outubro 13, 2003

É praxista? SIM !

Existe um grande conjunto de blogs, desde o abrupto ao Aviz que andam a criticar as praxes e as desobediências civis, como se uma coisa fosse igual à outra. Vamos por partes:

1. O Traje é uma farda. Ponto final. Nada mais. Usa quem quer e quem se identifica com ela. Fardas há muitas em Portugal, as de lei e as outras.

O interesse é acima de tudo pedagógico. Dois estudantes fardados esbatem diferenças sociais que aparecem refletidas nas marcas das roupas. Deixam de existir os Lacoste, Benetton e outros que tais. Eu sei que em Lisboa isso deve ser uma chatice.

Também deve ser uma chatice não ter espelhos em casa. A maioria dos que se opõem às fardas anda com uma diariamente: calça de vinco, com blaser e gravatinha, olarilolé. Quando o José Pacheco Pereira aparecer nas suas intervenções na SIC e no Parlamento Europeu sem a sua gravatinha, tem autoridade moral para falar contra as fardas.

Como disse, umas assumem-se, outras são impingidas.

2. Desobediência Civil
Portagens, Ponte 25 de Abril? Barrancos? Alberto João Jardim? Canas de Senhorim?
Todos esses podem e os outros não? Ahhh. Já me esqueci. O rapaz é de Coimbra, não tem o direito de dizer o que pode vir a fazer (nem sequer fez).

PS. Não digo uma única linha sobre se o motivo dos protestos é ou não válido. Não é isso que está em causa.

Publicado por cparis em outubro 13, 2003 11:56 PM
Comentários

Só te posso dar os parabéns pela clareza de expressão. É isso e ponto final! Muito mais coisas haverá a dizer acerca das praxes, mas raramente alguém muda a sua opinião. Os que são contra, nem que batam com as suas cabeças toscas contra uma porta conseguem perceber que 99% dos caloiros GOSTA das praxes. Os que são a favor e compreendem (sentir será o verbo mais apropriado) o fenómeno que são as tradições académicas de modo algum voltarão costas a estas! Muitos parabéns!

Afixado por: blognari em outubro 14, 2003 12:25 AM