março 21, 2005

Medicamentos e farmácias

Fiquei contente quando ouvi Sócrates falar da venda dos medicamentos de venda livre. Fiquei depois surpreendido quando vi o presidente da ANAREC, um socialista que já foi Governador Civil no tempo de Guterres aparecer logo aos pulos exultante de alegria.

Hoje ao ouvir o programa do Governo confirmei a minha suspeição: Sócrates não quer afrontar poderes instalados. Apenas quer, à boa maneira socialista, ficar de bem com todos para distribuir riquezas.

De facto, se Sócrates estivesse preocupado com o fazer bem, acabava com a restrição do número de farmácias (incompreensível numa democracia plural) e permitiria a criação de farmácias onde elas são precisas ao utente (nos hospitais)... Aliás é ridículo que se possa comprar de tudo num Hospital (jornais, revistas, flores, comidas) menos medicamentos.

Por enquanto Sócrates contenta-se com uma medida, boa, mas de reduzido efeito. Fiquemos contentes com ela, mas cautelosos. Porque não é a nós que ele está a servir...

Publicado por cparis em março 21, 2005 03:43 PM
Comentários

Falata referir que, com esta medida, Sócrates também consegue agradar a Belmiro de Azevedo e, assim "comprar" o silêncio deste durante uns tempos...

Afixado por: Peixoto em março 23, 2005 12:50 PM