« Hoje acordei com um poema | Entrada | Também somos gregos »

março 30, 2012

Vagares

Viver a vida com vagar. Talvez este devesse ser o nosso lema. Pois neste mundo de correrias em que vivemos, o mais certo é atropelamo-nos a nós próprios e aos outros. E não é por tão desenfreadamente perseguirmos a vida que ela passa a ser o que não é. Ela continuará irremediavelmente imperfeita e finita. Não é por procurarmos não pensar para além da superfície dos dias, que deixaremos de nos inquietar e de ser assaltados por angústias e dilemas. Irremediavelmente a morte chegará um dia.

Do meu vagar

Já não há mais o vagar
de quando se comia sentado
e devagar se caminhava
até chegar a qualquer lado
agora vai toda a gente
sempre de mão na buzina
sempre na linha da frente
a tremer de adrenalina

Do meu vagar não traço rotas
não tenho trilho que me prenda
não tiro dados nem notas
não encho uma linha de agenda
do meu vagar não chego a Meca
não faço nada num só dia
não corto a fita da meta
não vejo Roma nem Pavia

Do meu vagar
sei que nunca hei-de ir longe
vou aonde for preciso
vou indo do meu vagar
em busca do tempo perdido
e se um dia o encontrar
o longe não faz sentido

(...)

Carlos Tê

Publicado por Conceição Pereira às março 30, 2012 12:32 PM

Comentários

Jorginho / Se continuar lane7ando esses troe7os, ne3o vai daeormr para que comece cair sobre nf3s !Tamos ferrado!Devem obrigar os donos recolham seus lixos Ganham bilhf5es e devem recolher esses lixos sujeitos descer na cabee7a de alguns azarados!Gostei deste comente1rio ou ne3o: 0

Publicado por: Wiwik às abril 17, 2012 11:29 PM

Comente




Recordar-me?