá-lhe a nota. Formiga faz o mesmo.

Ofélia afasta-se.

EXT. MÁQUINA DE CÂMBIO AUTOMÁTICO – DIA

Ofélia mete uma nota de mil liras na máquina. Esta deixa cair uma moeda de cem escudos. Ofélia olha para a moeda incrédulo. Começa a dar murros na máquina.

Ofélia
Puta de máquina! Tas ma gamar a guita?

Pontapeteia a máquina. Aparece um bancário mas não vemos a cara dele. A camera assume o seu ponto de vista.

Bancário
Que é que se passa aqui?

Ofélia
A máquina tá ma catar a guita.

Bancário
Desculpe?

Ofélia
Meti aqui mil liras e isto só me deu cem paus.

Bancário
Que é que tava à espera que lhe desse?

Ofélia
Atão, vinte e cinco contos.

Bancário
Vinte e cinco contos? Mas a lira só vale dez centavos!

Ofélia
Dez centavos? Mas o pula disse que era vinte cinco paus.

Bancário
Quem?

Ofélia fica a pensar. Olha para as notas.

Ofélia
Já sei! Como ele era branco pra ele era vinte cinco mas pa mim que sou preto já é dez centavos.

Bancário
Não. O senhor não está a perceber...

Ofélia
Tou tou. Isto aqui é racismo! Escravizaram-nos tanto tempo e agora ainda nos tão a explorar pá.

Bancário
Mas...mas...

Ofélia
RACISTA!!!

Ofélia afasta-se. Vemos que o bancário é um homem negro que olha para Ofélia intrigado.

Fade out.

Publicado por Toy em janeiro 10, 2004 05:05 PM
Comentários