janeiro 30, 2004

Seja bem vindo

É sempre salutar ver o outro lado daqueles que nos dirigem. Os blogs de pessoas que andam na política, e que usam este espaço para dizerem o que querem, sem agendas e sem constrangimentos. E este, para variar, não é de Lisboa, e apesar de lá ter estado preferiu rumar a casa, colocar-se ao serviço da cidade onde se criou. Caro Mostrengos, seja bem vindo.

Publicado por cparis em 10:40 AM | Comentários (1)

janeiro 29, 2004

Licença Paternidade

Este blog vai cessar a sua actividade nos próximos dias, porque o seu autor encontra-se a gozar uma mui merecida licença de paternidade.

Publicado por cparis em 10:31 AM | Comentários (9)

janeiro 27, 2004

Caça Talentos do PP

Já é oficial. O Paulo Gorjão (post 222) reconhece nos meus escritos que mereço estar no PP. Eu não confirmo nem desminto. Mas o Paulo Portas tinha prometido um caça talentos e eu ainda não fui contactado. Que ninguém no PP parece ser capaz de montar um blog já se sabia. Mas esperava que o rapaz ao menos soubesse ler.

Publicado por cparis em 06:31 PM | Comentários (2)

Banalização gratuita da morte

Ainda ontem defendi o realizador da SportTV no caso Feher. Achei que esteve bastante bem. Mas caro Miguel, tenho de Lhe pedir desculpa. Nem todos foram exemplares. Ontem vi a TVI e em 10 minutos mostraram 16 vezes a queda de Feher. Uma estupidez e uma banalização gratuita da morte.

Publicado por cparis em 09:55 AM | Comentários (4)

janeiro 26, 2004

Serenidade e especulação

Morreu um jovem de 24 anos que tinha o prazer supremo de trabalhar a fazer o que mais gostava. Ironicamente foi a fazer a única coisa que sabe fazer que morreu.
Uma palavra de apreço para um realizador que, assim que se apercebeu da gravidade da situação, soube serenamente mudar a câmara (caro miguel, não concordo consigo).

De tal modo esse realizador foi discreto, que todos os outros canais não tinham mais imagens do que as da queda. Repare caro miguel, que não vê os desfibrilhadores, nem o momento de ânimo que Feher teve ainda no estádio. Se houve alguém com presença de espírito foi esse realizador. Uma palavra de tristeza para alguns comentadores, em particular de um estúpido chamado Rui Santos que afirma "sem querer especular, que Feher se calhar regista alguma ansiedade devido à sua situação laboral".
Por último uma palavra de saudade para Feher.

Publicado por cparis em 07:34 PM | Comentários (0)

janeiro 25, 2004

PS de regresso

Foi preciso Carrilho indicar o alvo de Lisboa, para o PS sair da letargia em que estava e ter uma acção. Os cartazes em Lisboa são a primeira iniciativa do PS no último anoque não tem origem em factos externos (imprensa ou medidas do BE). Saúda-se o regresso.

Publicado por cparis em 02:07 PM | Comentários (2)

janeiro 24, 2004

Outro eu de regresso

Andava perdido mas encontrou-se. O entrevistador a quem Herman José devia pedir aulas, voltou ao activo numa nova rua. Seja bem vindo.

Publicado por cparis em 01:37 PM | Comentários (1)

Privatização

O que os Sindicatos não perceberam é que por cada greve que fazem, dão razão às privatizações, e ao outsorcing. É fruto do seu autismo e da estupidez de uma lei que cada vez mais ninguém tem paciência para os aturar e vão perdendo significativamente força. Um exemplo:

Numa escola, se o funcionário que abre a porta fizer greve, ninguém o pode substituir. A porta fica fechada, e mesmo que os professores e outros empregados queiram trabalhar não o poderão fazer.

Sucesso! dizem os sindicatos. Estupidez, digo eu. Se a escola fosse bem gerida (por um gestor e não um professor) isto nunca aconteceria. Bastaria entregar a segurança da Escola a uma empresa privada e deixa de haver esta questões.

Já falta pouco para que isso aconteça: o Estado quer colocar gestores na Escola e por outro lado, são várias as instituições públicas que subcontratam a segurança, a limpeza e toda uma série de serviços de apoio garantindo assim que estes funcionarão sempre, mesmo em caso de greve.

Publicado por cparis em 12:44 PM | Comentários (0)

Esclarecimento

A respeito da greve, e do facto de não me ter feito mossa, devo um esclarecimento:
Vivo fora de Lisboa e fora da sua área meropolitana. Ou seja, na Região onde vivo a maioria não usa transportes públicos para ir trabalhar, porque pura e simplesmente eles não existem. Os que existem não tiveram uma grande adesão e quem quis trabalhar, conseguiu fazê-lo.

A nível de Escolas, efectivamente não frequento Escolas Primárias nem Secundárias. Mas, segundo sei, todas as Escolas Superiores, Institutos e Universidades da Região, funcionaram bem e todos os exames que eram para ser realizados foram feitos. Os infantários na sua maioria são privados, logo não deu para notar nada.

Quanto à Saúde, todos os médicos trabalharam... Só não estavam no Hospital, mas sim no seu consultório privado. Logo fiquei descansado porque sabia onde encontrá-los.

Este é o retrato do país que não é Lisboa. Um país que já se habituou a pagar pela educação, pela saúde e pelo transporte para o emprego.

Publicado por cparis em 12:34 PM | Comentários (0)

janeiro 23, 2004

Greve? Qual greve?

Hoje tive de contactar com duas Escolas, várias Câmaras e Institutos Públicos e não notei nenhuma diferença. Até o trânsito de regresso a casa era quase o mesmo.

Qual não é o meu espanto, quando oiço falar em adesão de 90%. Se a função pública hoje só teve 10% das pessoas a trabalhar, então está provado que efectivamente anda lá muita gente e pouca a produzir.

Publicado por cparis em 07:30 PM | Comentários (3)

janeiro 22, 2004

PSD, aborto, eleitorado

O Bloguítica (post [200] e [201]) vem falar na velha tese de que o PSD actua no aborto a reboque do PP. Cita um conjunto de sondagens onde, segundo ele, dois terços das pessoas têm uma opinião diferente do PSD.

Acho espantoso estas afirmações e convicções baseadas num qualquer estudo encomendado que se adapta a alguns desejos íntimos. Senão vejamos:

1. O primeiro referendo sobre o aborto foi conseguido graças ao empenho do PSD, pelo seu líder Marcelo Rebelo de Sousa. Foi o PSD quem sempre defendeu esse referendo (quando uma maioria na Assembleia se preparava para votar favoravelmente a lei).

2. O eleitorado, o que vota, não o de Lisboa que é interpelado na rua pelos meninos da Universidade Católica, sempre apoiou o PSD nessa matéria. Votou no referendo e votou mais tarde no PSD, com Durão a dizer que respeitava o referendo.

3. Esse mesmo eleitorado votou o PP como terceira força política. Se os 8% do PP são assim tão discipientes, então que dizer das opiniões do PCP e do BE? Espero que o bloguítica não esteja a sugerir que apenas as opiniões do PS e do PSD é que contam?

O que o bloguítica não quer reconhecer é que o PSD sempre defendeu um referendo para o aborto, desde a primeira hora,e que depois de o provocar não vai convocar outro só porque alguém não concorda com o resultado.

O mais interessante é saber que o PS também não defende, unanimemente, a despenalização do aborto. Acho curioso, muitíssimo curioso, que nenhum jornalista tenha ido entrevistar António Guterres para recolher a sua opinião. Seria deveras interessante.

E o que não diz, é que tiro no pé deu o PS quando com base em sondagens como esta foi para referendo a primeira vez. O PS e a esquerda partiram confiantes para uma vitória que seria nada menos do que triunfal. Só que enganaram-se e foram enganados por "líderes de opinião" que não conhecem minimamente o País. Tente repescar algumas das sondagens da altura e compare com os resultados.

(PS) Quando falo em desejos intímos, não me refiro concretamente aos seus.
É que se eu for eu a fazer as perguntas das sondagens, obtenho de certeza resultados bem diferentes...

Publicado por cparis em 05:46 PM | Comentários (2)

janeiro 21, 2004

Política de Imigração

1. Concordo com a existência de uma cota... acho uma irresponsabilidade a política de "entram todos"
2. Acho positivo que não se persigam imigrantes ilegais, só porque os filhos têm de ir ao Hospital. É no mínimo, um acto de humanidade.
3. Legalizar quem já cá está a trabalhar é o mínimo que se pede a uma pessoa de bem, que o Estado às vezes não é.

Más notícias:
1. Acho lamentável que não se tenha aproveitado a oportunidade para alterar a legislação relativa ao tráfico humano. As penas são leves e convidam ao crime.
2. A cota de 6.500 parece-me escassa... Só que o Governo apoia-se num estudo aparentemente credível. Quem o contradiz apoia-se em opiniões tiradas à volta do café.

Publicado por cparis em 12:41 PM | Comentários (2)

Legalização de imigrantes brasileiros

Ouvi na TVI, que dos 30.000 imigrantes brasileiros que se tentaram legalizar, só 10.000 viram o seu caso apreciado e destes só 76, isso só 76, o conseguiram. Fiquei chocado.

Mas depois em conversa com MST, Manuela Moura Guedes explicou porquê. Parece que o Governo Português exige o cadastro, e o Governo Brasileiro só o dá presencialmente. Porque é que esta parte não veio na notícia?

Manuela Moura Guedes acusa o Governo Português de ser burocrático. Mas esquece-se de referir que quem é burocrático ao exigir a presença da pessoa é o Gov. Brasileiro. E MST diz que os Portugueses desconfiam dos imigrantes, mas quem não confia numa procuração que permita uma pessoa levantar o cadastro de outra é o Brasil.

Há que ser honesto. Neste caso o Governo Brasileiro é burocrático e desconfia dos seus cidadãos, ao ponto de não permitir uma simples procuração.

Por último, Portugal talvez não fosse tão paranóico com a segurança em relação aos brasileiros, se o Brasil não fosse uma paraíso para quem comete crimes em Portugal (padre frederico, felgueiras, o skinhead são apenas alguns dos casos).

Por isso, meus caros representantes das Associações de Imigrantes Brasileiros, antes de chamarem Hitler aos governantes portugueses, tentem olhar para o umbigo e vão protestar para a porta do consulado brasileiro que desconfia de vocês. Que acha que vocês os iriam enganar pedindo cadastros falsos. Quando tiverem a honestidade de fazer isso, eu ouvirei as Vossas críticas.

Publicado por cparis em 12:33 PM | Comentários (3)

janeiro 20, 2004

O lixo de uns é o tesouro de outros

É o que se pode dizer do "recauchutado" FlashBack, mal amado na TSF e que aparece na SIC Notícias para alegria minha e de muitos. O programa chama-se agora Quadratura do Círculo e também aderiu à bloguice.
Por explicar só fica aquele logotipo que me deixa muito confuso.

Publicado por cparis em 12:25 AM | Comentários (0)

janeiro 18, 2004

Manuel Maria Carrilho

Achei interessante a altura que o Viva a Espanha escolheu para analisar Manuel Maria Carrilho. Porque é oportuna essa análise, vou dar a minha visão sobre este personagem único que provoca uma inveja imensa.

Apelidado de vaidoso, MMC é na maioria das vezes subestimado na sua inteligência e mal interpretado na ambição. O que MMC mais gosta é do poder. Ficou-Lhe de ministro o gosto pelo poder decidir, poder fazer. E se analisarmos objectivamente o seu mandato, MMC fez obra.

Mas MMC tem um defeito para a classe política – não gosta de pedir por favor. Como tal, não quis o lugar a qualquer preço e saiu quando entendeu ou viu que aquilo não ia dar certo. É imperdoável para um político seguidista, que MMC se desprenda tão facilmente de um lugar porque todos se babam.

Não tivera MMC sido injectado com o vício do poder, a história teria acabado assim. Mas MMC ficou viciado com a possibilidade de escrever e ser lido, com o aparecer na TV e fazer doutrina qual Marcelo Rebelo de Sousa. Basta ver o seu site para ver o orgulho que MMC tem em si. E então qual o caminho político possível?

1. Europeias.
Não daria para MMC, porque pura e simplesmente não há poder.

2. Secretário Geral do Partido.
MMC já percebeu que não pode esperar apoio do partido. A inveja é muita e MMC já se contentaria se tivesse um papel importante numa alternativa a Ferro.

3. Ser de novo Ministro.
Com Ferro nunca o será. Por isso, MMC teria de derrubar Ferro com alguém que confiasse nele e esperar depois ganhar eleições. Muito esforço, muita dependência de terceiros, muito tempo de espera para algo que já experimentou.

4. Câmara de Lisboa.
Acaba por ser a resposta óbvia. Algo dará mais prazer a Carrilhodo que derrotar PSL? PSL tem o eleitorado feminino, mas é Carrilho que tem a Bárbara. O improviso contra o calculismo. MMC só precisaria do apoio do PS, e já sabe que não o vai ter voluntariamente. Como não gosta de pedir favores, avançou antes de tudo e todos. E sem dar ao PS hipótese de opinar.

Viva a Espanha diz que Carrilho tem muita ambição. Terá certamente, mas o seu objectivo não será o partido. Será outro. Se Carrilho ganhar em Lisboa em 2005, e se depois conseguir ganhar o segundo mandato, chegará a 2009 como um político de peso respeitado e querido. As presidenciais serão em 2011. Quer Viva a Espanha melhor estratégia para a maior ambição de sempre de um político?

Publicado por cparis em 10:34 PM | Comentários (4)

Bloco de Esquerda não acredita em casamentos

"Bloco de Esquerda nega aliança com PS" diz a TSF.

Ora qual é a notícia? Toda a gente sabe que para o BE só a união de facto é que vale. E desenganem-se se pensam que estes partidos estão a pensar no país. Estão apenas interessados em derrotar Pedro Santana Lopes em Lisboa. Em menos de uma semana, Miguel Portas junta-se a Manuel Maria Carrilho na obsessão anti-PSL.

Publicado por cparis em 10:04 PM | Comentários (2)

janeiro 16, 2004

Sexo, Audiências e Estereótipos

O Jornal da Noite da SIC só falou de sexo. Dever ser a nova estratégia das audiências. E dá destaque a uma notícia que só visto: uma em cada quatro universitárias teve experiências sexuais forçadas.

A notícia sugere que se uma mãe mandar uma filha para a universidade corre o risco de 25% de ela ser violada. O que além de ser absurdo, não é verdade e não é isso que está no estudo.

Primeiro: o que é, sociologicamente, uma universitária? Basta ver as universitárias de Lisboa e as do resto do País para se assistirem a diferenças monumentais.

São frequentes, e visíveis, "universitárias" prostituirem-se em Lisboa e não há notícia que isso se passe em outros lados. Já agora, quantas destas universitárias já eram prostitutas?

E o que é uma "experiência sexual"? um beijo? um apalpão? ou uma relação sexual?

E "forçada" significa violência? Ou naquela noite não Lhe apetecia e o namorado "forçou-a" dizendo que Lhe dava sorte para a frequência?

Muito gostam os jornalistas de pegar em factos e dar-Lhes um aspecto mais sensacionalista.

Publicado por cparis em 11:24 AM | Comentários (2)

janeiro 15, 2004

PR

Com o último pedido, a que já ninguém liga, Jorge Sampaio deu uma nova dimensão às siglas PR: o Pedinte da República.

Publicado por cparis em 04:15 PM | Comentários (1)

janeiro 14, 2004

Greves de fim de semana

A FeNProf vai realizar uma Marcha Nacional pela Educação. Parei e fechei os olhos a tentar adivinhar o dia: sexta-feira! Bingo. Dia 23.

Já agora, na Marcha não vai ser apresentado nada de novo, apenas pretende ser contra as políticas deste Governo. Como foram contra as do PS. Ou seja pela Educação não há nada. Só contra.

Aliás basta ler o comunicado e perceber que um dos maiores problemas é: "a insensibilidade dos responsáveis governamentais perante a realidade brutal do desemprego e da instabilidade do sector".

Ou seja, não são bem problemas de Educação que movem os mui notáveis sindicalistas. São os do Desemprego. Por isso é que as marchas são ao fim de semana... Que é para enquanto os desempregados estão na marcha, os outros poderem ir para as Amoreiras sem estas estarem à pinha.

PS. Há vários problemas na Educação em Portugal. O primeiro dos quais reside no facto de nenhum grupo com mais de 20 professores conseguir chegar a acordo sobre nenhum modelo educativo.

Publicado por cparis em 01:46 PM | Comentários (5)

Bater no ceguinho

Em Portugal ser da esquerda chique é defender as minorias. Porque, dizem, os outros estão constantemente a agredi-las. E depois cai-se no exagero de criticar pessoas que usam certas forças de expressão, metafóricas. Já li, que é discriminatório e homofóbico dizer-se "bebe isso tudo, não sejas maricas", e que é xenófobo dizer-se que "estás tão mal vestido que pareces um ucraniano".

Curioso é quando vejo esta esquerda (a que usa moleskine) rejubilar com um livro que critica o Presidente Bush e diz que "as reuniões na Sala Oval era um cego no meio de surdos". Será que esta esquerda intelectual acha que um cego não pode vir a ser Presidente dos EU, e um surdo seu consultor? Serão porventura estes cidadãos inferiores a outros? Ou terá esta esquerda mandado os seus princípios para o lixo, e aproveitado para bater no ceguinho?

Publicado por cparis em 11:12 AM | Comentários (2)

janeiro 13, 2004

Putos na política

Uma coligação condenada à partida, diriam alguns. No entanto, Durão, hábil negociador tem levado a dele a bom porto. A escolha das pastas populares foi muito bem feita (retirando as sempre polémicas Educação, Adm. Interna e Saúde, mas dando pastas de peso como a Seg. Social e Defesa) e no único azar que teve (Casa Pia), mandou calar a ministra da Justiça e tudo se passa.

Mais eis que surgem os putos. Quando tudo corre bem, há uma certa tendência para as Jotas desaparecerem. Foi assim com Cavaco, foi assim com Guterres, há-de ser assim com Durão. E ninguém espera que os deputadozitos eleitos façam ondas... Mas, há que gerir as (naturais) ambições destes jovens políticos que querem minutos de antena e justificar na sede que fazem alguma coisa.

A JSD vai mexer no aborto. Só que esquece-se que a JS já fez isso, logo não é original... E conseguiu que o PS ficasse conotado com mais uma derrota nas urnas. E esses dois referendos perdidos são o início do fim do PS de Guterrres. Talvez seja isso que a JSD queira... Ir para eleições mais cedo. Pelo menos estão a fazer tudo por isso.

Publicado por cparis em 02:30 PM | Comentários (0)

Direitos adquiridos

Ao descobrir novos blogues encontrei o intimista, (muito agradável e de leitura recomendada) e chamou-me a atenção um artigo: Sindicatos da treta.

Tem a ver com o facto de os nossos sindicatos ja estarem a prever greves (aposto que hão-de ser na véspera de Carnaval para aproveitar o fim de semana), apenas porque se mudaram as regras da reforma.

Concordo com muito do que o pedro diz, mais eis que nos comentários vem alguém com a tese sindicalista:

"As pessoas que há 30 ou 40 anos optaram por ir trabalhar para a função pública, fizeram-no na base de um conjunto de direitos,que de certa forma compensavam o vencimento que era na altura francamente mais baixo que nas empresas privadas."

Espantoso. E só na função pública. Então quando a pessoa é admitida está a pensar nos direitos que vai usufruir daqui a 40 anos? E onde está esse direito contratualizado? Não é no contrato de trabalho, e muito menos na lei, uma vez que esta só é aplicável na altura em que está em vigor e não 40 anos mais tarde.

Ou seja, a única coisa adquirida é a convicção que alguns funcionários públicos têm de que depois de entrarem, é só esperar que o tempo passe que o dinheiro pinga sempre...

Publicado por cparis em 02:19 PM | Comentários (1)

janeiro 12, 2004

Ingenuidade ou patetice

O nosso mui respeitável Presidente da República fez mais uma apelo à nação. A primeira ingenuidade é acreditar que alguém leva os seus apelos a sério. O conceito de Magistratura de Influência pode funcionar algumas vezes, mas apenas quando nada realmente importante está em jogo.

E com apelo atrás de apelo só se vem descredibilizar e dar a entender ao comum dos mortais aquilo que os políticos já sabem: o cargo de PR é na sua maioria decorativo. Ainda para mais Sampaio caminha para a reforma, ou seja, está prestes a perder qualquer influência política que ainda tenha.

A segunda ingenuidade tem a ver com o facto de ele esperar que um advogado perderá um caso apenas para ser politicamente correcto. Aqui, faço minhas as palavras do José Manuel Fernandes no Público:

Faz parte das obrigações dos advogados lutar pelos seus clientes utilizando tudo o que a lei coloca ao seu dispor (razão pelo que o apelo presidencial a que terminem as delongas e chicanas processuais ou é ingénuo, ou é patético).

Publicado por cparis em 01:59 PM | Comentários (1)

janeiro 11, 2004

A não perder

Graças ao zecatelhado soube que João Magueijo vai estar 2ª feira ao fim da tarde na T.S.F. .

Recomendo vivamente a não perder esta entrevista. Magueijo é um alentejano que resolveu pegar na teoria de Einstein (a famosa E=mc2) e equacionar a possibilidade de c , a velocidade da luz, não ser constante.

Acresce a este atrevimento, que o autor resolveu rechear o livro (Faster Than the Speed of Light) com alguma amargura em que critica, e muito, todo o sistema académico e o modo como se faz ciência (e ele não está em Portugal). Em particular critica as dificuldades de ser publicado, o sistema de revisão de provas, etc.... Às vezes excede-se na crítica (juventude) o que Lhe valeu que a versão inglesa tenha sofrido alterações no editorial em resposta a ameaças de processo por parte da revista Nature, isto porque Magueijo apelidou o editor da revista de "moron". Mais uma vez, obrigado ao tadechuva e a não perder esta entrevista.

Publicado por cparis em 07:08 PM | Comentários (0)

Sexualidade na Escola

Já aqui falei por diversas vezes que acho importante, antes de se discutirem outras coisas, falar de Educação Sexual na Escola. Uma educação séria, feita por especialistas. Acho que as campanhas de intesificação de preservativos e pílulas do dia seguinte não levam a lado nenhum, sem formação e informação.

Recomendo-Vos que leiam esta brilhante entrevista na Pública. Brilhante porque fala desassombrado de temas que nos tocam a todos, e fá-lo com a certeza dos números. Apesar de não concordar totalmente com a solução, este é um óptimo ponto de partida, muito melhor do que o que temos hoje.

Alguns de vós, lendo a entrevsta e conhecendo as minhas posições, pode ficar surpreendido como é que aplaudo uma entrevista que critica abertamente o MDV. Pois, para mim, o que está em causa, é que o MDV não percebe ou não quer perceber, é que apesar de ser ele (e a APF) responsáveis teoricamente pela educação sexual, quem no final contacta com alunos são professores, muitos deles críticos à mensagem que se quer passar.

Basta por exemplo ler o que o responsável pelo Sindicato do Professores da Região Centro, escreve sobre o tema, para perceber que se ele desse aulas, a mensagem sairia absolutamente deturpada.

Qualquer disciplina de Educação Sexual deve reger-se por aspectos técnicos e não por aspectos de carácter moral ou outros. É importante que um jovem saiba colocar um preservativo, é importante também que saiba a sua taxa de eficácia e que se perceba o que é que aquilo tudo significa.

A título de exemplo, deixo-Vos, aqui este pequeno resumo:

Em Portugal, o uso da pílula do dia seguinte terá crescido 40 por cento em 2002. As taxas de gravidez em adolescentes com menos de 17 anos, de infecção por HIV na população com menos de 25 anos e de cancro do colo do útero são as mais altas da União Europeia. Indicadores que expõem o falhanço do modelo de educação sexual nas escolas e a inacção do governo, denuncia Miguel Oliveira da Silva.

Publicado por cparis em 06:09 PM | Comentários (2)

Cara a cara

Fiquei farto da troca de e-mails. Sentia uma angústia sempre que aparecia uma nova mensagem. Resolvi provocar o frente a frente. Ele inevitalmente iria acontecer e preferia tê-lo numa ocasião por mim planeada do que ser surpreendido num mau dia.

Foi um alivio. Não que tivesse resolvido algum problema. Não que tivesse ficado um ambiente totalmente esclarecedor, ou um cenário brilhante. Mas ficou o assunto encerrado. Fiquei a saber exactamente o ponto da situação, onde tinha errado e onde tinha razão. Mas mais importante: deixei de andar amargurado imaginando cenários. Porque pior do que uma situação menos boa, é não saber em que situação nos encontramos.

À noite quando sai, resolvi prestar atenção. Nem todos diziam o meu nome no final da saudação. Alguns até distraídos nem saudavam. Fiquei contente: significava que no outro dia estavam realmente a tentar dar apoio. Assim se vê com quem se pode contar... Também fiquei surpreendido com as palavras de apoio aqui no blog. Pessoas que nem sabiam que me liam, saíram do anonimato só para me apoiar. Obrigado. Estas foram as partes gratificantes de uma briga completamente idiota.

Publicado por cparis em 04:31 PM | Comentários (0)

janeiro 08, 2004

Briga no emprego

Hoje tive a minha primeira briga séria no emprego. Trocas de e-mails azedas acompanhadas por mais de 40 pessoas que aqui trabalham. O opositor é superior hierarquicamente e isso pode vir a ser-me prejudicial. O clima também não será o melhor.

À saída quando ia do meu gabinete para o carro, pareceu-me que todos os que me desejavam "Boa noite" aproveitavam para dizer o meu nome como que a dar-me ânimo. Pelo menos tenho a certeza que era essa sensação que eu queria ouvir.

Publicado por cparis em 09:50 PM | Comentários (5)

Foco na Focus

A revista Focus lançou para a primeira página mais uma notícia da Casa Pia, com um único objectivo: juntar pessoas importantes ao Processo para criar polémica e vender mais. Só isso. E ajudar a criar um clima de insatisfação do Ministério Público.

Não podem ser notícia fotografias mostradas pelo MP a pessoas que dizem saber algo sobre um crime. Porque virtualmente todos podemos estar naquelas fotografias. O MP está a fazer o seu trabalho e não pode na Investigação usar princípios como "pessoa honrada" ou "acima de qualquer suspeita".... Aliás acho que esse facto demonstra que existe uma certa democratização da investigação, tratando todos por igual.

Já me revolta, que esses passos de investigação, normalmente chamados de "tiros para o ar" sejam notícia. E notícia dupla: da revista para se vender e de todas as televisões, cuja notícia é a revista que abusou.

Também fico inquieto, a ser verdade, quando se acusa alguém que comprovadamente naquele dia estava a milhas de distância. Que raio de investigação se fez que não permitiu despitar algo tão evidente?

Estou um pouco farto deste caso, principalmente dos nossos media. Já aqui falei que acho o caso do JN absurdo.... Já vieram os corporativistas dos jornalistas agitar a censura, esquecendo eles que amanhã podem ser as vítimas das manipulações descaradas para aumentar a tiragem.

Dado o ambiente poluído a respeito deste caso vou tentar (não prometo, mas vou tentar) não falar tanto deste caso.... Já comecei a fazer alguma coisa: deixei de ler jornais. Agora estou a tentar deixar de ver as aberturas dos noticiários.

Publicado por cparis em 09:48 AM | Comentários (1)

janeiro 07, 2004

A Falácia do JN

Diz o Director de Jornal que a notícia não era lançar uma suspeita pelos visados mas sim informar sobre o "pretenso" crime que foi cometido ao se juntar a carta anónima ao processo. Não explicou, porque nunca conseguirá explicar se para demonstrar esse crime precisava de divulgar os nomes que constavam da carta. Se era relevante dizer que na carta estava o nome de Chalana, Jaime Gama ou Carlos Manuel. A não ser que só seja crime por terem sido citadas pessoas importantes.

PS. Digo pretenso, porque um crime só o é, depois de julgado. Aplica-se aos arguidos e aplica-se também ao procurador.

Publicado por cparis em 01:03 PM | Comentários (0)

janeiro 06, 2004

Estatísticas

Aqui há uns tempos o Zé Mário tentou fazer um perfil empírico (e absurdo) de quem mantém blogues. Agora a moda é outra: o Terras do Nunca discorda da ideia (pena não ter dito quem é o autor) de que "os blogues de esquerda têm sistema de comentários e os de direita não". E acrescenta de que os de direita "fizeram (longas) férias de Natal e Ano Novo"

Ora, eu não só não estou a ver um blog do PCP a aceitar comentários :-) , como não vejo um blog do PP a perder a oportunidade de envagelizar desejando a todos um Santo Natal. :-D.

Cá por mim, mantive-me activo no Natal e no Ano Novo. E os comentários estão aí desde o primeiro dia. Sirvam-se....

Publicado por cparis em 07:37 PM | Comentários (4)

Stand-up applause....

Confesso que quando assistia ao Seinfeld nem sequer sabia o que era Stand-up. Aliás achava mais piada ao Kramer do que ao Seinfeld, mas aqueles minutos no início e no fim eram delirantes.

Depois foi com agrado que vi um velho amigo meu a fazer stand-up. Estávamos em 2001, e o Tochas ali aparecia, sozinho a enfrentar o palco e a descobrir novos públicos.
Foi também entusiasmado que comecei a assistir ao “Levanta-te e Ri”. Novas caras, novas piadas... parecia tudo bem. Depois veio o descalabro. É curioso observar que numa sessão do programa o número de palmas é muito superior que o de sorrisos... Ou seja, é um stand-up applause e não comedy.

Tirando um par de comediantes originais, o restante é muito fraco. A par da revelação Bruno Moreira, existem outros cujo maior sorriso que nos conseguem tirar é ver o alívio que têm quando ouvem palmas (não gargalhadas) no fim de cada piada.

O stand-up pretende ser original, actual, mordaz e não um conjunto de contadores de anedotas cujo sucesso depende dos trejeitos e da quantidade de asneiras que dizem em palco. Claro que num país onde o programa de maior audiência é “Os Malucos do Riso” não admira que aquilo tenha sucesso. Além do mais, e aqui há que louvar a produção, foram inteligentes ao levar o programa a diferentes locais do país.

Agora estes contadores de anedotas são os novos ídolos, comparáveis aos vencedores de um qualquer “Chuva de Estrelas”. Um deles o Hoji tem tanta piada quando estava na casa do Bar da TV. A fórmula é simples. Diz umas piadas racistas, e como é preto as pessoas riem-se.... Ele não percebe que não tem piada, apenas é caricato.

Estou em crer que a moda vai passar e os verdadeiros, aqueles que têm arte hão-de sobreviver e marcar a diferença. Basta ver a genialidade dos textos do Bruno ou mesmo a acutilância do Ricardo Araújo Pereira para ver que naquele programa se mistura gato com lebre, conseguindo uma caldeirada farta (hora e meia?) sacrificando a qualidade global.

Aos de qualidade um Bem hajam!, aos outros aproveitem ao máximo para ganhar dinheiro mas depositem-no num PPR. Vão precisar dele mais cedo do que pensam.

Publicado por cparis em 07:17 PM | Comentários (1)

janeiro 03, 2004

O (In)DEPENDENTE e a Casa Pia

Começa a ser constrangeor a figura que o jornal (?)Independente vai fazer relativamente ao caso Casa Pia.

Depois de todas as trapalhadas com o sósia do Carlos Cruz, onde Inês Serra Lopes ia sendo acusada de pagar para haver notícias, eis mais uma primeira página a roçar a parvoíce... pessoas honradas na capa de um jornal que se afirma como sendo de referência. A notícia, não há... é um belo exemplo de não notícia que apenas tem um objectivo. Mandar lama para um processo, que se quer confuso desviando a atenção dos arguidos... De um em particular: Carlos Cruz cujo advogado é pai da Directora do Jornal.

Publicado por cparis em 07:54 PM | Comentários (3)

O português sabe (de) tudo

Acho sempre espantoso a capacidade que o português tem de ser especialista em tudo. Desde o varredor a Carvalho da Silva todos discutem macro-economia com uma certeza e um saber fenomenal.

Vem isto a respeito do acidente que o avião da Air Luxor teve na Madeira, onde o trem de aterragem avariou. Entrevistando os passageiros, logo houve um que se destacou:

"Eu acho que o piloto se distraiu um bocado. Porque ele devia ter o sistema travado e depois quando tentou recolher o trem, como aquilo estava travado, partiu"

Espantoso. Caixas Negras para quê? Basta colocar um tipo destes em cada avião, que sai muito mais barato.

Publicado por cparis em 04:34 PM | Comentários (1)

janeiro 02, 2004

Cartas Anónimas

Anda para aí tudo num alvoroço porque afirmam que a carta anónima que referencia o Jorge Sampaio não devia estar junta ao processo. Eu só sei uma coisa: se o procurador se atrevesse a mandar a carta para o lixo e o nome fosse o do Paulo Portas, apareceria nos jornais:

"Procurador suprime carta que relaciona Paulo Portas com caso Casa Pia"

E aqueles que criticam por ter anexado a carta, seriam os primeiros a dizer que ele não a devia ter mandado para o lixo.
Se querem discutir Justiça, retirem os nomes e discutam a Justiça. Estabeleçam uma norma que diga se as cartas anónimas devem ou não estar no processo. Se as coisas são deixadas ao arbítrio do juiz só há que acatar qualquer que seja a decisão. Mais uma vez, SEJAM SÉRIOS!

Publicado por cparis em 03:31 PM | Comentários (3)