janeiro 18, 2004

Manuel Maria Carrilho

Achei interessante a altura que o Viva a Espanha escolheu para analisar Manuel Maria Carrilho. Porque é oportuna essa análise, vou dar a minha visão sobre este personagem único que provoca uma inveja imensa.

Apelidado de vaidoso, MMC é na maioria das vezes subestimado na sua inteligência e mal interpretado na ambição. O que MMC mais gosta é do poder. Ficou-Lhe de ministro o gosto pelo poder decidir, poder fazer. E se analisarmos objectivamente o seu mandato, MMC fez obra.

Mas MMC tem um defeito para a classe política – não gosta de pedir por favor. Como tal, não quis o lugar a qualquer preço e saiu quando entendeu ou viu que aquilo não ia dar certo. É imperdoável para um político seguidista, que MMC se desprenda tão facilmente de um lugar porque todos se babam.

Não tivera MMC sido injectado com o vício do poder, a história teria acabado assim. Mas MMC ficou viciado com a possibilidade de escrever e ser lido, com o aparecer na TV e fazer doutrina qual Marcelo Rebelo de Sousa. Basta ver o seu site para ver o orgulho que MMC tem em si. E então qual o caminho político possível?

1. Europeias.
Não daria para MMC, porque pura e simplesmente não há poder.

2. Secretário Geral do Partido.
MMC já percebeu que não pode esperar apoio do partido. A inveja é muita e MMC já se contentaria se tivesse um papel importante numa alternativa a Ferro.

3. Ser de novo Ministro.
Com Ferro nunca o será. Por isso, MMC teria de derrubar Ferro com alguém que confiasse nele e esperar depois ganhar eleições. Muito esforço, muita dependência de terceiros, muito tempo de espera para algo que já experimentou.

4. Câmara de Lisboa.
Acaba por ser a resposta óbvia. Algo dará mais prazer a Carrilhodo que derrotar PSL? PSL tem o eleitorado feminino, mas é Carrilho que tem a Bárbara. O improviso contra o calculismo. MMC só precisaria do apoio do PS, e já sabe que não o vai ter voluntariamente. Como não gosta de pedir favores, avançou antes de tudo e todos. E sem dar ao PS hipótese de opinar.

Viva a Espanha diz que Carrilho tem muita ambição. Terá certamente, mas o seu objectivo não será o partido. Será outro. Se Carrilho ganhar em Lisboa em 2005, e se depois conseguir ganhar o segundo mandato, chegará a 2009 como um político de peso respeitado e querido. As presidenciais serão em 2011. Quer Viva a Espanha melhor estratégia para a maior ambição de sempre de um político?

Publicado por cparis em janeiro 18, 2004 10:34 PM
Comentários

Boa análise. Concordo perfeitamente. E, para mais, adoro o Carrilho, porque consegue fazer mais estragos ao PS que os próprios adversários. Heheheh
CC

Afixado por: Maxou em janeiro 19, 2004 04:54 PM

Inteligente e ambicioso com certeza, duas características que em Portugal costumam ser entendidas como defeitos (vá-se lá saber porquê...), mas parece-me que falta a Carrilho algum, diria, carisma para empolgar eleitores (de Lisboa ou de qualquer outro local). Talvez me engane.

Afixado por: JMG em janeiro 19, 2004 06:19 PM

Seria lindo ver um combate eleitoral entre Santana e Carrilho... Os dois a tentarem aparecer no número máximo de revistas possíveis e a mostrarem-se como "personalidades" da cultura, fosse em teatros, museus ou quiçá bares do Jet-set!

Afixado por: Peixoto em janeiro 19, 2004 06:35 PM

A presunção ao/do poder. Seria lindo (Peixoto) ver os dois colunáveis a digladiarem-se por ser o cacique-mor da novel pátria que ainda é Lisboa;
Quantos aos estragos (Maxou) poderá ainda ler-se muito sobre como evitá-los (lendo os 450 livros que Santana Lopes vai publicar) e filosofar com a rosa do PS colocada sobre o umbigo carrilhista.
Inteligentemente defeituoso...

Afixado por: Anjo élico em janeiro 20, 2004 11:52 AM