março 29, 2005

Acalmia

O estado de acalmia nos noticiários portugueses é anormal. Parece que de repente tudo ficou bem... ou isso, ou confirma-se que com o PS no poder, há uma coisa que vai mudar desde logo na Comunicação Social. Ou pia fininho, ou vai de vela.....

Publicado por cparis em 04:51 PM | Comentários (0)

Morrer de Fome (Schiavo)

O caso de Teresa Schiavo é para mim tremendamente dificil de conceber e perceber como pode o Mundo ver uma mulher morrer à fome desta maneira .

Não é de eutanásia que se trata, porque ninguém sabe o que Schiavo quer. Nem sequer é suprimir um tratamento porque Schiavo não está a ser tratada. è tão pura e simplesmente deixar Schiavo morrer à fome (e sede) porque esta não tem capacidade para se alimentar sozinha.... E toda a gente se encolhe dizendo que sim senhor, não há problema nenhum, porque a senhora não percebe o que se passa. Ou seja, todos parecem partilhar um pouco da posição hitleriana que se deveriam matar os "atrasados mentais" porque estes eram incapazes de se alimentar sozinhos.

Deixar matar Schiavo à fome é admitir que há pessoas de primeira e de segunda. Amanhã será mais fácil incluir outras pessoas neste lote (o precendente foi aberto)....

Publicado por cparis em 04:45 PM | Comentários (2)

março 23, 2005

Ser Treinador em Portugal

Uma vez que este blog vai encerrar para uma pausa pascal, deixo aqui um post sobre uma temática pouco presente neste espaço - futebol.

O futebol em Portugal é um dos sítios onde se encontram facilmente consensos. Nunca consensos sobre o que fazer, mas como não fazer. Toda a gente sabe qual o jogador que deve sair (evidente, só o treinador é que não vê), mas quanto ao que deve entrar a coisa é mais díficil.

Vem isto a propósito de dois treinadores respeitadíssimos que temos entre nós, ambos com títulos ao maior nível - Scolari e Trapattoni.

O primeiro (dizem) é um burro que não aproveita a melhor selecção do Mundo. De facto, ser vice-campeão da Europa é muito diferente de sair na primeira eliminatória do Mundial, quando conduzido por esse grande treinador (sem curriculum, mas isso é um detalhe) chamado António Oliveira. Aí não havia espaço à contestação, e o que se passou foi Futebol.

O segundo (dizem), está velho, antiguado, e não tem mãos para conduzir o Ferrari benfiquista. Pois bem, não só o grémio da Luz não é um Ferrari como parece que até ao momento, está a ser muitíssimo bem conduzido, tendo além do primeiro lugar destacado a 8 jornadas do fim, mais três pontos que na época passada quando era conduzido por Camacho.

Para o português comum o curriculum quer dizer pouco. E no futebol nem interessa que saiba pensar pela sua cabeça desde que faça aquilo que o povo gosta, ou seja, que berre com o árbitro e diga que a culpa é dele nas derrotas e que a ele não o vão calar. O treinador ideal é assim tipo Luis Campos que apesar de num ano ter estado à frente de duas das três equipas que desceram, este ano começou no Gil Vicente (um ponto acima da linha de água) e está já aos destinos do Beira Mar (lanterna vermelha), arriscando-se a repetir tamanha proeza.

Competência para quê? Só se for para (emigrar ou) ficar no desemprego (Toni, Inácio, Manuel José, Cajuda, ....)...

PS. O cartoon foi retirado do Jornal Record onde foi publicado a 27 Fevereiro.

Publicado por cparis em 04:00 PM | Comentários (0)

Freitas e a Terra gira ao contrário

Não fosse o facto de todos os intervenientes estarem cegos com os seus intentos e decerto as últimas opiniões de Freitas seriam caricaturadas à exaustão. A saber-se, segundo este Professor, todo o Mundo mudou de opinião, só ele é que se manteve no mesmo sítio.

Declara-se surpreendido por ter sido expulso do PPE, expulsão essa que enquadra como "errada porque vai em sentido contrário daquilo que foi o PPE" e "Bush mudou porque veio à Europa cumprimentar França e Alemanha" (e eu ingenuamente pensava que Bush já tinha vindo à Europa cumprimentar Inglaterra, Portugal e Espanha) e que aquilo que tinha mudado tinha sido a oposição franco-alemã.

Mas que raio, também não se podia esperar mais de alguém que se diz pró-americano mas que discorda daquilo que a maioria do povo americano pensa (apoio a Bush)...

Espero é que ao menos, a flexibilidade da sua coluna vertebral se mantenha...

Publicado por cparis em 11:34 AM | Comentários (3)

março 21, 2005

Medicamentos e farmácias

Fiquei contente quando ouvi Sócrates falar da venda dos medicamentos de venda livre. Fiquei depois surpreendido quando vi o presidente da ANAREC, um socialista que já foi Governador Civil no tempo de Guterres aparecer logo aos pulos exultante de alegria.

Hoje ao ouvir o programa do Governo confirmei a minha suspeição: Sócrates não quer afrontar poderes instalados. Apenas quer, à boa maneira socialista, ficar de bem com todos para distribuir riquezas.

De facto, se Sócrates estivesse preocupado com o fazer bem, acabava com a restrição do número de farmácias (incompreensível numa democracia plural) e permitiria a criação de farmácias onde elas são precisas ao utente (nos hospitais)... Aliás é ridículo que se possa comprar de tudo num Hospital (jornais, revistas, flores, comidas) menos medicamentos.

Por enquanto Sócrates contenta-se com uma medida, boa, mas de reduzido efeito. Fiquemos contentes com ela, mas cautelosos. Porque não é a nós que ele está a servir...

Publicado por cparis em 03:43 PM | Comentários (1)

Esquerda na Rua

Já aqui tinha dito que a CDU ia aparecer mais na rua. Era ve-la este fim de semana salivando de alegria ao lado dos trabalhadores da Bombardier...

Quanto ao resto, eu preciso de férias.... Com tantos problemas, tantas intrigas no PS, a única coisa que passa nas noticias é o "primeiro acto de Santana Lopes no seu regresso à Câmara de Lisboa"... será que não há nada mais importante? É que eu não sou de Lisboa, e por isso, essa treta não me interessa nada.... Dos 230 deputados eleitos não há nenhum que esteja a trabalhar?

PS. Já aqui tinha referido que temos um sistema desadequado... Agora então, observar a imensa mole de deputados a olhar para o relógio, é desalentador. Mas nós nunca iremos aprender...

Publicado por cparis em 11:59 AM | Comentários (0)

março 18, 2005

A esquerda e os Media

Estou ansioso por ver como vai este PS resolver a velha questão de intromissão com os media. Sabe-se à partida que a esquerda convive mal com pluralidade de opiniões, aceitando como normal que apenas a sua voz se faça ouvir. Basta ver o chinfrim que estão a fazer com opções de um canal privado (SIC) em um programa "Quadratura do Círculo".

Esta obsessão da esquerda é tão ridícula que ninguém se presta a contar quantos "opinadores" do Expresso, do Público, da Capital, do DN são de esquerda e quantos são de direita, mas toda a gente vê há um caso (um !?) onde não há equidade.

Nem ninguém se preocupou com o facto de o DN, JN e outros estarem sob a alçada indirecta do Governo (levados pelo PS) a não ser quando um político que fazia de comentador resolveu abandonar funções por num almoço com o cunhado este lhe ter dito que seria melhor abrandar as críticas.

Claro que vão existir medidas muito fortes na Comunicação Social. Veremos então qual o calibre dos nossos jornalistas/comentadores para as denunciar... Até ao momento tudo tem estado calado, excepto o crítico de sempre. Ao qual é dada muito menos importância. Mas porque ele aborda esta temática de modo muito certo e inteligente, convém ler este artigo de Pacheco Pereira no Público.

Publicado por cparis em 04:09 PM | Comentários (0)

março 17, 2005

Alguém faz o favor de explicar

à senhora deputada do Bloco de Esquerda que não é possível "realizar o referendo em Julho, antes do Verão"....

Eu não sei como se passa no Mundo dela, mas no meu, Julho já é VERÃO.

Publicado por cparis em 11:27 AM | Comentários (0)

Batota política (referendos)

Era bom que os políticos definissem claramente o papel dos referendos na nossa sociedade. Um referendo é sem dúvida uma belíssima ferramenta, mas importava clarificar como vão funcionar. A principal questão é saber o tempo de validade do resultado de um referendo.

Por exemplo, caso se decida num determinado sentido num referendo (de modo vinculativo), durante quanto tempo é que não se pode legislar/voltar a referendar a mesma questão? E caso não tenha sido vinculativo?

Isto para mim é essencial, pena que não oiça ninguém falar sobre isto.... Estão todos a fazer batota como de costume: à espera dos resultados, para depois fazer a sua própria opinião.

Publicado por cparis em 11:19 AM | Comentários (1)

março 15, 2005

bahhh

o acanto sofreu um ataque de spam nos comentarios.... confesso que apagar cento e tal comentários não foi pera doce... mesmo assim, não queria abandonar a hipotese de deixarem aqui as Vossas opiniões... a ver vamos.

Publicado por cparis em 02:02 PM | Comentários (1)

Espanha rules

Depois da época Durão-Aznar, em que se chegou a acordo, entre outras coisas, sobre o TGV segue-se uma nova época Zapatero-Sócrates onde além deste tema existem outros sobre a mesa igualmente importantes como o MIBEL e a questão da Água.

Confesso que tenho muito receio sobre o que vai ser feito. Os socialistas portugueses tem a tendência de "baixar as calças" sempre que os vizinhos espanhois falam mais alto.... Sócrates contudo já mostrou em poucos dias que "não baixa as calças a qualquer um" (....... intervalo para uma gargalhada a despropósito, mas inevitável......) e se Freitas for minimamente competente como tem sido dito, estou em crer que o problema tem tudo para ser resolvido. O TGV é apenas uma batalha, e demonstar fraqueza neste ponto (onde há compromissos assinados pelo Estado espanhol) é um mau princípio.

Fico à espera....

Publicado por cparis em 01:31 PM | Comentários (0)

março 14, 2005

Até ao momento estou a gostar

Sócrates aproveitou o discurso para atacar o lobby das farmácias. Gostava de ter visto a cara de todos os donos de farmácia que votaram PS. Gostava mesmo.

Publicado por cparis em 05:07 PM | Comentários (1)

março 10, 2005

Tudo calmo

Aleluia....

Parecia que nada se passa, nem nada é mais preocupante. Nenhum jornal faz manchete com palavras antigas de ministros, nem com eventuais zaragatas, nem nada.

Detectei hoje que descobriram que nem tudo foram rosas, e que houve um porblema com António José Seguro. De resto, nada. Parece que todos os jornalistas tiveram direito a umas semanas de férias, por causa do excesso de trabalho durante a campanha.
Ou isso ou tenho de ir concordando com a Mão Invisível: Jornalismo à Esquerda

Publicado por cparis em 05:26 PM | Comentários (3)

Freitas *stinks*

Tenho retido a edição de um post sobre este assunto, de modo a poder falar do que é realmente importante e não do acessório.

Freitas do Amaral como Ministro dos Negócios Estrangeiros é sem sombra de dúvida uma péssima escolha para Portugal. E espanta-me não ouvir esta opinião de sectores do Centro e da Esquerda. Vou tentar sistematizar porquê.

1. O Ministro dos Negócios Estrangeiros é o rosto do País, logo depois do Primeiro Ministro. Dado o pouco relevo internacional que ainda possui José Sócrates, seria de todo fundamental escolher alguém com relevo para assumir esse papel do modo mais conciliador possível e com a estratégia que mais interessa Portual. Freitas tem o peso político para o cargo, mas não o carácter, nem a estratégia.

2. Relação com a Europa

As posições de Freitas com a Europa são mais à esquerda que as do Bloco. Pensar em Vitorino ou Durão Barroso e depois olhar para Freitas do Amaral é no mínimo angustiante. Tudo o que de bom Portugal conseguiu projectar na Europa, vai ser destruído de uma penada por um elefante velho que não sabe ver onde pisa

3. Relação com a América
A Europa e a América estão em aproximação. França, Alemanha e Estados Unidos sabem que não podem viver de costas voltadas muito mais tempo.

Portugal tomou uma atitude para um lado da disputa no passado. Agora que os dois lados estão a reencontrar-se não vale a pena antagonizar nenhum deles. Portugal poderia inclusivé aproveitar esta mudança para ser o motor dessa reaproximação.

Ora Freitas foi pouquíssimo diplomata neste entretanto, tendo sido muito mais acutilante que Zapatero. Este último, já tinha afundado toda a estratégia de Espanha de entrar no G8, com a atitude anti-americana que tomou. Portugal em vez de aproveitar esse facto, vai contribuir com o seu radicalismo para voltar a aproximar Espanha dos EUA em detrimento das nossas pretensões. Aliás, Portugal será o único país da Europa a ter posições tão anti-americanas.

Para que melhor se perceba o que pensa Freitas da actual administração, é importante recordar o que ele disse, pois não foi só uma frase de comparação de Bush com Hitler. Freitas também zurziu forte e feio em toda a administração americana incluindo a agora todo poderosa Condoleeza Rice. Diz o senhor ministro

[...] é que, quando vivi durante um ano em Nova Iorque, como Presidente da Assembleia Geral da ONU, apercebi-me (sem margem para dúvidas) de que havia uma extrema-direita legal na América, a qual correspondia, essencialmente, à ala mais radical do Partido Republicano. Agora, essa facção ganhou a Presidência dos EUA, no ano 2000, e domina maioritariamente o governo americano: são seus principais representantes, além do próprio Bush-filho, o Vice-Presidente Dick Cheney, o Secretário da Defesa Donald Rumsfeld e a Secretária Nacional de Segurança Condoleeza Rice. Do outro lado, quase sozinho como moderado, está apenas Colin Powell.

(o destaque é meu, podem seguir o link para ler o artigo todo, bastante interessante)...


Posto isto, se após lerem o artigo ainda alguém achar que este senhor deve ser o nosso porta voz e que com ele estaremos bem no Mundo, não vale a pena argumentar mais.... ou então se alguém acredita como José Magalhães que Freitas vai "seguir o programa do PS" nessa matéria, é ou dizer que Freitas não tem coluna vertebral, ou desconhecer Freitas.

Eu pessoalmente, acho um desperdício. Mas Portugal gosta de desperdiçar, por isso, não há novidade.... só os lamentos do costume.

Publicado por cparis em 12:40 PM | Comentários (9)

março 07, 2005

Mulheres no Governo

Sempre fui contra cotas para mulheres. Parece-me querer forçar a natureza assumir que em todos os aspectos deva existir paridade. Mas fiquei boquiaberto quando reparei que o novo Governo só tem 2 mulheres. E que áreas? As da "cozinha" - educação e cultura.

Povo que não se sabe educar a bem, tem de ir a mal. Cotas já!...

Publicado por cparis em 11:10 PM | Comentários (1)

PS em Lisboa

Confesso que ultimamente tenho sido mais perspipaz a saber quem vai ganhar os Óscares do que a prever vitórias do PS, mas apostar emFerro Rodrigues para ser candidato a Lisboa, e com o apoio do Bloco, é não perceber o quão triunfal poderia ser a vitória do PS com um candidato mais acutilante.

Pessoalmente acho que João Soares sozinho (até mesmo Carrilho) ganharia a Câmara. Coligações? Porquê antecipar cenários? Não há a mínima necessidade, sabendo que tanto CDU ou BE podem servir.

Publicado por cparis em 10:34 PM | Comentários (0)

março 04, 2005

O futuro (PPD - PSD)

Falar sobre o futuro do PSD, é tão dificil como tentar acertar no totoloto, mas sem o aliciante do prémio em caso de vitória. Marques Mendes e Luis Felipe Menezes são os actores do primeiro acto. Mais tarde virão as eleições autárquicas, com particular destaque para o candidato à Câmara do Porto e à Câmara de Lisboa. E só depois as Presidenciais em que o partido está refém de Cavaco Silva.

Qualquer não político se sentirá tentado a não se juntar a este circo infernal que se avizinha, deixando o espaço para os animais políticos que podem ver aqui a sua oportunidade de se destacarem. O mais desolador é constatar que o futuro do país não parece depender em nada da solução que for encontrada.

Publicado por cparis em 12:55 PM | Comentários (1)

O futuro (CDU)

A CDU foi talvez o partido que mais ganhou, depois do PS. De facto a maioria absoluta do PS, retira espaço de intervenção ao BE no Parlamento e dá-o à CDU no único sítio onde não há maiorias pré-definidas: na rua.

Se O BE percebeu isso, elegendo como bandeira o aborto (guerra que aborta logo que alguma coisa for decidida), a CDU tem no emprego uma luta que à medida que a crise aumenta atrai mais partidários. Cada vez mais fábricas irão fechar, e isso é sinal de ânimo para um partido que parece viver da desgraça alheia.

Já tinha alertado aqui que Jerónimo tinha tido uma papel importante no acordo entre as entidades patronais e sindicatos, e esse papel a CDU não quererá perder. Pode inclusivamente usar isso para forçar algumas alianças com o PS nas candidaturas às Câmaras de Lisboa e Porto.

A partir de agora a força da CDU será medida nas ruas. E nesse campo, Jerónimo joga em casa.

Publicado por cparis em 11:20 AM | Comentários (0)

março 03, 2005

O futuro (CDS-PP)

A decisão do Presidente da República foi um autêntico tiro nas aspirações de Paulo Portas. Este sabia-o desde logo e a campanha eleitoral foi feita a contra gosto, como um mal necessário. Daí que a sua decisão de abandonar tenha surgido rápida na noite eleitoral porque esse era um cenário já antecipado.

Aliás, olhando agora, podemos até colocar em causa se algumas das metas de Portas (10%) não terão sido colocadas com o objectivo de tornar irreversível a sua decisão.

O futuro do CDS-PP está assim intimamente ligado à sua capacidade de encontrar um líder e também de acordo com o que se passar no PSD.

O problema é que no CDS-PP não há políticos de carreira como Portas (ou até Manuel Monteiro). Portas tinha construído à sua volta um grupo de pessoas desinteressadas desse protagonismo evitando deste modo "facadas nas costas". Pires de Lima é o melhor exemplo de uma pessoa cujo último interesse será o de ir para Presidente do Partido.

Com 4 anos de Socialistas há espaço para um crescimento de votos à direita, mas estes têm de ser bem conquistados, bem trabalhados e não seria um ministro do anterior Governo que seria capaz de fazer isso (como Ferro Rodrigues não foi capaz de o fazer no PS).

O futuro do Partido terá de vir de pessoas como Telmo Correia ou João Melo, por exemplo e seguramente que a solução será negociada por várias pessoas entre elas Paulo Portas. Quanto ao futuro deste, Paulo Portas não deverá excluir voltar para a política, mas provavelmente apenas como ministro num eventual retorno ao Governo. O que todos sabemos será daqui a muito tempo.

Publicado por cparis em 11:49 AM | Comentários (1)

março 02, 2005

Maria Filomena Mónica

Disordo de quase tudo o que escreve, principalmente sobre política. Contudo não posso deixar de concordar com este artigo

"As mulheres portuguesas são parvas "

Ora sendo Maria Filomena Mónica uma mulher portuguesa, suponho que também se considera parva (o mesmo que apoucada de inteligência)... Ou isso, ou escreve sem pensar.... Esta segunda versão (quanto a mim) aplica-se mais justamente... Mas também pode ser a primeira, que o resultado prático é o mesmo.

Publicado por cparis em 03:43 PM | Comentários (3)

O futuro (Bloco de Esquerda)

Vou passar a escrever sobre o que penso ser o futuro para os diferentes partidos, começando obviamente pelos que ficaram em último lugar - o Bloco.

A noite eleitoral foi simpática para o Bloco, mas a ressaca promete ser dolorosa. O Bloco não impediu a maioria do PS e passa assim a estar condenado a viver 4 anos sem monopolizar a atenção.

Sendo capaz de fazer agitações eleitorais, estas contudo só surgem contra assuntos que estão longe da prioridade dos portugueses, preocupados estes que estão com o seu emprego, mais do que com os abortos da vizinha. O PS sentir-se-á mais seduzido por Jerónimo que controla os sindicatos, do que Louçã e as abortadeiras.

Louçã obviamente não quis perder terreno e resolveu marcar o tema, "impondo" Junho como data limite para o referendo, mas obviamente que Sócrates percebe que seria um erro fazer o referendo este ano, ainda para mais com o calendário que existe. Além do mais, no período pós-referendo, terá de encontrar uma causa que atraia tanto a simpatia dos jovens....

Entretanto, o país vai ficar focado nas autárquicas, e ai o Bloco tem uma oportunidade que Lhe pode ser dada pelo PS - Lisboa, Porto e Setúbal. Sobre isso ainda é cedo para tirar conclusões, mas caso o PS não apoie o BE (ad. fazendo coligações nas autárquicas), este passará 4 anos angustiantes e o seu futuro passará por saber renovar-se e manter a sua identidade.

No fundo o BE, é como um humorista jovem. Irreverente, cheio de ideias arranca facilmente sorrisos. Depois com os primeiros cabelos brancos, é vê-lo a colar-se ao estilo que sempre criticou e a deixar de ter piada....como Louçã no debate com Portas.

PS. Ler também opinião de Mário Bettencourt Resendes e do VivaEspanha

Publicado por cparis em 03:33 PM | Comentários (2)

Calma

Sempre fui defensor de maiorias absolutas pela calma que estas podem dar à Governação. No entanto não posso deixar de ficar surpreendido quando o único spin que há é sobre a candidatura de Ferro Rodrigues a Lisboa no DN.

Publicado por cparis em 03:09 PM | Comentários (0)