agosto 11, 2004

O filme de Moore

Não tenho o minimo interesse em ir ver o filme de Moore. Acho que a falta de isenção será tão óbvia que me recuso a ir ver. As mentiras de Moore serão obviamente consideradas desculpáveis tais como os crimes que os jornalistas cometem... Aliás o primeiro engano começa na própria designação: é um filme ou um documentário? É realidade ou ficção?

Publicado por cparis em agosto 11, 2004 04:43 PM
Comentários

O que acho curioso são as pessoas que criticam quem diz já ter opinião formada sobre o filme mesmo antes de o ver. Para essas pessoas só depois do filme é que se pode ter opinião sobre o mesmo. Pode ser em parte verdade, mas quando chego a um multiplex estão lá 10 filmes e eu não vi nenhum. Para escolher 1 dos filmes tenho que ter à priori um qualquer tipo de opinião. Essa opinião pode ser baseada em jornais, amigos, ou nos actores que entram no filme. E com esse actor a protagonizar esse filme também eu dispenso.

Afixado por: Bruno em agosto 12, 2004 11:53 AM

Pelo que tenho lido não passa de pura propaganda anti-Bush...

Afixado por: Peixoto em agosto 12, 2004 10:02 PM

De facto irrita-me bastante que aquele "quisto sebáceo", podre de rico, enriqueça ainda mais à custa de um facto como o 11 de Setembro. Para esse peditório, eu não dou! Penso ter lido algures que Ray Bradbury (nem sabia que ainda era vivo!) tinha reclamado veementemente sobre a colagem do título do livro ao título da sua obra prima "Farehneit 451".

Afixado por: O Velho da Montanha em agosto 13, 2004 11:52 AM

Eu critico não quem tem uma ideia formada do filme, critico quem diz serem mentiras o que aparece no filme sem mesmo o verem.

Sinceramente, ainda não o vi, essencialmente por falta de tempo. Por isso mesmo ainda não me pronunciei sobre ele.

Agora, sobre o que tenho lido há uma conclusão óbvia a tirar: Michael Moore manipula as imagens e mostra aquilo que quer mostrar e não mostra coisas que poderiam desculpar o que ele mostra.

Mas há coisas que são óbvias e que não é necessário termos Moore para concluirmos. Uma delas foram consequentes mentiras da administração Bush sobre os motivos para a guerra no Iraque. É um facto que a conclusão de investigações aponta para fontes mentirosas e erros na averiguação de factos. Mas também tem parecido relativamente óbvio que Bush e Cia. vivia obcecada (à excepção de Powell) com o Iraque e que encontrariam sempre um motivo para o invadir. Quanto ao Afeganistão, nada digo. Entendo que, mesmo com toda a retórica belicista dos Bush-boys, que foi uma guerra que se justificou por razões óbvias.

Quanto a ser um documentário, os únicos isentos são os não-políticos. Desde documentários sobre o Holocausto a documentários sobre um Reagan (por exemplo) ou sobre Bush, qualquer documentário político tem uma agenda à partida. E é sempre influenciado ainda mais peloq ue recolhe e pelo que mostra. A arte está na forma de o mostrar. E a de Moore está em fazê-lo com humor. Mas confesso que, se o visse do lado de fora de minha casa à minha espera, faria os possíveis para lhe escapar.

Afixado por: João André em agosto 15, 2004 11:12 AM

Vão ver antes e falem depois. E quando sairem, enojados e próximos do vómito contra Bush fiquem com esta: Moore foi muito, mas muito suave. Havia muito mais para contar.

E Kitty Kelley acabou de publicar nos EUA uma biografia da família Bush. Com escândalos e lavar de muita roupa suja.

Moore fez críticas duras mas podia ter divulgado muito mais. E tenho a certeza que não o fez porque se o fizesse estaria a alienar muitos simpatizantes Bush que, aí ainda mais, diriam que se trata de propaganda.

http://ditocujo.weblog.com.pt/

Afixado por: Dito Cujo em setembro 14, 2004 11:59 PM

A preocupação de Moore nunca foi fazer um filme isento. Claro que se trata de pura propaganda anti-bush! Eu próprio colecciono todas as noticias que encontro sobre Bush e toda a sua política, baseada na mentira, na estupidez e na propaganda "supostamente" anti-terrorista... Tudo o que Bush faz é instigar medos e pânico, colocando com as suas políticas um "alvo" em todas as cabeças dos cidadões americanos... Além de favorecer todos os lobbies que o elegeram (judaicos, militares, petroliferos, etc)... Por isso é que o filme/documentário de Moore é um meio de combater George W. (em)Bush(te), o "cowboy do Texas". É o seu único objectivo (esperemos que o consiga!).

Afixado por: mastertyno em setembro 15, 2004 03:00 PM