« Comer e calar? | Entrada | Hoje acordei com um poema »

fevereiro 15, 2012

Um olhar sobre a cidade

... esse lugar onde coincide uma imensa amálgama de gente, que tudo comporta, tudo expõe ou tudo esconde. Depende sempre da perspectiva. E da disponibilidade do olhar. Entre outras coisas.

Esta é a Cidade

Esta é a Cidade, e é bela.
Pela ocular da janela
foco o sémen da rua.
Um formigueiro se agita,
se esgueira, freme, crepita,
ziguezagueia e flutua.

Freme como a sede bebe
numa avidez de garganta,
como um cavalo se espanta
ou como um ventre concebe.

Treme e freme, freme e treme,
friorento voo de libélula
sobre o charco imundo e estreme.
Barco de incógnito leme
cada homem, cada célula.
É como um tecido orgânico
que não seca nem coagula,
que a si mesmo se estimula
e vai, num medido pânico.

Aperfeiçoo a focagem.
Olho imagem por imagem
numa comoção crescente.
Enchem-se-me os olhos de água.
Tanto sonho! Tanta mágoa!
Tanta coisa! Tanta gente!
São automóveis, lambretas,
motos, vespas, bicicletas,
carros, carrinhos, carretas,
e gente, sempre mais gente,
gente, gente, gente, gente,
num tumulto permanente
que não cansa nem descança,
um rio que no mar se lança
em caudalosa corrente.

Tanto sonho! Tanta esperança!
Tanta mágoa! Tanta gente!

António Gedeão

Publicado por Conceição Pereira às fevereiro 15, 2012 01:46 PM

Comentários

Ciao ragazzi!Grazie per l'incoraggiamento e crepi per l'in bocca al lupo! @ Enrico: ci snaarno sempre pif9 idee da mettere in gioco, la community aumenta e questo non puf2 che portare alla nascita di progetti creativi e sempre nuovi!

Publicado por: Carl às abril 20, 2012 04:37 AM

mxSMxc awlglbvznsrx

Publicado por: oplmmt às abril 21, 2012 07:44 PM

Comente




Recordar-me?