junho 12, 2012

A minha gabardina


Tal como outros têm por secretária a noite
eu tenho a minha gabardina
de botões desusados e conversas redondas
que vai com os dias de chumbo
e traz filhos ilegítimos como pardais.

Eu e a minha gabardina
formamos uma só e vejam lá que
com dias de chuva eu molho-me
ela fica enxuta.

A minha gabardina é o meu cão
fiel quando se rasga e mostra um segredo
mapa de meses outros em que nos escondíamos
das luzes excessivamente denunciadoras
na rua patriarcal.

A minha gabardina é o meu gato
Sobranceira aos epítetos de arcaica e
inactual.

«A culpa foi da gabardina»
acusou o amor quando abandonou a casa
doente da minha pele impermeável
às imagens negociadas do desejo.

Hei- de morrer com a minha gabardina.
Expô-la como o fato de feltro de Joseph Beuys.


ANA PAULA INÁCIO

2010 - 2011 // AVERNO, 2011.



Joseph Beuys, Felt Suit

(antes a gabardina)




Publicado por samartaime às 10:23 AM | Comentários (0)

junho 08, 2012

«É grego ou fala grego?»








Publicado por samartaime às 07:48 PM | Comentários (0)

VOLTAIRE JOHNSON




Por que razão me ferias com os teus rudes lugares,
se não querias que te falasse deles?
E me sufocavas com a tua estupidez,
se não querias que ta mostrasse?
E por que me picavas com os pregos da má-fé,
se não querias que eu os arrancasse
para tos atirar à cara?
E por que me matavas de fome por eu recusar obedecer-te,
se não querias que minasse a tua tirania?
A minha alma poderia ter sido tão serena
quanto a de William Wordsworth, se não fosses tu!
Mas que cobardia a tua, Spoon River,
ao pretenderes encerrar-me num círculo mágico
desenhado pela espada da Verdade!
E lamentares-te depois, maldizendo as queimaduras que sofreste
e também a minha força, que de pé permaneceu, a rir-se,
por entre os mais irónicos relâmpagos!


EDGAR LEE MASTERS

Spoon River Antology (1915)


Trad. José Miguel Silva // Relógio d’Água, 2003




Publicado por samartaime às 07:44 AM | Comentários (0)

junho 06, 2012

Agora a sério




Nem cínicos nem tontos
o bastante para as guerras
mundiais da mercadânsia,
são simpáticos, os “tugas”,
como todos os inábeis.

Se dão pouco, menos pedem,
desafogam-se em abraços
de convívio quintaleiro,
com o mundo num chinelo
e o chinelo ao pé da porta.

Sem mudanças nem conflitos,
são amáveis com os factos,
obedecem aos pequenos
razoados da renúncia,
não se levam muito a sério.

No lagar da contingência,
reconhecem quase a gosto
a astenia da azeitona,
fazem migas do orgulho,
fazem figas, queimam velas

de tamanho não-te-rales
e que se lixe o candeeiro
do futuro. Malnascidos,
comoventes como ratos
na gaveta da cozinha,

com as patas num trapézio
de suspiros cauteloso,
atilados como filhos
primogénitos da fome,
são apáticos, mas giros:

piedosos quanto baste,
confiantes quando podem,
inocentes como poldros,
pés de salsa ao regadio
da vidina providência.

Faço meus os seus defeitos
(a preguiça, a timidez,
a vocação do remedeio)
e agradeço ter nascido
bem pequeno, com espaço

(quer dizer) para crescer
um pouco mais. Pois
não há pior destino
que nascer acabadinho,
já montado na carroça

triunfante da fiúza,
vendo o mundo p’lo binóculo
invertido do umbigo,
com a alma metralhada
de paixão e cupidez.



JOSÉ MIGUEL SILVA



( Erros Individuais / Relógio d'Água, 2010.)



Publicado por samartaime às 11:18 AM | Comentários (0)

junho 01, 2012

ANJOS



Às vezes penso que todos os anjos são negros,
caídos, como a fé vinda da mão de porcelana
de algum deus; que todos os anjos são anjos de novembro,
do inverno chegando, de mutilações, vícios,
crianças mortas e jovens abatidos na guerra,
anjos de luto, que vêm cantando endechas,
são eles que tomam em si a dor,
é isso que lhes dá forma, é isso que os torna
tão negros – o que os infla como velas de barcos
que nunca voltarão a casa, ou ventres de mulheres
grávidas e esfomeadas. Eu gosto do modo como a sua canção
flutua em noites enevoadas, essa negra graça,
como chuva fustigando as almas ressequidas,
as línguas vazias.


SHERYL ST. GERMAIN


Trad. Maria Andresen e Alexis Levitin

Relâmpago 28, Abril 2011




Publicado por samartaime às 09:51 AM | Comentários (0)

maio 11, 2012

As coisas boas da vida





Publicado por samartaime às 10:20 AM | Comentários (0)

maio 10, 2012

Anos que não tiveste



Ilha dos Amores.JPG

Samartaime, «Ilha dos Amores» óleo s/tela,(92X73), Lisboa, 1995




AVENTURA, UM VERBO ANDA, É UMA PESSOA


Entra na maneira de eu mostrar o poema
é um verbo andante imprime velocidade
a tudo quanto sinto até ser veloz
sentir até senti-lo
(ao poema) amante.


Entra como um volume sem vento
a face viva onde está
uma palavra que corre para mim
como um laço.


Entra nos séculos que a mim correspondem
o miolo do mundo. Jovens lendas.
Aproximações de ti a ver-me.
Leques cheios de vento do sul
uma espécie de mecânica solar
para o calor que vem contigo.


Aventura com sismos, com aparências.


Verbos andantes como mulheres
a andar
como objectos em festa num andar
homens a reter uma rua estrangeira
homens à mistura com fêmeas
e rios maiores.


Transfusões.



LUIZA NETO JORGE



Publicado por samartaime às 12:08 AM | Comentários (1)

maio 04, 2012

CIFRÃO




Dizias: não se importe de perder
dinheiro com a sua revista de poesia. Pelo mesmo,
alguns empenharam jóias de família
.
Naquele café com nome monetário
eras bem o poeta de Os Amantes Sem Dinheiro
mas sem anjo de pedra por irmão. Só
nas mesas vizinhas, grupos
buliçosos de estudantes de Belas-Artes, desconheciam ainda
a arte de caçar patrocínios.

Depois mudaste para o Duque, que
copiou o brasão à tua rua, para mais tarde passares
ao mar do Passeio Alegre e às palmeiras da Foz
que chegaram tarde à tua vida.
Mas acabaste por voltar às cercanias das Belas-Artes,
para descansar num Prado, pouco distante
do jardim de São Lázaro, onde segundo outro poeta,
costumavas medir o tesão das flores.


INÊS LOURENÇO

Publicado por samartaime às 10:39 AM | Comentários (0)

maio 03, 2012

Mercedes, Todo cambia







Publicado por samartaime às 11:09 AM | Comentários (0)

maio 02, 2012

Chavela, Camilo Torres







Publicado por samartaime às 11:33 AM | Comentários (0)

abril 30, 2012

Non Monsieur, je n'ai pas vingt ans


Non Monsieur, je n'ai pas vingt ans
Vingt ans, c'est l'âge dur
Ce n'est pas le meilleur des temps
Je sais, je l'ai vécu.
J'ai dansé sur quelques volcans,
Troué quelques souliers
Avec mes rêves et mes tourments
J'ai fait mes oreillers.
Et je dis encore aujourd'hui :
Je suis comme je suis.

Oui, je me souviens des jours,
Quand les jours s'en allaient
Comme un rêve à l'envers.
Oui, je me souviens des nuits,
Quand les oiseaux parlaient
Sous la plume à Prévert.

Non Monsieur, je n'ai pas vingt ans,
Vingt ans, c'est tout petit
Moi, je n'ai jamais eu le temps
D'avoir peur de la nuit.
Ma maison est un soleil noir
Au centre de ma tête,
J'y fais l'amour avec l'espoir
Et l'âme des poètes.
Les poètes sont des enfants,
Des enfants importants

Moi, Monsieur, quand j'avais vingt ans
J'étais déjà perdue,
Perdue, la rage entre les dents,
Superbement perdue !
Moi, je dansais avec des morts
Plus vifs que les vivants
Et nous inventions l'âge d'or
Au seuil des matins blancs.
J'ai toujours, chevillé au corps
Le même soleil levant.

Non, Monsieur, je n'ai pas vingt ans !

Publicado por samartaime às 11:50 AM | Comentários (2)

abril 21, 2012

SALA PROVISÓRIA




Nunca se sabe
quando estamos num lugar
pela última vez. Numa casa
que vai ser demolida, numa sala
provisória que vai encerrar, num velho
café que mudará de ramo,como
página virada jamais reaberta, como
canção demasiado gasta, como
abraço tornado irrepetível, numa
porta a que não voltaremos.


INÊS LOURENÇO





Publicado por samartaime às 03:31 PM | Comentários (0)

março 26, 2012

GLÓRIA


A glória é como uma terrível catástrofe,
pior que a casa incendiada; enquanto
se abate a trave-mestra, o fragor
da destruição repercute-se cada vez mais depressa;
e tu contemplas tudo aquilo: inane
testemunha da danação.


Como uma bebedeira a glória devora
a casa da alma, revela que trabalhaste
para coisa pouca: para ela -
ah, queria que esse beijo traiçoeiro nunca tivesse
molhado a minha face: queria
fundir-me, só, para sempre, na obscuridade, na noite.


MALCOM LOWRY


mudado para português por Herberto Helder

Construções Portuárias, 001, Maio 2002.



Publicado por samartaime às 06:53 PM | Comentários (0)

março 25, 2012

Canção da Paciência







Publicado por samartaime às 05:56 PM | Comentários (0)

março 24, 2012

Dia do Estudante/1962 :
as baladas que passavam de boca em boca



Adriano /Capa negra rosa negra



Zeca / Canta camarada canta



Adriano / Trova do vento que passa



Zeca / No lago do breu



Adriano / Pedro soldado



Zeca / Era de noite e levaram





Publicado por samartaime às 11:54 AM | Comentários (0)

março 15, 2012

Marilyn Moore


YOU' RE DRIVING ME CRAZY


Perder Al tornara-se uma evidência.
Talvez lhe tenha custado mais ver que,
com ele, desapareciam amigos e contratos.
Não desejara assim tão breve a sua passagem pelo mundo.

Billie, entre sucessivos internamentos,
não lhe podia valer, e o orgulho
impedia-a de mendigar junto das orquestras
de Chicago, Kansas City ou New Orleans.

A sua voz pedia um quase murmúrio,
era incompatível com o estrépito em voga
e demasiado frágil para atrair os boppers.

Segurava sem paixão um colar de pérolas desfeito,
a certeza de já só ter memórias e nem sequer felizes.


MANUEL DE FREITAS


A Molder 3.jpg

Adriana Molder, A Noite, da série M, 2011, tinta da china e acrilico s/papel esquisso, 150X100cm.

poema e desenho in
«MARILYN MOORE»
poemas de Manuel de Freitas
e 3 desenhos de Adriana Molder
Ed. Assírio & Alvim, 2011., Lisboa.



Publicado por samartaime às 03:29 PM | Comentários (0)

março 13, 2012



423973_261512507264519_100002173144109_575131_1998469249_n.jpg

encontrado AQUI



Publicado por samartaime às 03:27 PM | Comentários (0)

março 11, 2012

Uma rapariga japonesa no tsunami




2011 - Lembram-se de Yoko procurando o filho?

Yoko 1.jpg



2012 - Hoje com o filho, no mesmo lugar.

YOKO 2.jpg


Ondekoza (Taiko Drummers of Mt. Fuji)


Publicado por samartaime às 11:04 AM | Comentários (0)

março 05, 2012

Câmara Escura



Inês_câmara.jpg
(Antologia de Manuel de Freitas)


CANÇÃO PARA GEORGES


Georges anda ver uma gaivota sem asa,
meninas ausentes de olhos,
marujos ausentes de água.


Estrelas de cinco pontas
penduradas num adelo,
mil medos em vénias prontas
e coragens de pantufas.


Nas praças cheias de estômagos
melopeias e lamentos
há corações de binóculos
de entremezes bafientos
e marés sempre enfeitadas
de lanchas de cartolina
em viagens adiadas
ao oceano da esquina.


Que outros mares virão, Georges?
Que outros marujos, com audazes
oceanos no destino? E viagens de
gaivotas exactas e meninas e
barcos nos começos e asas
nos epílogos? De novo partiremos
Georges, que esta história
não acaba mais.


INÊS LOURENÇO



Publicado por samartaime às 02:35 PM | Comentários (0)

março 04, 2012

Almodovar por Garzón




Video producido por Pedro Almodovar en defensa del Juez Baltazar Garzón.



Canción de apoyo a Garzón.



Esta es la canción que UnomasUna ha hecho para apoyar a Garzón




Publicado por samartaime às 10:01 AM | Comentários (0)

janeiro 23, 2012

endecha à migração presidencial




Publicado por samartaime às 12:02 PM | Comentários (0)

dezembro 17, 2011






Publicado por samartaime às 09:09 PM | Comentários (0)

novembro 07, 2011

CARTA DE AGOSTO (em novembro)




Um ermo de turismo alarve este
calor paleolítico, uma poeira meridional
ateia os objectos ressequidos, um misto
de esquinas e esplanadas de cerveja, homens
de camisa às riscas escarrando na noite e mulheres
de pernas depiladas e axilas com Impulse. Enjoa
este cortejo carnívoro de utentes
de O Mesmo. Nos balcões
toda a posteridade de Sancho Pança estende as mãos
e há nas ruas muitos vendedores de brincos e colares,
honestos emigrantes, decentes empreiteiros, padres, cartomantes,
velhas prostitutas e mais
milhentas entidades cheias de humanas intenções
e ainda mais senso comum. Gostava
de te ouvir por alguns momentos. Envio-te
mensagens telepáticas que repito sete vezes seguidas.
Há palavras gastas que não escrevo nem digo há tanto tempo,
como: Amo-te muito. Meu amor, que saudades. Vem depressa.
E outras ainda mais gastas que digo todos os dias,
como: Foda-se esta merda. (Somos do norte e não somos
castos nem cautos na linguagem). Abundam as reprises
pelos cinemas escassos. Os hits de verão atroam
discotecas. Há jardins ralos. Passeios gordurosos. Bufões
de motocicleta. Os cimos das torres das igrejas
à espera das bátegas de chuva dum íntimo outono
são ainda as únicas glórias do verão.


INÊS LOURENÇO

Kathleen Ferrier - Schubert, Gretchen am Spinnrade

Publicado por samartaime às 05:35 PM | Comentários (0)

setembro 26, 2011

POESIA & LDA: ANNE SEXTON


EM CELEBRAÇÃO DO MEU ÚTERO

Tudo em mim é um pássaro.
Adejo com todas as minhas asas.
Queriam extirpar-te
mas não o farão.
Diziam que estavas incomensuravelmente vazio
mas não estás.
Diziam que estavas doente prestes a morrer
mas estavam errados.
Cantas como uma colegial
Tu não estás desfeito.

Doce peso,
em celebração da mulher que sou
e da alma da mulher que sou
e da criatura central e do seu prazer
canto para ti. Atrevo-me a viver.
Olá, espírito. Olá, taça.
Fixar, cobrir. Cobre o que contém.
Olá, terra dos campos.
Bem-vindas, raízes.

Cada célula tem uma vida.
Há aqui bastantes para satisfazer uma nação.
Chega que a populaça possua estes bens.
Qualquer pessoa, qualquer grupo diria:
Está tudo tão bem este ano que podemos plantar de novo
e pensar noutra colheita.
Uma praga tinha sido prevista e foi eliminada.
Por isso muitas mulheres cantam em uníssono:
uma numa fábrica de sapatos amaldiçoando a máquina,
uma no aquário cuidando da foca,
uma aborrecida ao volante do seu FORD,
uma cobradora na portagem,
uma no Arizona enlaçando um bezerro,
uma na Rússia com uma perna de cada lado do violoncelo,
uma trocando panelas num fogão no Egipto,
uma pintando da cor da lua as paredes do quarto,
uma no seu leito de morte mas recordando um pequeno almoço,
uma na Tailândia deitada na esteira,
uma limpando o rabo ao seu bebé,
uma olhando pela janela do comboio,
no meio do Wyomming e uma está
em qualquer lado e algumas estão em todo o lado e todas
parecem estar cantando, embora haja quem
não possa cantar uma nota sequer.

Doce peso
em celebração da mulher que sou
deixa-me levar uma echarpe de três metros,
deixa-me tocar o tambor pelas que têm dezanove anos,
deixa-me levar taças para oferecer
(se é isso o que me toca).
deixa-me estudar o tecido cardiovascular,
deixa-me calcular a distância angular dos meteoros,
deixa-me chupar o pecíolo das flores
(se é isso o que me toca).
Deixa-me imitar certas figuras tribais
(se é isso o que me toca).
Pois o corpo preciso disso,
que me deixes cantar
para a ceia,
para o beijo,
para a correcta
afirmação.

BALADA DA MASTURBADORA SOLITÁRIA

O final de um caso é sempre a morte.
Ela é a minha oficina. Olho escorregadio,
fora da tribo de mim mesma o meu fôlego
encontra-te ausente. Escandalizo
os que estão presentes. Estou saciada.
De noite, só, caso-me com a cama.

Dedo a dedo, agora é minha.
Ela não está demasiado longe. Ela é o meu encontro.
Toco-a como um sino. Reclino-me
no caramanchão onde costumavas montá-la.
Possuíste-me na colcha florida.
À noite, só, caso-me com a cama.

Toma por exemplo esta noite, meu amor,
em que cada casal mistura
com uma reviravolta conjunta, para baixo, para cima,
o dois abundante sobre esponja e pena,
ajoelhando-se e empurrando, cabeça contra cabeça.
De noite, só, caso-me com a cama.

Desta forma escapo do meu corpo,
um milagre irritante. Podia eu
colocar o mercado dos sonhos em exibição?
Espalho-me. Crucifico.
Minha pequena ameixa, dizias tu.
Á noite, só, caso-me com a cama.

Então chegou a minha rival de olhos escuros.
A dama de água, erguendo-se na praia,
um piano nas pontas dos dedos, vergonha
nos seus lábios e uma voz de flauta.
Entretanto, passei a ser a vassoura usada.
Á noite, só, caso-me com a cama.

Ela agarrou-te como uma mulher agarra
um vestido de saldo de uma estante
e eu parti da mesma forma que uma pedra parte.
Devolvo-te os teus livros e a tua cana de pesca.
No jornal de hoje dizem que és casado.
Á noite, só, caso-me com a cama.

Rapazes e raparigas são um esta noite.
Desabotoam blusas. Abrem fechos.
Descalçam sapatos. Apagam a luz.
As criaturas bruxuleantes estão cheias de mentiras.
Comem-se uns aos outros. Estão repletos.
Á noite, só, caso-me com a cama.


dois poemas de ANNE SEXTON

Tradução [ fiel e verdadeira ] de JORGE SOUSA BRAGA

in POESIA & LDA

anne-sexton.jpg

ANNE SEXTON - (USA, Newton, 1928 – Weston, 1974)





Publicado por samartaime às 10:15 AM | Comentários (1)

setembro 12, 2011

Anti-écloga




A verdade é que também as urtigas
me aborrecem. Esta doçura dos pássaros,
a silvestre quietude da tarde atravessada
pelo balido das ovelhas, grandes imitadoras
de Edith Piaf, tudo isso não chega a ser
tão daninho como a luz de um semáforo
vermelho, mas um pouco de sangue
na biqueira do sapato faz-me falta.
Faz-me falta praguejar, ter um lago
de cimento onde cuspir, obstáculos
de fogo, fantasias, a metralha dos calinos.
Não me sinto nada bem com a doçura,
com a paz dos ermitérios, de onde Deus
se retirou há quinze anos. Esta resignação
das árvores, dos faunos, das silvanas,
da restante bicharada típica dos lugares
onde sofrer é natural como estar só,
a conclusão é que não sei caminhar sem sapatos
que me apertem. As sandálias do pescador,
as botas do alpinista, não me levam
a lado nenhum. Detesto confessá-lo,
mas eu sou da cidade até à raiz do terror.
Não consigo viver sem o saco de areia
onde exercito o excessivo golpe da exasperação.
Sem esse esbracejar a minha seiva coagula,
torna-se pastosa, sonolenta, felizita
como um rio de meandros preguiçosos,
lamacentos, imprestáveis - de que me serve
fingir o sossego a que não chego, brincar
às Arcádias em que não acredito?
Está decidido, prefiro sofrer.
Amanhã de manhã regresso ao abismo.



JOSÉ MIGUEL SILVA

Publicado por samartaime às 07:10 PM | Comentários (0)

setembro 07, 2011

ULTIMATO




O país dança? disse-lhe,
tropeçando na sombra
que o seu vestido carimbava
no largo da Matriz.
Mas o país alegou cansaço
pé de chumbo, futuro
comprometido.


O país dança?, tornei,
a coberto das canas
que os céus assobiavam,
mas o país não dançava
e nas trevas circundantes
as silvas o emboscavam
com juras de morte ao campo
que fora de canto segador.


O vento angariava palavras para partir.


O país dança? Pois dance agora
ou cale-se para sempre
e decida-se depressa
enquanto a música não cessa


ou entre nós
está tudo acabado.




RUI LAGE



UM ARRAIAL PORTUGUÊS
na p.13 e na contracapa [porque merece]



Publicado por samartaime às 10:19 AM | Comentários (1)

agosto 26, 2011

MOTET POUR LES TRÉPASSÉS



Foto Inês Dias.jpg
[foto INÊS DIAS]




Este poema seria teu, Inês,
se não fosse de ninguém.
Ao chegarmos de Lisboa,
depois da paragem ritual
no Café Lisbela - onde tudo
se compra e tudo se perde - ,
vimos uma cadeira de rodas
à venda, uma motorizada
ao lado, uma igreja vazia
da qual certamente gostariam
Andrei Tarkovsky, Tonino
Guerra ou Ana Teresa Pereira.

A poucos metros dali, o meu pai
morria, tentava penosamente resistir
a uma hemorragia cerebral. Mas
isso, claro, ninguém precisa de saber.
Apenas tu, poema, que vieste de comboio
confirmar dia após dia que o Tejo
está onde sempre esteve: triste, azul, parado.





Eu lembro-me do largo, das tabernas
fechadas, dos cães que nos perseguiam
mais por tédio do que por convicção.
E o rio, coitado, tinha contra ele
a evidência de não ser mar. Quase belo,
porém, entre ruínas que tornámos nossas.

Entretanto, já o disse, o meu pai morria.
Era mesmo um último sorriso,
a florir deitado numa cama de hospital,
despedida que se prolongava tanto
e era a única canção que nunca quis ouvir.

Apeteceu-me dizer à Zulmira stabat
mater - mas era eu agora o filho,
o que teve o impudor de sobreviver.
Em vez disso, pedimos uma cerveja
e uma ginja, enquanto acendia uma cigarrilha
prontamente consentida, em memória de quem fui.





Tive, logo de manhã, de ir buscar gravatas, tentando
escolher-lhe a mais certa para a cremação
e para o longo velório. Mas só me lembrava
das ondas da Barreirinha, que nunca mais nos verão juntos.

MANUEL DE FREITAS







Charpentier - " "Motet pour les Trépassés "

Publicado por samartaime às 11:14 AM | Comentários (1)

julho 31, 2011

Insisto












Publicado por samartaime às 07:10 PM | Comentários (0)

julho 24, 2011

Jimi, Janis, Amy




Jimi, a lenda - All Along The Watchtower





Janis, a voz - Cry Baby (live in toronto 1970)





Amy, a crua - Rehab







etc.









Publicado por samartaime às 09:53 AM | Comentários (0)

julho 23, 2011

amy









Publicado por samartaime às 09:02 AM | Comentários (0)

junho 23, 2011

Eduardo Galeano, em Barcelona











Publicado por samartaime às 03:32 PM | Comentários (0)

maio 10, 2011

Luiza Neto Jorge (1939-1989)



oleo- aldeia.jpg
samartaime, «aldeia da praia quente», 1980, oleo s/tela (89cmX116cm). (col.part.)



BAIXO – RELEVO

Dentro de um secular sossego
nós somos
a escultura de amanhã

(milhões de formigas
descem no cabelo
platinado de pó o coração)

Tu e eu
só estátuas de amanhã
Não temos na mão a flor
um livro uma espingarda
uma cadeira gasta onde morrer
E sem o monstro gótico apunhalado aos pés

(Todos os sonhos são de pedra ou bronze
não os meus de palha ou de papel )

Tu e eu
baixo – relevo
vendidos tocados expostos em vida
perseguidos pelos milionários
e pelos mortos talvez que invadiram já
o pedestal das estátuas

Tu e eu
elípticos de sexo
ontem gritada no teu peito
hoje secreto no meu ventre

deserdados da sombra
já sem gesto
escultura de amanhã

LUIZA NETO JORGE

Biografia breve da Luiza Neto Jorge:

10-5-1939, Lisboa - 23-2-1989, Lisboa

Poeta portuguesa, natural de Lisboa. Estudou Filologia Românica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Enquanto aluna de FL foi uma das fundadoras do Circulo de Teatro da Pró-Associação de Estudantes da Faculdade de Letras da UL tal como outros nomes hoje sobejamente conhecidos como Luís Miguel Cintra, Jorge Silva Melo, Eduarda Dionísio, Fiama, Ermalinda Duarte, Teresa Amado, etc..

Como escritora, fez parte do grupo Poesia 61. Ligada à vanguarda da literatura portuguesa, por vezes próxima do surrealismo, foi um dos nomes marcantes da poesia portuguesa das últimas décadas.

Estreou-se com A Noite Vertebrada (1960), tendo sido publicados ainda, Quarta Dimensão (1961), Terra Imóvel (1966), O Seu a Seu Tempo (1967), Dezanove Recantos (1969), Os Sítios Sitiados (1973, colectânea), A Lume (1989, póstumo) e Poesia (1994, que engloba toda a sua obra poética).

Dedicou-se, também, à tradução de poesia, prosa e teatro,
E escreveu para cinema.

Traduziu autores como André Breton, Gérard de Nerval, Rimbaud, Jean Genet, Céline (cuja tradução da «Morte a Crédito» lhe valeu o prémio de tradução do PEN Clube - e que viria a ser a sua última tradução), Marguerite Yourcenar, Sade, Goethe (o «Fausto»), Verlaine, Witold Gombrowicz, Apollinaire, Karl Valentim, Garcia Lorca, Ionesco, Boris Vian, Oscar Panizza, etc., etc..

Fez várias adaptações para teatro ( «O Fatalista», de Diderot, em 1978), e outras que não recordo mas que LM Cintra, J Silva Melo e Maria Emília Correia por certo recordarão melhor que eu.

Foi autora de diálogos para filmes de Paulo Rocha («A Ilha dos Amores») e Solveig Nordlund, do argumento de «Brandos Costumes» (1975) de Alberto Seixas Santos e da assistência literária a «Relação Fiel e Verdadeira», de Margarida Gil – de 1989, ano da morte de Luiza Neto Jorge.


Noite Vertebrada 1.jpg
(Capa sob linóleo de Luiza Neto Jorge), 1959, Lisboa
Primeira edição em 1960, em Faro, Tipografia Cácima.



Publicado por samartaime às 03:14 PM | Comentários (0)

abril 17, 2011

para Yoshikawa, Japão

220px-Itsukushima_torii_distance.jpg

Estou feliz por teres regressado ontem a este blogue.

«abracadabraaa!»




Publicado por samartaime às 01:02 PM | Comentários (0)

março 29, 2011

Tão pouca é a vida



Tão pouca é a vida,
o deslumbrado delírio da vida.

No tear se tecem os fios, o desenho das rendas,a
renda dos dias.
Ignoro quantos,
quantas tardes no fluir da paixão, quanto ouro e
azul na idade das mãos,
que idade no tear das mães.

Foram belas também no sonho antigo,
passearam entre os lírios,
desatavam a cabeleira e os vestidos,
iam à beira mar.

José Agostinho Baptista



Publicado por samartaime às 11:47 PM | Comentários (0)

fevereiro 28, 2011

Eu Não Quero Voltar Sozinho






Obrigada, Esteva.



Publicado por samartaime às 01:56 PM | Comentários (0)

fevereiro 18, 2011

EUCALIPTAL



Quem regressa a Portugal regressa ao medo
de falar sem alçapões de protecção
conventual, ao respeitinho pelos títulos
de borra, à timidez de protestar nas oficinas,
nos cvempregos, nos polés, nos hospitais.

Volta ao gozo bichaneiro da franqueza
pelas costas, ao bitate regougado
pela incúria, ao leve gás do palavrão
desopilante, pulsilânime, vendado,
ao complacente desamor da liberdade.

Regressar a Portugal é regressar
ao desapego por direitos e deveres,
à indiferença pela história colectiva,
pelo que quer que sobrepuje o cá-se-vai
dum comodismo sem coragem nem prazer.

É regressar a horizontes de betão
e eucalipto, a frustrados atoleiros
de automóveis à deriva, ao fanico
de salários sobrevivos, mordaçantes,
ao cajado da lisonja e da preguiça.

Quem regressa a Portugal, regressa ao tempo,
sobretudo, da infância, que o lugar
já foi levado (não me canso de o dizer,
nem me conformo) pelo tufão da mais-valia
predial. Mas se o tempo da infância

cabe inteiro na memória, quem regressa
a Portugal, regressa a quê e para quê?


JOSÉ MIGUEL SILVA



Publicado por samartaime às 01:08 PM | Comentários (0)

RESPOSTA POSSÍVEL À PERGUNTA ANTERIOR



Os amigos, a família mais próxima,
esta lingua que nos coube, a timidez
alcandorada em cerimónia, o SG,
o vinho bom, a francesinha, os varandins
da burguesia duriense, o Alentejo,
a tradição arquitectónica da pedra,
da modéstia, do adobe, a cortesia
de ser pobre. A quietude remissiva
dos lugares frequentados p'la renúncia.




JOSÈ MIGUEL SILVA



Publicado por samartaime às 11:34 AM | Comentários (0)

fevereiro 01, 2011

Fra Angelico mocking of



angelico_convent7.jpg


Fra Angelico (Vicchio di Mugello, 1387 — Roma, 18 de Fevereiro de 1455)
«Mocking of Christ with the Virgin and Saint Dominic»
1439-1443 / Fresco (187 x 151 cm)
Cell 7, Convent of San Marco, Florence



Publicado por samartaime às 08:53 PM | Comentários (0)

janeiro 05, 2011





Malangatana não morreu hoje


Malangatana 1.jpg



Pensar alto

Sim
às marrabentas
às danças rituais
que nas madrugadas
criam o frenesi
quando os tambores e as flautas entram a fanfarrar

fanfarrando até o vermelho da madrugada fazer o solo sangrar
em contraste com o verdurar das canções dos pássaros
sobre o já verduzido manto das mangueiras
dos cajueiros prenhes
para em Dezembro seus rebentos
dançarem como mulheres sensualíssimas
em cada ramo do cajual da minha terra

mas, sim ao orgasmo
das mafurreiras
repletas de chiricos
das rolas ciosas pela simbiose que só a natureza sabe oferecer

mas sim
ao som estridente do kulunguana
das donzelas no zig-zague dos ritos
quando as gazelas tão belas
não suportam mais quarenta graus à sombra dos canhueiros em flor

enquanto as oleiras da aldeia, desta grande aldeia Moçambique
amassam o barro dos rios
para o pote feito ser o depositário
de todo o íntimo desse Povo que se não cala disputando
ecoosamente com os tambores do meu ontem antigo.


MALANGATANA



malangatana-1980-50x70.jpg


malangatana-blue.jpg


malangatana-red.jpg

Publicado por samartaime às 12:06 PM | Comentários (0)

novembro 03, 2010

Viatge a Ítaca




LLUIS LLACH VERGES, Viatge a Itaca Letra de K. KAVAFIS (Adaptação de Lluís Llach).
Video de jcbenesiu

ÍTACA

Quando saíres a caminho da ida para Ítaca,
faz votos para que seja longo o caminho,
cheio de aventuras, cheio de conhecimentos.
Os Lestrigones e os Cíclopes,
o zangado Poseidon não temas,
coisas assim no teu caminho não acharás nunca,
se o teu pensamento permanecer elevado, se emoção
requintada o teu espírito e o teu corpo tocar.
Os Lestrigones e os Cíclopes,
o selvagem Poseidon não encontrarás,
se com eles não carregares na tua alma,
se a tua alma não os colocar à tua frente.


Faz votos para que seja longo o caminho.
Para que sejam muitas as manhãs de verão
nas quais com que contentamento, com que alegria
entrarás em portos vistos pela primeira vez;
para que páres em feitorias fenícias,
e para que adquiras as boas compras
coisas de nácar e coral, de âmbar e de ébano,
e essências de prazer de qualquer espécie,
quanto mais abundantes puderes essências de prazer;
para que vás a muitas cidades egípcias,
para que aprendas e aprendas com os letrados.


Deves ter sempre Ítaca na tua mente.
A chegada ali é o teu destino.
Mas não apresses em nada a tua viagem.
È melhor durar muitoa anos;
E já velho fundeares na ilha,
rico do que ganhaste no caminho,
sem esperares que te dê Ítaca riquezas.

Ítaca deu-te a bela viagem.
Sem Ítaca não terias saído ao caminho.
Mas já não tem para te dar.

E se um tanto pobre a encontrares, Ítaca não te enganou.
Sábio como te tornaste, com tanta experiência,
já hás de compreender o que significam Ítacas.

Konstandinos Kavafis

Trad. J.M.Magalhães e N.Pratsinis

Viatge a Ítaca ( adaptação de Lluis Llach)

Quan surts per fer el viatge cap a Ítaca,
has de pregar que el camí sigui llarg,
ple d'aventures, ple de coneixences.
Has de pregar que el camí sigui llarg,
que siguin moltes les matinades
que entraràs en un port que els teus ulls ignoraven,
i vagis a ciutats per aprendre dels que saben.
Tingues sempre al cor la idea d'Ítaca.
Has d'arribar-hi, és el teu destí,
però no forcis gens la travessia.
És preferible que duri molts anys,
que siguis vell quan fondegis l'illa,
ric de tot el que hauràs guanyat fent el camí,
sense esperar que et doni més riqueses.
Ítaca t'ha donat el bell viatge,
sense ella no hauries sortit.
I si la trobes pobra, no és que Ítaca
t'hagi enganyat. Savi, com bé t'has fet,
sabràs el que volen dir les Ítaques.

II

Més lluny, heu d'anar més lluny
dels arbres caiguts que ara us empresonen,
i quan els haureu guanyat
tingueu ben present no aturar-vos.
Més lluny, sempre aneu més lluny,
més lluny de l'avui que ara us encadena.
I quan sereu deslliurats
torneu a començar els nous passos.
Més lluny, sempre molt més lluny,
més lluny del demà que ara ja s'acosta.
I quan creieu que arribeu, sapigueu trobar noves sendes.

III

Bon viatge per als guerrers
que al seu poble són fidels,
afavoreixi el Déu dels vents
el velam del seu vaixell,
i malgrat llur vell combat
tinguin plaer dels cossos més amants.
Omplin xarxes de volguts estels
plens de ventures, plens de coneixences.
Bon viatge per als guerrers
si al seu poble són fidels,
el velam del seu vaixell
afavoreixi el Déu dels vents,
i malgrat llur vell combat
l'amor ompli el seu cos generós,
trobin els camins dels vells anhels,
plens de ventures, plens de coneixences




Publicado por samartaime às 02:02 PM | Comentários (2)

outubro 13, 2010

RENATA CORREIA BOTELHO



A VIAGEM DE LARBAUD

não era esta, escuta, a viagem
de Larbaud; uma virgula
um ponto, qualquer coisa limpa
que salvasse aquele verso
- dizias-me, com um cigarro
e um rosto por acender,
como quem se prepara
para um golpe de estado.


NO BANCO AO PÉ DAS NOSSAS CASAS

aquela tarde amena foi a última
a ver-te por aqui. sei que perguntaste
à minha mãe por mim, estava eu
longe, no meu emprego estavel,
começando a ganhar a vida e
a perder a alma aos pontos.

amena, ainda a tarde esteve contigo
e eu não, neste banco ao pé
das nossas casas, onde me sento
hoje à espera que a tua voz me fale
de poetas, paixões vertiginosas, pintores
que descobriste, de uma passagem dos
The The que cantas sem respirar.

talvez pudesse agora devolver-te
qualquer coisa, mostrar-te como
as músicas de Lhasa, estas fotografias
de Paris com neve e este filme do
Clint Eastwood sobre a redenção e o amor
podem ajudar a atravessar uma noite.

mas tu deves estar a desenhar
a esta hora. Marta, já não vens.
amanhã, se a tarde estiver amena,
trago tudo comigo e espero por ti
neste banco ao pé das nossas casa.


BELLS

os pássaros morrem sempre
de noite, e os sinos tocam
os seus nomes pela madrugada.

nevou mais de quarenta horas
sobre as ruas vazias.
cobrindo de branco
o voo nocturno do anjo.


small song.jpg

SMALL SONG

Ed, Averno , setembro 2010, Lisboa.







Publicado por samartaime às 01:31 PM | Comentários (0)

setembro 29, 2010







Publicado por samartaime às 05:40 PM | Comentários (0)

setembro 24, 2010

Telhados de Vidro, 14 - setembro 2010



UMA DAS
«CEM VISTAS DO MONTE FUJY»
DE HOKUSAI


Sequioso,
Enchi um copo de água,
E, olhem, o Fuji-yama pousou sobre a água
Como uma folha caída!


AMY LOWELL

( versão port. de Miguel Martins)

Telhados de Vidro, 14 - Ed. AVERNO




hokusai_Mt__Fuji_in_the_Sunset.jpg

Hokusai, «Fuji - yama in the Sunset»

Yearning The Sword - Tan Dun & Yoyo Ma

Publicado por samartaime às 07:04 PM | Comentários (0)

setembro 10, 2010

Agapé, Agape






[...] A derradeira comunidade, o rebanho narcotizado e silenciado e boquiaberto perante sangue sexo armas rebentando com tudo a única forma de participação possível será talvez a das crianças que vêem aquilo e na manhã seguinte vão para a escola metralhar os colegas adeus elitismo acabaram-se as elites para onde quer que te voltes vês apenas um prolongamento da turba com a sua, como é que ele dizia, com aquilo a que Huizinga chamava de insaciável sede de diversões triviais e de sensacionalismo grosseiro, a massa dos medíocres alargando o fosso a popularidade de uma obra mede-se pelo seu grau de mediocridade diz Melville o que não é propriamente novidade certo? [...]

WILLIAM GADDIS

ágape, agonia

Trad. de José Miguel Silva

Ed. Ahab,
Porto. 2010.

gaddis.jpg

William Gaddis ( 1922 - 1998)

Publicado por samartaime às 05:04 PM | Comentários (0)

agosto 28, 2010

O Sol da Tarde



Este quarto, como o conheço bem.
Agora alugam-se quer este quer o do lado
para escritórios comerciais. A casa toda tornou-se
escritórios de intermediários, e de comerciantes, e Sociedades.

Ah este quarto, não é nada estranho.

Perto da porta por aqui estava o sofá,
e diante dele um tapete turco;
ao pé a prateleira com duas jarras amarelas.
À direita; não, em frente, um armário com espelho.
Ao meio a sua mesa de escrever;
e três grandes cadeiras de vime.
Ao lado da janela estava a cama
onde nos amámos tantas vezes.

Estarão ainda os coitados nalgum lugar.

Ao lado da janela estava a cama;
o sol da tarde chegava-lhe até metade.

...De tarde quatro horas, tínhamo-nos separado
por uma semana só . . . Ai de mim,
aquela semana tornou-se para sempre.

KONSTANDINOS KAVAFIS

Trad. Joaquim Manuel Magalhães


konstandinoskavafis.jpg



Publicado por samartaime às 09:41 PM | Comentários (0)

agosto 20, 2010

Agora os barcos são embarcações





Cais dos pescadores.jpg
O cáis dos pescadores às seis da manhã.


barcoencalhado.jpg
Em seco, talvez para limpar o casco. Ou apreendido?


barco abandonado.jpg
Um bote velho, abandonado na Ria


Iate Jura.jpg
O iate. Pesca? Passeio? Casa?- seguramente, tudo.



Publicado por samartaime às 03:16 PM | Comentários (0)

agosto 09, 2010

Nove de Agosto






DIA DOS AMANTES DO LIVRO



Amante de livros.jpg
Samartaime, ólios/tela (detalhe)



Publicado por samartaime às 06:24 PM | Comentários (0)

junho 11, 2010

Homenagem a Billie Holiday - 50 years without Lady Day

(Filadélfia, 7 de Abril de 1915 — Nova Iorque, 17 de Julho de 1959)




2009
direção e produção Oded Lev-Ari
Vocais: Madeleine Peyroux e Martnália.
A banda:
Ron Carter, baixo
Bucky Pizzarelli, guitarra sete cordas;
Ingrid Jensen, trompete;
Antonio Sanchez, bateria
Marcus Strickland, saxofone
Anat Cohen, clarinete e trompete;
Mulgrew Miller, piano.


1/5

2/5

3/5

4/5

5/5




Publicado por samartaime às 09:04 PM | Comentários (0)

junho 07, 2010

LE BAL ( Ettore Scola )



#1#

#2#

#3#

#4#

#5#

#6#

#7#

#8#

#9#



Fiche technique
Titre original français : Le Bal
Titre original italien : Ballando, ballando
Réalisation : Ettore Scola
Scénario : Ruggero Maccari, Jean-Claude Penchenat, Furio Scarpelli et Ettore Scola, sur une idée de Jean-Claude Penchenat
Production : Mohammed Lakhdar-Hamina et Giorgio Silvagni
Producteur délégué : Franco Committeri
Société de production : Cinéproduction, Films A2, Massfilm et Ministère de la Culture de la Republique Française
Musique : Vladimir Cosma
Photographie : Ricardo Aronovich
Montage : Raimondo Crociani
Décors : Luciano Ricceri
Costumes : Ezio Altieri et Françoise Tournafond
Pays : France
Genre : Historique, film musical
Durée : 112 minutes (France)
Format : Couleurs (Fujicolor) - Son : mono
Dates de sortie :
France : 21 décembre 1983

- nommé aux Oscars 1984
- Ours d'argent à la Berlinale 1984
- Trois Césars en 1984 : Meilleur réalisateur, Meilleur film, Meilleure musique (Vladimir Cosma).




Publicado por samartaime às 10:17 PM | Comentários (0)

maio 10, 2010



LNJ 2.JPG



Encantatória


Custa é saber
como se invoca o ser
que assiste à escrita,
como se afina a má-
quina que a dita,
como no cárcere
nu se evita,
emparedado, a lá-
grima soltar.


Custa é saber
como se emenda morte,
ou se a desvia,
como a tecla certa arreda
do branco suporte
a porcaria.


Luiza Neto Jorge




Publicado por samartaime às 12:05 AM | Comentários (0)

abril 25, 2010

25 de Abril Sempre!







(Video de kuribeka )






Publicado por samartaime às 12:22 AM | Comentários (0)

abril 13, 2010

Made in USA



man_and_dog.jpg
Milton Avery, Man and Dog, 1950,
Oil on canvas, 30 x 40 in, Waddington Galleries Ltd., London

dark_forest.jpg
Milton Avery, Dark Forest, 1958
Oil on canvas, 40 x 53 in. Private Collection, Huntington Woods, Michigan .

pollock_cuts_circle 4.jpg
Jackson Pollock, The Moon-Woman Cuts the Circle. c. 1943
Oil on canvas (109.5 x 104 cm). Musée national d'art moderne, Centre Georges Pompidou, Paris

cathedrl.jpg
Jackson Pollock, Cathedral, 1947
Enamel and aluminum paint on canvas, 71 1/2 x 35 in. Dallas Museum of Art

totem 3.jpg
Jackson Pollock, Easter and the Totem, 1953
Oil on canvas, 84 1/4 x 58 in. The Museum of Modern Art, New York

can_you_hear_me.jpg
Elizabeth Murray, Can You Hear Me?, 1984
Oil on 4 canvases, 106 x 159 x 12 in. Dallas Museum of Art

her_story.jpg
Elizabeth Murray,Her Story, 1984
Oil on 3 canvasses, 105 x 132 in. Collection Robert and Loretta Lifton.

mitchell_chord_vii.jpg
Joan Mitchell, Chord VII, 1987
Oil on canvas, (240 x 200cm), Private Collection, Washington

mitchell_ici.jpg
Joan Mitchell, Ici , 1992.
Oil on canvas; diptych, (260 x 400 cm) overall, Saint Louis Art Museum, Missouri

Publicado por samartaime às 06:32 PM | Comentários (0)

março 29, 2010

Saint -John Perse




«… ha! toutes sortes d'hommes dans leurs voies et façons : mangeurs d'insectes, de fruits d'eau ; porteurs d'emplâtres, de richesses ! l'agriculteur et l'adalingue, l'acupuncteur et le saunier ; le péager, le forgeron ; marchands de sucre, de cannelle, de coupes à boire en métal blanc et de lampes de corne ; celui qui taille un vêtement de cuir, des sandales dans le bois et des boutons en forme d'olives ; celui qui donne à la terre ses façons ; et l'homme de nul métier : homme au faucon, homme à la flûte, homme aux abeilles ; celui qui tire son plaisir du timbre de sa voix, celui qui trouve son emploi dans la contemplation d'une pierre verte ; qui fait brûler pour son plaisir un feu d'écorces sur son toit, et celui qui a fait des voyages et songe à repartir ; qui a vécu dans un pays de grandes pluies ; qui joue aux dés, aux osselets, au jeu des gobelets ; ou qui a déployé sur le sol ses tables à calcul ; celui qui a des vues sur l'emploi d'une calebasse ; celui qui mange des beignets, des vers de palme, des framboises ; celui qui aime le goût de l'estragon ; celui qui rêve d'un poivron ; ou bien encore celui qui mâche d'une gomme fossile, qui porte une conque à son oreille, et celui qui épie le parfum de génie aux cassures fraîches de la pierre ; celui qui pense au corps de femme, homme libidineux ; celui qui voit son âme au reflet d'une lame ; l'homme versé dans les sciences, dans l'onomastique ; l'homme en faveur dans les conseils, celui qui nomme les fontaines, qui fait un don de sièges sous les arbres, de laines teintes pour les sages ; et fait sceller aux carrefours de très grands bols de bronze pour la soif… ha ! toutes sortes d'hommes dans leurs vies et façons et, soudain, apparu dans ses vêtements du soir et tranchant à la ronde toutes questions de préséance, le Conteur qui prend place au pied du térébinthe…»

[ extrato de ANABASE ]

Saint_John Perse 2.jpg

SAINT-JOHN PERSE (1887 - 1975)

Publicado por samartaime às 07:23 PM | Comentários (0)

março 22, 2010



Isso até me agrada. Que me deitem fora

Que me deixem livre de compromissos afectivos.

Ficar ligeiro por dentro; ser como casca só.

Não tropeçar nos detritos humanos

Que me cercam,

Não ter altivez nenhuma nisso.

Ser simplesmente um andante.

Ter o caminho livre.


Raul de Carvalho


Raul%20de%20Carvalho.jpg

(Alvito, 04:09:1920 - 03:09:1984, Porto)



Publicado por samartaime às 10:19 AM | Comentários (0)

março 21, 2010

Ladainha



nossa senhora das dores
dor aguda (a contrapelo)
e da bolsa de valores
que leva coiro e cabelo
padroeira de penhores
e dos pregos pendurados
e de dentes sofredores
e de muitos paus-mandados
de tanto nariz de cera
como se fosse de santo
a velar pela quimera
pela causa do quebranto
senhora de tal andaço
senhora destes remoques
senhora de muito abraço
que provoca electrochoques
nossa senhora das dores
e da ética rotunda
senhora de pundonores
mas no meio da desbunda
senhora da dialéctica
a bater com a mão no peito
senhora peripatética
a arrepanhar o trejeito
senhora da roupa suja
senhora de mil barrelas
senhora que sobrepuja
todo o brilho das estrelas
senhora assim do recato
senhora da ladainha
e que grasna como um pato
roga pragas à vizinha
senhora da sisudez
enfeitada de mil cores
senhora do não-talvez
nossa senhora das dores


Domingos da Mota

Publicado por samartaime às 12:24 PM | Comentários (2)

março 18, 2010

Fernando Assis Pacheco



RESPIRAÇÃO ASSISTIDA

Eu vi a morte
de noite - névoa branca -
entre os frascos do soro
rondar a minha cama

era um trasgo
e como tal metera-se
pelas frinchas; noutra versão
coando-se através
dos nós da madeira
ou noutra ainda
imitando à perfeição
o gorgolejar da água
nos ralos: eu tremia
covardemente enquanto
ela raspava a parede
com unhas muito lentas

eu vi? ouvi a morte?
com toda a probabilidade
e por instantes
era ela - luz negra -
tentando cegar-me


Fernando Assis Pacheco

pacheco  2.jpg
(Coimbra,1937- Lisboa,1995)



Publicado por samartaime às 04:50 PM | Comentários (0)

fevereiro 12, 2010

Mandela (e Brenda Fassie)



mandela1.JPG










Publicado por samartaime às 07:14 PM | Comentários (1)

fevereiro 10, 2010

Liberdades



GEORGES BRASSENS - PÉNÉLOPE

LA LIBERTÉ - MANO SOLO

LIBERTA - PEP'S

LA LIBERTÉ - PATRICIA KAAS






Paul Eluard por Jean-Louis Barrault :

Liberté




LA LIBERTE DE DELACROIX





Publicado por samartaime às 11:57 AM | Comentários (0)

janeiro 27, 2010

Gypsy Music DJELEM DJELEM Roma Holocaust







Publicado por samartaime às 09:49 PM | Comentários (1)

janeiro 19, 2010

TELHADOS DE VIDRO (nov/2009)



ACEITAÇÃO

À parte o céu sem pássaros
os nomes molhados das ruas
as ilhas de outrora submersas todas
como uma lição esquecida de geografia
à parte a minha língua perdida para sempre
vocábulos traduzidos com ajuda de um dicionário
sem história sem terra sem água
à parte a quase dor
do meu terceiro exílio
isto vai.

Aris Alexandrou

trad. Gil de Carvalho


Imagempintada 005.jpg


2008 - 2009

Ondula bandeira esvoaça cortina
Abre-se janela liberta-se ar

Presa palmeira a cena sonha:
De vez fogem aves
Largam pouso esquecem horas
Sóseu voo perseguem

Outro avião as nuvens ilude
Alta torre também voa,
O céu risca
Em desapego espectacular


UMA TEORIA DA SUPERSTIÇÃO

Gato preto passava e nunca via
Quantos a mesa juntava
(Um mais que a dúzia tanto fazia)


Chapéus abertos por toda a sala
(Gato preto contando a chuva)


Espelhos quebrados em bom estado
Espelhavam o mesmo risco
(Gato preto indeciso)


Maria Teresa Duarte Martinho


Imagempintada 005.jpg

BERLIN (SEESTRASSE 118)

Subimos até ao quarto que dá
para o pátio interior desta cidade
distante e estrangeira.

Partilhámos a meias a solidão
sob um nome que não pronunciamos
como os nossos, próprios.

Trocamos iniciais e algumas verdades
tão mentirosas como qualquer confissão.
Libertámo-nos do pudor como
o assassino que limpa a sua arma.

Trinta e cinco anos.
O mais eficaz dos calibres.

Rui Miguel Ribeiro


tv13.jpg

TELHADOS DE VIDRO / 13, Edições Averno, novembro 2009



Publicado por samartaime às 04:30 PM | Comentários (0)

janeiro 09, 2010

Aos que hão de vir

para que conste



Miguel Vale de Almeida na manhã de oito de janeiro de dois mil e dez na Assembleia da República dos portugueses:




« No início do ano em que se comemora o centenário da República, este Parlamento cumpre hoje um dos mais nobres desígnios da democracia: garantir os direitos individuais e a superação de discriminações injustas. Hoje, este Parlamento, todos e todas nós, temos a oportunidade e a responsabilidade de incluir mais cidadãos e cidadãs, como em tempos fizemos com a abolição de discriminações com base no status e na “raça” ou com base no género. Hoje cabe-nos a responsabilidade e o privilégio de pôr cobro a uma grave discriminação, desta feita com base na orientação sexual, dando assim seguimento à nossa Constituição, que proíbe a discriminação com base nessa categoria e assegura o desenvolvimento da personalidade, de que a sexualidade é uma característica primordial e intrínseca.

Aprovando o acesso ao casamento civil por parte de casais de pessoas do mesmo sexo em igualdade de circunstâncias com os casais de pessoas de sexo diferente, estaremos a trazer mais cidadãos e cidadãs para o pleno usufruto dos seus direitos, sem retirar direitos a outrem e sem alterar a natureza contratual do casamento civil. Estaremos a alargar e a incluir, sem excluir ninguém, e sem criar institutos específicos que, tal como actualmente se configura o casamento civil ou tal como se propõe com casamentos com outro nome, acentuariam a discriminação e o apartheid social entre hetero e homossexuais. Não estaremos a destruir o casamento civil, como alguns dizem, mas a reforçá-lo, como o temos feito desde o seu início (na segunda metade do século XIX), no sentido de maior igualdade entre marido e mulher, da possibilidade do divórcio e da adequação a valores culturais assentes na liberdade de escolha. Avançamos agora para o reconhecimento da igual natureza das relações afectivas e contratuais entre um homem e uma mulher, dois homens, ou duas mulheres.

Por que é o igual acesso ao casamento civil tão importante para a inclusão, para a superação da discriminação, e para a recusa e a censura da homofobia por parte do Estado e da Lei? Porque a experiência individual e social dos gays e das lésbicas – a experiência do insulto, da violência simbólica e física, da exclusão – assenta justamente num aspecto intrínseco da personalidade humana (a sexualidade e, especificamente, a orientação sexual), aspecto esse que ganha saliência social no momento em que a afectividade e os sentimentos levam as pessoas gay e lésbicas – à semelhança dos heterossexuais – à constituição de relações afectivas e conjugais cuja publicitação e vivência livre têm sido impedidas quer pela Lei, quer pelas mentalidades mais retrógradas. As pessoas de que estamos a falar, as pessoas para quem e em nome de quem estamos a legislar, nasceram numa sociedade largamente homofóbica, à semelhança da experiência terrível do racismo para muitas pessoas negras em várias sociedades, e à semelhança da experiência terrível do sexismo para muitas mulheres. Nasceram para uma sociedade que lhes disse que o seu amor não tinha nome; que o seu destino era obrigatoriamente a heterossexualidade; aprenderam nomes insultuosos para designar o mais íntimo e estruturante das suas personalidades; viram-se obrigadas a viver na vergonha, no silenciamento e na ocultação; em tempos e lugares não muito distantes foram encarceradas, torturadas, submetidas a tratamentos forçados, enviadas para campos de concentração. Ainda hoje e entre nós, temem represálias no emprego, temem o insulto na rua, temem a alienação familiar e das redes de amizade. Essas pessoas não são as figuras estereotipadas de um certo imaginário homofóbico, nem as pessoas que, como eu, tiveram o privilégio e a sorte de poderem falar hoje e aqui, neste dia histórico. Eles e elas são nossos irmãos e irmãs, pais e mães, filhos e filhas, amigos e amigas, vizinhos e vizinhas, colegas de trabalho. São pessoas de todos os níveis sociais, ricas e pobres, do campo e da cidade, jovens e idosas, conservadoras ou liberais – e esperam de nós um gesto de reconhecimento. Mas legislamos a favor da igualdade também em nome de todos e todas nós, cidadãos e cidadãs da República Portuguesa - porque nenhum e nenhuma de nós será livre e poderá em consciência usufruir dos seus direitos enquanto estes forem negados ao seu próximo. E porque o valor de uma democracia se mede pela sua capacidade de proteger as minorias e de recusar qualquer imposição baseada em preconceitos maioritários. Não estaremos a reinventar a sociedade, como não a reinventámos quando abolimos a escravatura ou conquistámos o direito de voto para as mulheres. Estaremos sim, como então, a dar continuidade a um projecto civilizacional. Estaremos a alargar o âmbito dos direitos, a tornar a democracia mais democrática, a melhorar efectivamente as condições de vida de mais cidadãos e cidadãs, a garantir mais liberdade de escolha sem prejudicar a liberdade de outros. Estaremos a assegurar os próprios princípios em que assenta o nosso modelo de sociedade – baseado na democracia, na igualdade e nos direitos humanos.

Mas hoje estaremos – se soubermos cumprir o desígnio mais nobre dum Parlamento democrático – não só a garantir o acesso a direitos que são negados por outras figuras ou pelo impedimento de acesso ao casamento civil. Estaremos a fazer um gesto emancipatório com uma importância simbólica ímpar: o Estado e a Lei estarão a dizer a toda a sociedade que as relações entre casais do mesmo sexo têm a mesma dignidade e merecem o mesmo respeito que as relações entre casais de sexo diferente. Sim, estaremos a dizer isso – e os nossos opositores devem demonstrar que não estão a fazer justamente o contrário. Estaremos a promover uma pedagogia anti-homofóbica na sociedade, dando o exemplo a partir do órgão máximo de representatividade democrática; estaremos activamente a promover a mudança de mentalidades; estaremos a cumprir a nossa função de reconhecimento de uma categoria da nossa cidadania que tem historicamente sido tratada como doente, pecaminosa ou criminosa.

Apelo a todas e a todos vós que não mantenham o casamento como um privilégio, mesmo que de uma maioria. Pensem no jovem ou na jovem homossexual e no seu companheiro ou companheira que, ao contrário dos seus irmãos ou irmãs heterossexuais, não podem aceder aos mesmos direitos; e que à semelhança dos seus irmãos ou irmãs heterossexuais, podem desejar exprimir - através do casamento - o seu afecto, o seu amor, o seu compromisso, os seus projectos comuns de vida. No dia seguinte à efectiva possibilidade de dois homens ou duas mulheres casarem civilmente, se assim o entenderem, respiraremos um ar mais livre, cresceremos como democracia, promoveremos a inclusão e acarinharemos a diversidade na igualdade. Nesse dia, o arco-íris – símbolo da luta dos gays e das lésbicas pela sua dignidade plena - será também um símbolo da nossa República. »

Bem haja, Miguel.

(E à tradição adversa lembro o seu eterno e desastrado «Ecce Homo!»)

Publicado por samartaime às 10:46 AM | Comentários (11)

janeiro 02, 2010

Beirut (band)



Elephant Gun

(video de Vicereine99 )

Elephant Gun
Beirut
Composição: Ryan Condon; Zach Condon

If I was young, I'd flee this town
I'd bury my dreams underground
As did I, we drink to die, we drink tonight

Far from home, elephant gun
Let's take them down one by one
We'll lay it down, it's not been found, it's not around

Let the seasons begin - it rolls right on
Let the seasons begin - take the big king down

Let the seasons begin - it rolls right on
Let the seasons begin - take the big king down

And it rips through the silence of our camp at night
And it rips through the night

And it rips through the silence of our camp at night
And it rips through the silence, all that is left is all
That I hide


A Sunday Smile

( video de knm33)

A Sunday Smile
Beirut
Composição: Zach Condon

All I want is the best for our lives my dear,
and you know my wishes are sincere.
Whats to say for the days I cannot bare.

A Sunday smile you wore it for a while.
A Sunday mile we paused and sang.
A Sunday smile you wore it for a while.
A Sunday mile we paused and sang.
A Sunday smile and we felt true. (and)

We burnt to the ground
left a view to admire
with buildings inside church of white.
We burnt to the ground left a grave to admire.
And as we reach for the sky, reach the church of white.

A Sunday smile you wore it for a while.
A Sunday mile we paused and sang.
A Sunday smile you wore it for a while.
A Sunday mile we paused and sang.
A Sunday smile and we felt true. (and)


St Apollonia

(video de AimarZion )

St. Apollonia
Beirut

All these saints that I move without
I lose without in vain
All these saints, they move without
They moved without again
Well, all these places will lose without
They lose without a name




Publicado por samartaime às 07:40 PM | Comentários (0)

dezembro 30, 2009

«The Diggers Song » pelos Chumbawamba






(Obrigada, «Hortas» e «Remoques» !)


Diggers Song (A Canção dos Cavadores) é uma canção inglesa do seculo XVII, inspirada na luta do Movimento dos Cavadores contra a lei agrária. Esta balada de protesto foi composta por Gerrard Winstanley e a letra só foi publicada em 1894 pela Camden Society.

Chumbawamba é uma banda inglesa do anarco-punk, que depois de 25 anos de carreira mudou o estilo para a dance music, world music e folk music, embora mantendo a sua irreverêmcia e a postura política anarquista.

The Diggers Song
You noble diggers all stand up now, stand up now
You noble diggers all stand up now
The wasteland to maintain sin (?) cavaliers by name
Your digging does maintain and persons all defame
Stand up now, stand up now
Your houses they pull down stand up now, stand up now
Your houses they pull down, stand up now
Your houses they pull down to fright your men in town
But the gentry must come down and the poor shall wear the crown
Stand up now diggers all
With spades and hoes and plows stand up now, stand up now
With spades and hoes and plows, stand up now
Your freedom to uphold sin (?) cavaliers are bold
To kill you if they could and rights from you to hold
Stand up now diggers all
The gentry are all round stand up now, stand up now
The gentry are all round stand up now
The gentry are all round on each side the are found
Their wisdom so profound to cheat us of our ground
Stand up now stand up now
The lawyers they conjoin stand up now stand up now
The lawyers they conjoin stand up now
To rescue they advise, such fury they devise, the devil in them lies
And hath blinded both their eyes
Stand up now, stand up now
The clergy they come in stand up now, stand up now
The clergy they come in stand up now
The clergy they come in and say it is a sin
That we should now begin our freedom for to win
Stand up now diggers all
'Gainst lawyers and 'gainst priests stand up now stand up now
'Gainst lawyers and 'gainst priests stand up now
For tyrants they are both, even flat against their oath
To grant us they are loathe free meat and drink and cloth
Stand up now diggers all
The club is all their law, stand up now stand up now
The club is all their law, stand up now
The club is all their law, to keep all men in awe
That they no vision saw to maintain such a law
Stand up now diggers all.



NOTA 1 (Wikipedia):

«The World Turned Upside Down is an English ballad. It was first published on a broadside in 1643 as a protest against the policies of Oliver Cromwell relating to the celebration of Christmas.[citation needed] Cromwell believed the holiday should be a solemn occasion, and outlawed traditional English Christmas celebrations. There are several versions of the lyrics. It is sung to the tune of another ballad, "When the King Enjoys His Own Again".
Tradition has it that when Lord Cornwallis surrendered at the Siege of Yorktown (1781) the British band played this tune, although there is no conclusive evidence to support this.
This is not the same as the song of the same name recorded by Leon Rosselson and Billy Bragg . This song was recorded by Chumbawamba on their album English Rebel Songs 1381-1914, and by Maddy Prior and the Carnival Band on their album "Hang Up Sorrow and Care". »


Nota 2 (Encyclopaedia Britannica)

Digger,
any of a group of agrarian communists who flourished in England in 1649-50 and were led by Gerrard Winstanley (q.v.) and William Everard. In April 1649 about 20 poor men assembled at St. George's Hill, Surrey, and began to cultivate the common land. These Diggers held that the English Civil Wars had been fought against the king and the great landowners; now that Charles I had been executed, land should be made available for the very poor to cultivate. (Food prices had reached record heights in the late 1640s.) The numbers of the Diggers more than doubled during 1649. Their activities alarmed the Commonwealth government and roused the hostility of local landowners, who were rival claimants to the common lands. The Diggers were harassed by legal actions and mob violence, and by the end of March 1650 their colony was dispersed. The Diggers themselves abjured the use of force. The Diggers also called themselves True Levelers, but their communism was denounced by the leaders of the Levelers.


Related Propaedia Topics:
Oliver Cromwell, the Commonwealth, and the Protectorate (1649-60); the Stuart Restoration (1660) under Charles II (1660-85) and James II (1685-88); the Glorious Revolution of 1688 and end of crown rule without Parliament

The Digger Songs
Levellers and Diggers
(Gerard Winstanley)
(The recording is from The Digger Song by Gerrard Winstanley and Leon Rosselson. Note: the recording begins at the 6th stanza below, "The lawyers they conjoyne..."

You noble Diggers all, stand up now, stand up now,
You noble Diggers all, stand up now,
The wast land to maintain, seeing Cavaliers by name
Your digging does maintain, and persons all defame
Stand up now, stand up now.

Your houses they pull down, stand up now, stand up now,
Your houses they pull down, stand up now.
Your houses they pull down to fright your men in town
But the gentry must come down, and the poor shall wear the crown.
Stand up now, Diggers all.

With spades and hoes and plowes, stand up now, stand up now
With spades and hoes and plowes stand up now,
Your freedom to uphold, seeing Cavaliers are bold
To kill you if they could, and rights from you to hold.
Stand up now, Diggers all.

Theire self-will is theire law, stand up now, stand up now,
Theire self-will is theire law, stand up now.
Since tyranny came in they count it now no sin
To make a gaol a gin, to starve poor men therein.
Stand up now, Diggers all.

The gentrye are all round, stand up now, stand up now,
The gentrye are all round, stand up now.
The gentrye are all round, on each side they are found,
Theire wisdom's so profound, to cheat us of our ground
Stand up now, stand up now.

The lawyers they conjoyne, stand up now, stand up now,
The lawyers they conjoyne, stand up now,
To arrest you they advise, such fury they devise,
The devill in them lies, and hath blinded both their eyes.
Stand up now, stand up now.

The clergy they come in, stand up now, stand up now,
The clergy they come in, stand up now.
The clergy they come in, and say it is a sin
That we should now begin, our freedom for to win.
Stand up now, Diggers all.

The tithes they yet will have, stand up now, stand up now,
The tithes they yet will have, stand up now.
The tithes they yet will have, and lawyers their fees crave,
And this they say is brave, to make the poor their slave.
Stand up now, Diggers all.

'Gainst lawyers and 'gainst Priests, stand up now, stand up now,
'Gainst lawyers and 'gainst Priests stand up now.
For tyrants they are both even flatt againnst their oath,
To grant us they are loath free meat and drink and cloth.
Stand up now, Diggers all.

The club is all their law, stand up now, stand up now,
The club is all their law, stand up now.
The club is all their law to keep men in awe,
But they no vision saw to maintain such a law.
Stand up now, Diggers all.

The Cavaleers are foes, stand up now, stand up now,
The Cavaleers are foes, stand up now;
The Cavaleers are foes, themselves they do disclose
By verses not in prose to please the singing boyes.
Stand up now, Diggers all.

To conquer them by love, come in now, come in now
To conquer them by love, come in now;
To conquer them by love, as itt does you behove,
For hee is King above, noe power is like to love,
Glory heere, Diggers all.



World Turned Upside Down (Diggers)
(Leon Rosselson)
Recorded by Dick Gaughan

In 1649
To St George's Hill
A ragged band they called the Diggers
Came to show the people' s will
They defied the landlords
They defied the laws
They were the dispossessed
Reclaiming what was theirs

We come in peace, they said
To dig and sow
We come to work the land in common
And to make the waste land grow
This earth divided
We will make whole
So it can be
A common treasury for all.

The sin of property
We do disdain
No one has any right to buy and sell
The earth for private gain
By theft and murder
They took the land
Now everywhere the walls
Rise up at their command.

They make the laws
To chain us well
The clergy dazzle us with heaven
Or they damn us into hell
We will not worship
The God they serve
The God of greed who feeds the rich
While poor men starve

We work, we eat together
We need no swords
We will not bow to masters
Or pay rent to the lords
We are free men
Though we are poor
You Diggers all stand up for glory

Stand up now
From the men of property
The orders came
They sent the hired men and troopers
To wipe out the Diggers' claim
Tear down their cottages
Destroy their corn
They were dispersed -
Only the vision lingers on

You poor take courage
You rich take care
The earth was made a common treasury
For everyone to share
All things in common
All people one
We come in peace
The order came to cut them down



Nota 3: resumindo num sorriso





Publicado por samartaime às 08:50 PM | Comentários (0)

dezembro 04, 2009

History Repeating







Publicado por samartaime às 11:39 AM | Comentários (0)

novembro 29, 2009

Ovelhas na névoa



As colinas penetram na brancura.
Homens ou estrelas
olham-me com tristeza, desiludo-os.

O comboio deixa um rastro do seu alento.
Oh vagaroso
cavalo da cor da ferrugem,

Cascos, dolorosos sinos...
Toda a manhã
a manhã obscureceu

uma flor abandonada.
Os meus ossos absorvem a quietude, longínquos
campos enternecem o meu coração.

Ameaçam
levar-me para um céu
sem estrelas e sem pai: uma água negra.


Sylvia Plath

Trad. Maria de Lourdes Guimarães



Publicado por samartaime às 07:51 PM | Comentários (0)

novembro 22, 2009

Bach pelo mundo fora



BACH TO AFRICA - Sankanda+Lasset uns den nicht zerteilen



Bach in Brasil - Invenção de duas partes nº 8



Bach to Cuba - Brandenburg Concerto nº 3 - 1º andamento




Publicado por samartaime às 08:02 PM | Comentários (0)

novembro 20, 2009

A Adoração dos Magos


Aquela noite a três
foi como desenhar a maçarico
numa chapa de ferro
um vento fóssil, um vítreo monograma,
o rasto ao exceder o voo de uma carriça
cativo flutua no vidro de uma jarra.
Suspensos percorriam na polpa da vertigem
léguas sobre o abismo.
Pendentes do zinco da manhã
à espera do início
do seguinte espectáculo
dispersaram o sémen
nas chaminés da noite leprosa.
Nos terraços da luta percorreram
as danças mais funestas da ternura.
Num combinar astuto de referências
abriram-se os portais
e despediram galopes penitentes
os animais libertos
das tecidas mansões.

O unicórnio branco depôs sua cabeça
nos braços da senhora,
compadecida dama,
e lhe tocou fiando suas lãs
entre as unhas crivadas por metralha.
Sinto-lhes o assédio,
em cada joelho poisam
um queixo armadilhado,
a barba já cresceu desde o jantar.
«É a adoração dos magos» - murmuras tu –
fincando na ravina os dedos imanados
enquanto o tronco investe
a pele percorrida por venosas nascentes.
Olho por sobre um ombro
e surpreendo a treva
ofendida esgueirar-se
entre os dedos da porta.
O noctívago galgo
devora a escuridão às cegas no recinto.
Em breve a luz envolve
de opalinas unções as cabeleiras.
Iminentes desenham-se as saídas,
o croissant no prato, o garoto no copo,
o revestir a pele doutros fatos
a tragédia jazente nos horários.
Aquela noite a três foi sem remédio.


Fátima Maldonado




Publicado por samartaime às 02:52 PM | Comentários (0)

novembro 10, 2009

Lost weekend



Um dia é maior do que a soma
das suas horas, às vezes comporta
todos os invernos e as estações assombradas
pelos prejuízos do prazer.

Eu e tu, que desculpa ainda nos justifica?
A cidade não foi feita para as nossas pretensões,
está apenas alastrada por dentro de nós, crispação
de pedras e espinhos no laço desfeito entre as veias.

Adiantamos o corpo aos rolamentos da noite,
é a própria razão que nos ilumina os atalhos
para o esquecimento. Um ano inteiro não será suficiente
para tudo o que não nos acontece.


Rui Pires Cabral




Publicado por samartaime às 10:20 PM | Comentários (0)

novembro 05, 2009

Construtores de labirintos





Tenho de estar completamente só quando penso,
E no parapeito mais alto
Debruçado sobre a rua vazia.
A janela poeirenta da loja lá em baixo
Está cheia de fantasmas ao pôr do sol.

Ali vai o meu velho. Já tem a idade que tenho agora.
De olhos fechados
chama as criadas pelos seus nomes secretos:
Santo Isaac, o sírio,
São Nilo, que escreveu sobre a oração.
O vinho das ambiguidades eternas,
Se faz favor, à saúde do corvo
Sentado no cimo de uma igreja branca.

A sua vida também é um emaranhado fantástico.
Os nossos infortúnios são empreiteiros.
Esquecem-se sempre das janelas,
Fazem os tectos baixos e pesados.
«É só uma lua de papel», cantam...
Mas estou a ir demasiado depressa.

No fim de um corredor escuro
Há um fósforo aceso numa mão trémula.
«Ainda tenho pavor do palco»,
Diz a bela mulher,
E depois guia-nos por entre guarda-roupas
Com espelhos e portas empenadas,
Onde estão pendurados vestidos sussurrantes,
Espartilhos sussurrantes, sapatos com botões -
Do tipo que se usaria para cavalgar uma cabra.

A sua filha, dizem-nos, está tísica.
Há uma marca do polegar oleoso da morte
na sua face angélica:
Ela quer que eu brinque debaixo da mesa
Dos jogadores de cartas silenciosos.

Brincamos e é como o palácio em Cnossos.
A memória, o único fósforo queimado do meu coração:
A sua mão guiando-me nas ruínas,
E as cartas sussurrando sobre as nossas cabeças
Que a nossa juventude e o nosso amor aturdiram.


Charles Simic

Trad. José Alberto Oliveira


Publicado por samartaime às 01:28 PM | Comentários (0)

novembro 04, 2009

Concerto para João Aguardela








(clique para ouvir: )


Aula de dança


Um rapaz mal desenhado


Um feitio de rainha


Dona de muitas casas


Publicado por samartaime às 01:04 AM | Comentários (0)

outubro 28, 2009

Laranja cor de sangue




Está tão escuro que o fim do mundo pode estar próximo.
Convenço-me que vai chover.
Os pássaros no jardim estão silenciosos.
Nada é o que parece,
Nem nós mesmos.

Na nossa rua há uma árvore tão grande
Que podemos esconder-nos todos nas suas folhas.
Nem precisaremos de roupas.
Sinto-me tão velho como uma barata, disseste.
Imagino-me passageiro de um navio-fantasma.

Agora nem um suspiro lá fora.
Se alguém abandonou uma criança no nosso patamar,
Deve estar a dormir.
Tudo está a vacilar na borda de tudo
Com um sorriso polido.

É porque há coisas neste mundo
Sem qualquer solução, disseste.
Nesse instante ouvi a laranja cor de sangue
Rebolar pela mesa e com um baque
Cair no chão rachada ao meio.


Charles Simic

Trad. de José Alberto Oliveira





Publicado por samartaime às 09:21 PM | Comentários (2)

outubro 06, 2009

Amália




Camões, Amália, Oulman

Com que voz chorarei meu triste fado,
que em tão dura paixão me sepultou.
Que mor não seja a dor que me deixou
o tempo, de meu bem desenganado.

Mas chorar não estima neste estado
aonde suspirar nunca aproveitou.
Triste quero viver, poi se mudou
em tisteza a alegria do passado.

Assim a vida passo descontente,
ao som nesta prisão do grilhão duro
que lastima ao pé que a sofre e sente.

De tanto mal, a causa é amor puro,
devido a quem de mim tenho ausente,
por quem a vida e bens dele aventuro.

Luís de Camões

Publicado por samartaime às 03:23 PM | Comentários (1)

outubro 04, 2009

QUE VIVA 'LA NEGRA' !



Mercedes Sosa (Tucuman, 09:JUL:1935 - 2009- 04:OUT, Buenos Aires)




El Condor Pasa
Mercedes_Sosa_pic-2pic.jpg



Gracias à la vida
3.jpg



Todo Cambia
Mercedes Sosa 4.jpg



Fragilidad
mercedessosa.jpg



Alfonsina y el mar
Mercedes Sosa 2.jpg



El Corazon Al Sur
sosa-rios.jpg

Ay este azul

gse_multipart29507.jpg




Rio de Camalotes
mercedes_sosa_1495364c.jpg




Unicornio Azul
sosa-silvio.jpg



Corazon Libre
MErcedes Sosa.jpg




Pajaro Libre



Mercedes Sosa - Biografia e discografia



Publicado por samartaime às 10:04 PM | Comentários (0)

setembro 25, 2009

«Barry Lyndon» [Kubrick] ou o traidor

(Banda sonora do filme) adaptação de Piano trio in e flat op. 100 (segundo movimento) de Franz Schubert. Execução de Ralph Holmes/violin, Moray Welsh/cello, Anthony Goldstone/piano.





Publicado por samartaime às 01:15 PM | Comentários (0)

julho 27, 2009

Merce Cunningham (e John Cage)



merci-merce-04.jpg
Merce Cunningham (Centrália, Washington, 16 de abril de 1919 - Nova Iorque, 26 de Julho de 2009)

John+Cage+ajohncage.jpg
John Cage (Los Angeles, 5 de setembro de 1912 - Nova Iorque, 12 de agosto de 1992)



Mondays with Merce Demo

Merce Cunningham--Beach Birds 1

John Cage

John Cage about silence


Mais Sobre Merce Cunningham>

Informação sobre John Milton Cage

Publicado por samartaime às 03:16 PM | Comentários (1)

junho 30, 2009

Pina Bausch

( 27 de julho de 1940 — 30 de Junho de 2009)






Publicado por samartaime às 10:20 PM | Comentários (2)

junho 19, 2009

Uma rara oportunidade:



Amanhã

Dia 20 de Junho09 , em Lisboa às 23h no S. Jorge cinema-Festival MOSTRA-ME

(bilhetes a 3€);

À FLOR DO MAR, de João César Monteiro.


Publicado por samartaime às 08:45 PM | Comentários (0)

junho 14, 2009

Pela voz contrafeita da poesia



Dá-nos os passos os teus passos
de manhã triunfal de cidade à solta
os gestos que devemos ter
quando a alegria descobrir os dedos
em que possa viver toda a vertigem
que trouxer da noite
os primeiros dedos do sonho
do teu sonho nosso sonho mantido
mesmo no mais íntimo abandono
mesmo contra as portas que sobre nós:
em silêncio e noite
em venenosa ternura
em murmúrio e reza
se fecharam já
mesmo contra os dias vorazes
que por todos os lados nos assaltam
e consomem
mesmo contra o descanso eterno
a viagem fácil
com que nos ameaçam vigiando
todo o percurso do nosso sono
interminável sono coração emparedado
no muro cruel da vida
desta que vivemos que morremos
assim esperando
assim sonhando
sonhando mesmo quando o sonho
ignorado recua até ao mais íntimo de cada um de nós
e é o gemido sem boca
a precária luz que nem aos olhos chega

Não digas o teu nome: ele é Esperança
vai até aos que sofrem sozinhos
à margem dos dias
e é a palavra que não escrevem
sobre as quatro paredes do tempo
o admirável silêncio que os defende
ou o sorriso o gesto a lágrima
que deixam nas mãos fiéis

Não digas o teu nome: quem o não sabe
quem não sabe o teu nome de fogo
quem o não viu entrar na sua noite
de pobre animal doente
e tomar conta dela
mesmo só pelo espaço de um sonho

O teu nome
até os objectos o sabem
quando nos pedem um uso diferente
os objectos tão gastos tão cansados
da circulação absurda a que os obrigam

As coisas também gritam por ti

E as cidades as cidades que morreram
na mesma curva exemplar do tempo
estão hoje em ti são hoje o teu nome
levantam-se contigo na vertigem
das ruas no tumulto das praças
na espera guerrilheira em que perfilas
o teu próprio sono


*


Ah
onde estão os relógios que nos davam
o tempo generoso
os dedos virtuosos os pezinhos
musicais do tempo
as salas onde o luxo abria as asas
e voava de cadeira em cadeira
de sorriso em sorriso
até cair exausto mas feliz
na almofada muito azul do sono

Onde está o amor a sublime
rosa que os amantes desfolhavam
tão alheios a tudo raptados
pela mão aristocrática do tempo
o amor feito nos braços no regaço
de um tempo fácil
perdulário
vosso

Hoje não é fácil o tempo
já não é vosso o tempo
viajantes do sonho que divide
doces irmãos da rosa
colunas do templo do Imóvel
prudentes amigos da vertigem
deliciados poetas duma angústia
sem vísceras reais
já não é vosso o tempo.

Noivas do invisível
não é vosso o tempo
Relógios do eterno
não é vosso o tempo


*


Impossível

Impossível cantar-te
como cantei o amor adolescente
colorindo de ingenuidade
paisagens e figuras reduzindo-o
à mesma atmosfera rarefeita
do sonho sem percurso no real
Impossível tomar o íngreme caminho
da aventura mental
ou imaginar-te pelo fio estéril
da solitária imaginação

Tão-pouco desenhar-te como estrela
neste céu infame
dizer-te em linguagem de jornal
ou levar-te à emoção dos outros
pela voz contrafeita da poesia

Impossível

Impossível não tentar dizer-te
com as poucas palavras que nos ficam
da usura dos dias
do grotesco discurso que escutamos
proferimos
transidos de sonho no ramal do tempo
onde estamos como ervas
pedrinhas
coisas perfeitamente inúteis
pequenas conversas de ferrugem de musgo
queixas
questiúnculas
arrotos comoventes


*


Mas de repente voltas
numa dor de esperança sem razão de ser

Da sua indiferença
agressivamente as coisas saem
Sentimo-nos cercados
ameaçados pelas coisas
e agora lamentamos o tempo perdido
a dispô-Ias a nosso favor

Porque é tempo de romper com tudo isto
é tempo de unir no mesmo gesto
o real e o sonho
é tempo de libertar as imagens as palavra!
das minas do sonho a que descemos
mineiros sonâmbulos da imaginação

É tempo de acordar nas trevas do real
na desolada promessa
do dia verdadeiro


*


Nesta luz quase louca
que se prende aos telhados
às árvores aos cabelos das mulheres
aos olhos mais sombrios
falamos de ti do teu alto exemplo
e é com intimidade que o fazemos
falamos de ti como se fosses
a árvore mais luminosa
ou a mulher mais bela mais humana
que passasse por nós com os olhos da vertigem
arrastando toda a luz consigo


Alexandre O´Neill

Alexandre%20ONeill2.jpg


Este homem, foi um Homem de palavra clara e directa.
Quando o citarem, citem-no por inteiro, não lhe deturpem a palavra.
Porque se julgam que ele vos serve de biombo, desenganem-se:
é nele que acreditamos e não nos vossos «acidentes de percurso».





Publicado por samartaime às 10:49 PM | Comentários (4)

junho 13, 2009

Dia do poeta e da pintora



Lisboa, 13 de Junho de 1888: Fernando Pessoa

F Pessoa1929.jpg


O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo...
Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender...

O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...

Eu não tenho filosofia; tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar...

Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar...


Fernando Pessoa, via Alberto Caeiro
(Lisboa, 13 JUN 1888 - 30 NOV 1935, Lisboa)
por João Luiz Roth.gif, por João Luiz Roth



Lisboa, 13 de junho de 1908: Vieira da Silva

untitledHelena Vieira da Silva.bmp


artwork_images_140275_133870_Maria-Helena-Vieira-da-Silva.jpg

artwork_images_423940689_155955_Maria-Helena-Vieira-da-Silva.jpg

vieira da silva 4 autoretrato de perfil 1942.jpg Vieira da Siva, Autoretrato de perfil.

Maria Helena Vieira da Silva

(Lisboa, 13 JUN 1908 - 6 MAR 1992, Paris)
Vieria da Silva 2.jpg

Publicado por samartaime às 12:19 PM | Comentários (1)

junho 10, 2009

Dia de Camões


Eis aqui, quase cume da cabeça
De Europa toda, o Reino Lusitano,
Onde a terra se acaba e o mar começa
E onde Febo repousa no Oceano.
Este quis o Céu justo que floresça
Nas armas contra o torpe Mauritano,
Deitando-o de si fora; e lá na ardente
África estar quieto não o consente.

Esta é a ditosa pátria minha amada,
À qual se o Céu me dá que eu sem perigo
Torne com esta empresa já acabada,
Acabe-se esta luz aqui comigo.
Esta foi Lusitânia, derivada
De Luso ou Lisa, que de Baco antigo
Filhos foram, parece, ou companheiros,
e nela então os íncolas primeiros.


Luís de Camões

Os Lusíadas; Canto Terceiro, estrofes 20 e 21



Her%C3%B3i+Portugu%C3%AAs.jpg
samartaime, «O Herói Português», óleo s/tela. (Col. Privada)




Joly Braga Santos | Symphony No5 (VIRTUS LUSITANIAE) [I/IV part one]


Lopes-Graça, História Trágico-Marítima, VII - Mar

Publicado por samartaime às 11:44 AM | Comentários (2)

maio 31, 2009

Alexandre O'Neill





Saber viver é vender a alma ao diabo

Gosto dos que não sabem viver,
dos que se esquecem de comer a sopa
((Allez-vous bientôt manger votre soupe,
s... b... de marchand de nuages?»)
e embarcam na primeira nuvem
para um reino sem pressa e sem dever.

Gosto dos que sonham enquanto o leite sobe,
transborda e escorre, já rio no chão,
e gosto de quem lhes segue o sonho
e lhes margina o rio com árvores de papel.

Gosto de Ofélia ao sabor da corrente.
Contigo é que me entendo,
piquena que te matas por amor
a cada novo e infeliz amor
e um dia morres mesmo
em «grande parva, que ele há tanto homem!»

(Dá Veloso-o-Frecheiro um grande grito?..)

Gosto do Napoleão-dos-Manicómios,
da Julieta-das-Trapeiras,
do Tenório-dos-Bairros
que passa fomeca mas não perde proa e parlapié...

Passarinheiros, também gosto de vocês!
Será isso viver, vender canários
que mais parecem sabonetes de limão,
vender fuliginosos passarocos implumes?

Não é viver.
É arte, lazeira, briol, poesia pura!

Não faço (quem é parvo?) a apologia do mendigo;
não me bandeio (que eu já vi esse filme...)
com gerações perdidas.

Mas senta aqui, mendigo:
vamos fazer um esparguete dos teus atacadores
e comê-lo como as pessoas educadas,
que não levantam o esparguete acima da cabeça
nem o chupam como você, seu irrecuperável!

E tu, derradeira geração perdida,
confia-me os teus sonhos de pureza
e cai de borco, que eu chamo-te ao meio-dia...

Por que não põem cifrões em vez de cruzes
nos túmulos desses rapazes desembarcados p'ra morrer?

Gosto deles assim, tão sem futuro,
enquanto se anunciam boas perspectivas
para o franco frrrrançais
e os politichiens si habiles, si rusés,
evitam mesmo a tempo a cornada fatal!

Les portugueux...
não pensam noutra coisa
senão no arame, nos carcanhóis, na estilha,
nos pintores, nas aflitas,
no tojé, na grana, no tempero,
nos marcolinos, nas fanfas, no balúrdio e
... sont toujours gueux,
mas gosto deles só porque não querem
apanhar as nozes...

Dize tu: - Já começou, porém, a racionalização do trabalho.
Direi eu: - Todavia o manguito será por muito tempo
o mais económico dos gestos!

     *    

Saber viver é vender a alma ao diabo,
a um diabo humanal, sem qualquer transcendência,
a um diabo que não espreita a alma, mas o furo,
a um satanazim que se dá por contente
de te levar a ti, de escarnecer de mim...


Alexandre O´Neill

(Lisboa, 19:DEZ:1924 – 21:AGO:1986, Lisboa)
Alexandre%20ONeill2.jpg

[Naifa - O ferro de engomar]






Publicado por samartaime às 12:59 PM | Comentários (4)

maio 19, 2009

Mário - Henrique Leiria

[Lisboa, 2:JAN:1923 - 9:JAN:1980, Cascais]


mario_h_leiria1.jpg



Rifão quotidiano


Uma nêspera
estava na cama
deitada
muito calada
a ver o que acontecia

chegou a Velha
e disse
olha uma nêspera!
e zás, comeu-a.


é o que acontece
às nêsperas
que ficam deitadas
caladas
a esperar o que acontece.


Mário-Henrique Leiria


mario_h_leiria4.jpg

Publicado por samartaime às 08:33 AM | Comentários (1)

maio 14, 2009

Pintores pintores.



Hoje apetecem-me pintores. Pintores pintores.
Mas isso são outras guerras. Que não interessam aos pintores.


narciso-Caravaggio.jpg
Caravaggio - «Narciso» (1546-48) olio s/tela (113,3x.95cm)


Caravaggio-dentes.jpg
Caravaggio - «o arranca-dentes» - (1607-09), Olio s/ tela (139,5 X194,5 cm)
Galleria degli Uffizi, Florença


rousseau_surprise.jpg
Rousseau, «Surprise!» (1891),Oil on canvas, (130 x 162 cm)
National Gallery, London


matisse_la musique_hermit_min.jpg
Matisse, La Musique (1910), Oil on canvas,(260 x 389 cm)
Hermitage , St Petersburg.


1500-13166~The-Blue-Violinist-Posters.jpg
Chagall «The Blue Violinist» (24 x 32 in)


dawngold Miro.jpg
Miro, «Dawn Perfumed by a Shower of Gold» (1954)
Watercolor and plaster on composition board, (108 x 54.9 cm.)
San Francisco Museum of Modern Art

Publicado por samartaime às 11:08 PM | Comentários (3)

maio 10, 2009

Conversa inacabada



Biografia de LNJ.JPG
samartaime, «Biografia de LNJ», óleo s/tela,
(92X73cm).1989, Lisboa. (Col.Pes.)




porque certamente morreremos
e seremos como águas derramadas na terra
que não se encontram mais
» Êxodo]

I

Ninguém duas vezes passa o rio
porque os rios se afastam para morrer
ou, correndo nós,
vivemos, disséssemos,
com os rios morrendo.

E com o nível posto
na baixa altura da nascente
incorressem os mares que não
se juntam mais, na mesma igualdade
longínqua.

I I

Dentro de dias morre
mais alguém
para o hermético triunfo
das paisagens.

Então os sitios vão
subindo
povoam-se entreolham-se
desencantam-se.

A órbita apodrece
descrê-se o sol.

Luiza Neto Jorge (*)


«Ninguém duas vezes passa o rio» (*)

Os dias que me igualam
ao correr do rio sob a ponte
na noite azul da Prússia de Mussorgsky
invadem o memorial das margens
como laranjas incandescentes na garganta
e um silêncio de olho de búfalo
trespassando no capim.

Na veia gasta da memória
uma sombra de mim navega
as sete partidas da melancolia
entre desejos esboroados
pétalas espavoridas
e o cântico sumptuoso dos
gestos inerentes.

samartaime




«Dentro de dias morre»(*)

Os barcos escondem-se para morrer
sob a areia mais rente ao dia
num desenho angustiado de conchas
sinais esquálidos do pálido marfim
da lassidão lavrada pelo tempo
no passajar do sol.
Pequenas águas espelham brilhos
abrigam pratas   contam ventos
enredam-se algas, singram búzios
debicam garças e flamingos,
partem insaciáveis gaivotas.

E um cavalo-marinho desliza
os seus olhos tristes.

samartaime






a força da gravidade(*)

A tua gravidade:
o justo peso de que dispões
para rir.

Luiza Neto Jorge (*)





a gravidade do poema

O poema são palavras
que nascem ordenadas
atam
retalham
revolvem
gastam.
Cumprido o ciclo
acabou-se a poesia.

samartaime

(*)Luiza Neto Jorge, [Lisboa, 10 MAI 1939 - 23 FEV 1989, Lisboa],
«Ninguém duas vezes passa o rio» e «A força da gravidade» in«O Seu A Seu Tempo». (Paris,1964-1965); Ed.Ulisseia, Lisboa, 1966.


Barbara, «Marienbad»

Rodrigo Leão - Luiza Neto Jorge : «Magnólia»




Publicado por samartaime às 12:10 AM | Comentários (5)

abril 25, 2009

25 de Abril sempre!



Adriano.jpg


Zeca Afonso 1.gif


Carlos Paredes.jpg





obrigada

Publicado por samartaime às 12:20 AM | Comentários (0)

abril 23, 2009



Azul (2).JPG

samartaime, «azul» (2), óleo s/tela, Fuzeta, 2008.


Azul (5).jpg
samartaime, «azul» (5), óleo s/tela, Carcavelos, 2009

Publicado por samartaime às 12:55 AM | Comentários (0)

abril 12, 2009



FOTOS 126_ABR_08 001.jpg
samartaime, «Da saia que te fica a matar-me»(pormenor),óleo s/tela, 2009.


Publicado por samartaime às 09:08 PM | Comentários (0)

abril 06, 2009

Ilha dos Amores 1.JPG
samartaime, «Ilha dos Amores», óleo s/tela, 100X80cm,1995.

Publicado por samartaime às 11:42 AM | Comentários (0)

Quatro poemas de Alberto Lacerda



Lourenço Marques Revisited

A água que murmura espectros lentos
O que houve e não houve e não volta nunca mais
Os quartos sem esperança que os guardasse
As casas sem anjo da guarda

A luz intensa bela e dolorosa
A adolescência dilacerada
A ternura dezoito anos recusada
Na casa dos Átridas
O crime horroroso que não houve
Mas as feridas abriram manaram um sangue
Que penetra implacável as fendas do sono
E me deixa acordado à beira da estrada
Com lágrimas que percorrem
Trinta e quatro anos


Moçambique

Ó Oriente surgido do mar
Ó minha Ilha de Moçambique
Perfume solto no oceano
Como se fosse em pleno ar

Não encontraste a rua

Não encontraste a rua
Não encontraste a casa
Não encontraste a mesa
No café que alguém
Por engano indicou.

Mas a cidade é esta
E não outra

Não encontraste o rosto

O anel caiu
Ninguém sabe aonde.


A Mouzinho de Albuquerque

Tinhas o germe odioso dos tiranos
O fogo sinistro da intolerância
Mas que era feito duma só palavra
Herói soberbo
Ó árvore gigantesca
Que tu próprio abateste
Em vez dos deuses
Que te contemplam a distância

Alberto Lacerda


Alberto de Lacerda (Ilha de Moçambique, 20 de Setembro de 1928 — Londres, 26 de Agosto de 2007) foi um dos fundadores da revista de poesia Távola Redonda, juntamente com Ruy Cinatti, António Manuel Couto Viana e David Mourão-Ferreira.
O espólio do Poeta encontra-se em Lisboa, na Fundação Mário Soares.


Notícia do falecimento de Alberto Lacerda, no Times

Nota sobre Alberto Lacerda no Independent


Alberto Lacerda_Rui Filipe _1962.jpgRetrato de Alberto Lacerda,
pintura de Rui Filipe (1962)

Publicado por samartaime às 10:25 AM | Comentários (0)

abril 02, 2009

LEONARD COHEN, 1979



Era bem claro, nessa noite,
o quanto a sua música
se afastava de «other forms
of boredom advertised as poetry»,
denúncia que se mantem válida.

Não serão bússolas duradouras
- tudo, enfim, falece -,
mas são palavras que nos protegem
da avalanche dos dias e dos meses,
destas poucas horas a que chamamos nossas.

Uma maneira de voltar a morrer?
Talvez,
quando até nas cinzas encontrarmos lume.

Manuel de Freitas

Publicado por samartaime às 03:39 PM | Comentários (0)

março 31, 2009

MEREDITH MONK, 2008


Por estes dias sobre a terra
em que pudemos ouvir
a voz do vento,

a alegria decepada
ou reconstruída
em cada gesto,

je vous salue, Meredith.

Manuel de Freitas

Jukebox 2, Ed.Teatro de Vila Real, 2008.

Manuel de Freitas.jpg

Publicado por samartaime às 12:36 PM | Comentários (0)

março 30, 2009

Louise Labé



SONETO

Baise m'encor, rebaise-moi et baise ;
Donne m'en un de tes plus savoureux,
Donne m'en un de tes plus amoureux :
Je t'en rendrai quatre plus chauds que braise.

Las ! te plains-tu ? Çà, que ce mal j'apaise,
En t'en donnant dix autres doucereux.
Ainsi, mêlant nos baisers tant heureux,
Jouissons-nous l'un de l'autre à notre aise.

Lors double vie à chacun en suivra.
Chacun en soi et son ami vivra.
Permets m'Amour penser quelque folie :

Toujours suis mal, vivant discrètement,
Et ne me puis donner contentement
Si hors de moi ne fais quelque saillie.




ELEGIA

Quand vous lirez, ô Dames Lyonnoises,
Ces miens écrits pleins d'amoureuses noises,
Quand mes regrets, ennuis, dépits et larmes
M'orrez chanter en pitoyables carmes,
Ne veuillez point condamner ma simplesse,
Et jeune erreur de ma folle jeunesse,
Si c'est erreur. Mais qui dessous les Cieux
Peut se vanter de n'être vicieux ?
L'un n'est content de sa sorte de vie,
Et toujours porte à ses voisins envie ;
L'un, forcenant de voir la paix en terre,
Par tous moyens tâche y mettre la guerre ;
L'autre, croyant pauvreté être vice,
A autre Dieu qu'Or ne fait sacrifice ;
L'autre sa foi parjure il emploiera
A décevoir quelqu'un qui le croira ;
L'un, en mentant, de sa langue lézarde,
Mille brocards sur l'un et l'autre darde.
Je ne suis point sous ces planètes née,
Qui m'eussent pu tant faire infortunée.
Onques ne fut mon oeil marri, de voir
Chez mon voisin mieux que chez moi pleuvoir ;
Onq ne mis noise ou discorde entre amis ;
A faire gain jamais ne me soumis ;
Mentir, tromper, et abuser autrui,
Tant m'a déplu, que médire de lui.
Mais, si en moi rien y a d'imparfait,
Qu'on blâme Amour : c'est lui seul qui l'a fait.
Sur mon vert âge en ses lacs il me prit,
Lorsqu'exerçais mon corps et mon esprit
En mille et mille oeuvres ingénieuses,
Qu'en peu de temps me rendit ennuyeuses.
Pour bien savoir avec l'aiguille peindre,
J'eusse entrepris la renommée éteindre
De celle-là qui, plus docte que sage,
Avec Pallas comparait son ouvrage.
Qui m'eût vue lors en armes fière aller,
Porter la lance et bois faire voler,
Le devoir faire en l'étour furieux,
Piquer, volter le cheval glorieux,
Pour Bradamante, ou la haute Marphise,
Soeur de Roger, il m'eût, possible, prise.
Mais quoi ? Amour ne put longuement voir
Mon coeur n'aimant que Mars et le savoir ;
Et, me voulant donner autre souci,
En souriant, il me disait ainsi :
Tu penses donc, ô Lyonnaise Dame,
Pouvoir fuir par ce moyen ma flamme ?
Mais non feras, j'ai subjugué les Dieux
Es bas Enfers, en la Mer et ès Cieux.
Et penses-tu que n'aye tel pouvoir
Sur les humains, de leur faire savoir
Qu'il n'y a rien qui de ma main échappe ?
Plus fort se pense, et plus tôt je le frappe.
De me blâmer quelquefois tu n'as honte,
En te fiant en Mars, dont tu fais conte ;
Mais maintenant, vois si, pour persister
En le suivant, me pourras résister.
Ainsi parlait, et tout échauffé d'ire,
Hors de sa trousse une sagette il tire,
Et, décochant de son extrême force,
Droit la tira contre ma tendre écorce :
Faible harnais pour bien couvrir le coeur
Contre l'archer qui toujours est vainqueur.
La brèche faite, entre Amour en la place,
Dont le repos premièrement il chasse,
Et, de travail qu'il me donne sans cesse,
Boire, manger et dormir ne me laisse.
Il ne me chaut de soleil ne d'ombrage ;
Je n'ai qu'Amour et feu en mon courage,
Qui me déguise et fait autre paraître,
Tant que ne peux moi-même me connaître.
Je n'avais vu encore seize Hivers,
Lorsque j'entrai en ces ennuis divers ;
Et jà voici le treizième Eté
Que mon coeur fut par Amour arrêté.
Le temps met fin aux hautes Pyramides,
Le temps met fin aux fontaines humides :
Il ne pardonne aux braves Colisées,
Il met à fin les villes plus prisées ;
Finir aussi il a accoutumé
Le feu d'Amour, tant soit-il allumé.
Mais, las ! en moi il semble qu'il augmente
Avec le temps, et que plus me tourmente.
Pâris aima OEnoné ardemment,
Mais son amour ne dura longuement ;
Médée fut aimée de Jason,
Qui tôt après la mit hors sa maison.
Si méritaient-elles être estimées,
Et, pour aimer leurs Amis, être aimées.
S'étant aimé, on peut Amour laisser,
N'est-il raison, ne l'étant, se lasser ?
N'est-il raison te prier de permettre,
Amour, que puisse à mes tourments fin mettre ?
Ne permets point que de Mort fasse épreuve,
Et plus que toi pitoyable la treuve ;
Mais si tu veux que j'aime jusqu'au bout,
Fais que celui que j'estime mon tout,
Qui seul me peut faire plorer et rire,
Et pour lequel si souvent je soupire,
Sente en ses os, en son sang, en son âme,
Ou plus ardente, ou bien égale flamme.
Alors ton faix plus aisé me sera,
Quand avec moi quelqu'un le portera.


200px-Louise_Lab%C3%A9.png
(c. 1520 ou 1522, Lyon - April 25, 1566, Parcieux-en-Dombes)

Publicado por samartaime às 07:04 PM | Comentários (0)

março 21, 2009


[...]
Eu trabalho nas luzes antigas, em frente
das ondas da noite. Bato a pedra
dentro do meu coração. Penso, ameaçado pela morte.
É uma raíz seca, canta-se
no calor. É uma idade cor da salsa.
Amarga. Imagino
dentro de mim. Trabalho de encontro à noite.
Procuro uma imagem dura.

Estou sentado, e falo da ironia de onde
uma rosa se levanta pelo ar.
A idade é uma vileza espalhada
no léxico. Em sua densidade quebram-se
os dedos. Está sentada.
Os poentes ciclistas passam sem barulho.
Passam animais de púrpura.
Passam pedregulhos de treva.
É para a frente que as águas escorregam.

Idade que a candura da vida sufoca,
idade agachada, atenta
à sua ciência. Que imita por um lado
as nações celestes. Que imita
por um lado a terra
quente.
Trabalhando, nua, diante da noite.


Herberto Helder
Ofício Cantante, Lugar, Teoria sentada,III

Herberto_Helder2 por Jose Rodrigues.jpg
Herberto, segundo José Rodrigues

Publicado por samartaime às 09:48 AM | Comentários (0)

março 19, 2009



DSCN1685.JPG
samartaime, oleo s/tela, 2007.

Publicado por samartaime às 07:29 PM | Comentários (0)

março 16, 2009

António Boto

(Abrantes, 17 de Agosto de 1897 — Rio de Janeiro, 16 de Março de 1959)


Versos desencontrados


Em nada ou em ninguém
Eu deveria acreditar!
Nem no amor, nem na vida. - As ilusões,
Mesmo até quando vêm disfarçadas
E já conhecem o cliente, hesitam,
E chegam a partir envergonhadas...
As ilusões -
Também têm os seus mais preferidos;
E àqueles que ficaram na ruína
Do pensamento, e são - por graça de conquista
Os pálidos mortais desiludidos,
A esses já não correm muito afoitas
Na mentira das grandes fantasias!
- É por isso que eu hoje ainda vivo
À margem das ridículas tragédias
Que lemos nos jornais todos os dias.

Atulham-se os presídios; no degredo,
Atados à saudade, vão ficando,
- Como lesmas ao luar, esses que matam,
E pelo amor tombaram na desgraça:
- Um sonho, um beijo, uma mulher que passa!
Só a guitarra os lembra ao triste fado
Nos ecos diluídos e chorosos
E fundos do lusíada, coitado!
Eu olho para tudo que enxameia
Nesta viela escura da existência
Como quem se debruça num abismo
E fica revolvendo a consciência
Na tristeza infinita de um olhar!...
- A humanidade é vil e o seu egoísmo
Tem base na vileza de vexar.

Sim;
Por qualquer coisa os homens tudo vendem:
Palavra, dignidade, a própria vida,
Só porque desconhecem a doutrina
Bendita de Jesus; - esse tesoiro,
Essa fonte de luz onde aprendi
A ser leal e amigo e a respeitar
Aquela que nos risos do meu lar
Desembaraça os fios de uma queixa
No mistério que cinge o verbo amar.

Mas quando um ano acaba e outro vem,
Embora a minha fronte e os meus cabelos
Envelheçam na marcha para o fim
E um sabor de renúncia e de cansaço
Vibre, cantando, aqui, dentro de mim,
Rebenta-me no peito uma esperança
Tão lúcida, tão viva, e tão ungida
Na fé que ponho erguendo a minha prece -
Que peço a Deus do fundo da minha alma
Que a todos os que sofrem neste mundo
Dê o conforto de uma vida calma.

António Botto

botto1.jpg

Publicado por samartaime às 10:04 PM | Comentários (0)

março 10, 2009

DSCN1671 AA.JPG
samartaime,oleo s/tela, 2008.

Publicado por samartaime às 08:16 PM | Comentários (0)

março 08, 2009



DSCN1673 A.JPG
Samartaime, «recordando», óleo s/tela, Lisboa,13.JUN.2000.






Não sei como dizer-te que minha voz te procura
e a atenção começa a florir, quando sucede a noite
esplêndida e vasta.
Não sei o que dizer, quando longamente teus pulsos
se enchem de um brilho precioso
e estremeces como um pensamento chegado. Quando,
iniciado o campo, o centeio imaturo ondula tocado
pelo pressentir de um tempo distante,
e na terra crescida os homens entoam a vindima
- eu não sei como dizer-te que cem ideias,
dentro de mim, te procuram.

Herberto Helder
Ofício Cantante - A colher na boca; tríptico II

Publicado por samartaime às 12:17 PM | Comentários (0)

março 04, 2009



DSCN1672 AA.JPG
Samartaime,óleo s/tela.2004



Os filhos da época


Somos os filhos da época,
e a época é política.
Todas as coisas - minhas, tuas, nossas,
coisas de cada dia, de cada noite
são coisas políticas.
Queiras ou não queiras,
teus genes têm um passado político,
tua pele, um matiz político,
teus olhos, um brilho político.
O que dizes tem ressonância,
o que calas tem peso
de uma forma ou outra - político.
Mesmo caminhando contra o vento
dos passos políticos
sobre solo político.
Poemas apolíticos também são políticos,
e lá em cima a lua já nao dá luar.
Ser ou não ser: eis a questão.
Oh, querida que questão mal parida.
A questão política.
Não precisas nem ser gente
para teres importância política.
Basta ser petróleo, ração,
qualquer derivado, ou até
uma mesa de conferência cuja forma
vem sendo discutida meses a fio.
Enquanto isso, os homens se matam,
os animais são massacrados,
as casas queimadas,
os campos se tornam agrestes
como nas épocas passadas
e menos políticas.

Wislawa Szymborska
Trad. Ana Cristina Cesar

Wislawa Szymborska.jpg
Prémio Nobel da Literatura em 1996
Polónia
Mais informação sobre a autora, no modo de usar

Publicado por samartaime às 06:56 PM | Comentários (0)

março 01, 2009

Figos

A maneira correcta de comer um figo à mesa
É parti-Io em quatro, pegando no pedúnculo,
E abri-Io para dele fazer uma flor de mel, brilhante, rósea, húmida,
desabrochada em quatro espessas pétalas.


Depois põe-se de lado a casca
Que é como um cálice quadrissépalo,
E colhe-se a flor com os lábios.

Mas a maneira vulgar
É pôr a boca na fenda, e de um sorvo só aspirar toda a carne.


Cada fruta tem o seu segredo.
O figo é uma fruta muito secreta.
Quando se vê como desponta direito, sente-se logo que é simbólico:
Parece masculino.
Mas quando se conhece melhor, pensa-se como os romanos que é
uma fruta feminina.


Os italianos apelidam de figo os órgãos sexuais da fêmea:
A fenda, o yoni,
Magnífica via húmida que conduz ao centro.
Enredada,
Inflectida,
Florescendo toda para dentro com suas fibras matriciais;
Com um orifício apenas.


O figo, a ferradura, a flor da abóbora.
Símbolos.


Era uma flor que brotava para dentro, para a matriz;
Agora é uma fruta, a matriz madura.


Foi sempre um segredo.
E assim deveria ser, a fêmea deveria manter-se para sempre
secreta.


Nunca foi evidente, expandida num galho
Como outras flores, numa revelação de pétalas;
Rosa-prateado das flores do pessegueiro, verde vidraria veneziana
das flores da nespereira e da sorveira,
Taças de vinho pouco profundas em curtos caules túmidos,
Clara promessa do paraíso:
Ao espinheiro florido! À Revelação!
A corajosa, a aventurosa rosácea.


Dobrado sobre si mesmo, indizível segredo,
A seiva leitosa que coalha o leite quando se faz a ricotta,
Seiva tão estranhamente impregnando os dedos que afugenta as
próprias cabras;
Dobrado sobre si mesmo, velado como uma mulher muçulmana,
A nudez oculta, a floração para sempre invisível,


Apenas uma estreita via de acesso, cortinas corridas diante da luz;
Figo, fruta do mistério feminino, escondida e intima,
Fruta do Mediterrâneo com tua nudez coberta,
Onde tudo se passa no invisível, floração e fecundação, e maturação
Na intimidade mais profunda, que nenhuns olhos conseguem
devassar
Antes que tudo acabe, e demasiado madura te abras entregando
a alma.


Até que a gota da maturidade exsude,
E o ano chegue ao fim.


O figo guardou muito tempo o seu segredo.
Então abre-se e vê-se o escarlate através da fenda.
E o figo está completo, fechou-se o ano.


Assim morre o figo, revelando o carmesim através da fenda púrpura
Como uma ferida, a exposição do segredo à luz do dia.
Como uma prostituta, a fruta aberta mostra o segredo.


Assim também morrem as mulheres.



Demasiado maduro, esgotou-se o ano,
O ano das nossas mulheres.
Demasiado maduro, esgotou-se o ano das nossas mulheres.
Foi desvendado o segredo.
E em breve tudo estará podre.

Demasiado maduro, esgotou-se o ano das nossas mulheres.


Quando no seu espírito Eva soube que estava nua
Coseu folhas de figueira para si e para o homem.
Sempre estivera nua,
Mas nunca se importara com isso antes da maçã da ciência.

Soube-o no seu espírito, e coseu folhas de figueira.
E desde então as mulheres não pararam de coser.
Agora bordam, não para esconder, mas para adornar o figo aberto.

Têm agora mais que nunca a sua nudez no espírito,
E não hão-de nunca deixar que o esqueçamos.


Agora, o segredo
Tornou-se uma afirmação através dos lábios húmidos e escarlates
Que riem perante a indignação do Senhor.


Pois quê, bom Deus! gritam as mulheres.
Muito tempo guardámos o nosso segredo.
Somos um figo maduro.
Deixa-nos abrir em afirmação.


Elas esquecem que os figos maduros não se ocultam.
Os figos maduros não se ocultam.
Figos branco-mel do Norte, negros figos de entranhas escarlates do Sul.
Os figos maduros não se ocultam, não se ocultam sob nenhum clima.
Que fazer então quando todas as mulheres do mundo se abrirem na
sua afirmação?
Quando os figos abertos se não ocultarem?


D. H. Lawrence
in As Magias
versão portuguesa de Herberto Helder

200709211056260_d%20h%20lawrence.jpg HerbertoHelder_nome.jpg

Publicado por samartaime às 10:43 PM | Comentários (0)

fevereiro 26, 2009



P1000001_A.JPG
samartaime, «nós», tecnica mista s/tela.1972.

Publicado por samartaime às 12:23 PM | Comentários (0)

fevereiro 23, 2009

Quatro Poemas de Robert Schindel

versão portuguesa de João Barrento
publicados na revista Telhados de Vidro, nº11, Novembro 08;
Ed. AVERNO


ESTILHAÇOS, INFÂNCIA

Era a infância, eram cenas de morte
Enforcaram-me o pai – primeira parte.
E veio a mãe do campo de concentração
Passou-me a mão pelo Eu, mas eu já não

Estava lá, deambulava por paixões
Desmoronaram-se as escolas, fortalezas
Da vida. E os ventos de rebeliões
Nasceram delas, e ondas de fraquezas

Fui cair entre os filhos do Homem
Depressa tive sonhos avermelhados
Beijos de camaradas com palavras de ordem.

Vão até à infância as sombras do futuro
Das árvores de Marx e Lenine, toldando-me o presente:
Hoje fumo e faço filhos com as pedras ancestrais.


LAMENTO À SOMBRA DE AVES ASTRAIS

Nos becos da cidade, em tempo
De rostos leitosos e também já de abutres
Os que a desolação deixou vazios
Ciciam de dentro das suas vidas de cera
O seu falso saber. O grito palavroso

E assim os sóis atravessam miríades de estrelas, destinos,
As árvores ácidas gemem sob o peso da estranheza
E nós nunca estamos neste aqui, neste agora
Jamais. É o embate
Da folhagem da alma com os astros.

Por todo o lado se ouve o grasnar
Dos que habitam o ermo do mundo
Chegam-nos por alamedas bocejantes
Seres de cinza que sobem dos becos
Da cidade no tempo dos abutres

- E o pensamento azeda-se-me no coração.


REQUIEM POR UMA AMIZADE

Morreu o meu hóspede, vejo-o ainda a descer, a descer
Pelo caminho abaixo com a distância nos cabelos,
E de noite, quando as estrelas o permitem, serpenteia, serpenteia
O seu eco no coração, morreu o meu hóspede.

Um riso, um sapato, o violino de estar aqui
Bebíamos um copo ou dormíamos nas palavras mais novas
E havia segundos que fazíamos explodir
Saltar a lama do tempo, para assim o podermos entender.

Agora foi-se, o seu nome descansa, descansa o tempo
Levanto os pés do caminho e vou andando
Às arrecuas pelo atalho, o eco traz-me
O longe e o perto, eu e nunca, o hóspede amigo do lado de lá.

Há por aqui outras paisagens?, perguntam por vezes as crianças.
Eu parto o caminho em pedaços e ofereço-lhes
Serpentinas, serpentinas, que elas recebem como maçãs e papoilas.
Porque tempos houve em que dormíamos nas palavras,
Tempos houve em que fazíamos explodir o tempo.


SOU. 7 (BÊBADO E SEM NORTE)

Bêbado e sem norte aqui estou eu nesta cidade do Meno
Virgula de mim próprio num intervalo da respiração
Queria afundar-me neste ar, mas estou aí completamente só
Bêbado e sem norte a sufocar dentro de mim

Ora, Março passa depressa, crescem as trevas
Da noite minha cúmplice tão grande
Nas cintilações, tão pequena assustada pela luz
E eu suo e sofro enregelado neste lusco-fusco

E sou e sou até à exaustão, não sei ser de outro modo
Sem norte e bêbado, apetece-me gritar o que me rói
Me corrói com murmúrios que me martela como se eu fosse coisa
Mas ai de mim, eu sofro, de lágrima no vinho

E saio para o grande espaço do entre, frio e aprazível
E – enfim apaziguado - volto a encontrar-me


robert schindel.jpg

Publicado por samartaime às 05:59 PM | Comentários (0)

fevereiro 11, 2009


DSC_0013_N.JPG
Samartaime, sem título, óleo s/tela. 1985.




Música, levai-me:

Onde estão as barcas?
Onde são as ilhas?


Eugénio de Andrade

eugénio.bmp


Publicado por samartaime às 12:01 PM | Comentários (0)

fevereiro 05, 2009



Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.


Carlos Drummond de Andrade

Carlos%20Drummond%20de%20Andrade.jpg

Publicado por samartaime às 10:54 PM | Comentários (0)

«Ausência»



DSCN1573_ZZZ.JPG
Samartaime, «Ausência», técnica mista. 1964.

Publicado por samartaime às 10:27 PM | Comentários (0)

janeiro 21, 2009

Escudos humanos


Num intervalo de comentar
a guerra – Bassorá, não esperes
piedade – lembrou-se de lhe perguntar
por Ulisses; se não recordava,
dos tempos de escola, nomes
e episódios cantados na Ulisseia.

«Dá-me outras palavras», pediu
quem o escutava, «não conheço
Portugal de Norte a Sul».
Pois não; nascera em Moçambique
há cinquenta anos e confundia
a guerra de Tróia com a vaga
aparição de golfinhos em Setúbal.
Mas tinha visto Uma Ulisseia
no Espaço. Seria isso?

Dois homens, numa taberna,
enquanto chovia. O terceiro
era eu: aquele que escreve
e não escreve este poema. Entretanto,
Ulisses veio comprar tabaco,
cerveja e pão. Os longos cabelos,
caindo sobre um blusão negro,
as botas cardadas desafiando a chuva.

Não será por acaso que estamos
na rua Cesário Verde, número trinta
(desculpe, senhor Costa, esta publicidade toda).
A noite e o ódio vêm de novo abençoar
o inferno desigual de todos,
a apagada e vil cerveja que nos junta.

Penélope bem pode esperar.
Esse dano colateral
a que chamamos angústia
serve de montada às Bolsas do Ocidente,
no estertor da última cruzada.

«Até amanhã». Nada podemos fazer.
Oferecemo-nos como escudo
ao peso inútil de mais um dia.
A guerra já está ganha,
a morte é garantida e um poema,
infelizmente, não é uma arma química.


Manuel de Freitas

A Flor dos Terramotos - ed.Averno [010]

Publicado por samartaime às 07:01 PM | Comentários (0)

janeiro 20, 2009

paisagem apócrifa

DSC_0016_N.JPG
samartaime, «paisagem apócrifa», óleo s/tela, 1981.

Publicado por samartaime às 07:08 PM | Comentários (0)

dezembro 14, 2008

Rembrandt_bathing-river.jpg

Rembrandt van Rijn (1606-1669)
1654 - «Hendrickje Bathing in a River»
Oil on panel - 61.8 x 47 cm
National Gallery, London.

Publicado por samartaime às 07:03 PM | Comentários (0)

outubro 13, 2008


acordei bemol
tudo estava sustenido

sol fazia
só não fazia sentido

( Paulo Leminski )


DSC_0116 A.JPG


Publicado por samartaime às 09:33 AM | Comentários (0)

julho 07, 2008

Pastoral


Quando era mais jovem
tinha a certeza
que devia fazer algo da minha vida.
Agora, mais velho,
caminho por vielas
admirando as casas
dos muito pobres:
telhados desengonçados
pátios cheios de
velho arame de capoeiras, cinzas,
móveis desconjuntados;
as cercas e os anexos
construidos com aduelas
e tábuas de caixotes, todos,
com alguma sorte,
sujos de um verde-azulado
cuja pátina
me agrada mais
que qualquer cor.

    Ninguém
acreditará que isto
seja tão importante para a nação.


William Carlos Williams

Trad. de José Agostinho Baptista





Publicado por samartaime às 04:13 PM | Comentários (0)

julho 04, 2008


FLORES`À BEIRA DO MAR

Quando sobre a nítida, florida orla da
pastagem, o oceano invisível e salgado

ergue a sua forma - chicória e margaridas
atadas, soltas, quase não parecem flores

mas somente cor e movimento - ou talvez a
forma - do desassossego, enquanto

fechado em circulo o mar se move tranquilamente
como um planta sobre o caule


William Carlos Williams

Trad. José Agostinho Baptista


Publicado por samartaime às 11:46 PM | Comentários (0)

junho 19, 2008

«samartaime»





Aqui esteve um video que não é possível gravar no blogue, apesar da redução efectuada.



Publicado por samartaime às 07:39 PM | Comentários (0)

junho 04, 2008

Não são bailarinos, mas...



Ginastas no Lago dos Cisnes



Publicado por samartaime às 09:56 AM | Comentários (0)

junho 03, 2008

Bowles, Paul



1945 Bowles.jpg (1945)



Cena IX

Aqui está a matéria. Ainda não te desossaram.
Aqui está a cascata e o grilo.
Mexe um dedo. Grita. Faz um esgar –
A pesada respiração da terra contém o desespero.

Aqui estão as bocas fechadas na sua mudez, os ossos insensíveis.
Inveja as árvores com a sua dor, decepa os anos que hão-de vir.
Destrói a águia do vale, afoga o grito do clarim –
A mente transformou-se em escorpião e vive entre as pedras.

Tudo o que a vontade quer são as tesouras e a esponja,
A coroa de úlceras, a imunidade.
Uma voz estrangeira sussurra nos quartos
E interminável é o penetrante garrote do sol.



Polémica

Concordo inteiramente com o que dizes.
Quando as nuvens e as palavras se separam
O ar estremece e o cosmos fragmenta-se.
Enquanto não se conhecer a intenção
Nenhum caminho será descoberto.
A Índia era pó, um leopardo à sombra de uma pedra.
Cheguei à entrada da cidade
E aí estava ela, branca, à luz do sol.

As paisagens são absurdas enquanto não se aceitam.
Salaamed humedeceu os lábios e colou-os ao pó.
Ele é o vale e o vale é ele.
Mas até à morte negar-te-ei o direito de o dizer.

Na tradução [de novo brilhante ] de José Agostinho Baptista.

Publicado por samartaime às 11:26 PM | Comentários (0)

maio 22, 2008

DELÍRIO EM VERACRUZ



Para onde foi a ternura, perguntou ele ao espelho
Do Biltmore Hotel, quarto 216. Ah,
Poderá o seu reflexo, ali encostado ao vidro,
Perguntar para onde fui, para que horror?
É esse reflexo o que agora me contempla com terror
Atrás da tua frágil barreira inclinada? A ternura
Estava aqui, neste mesmo aposento, neste
Lugar, com a sua forma vista por ti, com os seus gritos
Escutados por ti. Que erro
Há aqui? Sou essa imagem fendida, precipitada?
É este fantasma do amor aquilo que reflectias?
Agora com um fundo de tequila, beatas, colarinhos sujos,
Perborato de sódio, um rascunho
Para os mortos, um telefone desligado?
... Estilhaçou todos os vidros do quarto. (Conta:$50)


Malcolm Lowry

( Trad. [brilhante!] de José Agostinho Baptista )

Publicado por samartaime às 11:50 PM | Comentários (0)

maio 19, 2008



espreita1.jpg
samartaime, «Aniversário», óleo s/tela.
Sem dimensão, sem tempo nem lugar.
Algures, numa colecção particular.




Publicado por samartaime às 07:32 PM | Comentários (0)

maio 16, 2008

Já os pesadelos


[ What a perfect day to think about myself./ The The]

Os sonhos dos homens assemelham-se entre si.
Já os pesadelos, cada um tem o seu.
Durante muitos anos eu fui hóspede do frio.
Enrolava cigarros para depois da chuva
e não tinha sonhos, somente pesadelos.

O mais recorrente era o do nevoeiro:
ninguém me via, era inútil mandar vir
uma caneca de cerveja, no café.
O meu dinheiro ninguém o aceitava,
ficava parado, fazia de mim um acumulador.

Como nunca saía de casa, não sabia falar
senão com mortos. Parecia-me magia
saber responder boa tarde como vai
à saudação dos vizinhos, pedir do vazio
ao homem do talho, perguntar as horas.

Tempos amargos esses, e hoje,
a mesma coisa, a mesma solidão.
Com a diferença de que sou mais forte agora,
vou à piscina duas vezes por semana,
escrevo poemas para não adormecer.


José Miguel Silva

PL004~Musician-in-the-Rain- Robert Doisneau.jpg
Foto Robert Doisneau «Musician in the Rain»

Publicado por samartaime às 10:50 PM | Comentários (0)

maio 13, 2008




Eram de longe.
Do mar traziam
o que é do mar: doçura
e ardor nos olhos fatigados.

Eugénio de Andrade


03 ria.JPG
(foto samartaime)

Publicado por samartaime às 04:27 PM | Comentários (0)

maio 10, 2008



Noite vertebrada 2.jpg


Do Medo I

É de ti que eu sou irmã
por ti fui trocada em criança
quando as estrelas semearam a noite
(Ficávamos chorando de medo
se o laço branco da trança não desse
para a escuridão toda do quarto)
Tenho os silêncios que me emprestaste
e na cidade que levantámos há pouco
(não destruiremos nunca)
habitam os pais
com os não irmãos mortos à nascença
que o eco de um flauta eternizou
no cais dos barcos pequenos de papel
somos irmãos de ninguém
ancorámos com amarras de dúvida
é nosso irmão o medo do poente
a porta azul da morte

Em redor em redor de nós
a solidão voou borboleta negra de metal
caiu enforcado público na gravata verde
(a mesma solidão que cega
os arcos concêntricos das pupilas)
desde a rua ao bolor dos corpos poetas
da porta esquecida sem número
à mulher vendida aos ventos da noite
sem nevoeiros asfixiamos nítidos
nos passeios nos fatos nas cadeiras
nas cúpulas nos clarins
e sentes contigo os corpos das mulheres
de bruços sobre o dia
renascidos maduros os limites da carne

Há nebulosas de anos sem sentido
que vimos aprendendo o amor
há um embrião de veia
há uma veia atávica vermelha
nos mil séculos anteriores ao homem
Quando nos será possível um suicídio exacto
em casas impossíveis
em ondas impossíveis
em (integralmente areia) desertos impossíveis?

Nasceu o sol na erva a erva nos degraus
os degraus desceram ao horizonte.


Luiza Neto Jorge
(1939-1989)



Publicado por samartaime às 12:10 AM | Comentários (0)

maio 07, 2008

Pina Bausch



café muller

Bandonéon

The Man I love (Gershwin)

Publicado por samartaime às 01:51 PM | Comentários (0)

maio 03, 2008



Meredith Monk - Gotham Lullaby [experimental / contemporary]


Publicado por samartaime às 06:29 PM | Comentários (0)

maio 02, 2008

Matisse e a dança



matisse_dance_moma_1909.jpg
1909 - MOMA, Nova Yorque.


Matisse -dance_hermitage.jpg
1910 - Hermitage, Petrograde.

... prefiro, mesmo, a mais antiga!

Publicado por samartaime às 08:20 PM | Comentários (0)



dizem que a paixão o conheceu
mas hoje vive escondido nuns óculos escuros
senta-se no estremecer da noite enumera
o que lhe sobejou do adolescente rosto
turvo pela ligeira náusea da velhice

conhece a solidão de quem permanece acordado
quase sempre estendido ao lado do sono
pressente o suave esvoaçar da idade
ergue-se para o espelho
que lhe devolve um sorriso tamanho do medo

dizem que vive na transparência do sonho
à beira-mar envelheceu vagarosamente
sem que nenhuma ternura nenhuma alegria
nenhum ofício cantante
o tenha convencido a permanecer entre os vivos

Al Berto

Al%20Berto.jpg

Publicado por samartaime às 06:55 PM | Comentários (0)

abril 15, 2008

Poesia Sem Qualidade... de vida



Apontamento

A minha alma partiu-se como um vaso vazio.
Caiu pela escada excessivamente abaixo.
Caiu das mãos da criada descuidada.
Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso.

Asneira? Impossível? Sei lá!
Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu.
Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.

Fiz barulho na queda como um vaso que se partia.
Os deuses que há debruçam-se do parapeito da escada.
E fitam os cacos que a criada deles fez de mim.

Não se zanguem com ela.
São tolerantes com ela.
O que era eu um vaso vazio?

Olham os cacos absurdamente conscientes,
Mas conscientes de si mesmos, não conscientes deles.

Olham e sorriem.
Sorriem tolerantes à criada involuntária.

Alastra a grande escadaria atapetada de estrelas.
Um caco brilha, virado do exterior lustroso, entre os astros.
A minha obra? A minha alma principal? A minha vida?
Um caco.
E os deuses olham-no especialmente, pois não sabem por que ficou ali.

Fernando Pessoa , via Álvaro de Campos,1929


Minibiografia

Não me quero com o tempo nem com a moda
Olho como um deus para tudo de alto
Mas zás! do motor corpo o mau ressalto
Me faz a todo o passo errar a coda.

Porque envelheço, adoeço, esqueço
Quanto a vida é gesto e amor é foda;
Diferente me concebo e só do avesso
O formato mulher se me acomoda

E se nave vier do fundo espaço
Cedo raptar-me, assassinar-me, cedo:
Logo me leve, subirei sem medo
À cena do mais árduo e do mais escasso.

Um poema deixo, ao retardador:
Meia palavra a bom entendedor.

Luiza Neto Jorge, via A Lume, 1989


Contra os optimistas

Chamam destino ao rifão do acaso
e chamam à fraude boa fortuna.
Crêem no Batman e na Virgem Maria.
Duvidam do frio, não da polícia
e nunca dão crédito àquilo que vêem.

Reservam a tempo um lugar na geral,
põem o pé entre duas ciladas
e ficam a rir-se nas fotografias.
Sujam a roupa tal como nós, mas
mandam-na sempre a lavandarias
que sabem tratar dos casos difíceis.

Nunca dão ponto sem antes o nó,
mas fazem um laço por cima do nó.
Compram revistas de aval científico
em cujos artigos se prova o seguinte:
é quase impossível determinar
se é falsa uma lágrima ou se é verdadeira.

Depois, jantam em grupo, falam dinheiro,
guiam a vida por grandes veredas e ouvem
sininhos, muitos sininhos de música sacra.

José Miguel Silva, via Ulisses Já Não Mora Aqui, 2002

Publicado por samartaime às 10:08 AM | Comentários (0)

março 21, 2008

O Sítio em Visita

Trazem as árvores insignificantes
o maior distúrbio aos ventos; arredam-nos,
alçam outros armazéns sonoros
casas de relâmpagos e de cataclismos.

Chega-se. Parte-se. Segreda-se
de seres indeterminados que movem
resistência. Pelejam mais.

E quando a sua pele se usa vence
a moda, mudança de uma árvore para a mundanal
outra árvore carregada.


Podem aliás irromper quentes florestas.
Abate-se sobre o lenhador a opulência, o triunfo
do fruto desenvolvido no seu trono
iluminado por quatro archotes de seiva.


Há no mundo inteiro uma, quando muito, rua
difícil de encontrar.

São os campos, gente humílima, absorta em grãos
de areia, praia inequívoca onde,
na estação tardia, os do mar se deitam.
Algumas folhas, de livros, assinalam o ponto.
Algumas cartas, de marear,
não chegam.


Criaturas que se reproduziam em interstícios
que se deitavam em divâs
cada vez mais estreitos

a luminosa vocação, a luminosidade
de uma terra sábia e rotunda
suplantava aqueles gritos portadores
de uma defunta órfica voz

Eram as criaturas presas ,
do seu século
retraídas nos olhos mal afeiçoados

Filhos mais velhos a atentarem
em como o corpo incha e se perfaz a polpa
como o limite se delimita corpo a corpo
e engorda

Cobriam-se as folhas de uma letra hirsuta
e os mais novos sorriam como lábios.


Luiza Neto Jorge

in Os Sítios Sitiados


Publicado por samartaime às 11:15 PM | Comentários (0)

março 16, 2008

Maya Plisetskaya


Maya Plisetskaya / Ravel "Bolero" (Part 1)

Maya Plisetskaya / Ravel "Bolero" (Part 2)

Informação biográfica

Internation Maya Foundation

Moscow Honors Bolshoi's 'True Queen'

ballerina gallery

gala des etoiles

Honoring Russia's 'prima, prima' ballerina

Publicado por samartaime às 06:06 PM | Comentários (0)

março 07, 2008

Lowry & Liszt ou José Agostinho Baptista & Horowitz



Fantasmas nas casas novas

Há algo de assustador nos fantasmas das casas novas:
Os fantasmas das casas velhas já são maus quanto baste:
Mas os fantasmas das casas novas são terríveis.
A grande novidade destas novas e desoladas casas
Já seria bem terrível sem os fantasmas.
Mas os fantasmas também são novos.
Raparigas tristes com blusas azuis
E pessoas nos seus assados de Domingo
Sob a grande luz do dia, dentro destas casas novas
Em ruas onde os homens varrem o vidro partido.

Malcolm Lowry

(Trad. José Agostinho Baptista)


Horowitz

Liszt:Consolation No.3 in D flat major

Publicado por samartaime às 12:33 AM | Comentários (0)

fevereiro 26, 2008

Do desencanto

A day and a day

Dois ou três cancros de que
vais sabendo «há pouco a fazer»),
o amigo maior de um amigo
brutalmente esmagado debaixo
de um camião. Não, não está a ser
propriamente um Inverno de contentamento.

O corpo já quase não responde
a tanta tristeza. E a casa, devagar,
fecha-se para dentro, implode. Parece
um coração, uma metáfora que te deixa
nos ombros um irrepetível cheiro a merda
e a sombra de um gato que vai morrer.

(«É a vida», deve pensar sem cérebro
- mais feliz - o teu companheiro
de jantar. Já lhe chamaste silêncio,
mas ninguém se chama assim,
ferindo o preto e branco da memória.
Assoa-se, pelo contrário, ao guardanapo
sujo de tinto da casa e acena-te com caspa
da sua vaga imortalidade. Na outra mesa, do
corpos sussurram o inevitável calão do amor,
Muita gente, afinal, cabe neste mundo.

Da porta do bar saem depois alguns
engates e avós calcinadas
à terceira caipirinha. Um preto de óculos
que bebeu de mais acaba espancado
no passeio, sob o fervor policial do costume.

Custa ver - a vida, outro bar vazio,
sem quadros, onde beijas a ausência,
tudo o que perdidamente desamas
e não vale a pena e se dissipa sem pressa
no copo de cicuta cuja razão desconheces.)

É possível que Joachim Bernhard Hagen
tenha sido um exímio tocador do instrumento
que às vezes preferes. É um modo de acordar,
no fundo, e de perceber na pele a inutilidade
da manhã, os gestos que não serão ainda
esse amplo terreno de morte
- que depois
circunscreves a um poema
e não voltas a dormir. Odeio-te.

Ode à noite (inteira)

Gosto do momento, exacto ou nem por isso,
em que se torna possível colar cartazes
nas paredes ao lado dos meus ombros (espero
o autocarro, vejo devagar, sorrio). Mas
gosto, sobretudo, dos cães quase sem dono
que roçam as esquinas, pisando restos de garrafas
- ou das pessoas que desconheço
e das bebidas todas que ignoro
(porque me matam menos e se chamam
- como eu - insónia, pesadelo, golpe baixo).

Existem, claro, raparigas louras um tanto
heteredoxas que não te apetece beijar
(a forca do bâton, perfeita - o cigarro aceso
pedindo outro lume). Essas mesmas que hão-de
um dia procriar com zelo, evitando rugas,
tumores e o mundo como representação misógina.
Mais lírica, sem dúvida, é a lavagem das ruas,
com a cerveja a premiar a farda
demasiado verde e os bigodes de serviço.

Outros, alguns, tornam concreto o torpor
de um charro e pedem-te em crioulo básico
um cigarro português que tu vais dar,
sem esforço nem palavras. Entre shots, piercings,
t-shirts de Guevara e gel, podes não acreditar
por algumas horas no axioma frágil do teu corpo.
Esfumas-te, como eles, no espelho de um bar
qualquer, país de enganos e baratas. E
quase gostas disso, quase: a música de punhais,
servil, um certo e procurado desencontro.
Um táxi te ensinará depois o caminho de casa
- ou o seu contrário, pois só ali (anónimo
e desfocado) eras finalmente tu, ou podias ser.

O resto, a vida, fica para outra vez.


Manuel de Freitas

Noite.JPG
(Foto samartaime)


Publicado por samartaime às 04:44 PM | Comentários (0)

fevereiro 18, 2008

As casas

CasasVelhas5 A.JPG
samartaime, «As casas» (005), óleo s/tela, (50X60), 1963. (Col. part.)


As casas

( I )

As casas vieram de noite
De manhã são casas
À noite estendem os braços para o alto
fumegam vão partir

Fecham os olhos
percorrem grandes distâncias
como nuvens ou navios

As casas fluem de noite
sob a maré dos rios

São altamente mais dóceis
que as crianças
Dentro do estuque se fecham
pensativas

Tentam falar bem claro
no silêncio
com sua voz de telhas inclinadas

Luiza Neto Jorge

Publicado por samartaime às 03:38 PM | Comentários (0)

janeiro 30, 2008

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no elipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.


Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond Andrade.jpg

Publicado por samartaime às 06:31 PM | Comentários (0)

janeiro 09, 2008

Centenário do nascimento de Simone de Beauvoir

Simone de Beauvoir (9:JAN:1908 - 14:ABR:1986)


«On ne naît pas femme, on le devient. »

beauvoir.jpg


Simone de Beauvoir- 50º aniversário de «Le Deuxième Sexe »

Simone de Beauvoir in «The Internet Encyclopedia of Philosophy»

Publicado por samartaime às 06:41 PM | Comentários (0)

dezembro 13, 2007

Foz do Tejo, um país

O rio não dialoga senão pela alma
de quem o olha e embebeu a sua alma
de olhares ribeirinhos no passado
ou à flor do pensamento no futuro.

É um país que fala dentro da fronte,
olhando as naus, navios, barcos pesqueiros
e o trilho das famintas aves pintoras
de riscos negros, que perseguem o odor
das redes cheias, as outrossim poéticas
familiares gaivotas. É uma costa inteira
de imagens de gaivotas dentro dos olhos.
São bocas a pensar razões da vida,
gargantas já caladas pela nascença e morte,
quando entre si se vêem ou juntas olham
o mar dos seus próprios dias. São cabeças
velhas de labutar, entre dentes cerrados,
as palavras mudas de um ofício no mar,
antigas de silêncio, como se no esófago
guardassem há muito a sabedoria de ir
enfrentar o mar, transpor o mar, estar.

Tal como um rio o mar só quer falar
pela dor e alegria de alma com que o chama,
há séculos na orla, um povo mudo,
com as palavras presas, guturais sem fôlego,
dentro de si, tão firmes no palato, articuladas
na língua interior. E o mar é quieto ou bravo,
e a alma tensa de uma paixão secreta,
escondida atrás da boca, e sempre aberta,
tal como as pálpebras diante desta água.

Só a alma sabe falar com o mar,
depois de chamar a si o Rio, no imo
de cada um, recordações, de todos
os que cumprem na linha da costa o seu destino.
O de crianças, berços nascidos à beira-mar,
aleitadas por água marinha bebida por rebanhos,
alimentadas por frutos regados pela bruma.
Mesmo quando petroleiros, se olharmos o mar,
passam sem som na glote, para nós mesmos dizemos
que o tempo já findou das caravelas outrora
e dentro do nosso sangue passa o tempo de agora.

Também as vacinas, fenícias áfonas no poema
que as canta, sabem as formas, pelo olhar,
de serem mulheres com peixes à cabeça.
E os pregões que eu calo, revendo-as, eram outra
língua do mar, os nomes com que nos chamam
para o seu modo de levar entre as casas o mar.
Mas as dores não as ecoa o mar, nem mesmo
as de poetas, só as pancadas das palavras
no encéfalo parecem ser voz do mar.

É uma nação única de memórias do mar,
que não responde senão em nós. Glórias, misérias,
que guardámos por detrás do olhar lírico
e da língua, a silabar dentro da boca.
Nunca chamámos o mar nem ele nos chama
mas está-nos no palato como estigma.

Fiama Hassa Pais Brandão

Dezembro de 1997

Publicado por samartaime às 10:40 PM | Comentários (0)

novembro 20, 2007

Pier Paolo Pasolini

Pasolini 001.jpgPasolini 003.jpg
( Bolonha, 5 de março de 1922 - assassinado em Ostia, 2 de novembro de 1975 )


Trasumanar e organizzar
Garzanti editore

«Hierarquia»

Se chego numa cidade
além do oceano
Chego muitas vezes numa cidade nova, transportado pela dúvida.
Convertido de um dia pro outro em peregrino
de uma fé na qual não creio;
representante de uma mercadoria há muito depreciada,
mas é grande, sempre, uma estranha esperança --
Desço do avião com o andar culpado,
o rabo entre as pernas, e uma necessidade eterna de mijar,
que me faz caminhar um tanto vergado com um sorriso incerto --
Safar-se da alfândega e, muitas vezes, dos fotógrafos:
administração de rotina que cada um trata como exceção.
Depois o desconhecido.
Quem passeia às quatro da tarde
ao longo dos canteiros cheios de árvores
e pelos bulevares de uma cidade desesperada onde europeus pobres
vieram recriar um mundo à imagem e semelhança do deles,
forçados pela pobreza a fazer de um exílio a vida?
De olho no meu trabalho, nos meus deveres --
Depois, nas horas vagas,
começa minha busca, como se também ela fosse culpa --
A hierarquia está porém bem clara na minha cabeça.
Não há Oceano que resista.
Dessa hierarquia os últimos são os velhos.
Sim, os velhos, a cuja categoria começo a pertencer
(não falo do fotógrafo Saderman que com sua mulher
amiga já da morte me acolhe sorrindo
no pequeno estúdio de toda a sua vida)
Sim, existem alguns velhos intelectuais
que na Hierarquia
se colocam à altura dos michês mais bonitos
os primeiros a serem encontrados nos lugares que a gente logo descobre
e que como Virgílios nos conduzem com popular delicadeza
alguns velhos são dignos do Empíreo,
são dignos de figurar junto ao primeiro garoto do povo
que se dá por mil cruzeiros em Copacabana
ambos são o meu guia
que me segurando pela mão com delicadeza,
a delicadeza do intelectual e a do operário
(além do mais desempregado)
a descoberta da invariabilidade da vida
requer inteligência e amor
Vista do hotel da rua Resende Rio --
a ascese precisa do sexo, do caralho --
aquela portinhola do hotel onde se paga o cubículo --
se olha o Rio por dentro, numa aparência da eternidade,
a noite de chuva que não refresca,
e banha as ruas miseráveis e os escombros,
e as últimas cornijas do liberty dos portugueses pobres
milagre sublime!
E portanto Josué Carrea é o Primeiro na Hierarquia,
e com ele Harudo, que veio criança da Bahia, e Joaquim.
A favela era como Cafarnaum sob o sol --
percorrida pelos regos dos esgotos
barraco sobre barraco
vinte mil famílias
(ele na praia me pedindo cigarro como um prostituto)
Não sabíamos que pouco a pouco nos revelaríamos,
prudentemente, uma palavra após a outra,
dita quase distraidamente:
sou comunista, e: sou subversivo;
sou soldado numa divisão especialmente treinada
para lutar contra os subversivos e torturá-los;
mas eles não sabem;
ninguém se dá conta de nada;
só pensam em viver
(me falando do subproletariado)
A Favela, fatalmente, nos esperava
eu, grande conhecedor, ele, guia --
seus pais nos acolheram, e o irmãozinho nu
recém-saído de trás do oleado --
pois é, invariabilidade da vida, a mãe
conversou comigo como Maria Limardi, me preparando uma limonada
sagrada do hóspede; a mãe de cabelos brancos mas ainda jovem na carne;
envelhecida como envelhecem os pobres, embora moça;
sua gentileza e a de seu companheiro,
fraternal com o filho que por sua exclusiva vontade
era agora como um mensageiro da Cidade --
Ah, subversivos, procuro o amor e encontro vocês.
Procuro a perdição e encontro a sede de justiça.
Brasil minha terra,
Terra dos meus verdadeiros amigos,
Que não se ocupam de nada
Ou se tornam subversivos e como santos ficam cegos.
No círculo mais baixo da Hierarquia de uma cidade
imagem do mundo que de velhos se fez novo,
coloco os velhos, os velhos burgueses,
porque um velho proletário da cidade continua sempre moço
Não tem nada a perder --
anda de calção e camiseta como o filho Joaquim.
Os velhos, a minha categoria,
queiram eles ou não --
Não se pode fugir do destino de possuir o Poder, ele se coloca sozinho
lenta e fatalmente nas mãos dos velhos,
mesmo que tenham as mãos furadas
e sorriam humildemente como mártires sátiros --
Acuso os velhos de terem apesar de tudo vivido,
acuso os velhos de terem aceitado a vida
(e podiam não aceitá-la, mas não existem vítimas inocentes)
a vida se acumulando deu o que queria dar --
acuso os velhos de terem feito a vontade da vida.
Voltemos à Favela
onde as pessoas ou não pensam em nada
ou querem se tornar mensageiras da Cidade
ali onde os velhos são filo-americanos --
dentre os jovens que jogam bola com bravura
em frente a cumeeiros encantados sobre o frio Oceano,
quem quer alguma coisa e sabe que quer, foi escolhido por acaso --
inexperientes em imperialismo clássico
em qualquer delicadeza para com o velho Império a ser desfrutado
os Americanos separam uns dos outros os irmãos supersticiosos
sempre aquecidos por seu sexo como bandidos por uma fogueira de sarças
É assim por puro acaso que um brasileiro é fascista e um outro é subversivo;
aquele que arranca os olhos
pode ser tomado por aquele a quem se arrancam os olhos.
Joaquim não poderia jamais se distinguir de um fascínora.
Por que então não amá-lo se o fosse?
Também o fascínora está no vértice da Hierarquia,
com seus traços simples apenas esboçados
como seu olho simples
sem outra luz que não a da carne
Assim no cume da Hierarquia
encontro a ambigüidade, o nó inextricável.
Ó Brasil, minha desgraçada pátria,
devotada sem escolha à felicidade
(de tudo o dinheiro e a carne são donos
enquanto tu és assim tão poético)
dentro de cada habitante teu, meu concidadão,
existe um anjo que não sabe de nada,
sempre debruçado sobre seu sexo,
e, velho ou jovem, se apressa
a pegar em armas e lutar,
indiferentemente, pelo fascismo ou pela liberdade --
Ó Brasil, minha terra natal, onde
as velhas lutas -- bem ou mal, já vencidas --
para nós, velhos, voltam a fazer sentido --
respondendo à graça dos delinqüentes ou dos soldados
à graça brutal.

(Tradução de Michel Lahud)

pierpaolo1975.jpg


Aqui: quase tudo sobre Pasolini

Lamento per la morte di Pasolini , Giovanna Marini

Alberto Moravia - Orazione funebre per la Morte di Pasolini

Pasolini sulla morte di Marilyn Monroe (from La Rabbia)

Oedipus the King Part 1

Callas & Pasolini - Medea (the film)

Pasolini's Trilogy of Life - 3 preview trailers

Publicado por samartaime às 04:57 PM | Comentários (0)

outubro 25, 2007

INÊS LOURENÇO :
os cornos pelos nomes no cieiro da ternura

KAPA_Ines 2.jpg
[Capa:VST/OF sobre fundo de William Morris]

Avulso

O sr. Moura abria o maço de Português
Suave sem filtro, para vender cinco cigarros
avulso a um homem de boné. O sr. Moura
chamava discretamente o amigo polícia, ao fundo
da loja para lhe oferecer um tinto, embora
não tivesse alvará para
servir vinho a copo.

Muito do que hoje se
compra por inteiro
em embalagem certificada
e com prazo de validade, era
vendido avulso, desde
o quartilho de leite, às postas
de bacalhau de molho, aos
cinco tostões de goma arábica
ou à folha de papel almaço.

Ainda se vivia sem o plástico, e os
cartuchos de cinza pardo, sob o
olhar do merceeiro de lápis na orelha,
eram pesados na balança pelo
marçano de manguitos
e bata de riscado, que aviava
os meios-quilos, a meia-dúzia,
o quarteirão.

Um anónimo de fato coçado e
velho chapéu de feltro, vinha todos
os quinze dias trazer o novo
fascículo das Duas Órfãs ou
de Os Miseráveis. As putas
ainda não andavam a atacar
na rua
, mantinham-se no
lendário 515 e noutros números
indecentes - que as mulheres honestas fingiam
desconhecer - sujeitas
à enzemina da brigada sanitária
para quem trabalhavam de graça . Os
pobres
estendiam as mãos escuras à saída
da missa ou tocavam no batente
a pedir qualquer coisinha. E cresciam
filas para as sobras do rancho
à porta dos quartéis.

(Chegados a este ponto
de Avulso, os leitores
amantes de ambiguidades
várias ou da luminosa literatice mística,
devem estar à procura
do rigor poético)

Mas esse tempo do fim
dos anos 40
trazia a profecia embargada de uma
diferença qualquer. Que juntasse
ao menos os fascículos de
As Duas Órfãs e de Os Miseráveis e os
20 cigarros do Português Suave sem filtro.
Unisse as putas contra a brigada
sanitária. Que nos deixasse
esbanjar o papel almaço. Transformasse
o quarto de quilo de sabão amarelo
numa lâmpada de Aladino
e deitasse ao lixo os pedaços de
pão seco sem medo do pecado
do desperdício.

Hoje tudo está muito diferente?
E muito semelhante? Fascículos e
embalagens, dias e noites
avulso são agora o ar do tempo
e as formas de desejar.

Narram os novos fascículos, que
as Duas Orfãs
fizeram implantes mamários
para gravarem a próxima telenovela,
fornicam com empresários de sucesso e
vão de Férias às Caraíbas.





Ítaca sem gatos

Nenhum gato reconheceu Ulisses no
seu regresso a casa. Nem consta
que algum brincasse com os novelos
que a mulher dobava e desdobava
durante a longa ausência para
iludir os pretendentes. Por isso
me soa estranha a Odisseia e o
regresso a Ítaca sem o festivo içar
da cauda dum gato






Amáveis (de amar)

D. Fuas o gato de Jorge de Sena e
Coral o gato de Sophia ou
a gata Maravilhas de
João Miguel Fernandes Jorge e os
de tantos outros como Baudelaire ou Eliot,
amáveis (de amar) mas ferozmente
independentes, olham-nos
dos poemas com aquelas luzentes e atentas
contas de vidro (podia aqui comparar com ágatas
ou opalas, mas não quero entrar
no joalheiro).

Eles são talvez os mais puros
aristocratas entre os animais de companhia.
Tratam do próprio pêlo com minuciosos cuidados,
mesmo que não tenham casa certa e
até na extrema míngua conservam
uma distante prudência e unhas afiadas
de quem não se vende facilmente.
E é tanta a sua generosa fidalguia
que nunca desprezam a mão assídua
que lhes afaga o dorso e partilha
o sedentário desprezo do mundo,
mesmo doente velha ou caída em desgraça

INÊS LOURENÇO
in «A disfunção lírica»


Inês&MariaTobias.jpg

Publicado por samartaime às 09:56 PM | Comentários (0)

outubro 14, 2007

Auto-retrato

Para onde quer que vá
já lá estive
o que quer que faça
não posso decidir
quem quer que eu ame
é uma parte
por muito que morra
fico com vida


Eva Christina Zeller
(Trad. de Teresa Dias Furtado)

Publicado por samartaime às 08:14 PM | Comentários (0)

outubro 13, 2007

Seis poemas de Paulo Leminsk

Apagar-me
diluir-me
desmanchar-me
até que depois
de mim
de nós
de tudo
não reste mais
que o charme.

Haicai

a estrela cadente
me caiu ainda quente
na palma da mão

cortinas de seda
o vento entra
sem pedir licença


Amor Bastante

quando eu vi você
tive uma idéia brilhante
foi como se eu olhasse
de dentro de um diamante
e meu olho ganhasse
mil faces num só instante

basta um instante
e você tem amor bastante

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto


Não Discuto

não discuto
com o destino

o que pintar
eu assino

Bem no fundo

No fundo, no fundo,
bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto

a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo

extinto por lei todo o remorso,
maldito seja que olhas pra trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais

mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos saem todos a passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas


Rosa Rilke Raimundo Correia

Uma pálpebra,
Mais uma, mais outras,
Enfim, dezenas
De pálpebras sobre pálpebras
Tentando fazer
Das minhas trevas
Alguma coisa a mais
Que lágrimas

Publicado por samartaime às 11:21 PM | Comentários (0)

setembro 17, 2007

Jocelyn Pook

Donne musicanti

Migraña

How sweet the moonlight- Andreas Scholl

National Theatre / Saint Joan / Bernard Shaw

Mais informação sobre Jocelyn Pook :


Jocelyn Pook - minibiografia

Jocelyn Pook - Obras

Publicado por samartaime às 09:04 AM | Comentários (0)

agosto 23, 2007

águamãe.JPG

Sofia Lourenço (piano)- Carlos Seixas, Minuet fa menor.
foto «Samartaime»


FONEMA

Agora que as sílabas estão vagas
dos fonemas tépidos que habitei na tua larva
esse teu nome,
tua descrição sumária e tua máscara,
presença e ausência sendo a pele
da mutação constante sendo ente,
lento é ainda entre os lábios e as gengivas
esse trajecto de umbilical sutura,
deserdando a garganta que regressa
do futuro do passado e do presente
numa página virada e transparente
hábito que desabito lentamente.

Inês Lourenço

Publicado por samartaime às 08:13 PM | Comentários (0)

junho 19, 2007


Paula+Rego+_piet%C3%A1.jpg
Paula Rego, Ciclo da Virgem

Pegue-se no tacho pela asa
ponha-se ao lume
com tampa.
Depois
vá almoçar fora.

No regresso
tire a tampa ao tacho:
bom proveito!

Manuela Imar




p%C3%A9sJPG.jpg

Ah, diz-me a verdade acerca do amor


Há quem diga que o amor é um rapazinho,
E quem diga que ele é um pássaro;
Há quem diga que faz o mundo girar,
E quem diga que é um absurdo,
E quando perguntei ao meu vizinho,
Que tinha ar de quem sabia,
A sua mulher zangou-se mesmo muito,
E disse que isso não servia para nada.

Será parecido com uns pijamas,
Ou com o presunto num hotel de abstinência?
O seu odor faz lembrar o dos lamas,
Ou tem um cheiro agradável?
É áspero ao tacto como uma sebe espinhosa
Ou é fofo como um edredão de penas?
É cortante ou muito polido nos seus bordos?
Ah, diz-me a verdade acerca do amor.

Os nossos livros de história fazem-lhe referências
Em curtas notas crípticas,
É um assunto de conversa muito vulgar
Nos transatlânticos;
Descobri que o assunto era mencionado
Em relatos de suicidas,
E até o vi escrevinhado
Nas costas dos guias ferroviários.

Uiva como um cão de Alsácia esfomeado,
Ou ribomba como uma banda militar?
Poderá alguém fazer uma imitação perfeita
Com um serrote ou um Steinway de concerto?
O seu canto é estrondoso nas festas?
Ou gosta apenas de música clássica?
Interrompe-se quando queremos estar sossegados?
Ah! diz-me a verdade acerca do amor.

Espreitei a casa de verão,
E não estava lá,
Tentei o Tamisa em Maidenhead
E o ar tonificante de Brighton,
Não sei o que cantava o melro,
Ou o que a tulipa dizia;
Mas não estava na capoeira,
Nem debaixo da cama.

Fará esgares extraordinários?
Enjoa sempre num baloiço?
Passa todo o seu tempo nas corridas?
Ou a tocar violino em pedaços de cordel?
Tem ideias próprias sobre o dinheiro?
Pensa ser o patriotismo suficiente?
As suas histórias são vulgares mas divertidas?
Ah, diz-me a verdade acerca do amor.

Chega sem avisar no instante
Em que meto o dedo no nariz?
Virá bater-me à porta de manhã,
Ou pisar-me os pés no autocarro?
Virá como uma súbita mudança de tempo?
O seu acolhimento será rude ou delicado?
Virá alterar toda a minha vida?
Ah, diz-me a verdade acerca do amor.


W.H. Auden

(Trad. Mª de Lourdes Guimarães)

Publicado por samartaime às 11:17 AM | Comentários (0)

junho 16, 2007

Ainda Bukowski

Bukowski-Words.gif

buktype.jpg


uma palavrinha sobre os fazedores de poemas rápidos e modernos

é muito fácil parecer moderno

enquanto se é o maior idiota jamais nascido;

eu sei ; eu joguei fora um material horrível

mas não tão horrível como o que leio nas revistas;

eu tenho uma honestidade interior nascida de putas e hospitais

que não me deixará fingir que sou

uma coisa que não sou-

o que seria um duplo fracasso: o fracasso de uma pessoa

na poesia

e o fracasso de uma pessoa

na vida.

e quando você falha na poesia

você erra a vida,

e quando você falha na vida

você nunca nasceu

não importa o nome que sua mãe lhe deu.

as arquibancadas estão cheias de mortos

aclamando um vencedor

esperando um número que os carregue de volta

para a vida,

mas não é tão fácil assim-

tal como no poema

se você está morto

você podia também ser enterrado

e jogar fora a máquina de escrever

e parar de se enganar com

poemas cavalos mulheres a vida:

você está entulhando a saída- portanto saia logo

e desista das

poucas preciosas

páginas.


buk_55.jpg

Charles Bukowski

(Trad. de Jorge Wanderley, Bertrand Brasil, 2003 )


Publicado por samartaime às 11:22 AM | Comentários (0)

junho 03, 2007

AOS INTENSOS


Eles despovoam as superfícies e inventam
a geometria dos espaços, confundem
a pele com o Cosmos, nos jogos de água
do fogo e da madeira.

Desistiram de acreditar no fim
e no princípio
por que o tempo é eterno, e a pulsação
é teia de luas contínuas
e cegueiras vivas de encarar o sol.

Nativos da partida, gastam os passos
até ao próximo éden,
onde eva, adão e a serpente
serão provavelmente desconhecidos.


Inês Lourenço

Publicado por samartaime às 11:04 AM | Comentários (0)

junho 02, 2007

Gustav Klimt

Publicado por samartaime às 08:46 AM | Comentários (0)

maio 31, 2007

barcomorto 9.JPG
Foto «samartaime»

Os barcos escondem-se para morrer
sob a areia mais rente ao dia
num desenho angustiado de conchas
sinais esquálidos do pálido marfim
da lassidão do tempo
lavrada
no passajar do sol.
Pequenas águas espelham brilhos
abrigam pratas     contam ventos
enredam-se algas     singram búzios
debicam garças e flamingos
partem insaciáveis
as gaivotas.

E um cavalo marinho desliza
os seus olhos tristes.


Manuela Imar

Publicado por samartaime às 11:20 AM | Comentários (0)

maio 10, 2007

CHARLES BUKOWSKI

buk05.jpg

question and answer


he sat naked and drunk in a room of summer
night, running the blade of the knife
under his fingernails, smiling, thinking
of all the letters he had received
telling him that
the way he lived and wrote about
that--
it had kept them going when
all seemed
truly
hopeless.

putting the blade on the table, he
flicked it with a finger
and it whirled
in a flashing circle
under the light.

who the hell is going to save
me? he
thought.

as the knife stopped spinning
the answer came:
you're going to have to
save yourself.

still smiling,
a: he lit a
cigarette
b: he poured
another
drink
c: gave the blade
another
spin.


Charles Bukowski


buk09.jpg


Bukowski nasceu em Andernach (Alemanha) em 1920, como Heinrich Karl Bukowski. Filho de alemã e de um soldado americano, a família mudou-se para Los Angeles quando Bukowski tinha dois anos de idade. É em Los Angeles que faz os seus estudos primários e é graduado pelo Los Angeles High School. Após o Liceu, Bukowski continua estudos no Los Angeles City College onde, durante dois anos, frequenta cursos de arte, jornalismo e literatura.
O Poeta, também contista e romancista, faleceu em Los Angeles em Março de 1994, depois de ter escrito mais de 50 livros e milhares de publicações baratas e de ter «corrido mundo» a ler os seus poemas que escandalizaram assembleias de simples, de snobs, de académicos e outros intelectuais. Na sua campa, deixou-nos um aviso: «Don't Try!»

buk08.jpg

short order


I took my girlfriend to your last poetry reading,
she said.
yes, yes? I asked.
she's young and pretty, she said.
and? I asked.
she hated your
guts.
then she stretched out on the couch
and pulled off her
boots.

I don't have very good legs,
she said.

all right, I thought, I don't have very good
poetry; she doesn't have very good
legs.

scramble two.

buk10.jpg

Mais sobre Bukowski:

Comentários sobre a poesia

Poesia de Bukowski em Português

S&Y -Charles Bukowski

«O amor é um cão do inferno»

Publicado por samartaime às 12:19 AM | Comentários (0)

maio 08, 2007

Retrato do Artista em Cão Jovem

Com o focinho entre dois olhos muito grandes
por trás de lágrimas maiores
este é de todos o teu melhor retrato
o de cão jovem a que só falta falar
o de cão através da cidade
com uma dor adolescente
de esquina para esquina cada vez maior
latindo docemente a cada lua
voltando o focinho a cada esperança
ainda sem dentes para as piores surpresas
mas avançando a passo firme
ao encontro dos alimentos

aqui estás tal qual
és bem tu o cão jovem que ninguém esperava
o cão de circo para os domingos da família
o cão vadio dos outros dias da semana
o cão de sempre
cada vez que há um cão jovem
neste local da terra

António José Forte

Publicado por samartaime às 03:02 PM | Comentários (0)

Os sumérios eram sumários



os sumérios eram sumários
e por isso foram sumírios
daí vem que foram semírios
mírios de se ou de si

os sumírios eram sumários sendo sumério
e daí vem que foram sumiros
sumaros e sumêros

os sumários eram suma dos
é daí que vem o sumo
a soma e a suma-a-uma

os sumórios eram sumêdos
porque eram semudos
e mudos de se ou de si
eram sumúrios

os sumúrios eram semílicos
simólicos e simulados
daí vem que amaram a sêmula
a súmula
e o tacão alto

Ana Hatherly


Publicado por samartaime às 12:24 AM | Comentários (0)

maio 02, 2007

A QUE CUIDA

Aquecuida.jpg


A HORA DO LANCHE


Na mão de Ana o iogurte não
iluminava, escurecia,
comunhão ajoelhada
no fundo do coração do dia

imemorial onde, desperto, ele dormia.
O movimento da colher embalava-o
como uma música que quase se ouvia
neste mundo ou como o colo que o adormecia.

A tarde declinava, as sombras,
como sombras, alongavam-se na almofada;
tudo fazia um sentido
literal e simples, onde não pode a poesia.

Se alguma coisa ficara
por dizer já não iria ser dita;
as palavras tinham-se sumido, transidas,
no interior da casa, o próprio silêncio emudecera.

Senhor, permite que adormeçamos
antes que feches a luz e desça
sobre nós a tua escuridão,
que os rebanhos estejam recolhidos
e os credores se tenham afastado da nossa porta,
mas que tenhamos pago as dívidas aos que nos serviram
e aos que nos amaram e aos que nos esperaram;
as tuas grandes mãos sustentarão o telhado e as paredes,
e moerão o grão e fermentarão o trigo,
apaga com as tuas mãos para sempre o rasto
da nossa vida
e que repousemos enfim
sem motivo para nos culparmos
por não termos sido felizes.

Foz do Douro, 26 de Janeiro de 2005

Manuel António Pina

[Encontrado no blog VIDA INVOLUNTÁRIA . Aqui fica em Homenagem a Ana Maria Moura, a Eugénio
e a Manuel António Pina]

Publicado por samartaime às 10:39 AM | Comentários (0)

abril 30, 2007

Katharina van Hemessen

Mulher.jpg


Title/s
Portrait of a woman

Maker/s
Hemessen, Katharina van (painter) [ULAN info: Flanders painter, 1528-aft.1587]

Category
painting

Name
painting

School/Style
Flemish

Technique Description
oil on panel

Dimensions
height: 33 cm
width: 25 cm


Publicado por samartaime às 09:05 PM | Comentários (0)

março 09, 2007

Farinelli _ CarloBroschi

A voz do filme

Na impossibilidade de reproduzir Farinelli, a voz do filme foi paciente e cientificamente reconstruída em laboratório: é som digitalizado a partir do registo das vozes do countertenor Derek Lee Ragin e da soprano coloratura Ewa Godlewska - que usava técnicas de canto muito idênticas, especialmente no vibrato e na articulação.

«Farinelli» numa «Lascia la spigna, cogli na rosa» delirante

e agora, um «Farinelli» obtido com a voz de Cecília Bartoli:

Carlo Broschi - Farinelli (Puglia, 24 de janeiro de 1705 - Bolonha, 15 de julho de 1782)

Carlo_Broschi - Farinelli.jpg

Publicado por samartaime às 10:34 PM | Comentários (0)

fevereiro 23, 2007

Hoje, Luiza Neto Jorge ...

Minibiografia

Não me quero com o tempo nem com a moda
Olho como um deus para tudo de alto
Mas zás! do motor corpo o mau ressalto
Me faz a todo o passo errar a coda.

Porque envelheço, adoeço, esqueço
Quanto a vida é gesto e amor é foda;
Diferente me concebo e só do avesso
O formato mulher se me acomoda

E se nave vier do fundo espaço
Cedo raptar-me, assassinar-me, cedo:
Logo me leve, subirei sem medo
À cena do mais árduo e do mais escasso.

Um poema deixo, ao retardador:
Meia palavra a bom entendedor.


Luiza Neto Jorge


Publicado por samartaime às 03:00 PM | Comentários (0)

... e Zeca Afonso


zeca33sw.gif


zeca89.jpg

Publicado por samartaime às 01:33 PM | Comentários (0)

fevereiro 14, 2007

O «pormenor» de Ingres...

ipormenor.jpg

Publicado por samartaime às 04:46 PM | Comentários (0)

fevereiro 13, 2007

ingres_grand_odalisque.jpg
Ingres, 1814, «La Grand Odalisque», óleo s/tela, Musée du Louvre, Paris

Publicado por samartaime às 12:51 PM | Comentários (0)

janeiro 22, 2007

FIAMA, para sempre

Quando eu vir vaguear por dentro da casa
o abeto que cresceu no bosque, hei-de
ajoelhar no soalho. Todas as coisas
comunicam entre si a totalidade das suas formas.
A mão que vai surgir do abeto apontará para mim.

Tenho de despir as tiras de brocado que envolvem as veias,
as cadeias de ouro dos rins. Deixar
que as unhas longas da árvore passem
entre mim e o imo dos quartos interiores da casa.

Se essa figura imponente, a árvore, me reconhecer,
vou interromper o que escrevo, esperar ansiosa
atracção que a insónia desse vulto
há - de exercer sobre mim. Rodo
até à tontura da morte.
Torturo-me
até à alegria. Encontro na casa
o tema da despossuição e a agonia.

A pobreza antiga com que o corpo cai
para uma vala. Preso apenas às pérolas
que tinem nas orelhas. Dante deixou-nos resvalar,
com os cânones clássicos, como se o poema
fosse uma escada. É-o, quando as figuras austeras
da Natureza perseguem os mortais. Querem confirmar
a sua configuração. Querem ser
reais, quando se aproximam.
Vai para diante da minha face, ao fundo.
Vem dos recantos, onde já não é a silhueta volúvel
enovelada pelo vento, à janela. Com lentidão
arrasta a forma táctil até à passagem do poema.

Sou eu que me vergo ao domínio.
Que me poise a marca incandescente na testa.
Tocará na meninge como num cofre.
Aceito coroas para depor sobre mim.
Deixo os pés do abeto empurrar
com a biqueira violetas. A fragrância
delas leva-me a imaginar poemas
em branco. Depois de percorrer um longo encadeamento
de sílabas sou outra. Vejo assomar a natureza nua.

 

Foz do Tejo, um país

O rio não dialoga senão pela alma
de quem o olha e embebeu a sua alma
de olhares ribeirinhos no passado
ou à flor do pensamento no futuro.

É um país que fala dentro da fronte,
olhando as naus, navios, barcos pesqueiros
e o trilho das famintas aves pintoras
de riscos negros, que perseguem o odor
das redes cheias, as outrossim poéticas
familiares gaivotas. É uma costa inteira
de imagens de gaivotas dentro dos olhos.
São bocas a pensar razões da vida,
gargantas já caladas pela nascença e morte,
quando entre si se vêem ou juntas olham
o mar dos seus próprios dias. São cabeças
velhas de labutar, entre dentes cerrados,
as palavras mudas de um ofício no mar,
antigas de silêncio, como se no esófago
guardassem há muito a sabedoria de ir
enfrentar o mar, transpor o mar, estar.

Tal como um rio o mar só quer falar
pela dor e alegria de alma com que o chama,
há séculos na orla, um povo mudo,
com as palavras presas, guturais sem fôlego,
dentro de si, tão firmes no palato, articuladas
na língua interior. E o mar é quieto ou bravo,
e a alma tensa de uma paixão secreta,
escondida atrás da boca, e sempre aberta,
tal como as pálpebras diante desta água.

Só a alma sabe falar com o mar,
depois de chamar a si o Rio, no imo
de cada um, recordações, de todos
os que cumprem na linha da costa o seu destino.
O de crianças, berços nascidos à beira-mar,
aleitadas por água marinha bebida por rebanhos,
alimentadas por frutos regados pela bruma.
Mesmo quando petroleiros, se olharmos o mar,
passam sem som na glote, para nós mesmos dizemos
que o tempo já findou das caravelas outrora
e dentro do nosso sangue passa o tempo de agora.

Também as vacinas, fenícias áfonas no poema
que as canta, sabem as formas, pelo olhar,
de serem mulheres com peixes à cabeça.
E os pregões que eu calo, revendo-as, eram outra
língua do mar, os nomes com que nos chamam
para o seu modo de levar entre as casas o mar.
Mas as dores não as ecoa o mar, nem mesmo
as de poetas, só as pancadas das palavras
no encéfalo parecem ser voz do mar.

É uma nação única de memórias do mar,
que não responde senão em nós. Glórias, misérias,
que guardámos por detrás do olhar lírico
e da língua, a silabar dentro da boca.
Nunca chamámos o mar nem ele nos chama
mas está-nos no palato como estigma.

 

Sistema solar

Cada voz tem o seu contraponto
num ruído natural. Cada silêncio,
no silente espaço que rodeia, por vezes,
cada coisa. À beira do berço as bocas
percutem sobre a criança. Depois, no sono,
abrem-se como qualquer flor. Sobre
os cílios da adolescente tecem frases.

*

À beira do berço as bocas
percutem sobre a criança. Depois no sono
adensam-se como qualquer árvore. Sobre
os cílios da adolescente tecem frases.
Cada silêncio corporiza-se no espaço.
As coisas têm eixos e rodam
com ruídos diferentes do seu nome.
E o Sol tramonta entre vestígios,
além dos montes e vales e o mar.

*

E o Sol tramonta sobre as nossas casas
e os montes e vales e o nosso mar.
Quando um verso marca o lugar das coisas
elas aí ficam para sempre. O Sol
que perpassa em cumes e em cristas
nasce nas arestas serranas do nascente
e vai até ao mar em sete versos.



FIAMA HASSE PAIS BRANDÃO

(15 :AGO:1938 - 19: JAN:2007)


Fiama 5.JPG Fiama 4.JPG


Publicado por samartaime às 12:52 AM | Comentários (0)

janeiro 20, 2007

RUTH BERNHARD

(1905 - 2006)

Ruth Bernhard_by_Larry  Colwell.jpg
Ruth Bernhard (foto de Larry Colwell )

Ruth Bernhard was born in Berlin in 1905. In 1927, after two years at the Berlin Academy of Art, Ruth moved to New York where she began to seriously pursue a career in photography. Eight years later she met Edward Weston in California and was deeply moved by his work. He revealed to her the profound creative potential of photography and its artistic implications. Desiring to work with him, she moved to the West Coast shortly thereafter.

In 1953, she moved to San Francisco and became a colleague of Ansel Adams, Imogen Cunningham, Minor White and Wynn Bullock. She has lectured and conducted master classes throughout the United States through her 95th birthday.

Ruth Bernhard’s work can be found in most major museum collections throughout the world, including the George Eastman House, Museum of Modern Art in New York, The Metropolitan Museum of Art and the Bibliotheque

Straws_1930.jpg
«Straws», 1930

earlynude1934 - 1.jpg
«Early Nude», 1934

Embryo - 1934.jpg
«Embryo», 1934

One_World_ 1936.jpg
«One World», 1936

Creation1936.jpg
«Creation», 1936

wetsilk1938 -3.jpg
«West Silk», 1938

Angelwing_1943.jpg
«Angel Wing», 1943

t_Triangles_1948.jpg
«Triangles», 1948

Laguna_Gate_ 1950.jpg
«Laguna Gate», 1950

Bird_Skull_ 1950.jpg
«Birdskull», 1950

t_AtThePool_1951.jpg
«At The Pool», 1951

Classic_Torso_with_Hands_1952.jpg
«Classic Torso With Hands», 1952

pigeons_Frisco_1956.jpg
«Pigeons of 'Frisco», 1956

t_InTheBox_1962.jpg
«In The Box», 1962

folding1962 - 4.jpg
«Folding», 1962

Golden Light_1962.jpg
»Golden Light», 1962

t_LuminBody_1962.jpg
«Lumin Body», 1962

Two Forms_1963.jpg
«Two Forms», 1963

perspectiveII - 12.jpg
«Prespective II », 1967


t_Crossover_1969.jpg
«Cross Over», 1969

t_DeathValley_1969.jpg
«Death Valley», 1969

t_symbiosis_ 1971.jpg
«Symbiosis», 1971

Veiled Black_1974.jpg
«Veiled black», 1974


Ruth_Bernard.gif Ruth Bernhard

RB.jpg Ruth Bernhard

RBby Paul WWaldman_1991.jpg Ruth Bernhard - foto de Paul Waldman, 1991

iRBby Mona Kuhn_2000.jpg Ruth Bernhard - foto de Mona Kuhn, 2000

RB by Rene Carufel.jpg
Ruth Bernhard - foto de Rene Carufel

Biografia e enquadramento do obra de Ruth Bernhard, aqui

Mais informação complementar

Sobre algumas exposições

 

Obrigada My precious thing, por me teres lembrado dela! .

Publicado por samartaime às 10:46 PM | Comentários (0)

janeiro 18, 2007

A casa do mundo

Aquilo que às vezes parece

um sinal no rosto
é a casa do mundo
é um armário poderoso
com tecidos sanguíneos guardados
e a sua tribo de portas sensíveis.

Cheira a teias eróticas. Arca delirante
arca sobre o cheiro a mar de amar.

Mar fresco. Muros romanos. Toda a música.
O corredor lembra uma corda suspensa entre
os Pirinéus, as janelas entre faces gregas.
Janelas que cheiram ao ar de fora
à núpcia do ar com a casa ardente.

Luzindo cheguei à porta.
interrompo os objetos de família, atiro-lhes
a porta
Acendo os interruptores, acendo a interrupção,
as novas paisagens têm cabeça, a luz
é uma pintura clara, mais claramente me lembro:
uma porta, um armário, aquela casa.

Um espelho verde de face oval
é que parece uma lata de conservas dilatada
com um tubarão a revirar-se no estômago
no fígado, nos rins, nos tecidos sangúíneos.
É a casa do mundo:
desaparece em seguida:


( Luiza Neto Jorge )

Publicado por samartaime às 07:44 PM | Comentários (0)

dezembro 08, 2006

«Vim-me» embora pra Pasárgada ...

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que eu nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-dágua
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada


(Manuel Bandeira )



Até para o ano! Aproveitem todas as festas e folias que o que se leva desta vista é a vida que a gente leva!

E para o ano, há mais... talvez não para comer - mas isso é outra música! Que venha o vira mais o malhão! De corridinho!

Publicado por samartaime às 10:25 AM | Comentários (0)

dezembro 01, 2006

AGORA QUE DE NOVO


O mar voa nas rochas, como
se a manhã se formasse onde se forma o cuspo eu aproximo-me
dele e arde a pele de que a memória
vem lentamente tomar conta.

Avanço com cuidado, agora que de novo
nas praias o mar solta os cães. O que chamávamos
verão são poços através
dos quais se some a pele pela memória dentro.


Luís Miguel Nava

nava 2.jpg

Publicado por samartaime às 10:45 PM | Comentários (0)

novembro 26, 2006

Intervalo por Cesariny

cesariny 2.jpg

Samartaime:
Ao longo da muralha que habitamos
Há palavras de vida há palavras de morte
Há palavras imensas,que esperam por nós
E outras frágeis,que deixaram de esperar
Há palavras acesas como barcos
E há palavras homens,palavras que guardam
O seu segredo e a sua posição

Entre nós e as palavras,surdamente,
As mãos e as paredes de Elsenor

E há palavras e nocturnas palavras gemidos
Palavras que nos sobem ilegíveis À boca
Palavras diamantes palavras nunca escritas
Palavras impossíveis de escrever
Por não termos connosco cordas de violinos
Nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar
E os braços dos amantes escrevem muito alto
Muito além da azul onde oxidados morrem
Palavras maternais só sombra só soluço
Só espasmos só amor só solidão desfeita

Entre nós e as palavras, os emparedados
E entre nós e as palavras, o nosso dever falar.




Samartaime:
Afinal o que importa não é a literatura nem a crítica de arte nem a câmara escura
Afinal o que
importa não é bem o negócio
nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de ócio
Afinal o que
importa não é ser novo e galante
- ele há tanta maneira de compor uma estante
Afinal o que
importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício

e cair verticalmente no vício
Não
é verdade rapaz? E amanhã há bola
antes de haver cinema madame blanche e parola
Que afinal
o que importa não é haver gente com fome
porque assim como assim ainda há muita gente que come
Que afinal
o que importa é não ter medo
de chamar o gerente e dizer muito alto ao pé de muita gente:
Gerente! Este leite está azedo!
Que afinal
o que importa é pôr ao alto a gola do peludo
à saída da pastelaria, e lá fora – ah, lá fora!
– rir de tudo
No riso admirável
de quem sabe e gosta
ter lavados e muitos dentes brancos à mostra




Segurademim:
Faz-me o favor de não dizer absolutamente nada!
Supor o que dirá
Tua boca velada
É ouvir-te já.

É ouvir-te melhor
Do que o dirias.
O que és não vem à flor
Das caras e dos dias.

Tu és melhor -- muito melhor!--
Do que tu. Não digas nada. Sê
Alma do corpo nu
Que do espelho se vê.




Samartaime:
Não há nada que tu faças
que te não faça imenso mal,
desde o uso das estrelas
ao abuso corporal.
Em volta de ti morre a morte
mas tu próprio não ficas inteiro
sorris de manhã à noite
como a um espelho fatal.
Cortas a vida aos pedaços
para ver se fica igual.
Não há nada que tu faças
que te não faça imenso mal.




Samartaime:
Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto tão perto tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco




Rapariga:
Faz-se luz pelo processo
de eliminação de sombras
Ora as sombras existem
as sombras têm exaustiva vida própria
não dum e doutro lado da luz mas do próprio seio dela
intensamente amantes loucamente amadas
e espalham pelo chão braços de luz cinzenta
que se introduzem pelo bico nos olhos do homem

Por outro lado a sombra dita a luz
não ilumina realmente os objectos
os objectos vivem às escuras
numa perpétua aurora surrealista
com a qual não podemos contactar
senão como amantes
de olhos fechados
e lâmpadas nos dedos e na boca

Mário Cesariny


lCesariny.bmp

Publicado por samartaime às 08:15 PM | Comentários (0)

outubro 22, 2006

BARBARA HEPWORTH

(1903 - 1975 )

012_hepworth.jpg


Biolith_ barbara-hepworth.jpg
Biolith
Figura Chûn_ 1960 - barbara-hepworth.jpg
1960 - Figura (Chûn)
Four forms_ 1971_barbara-hepworth.jpg
1971 - Four forms
Installatipon_ 2002_barbara-hepworth.jpg
Installatipon

pelagos - Hepworth, Barbara.jpg
Pelagos
Square f0rms_barbara-hepworth.jpg
Square forms
Two forms_ _barbara-hepworth.jpg
Two forms
Two opposing forms_1969_barbara-hepworth.jpg
1969 - Two opposing forms
two_figures -  Hepworth, Barbara.jpg
Two figures

Mais informação aqui

Publicado por samartaime às 07:00 PM | Comentários (0)

outubro 16, 2006

LOUISE NEVELSON

Loise Nevelson.bmp «L'art est partout, mais il doit passer par un esprit créatif. Mon univers est l'univers de ma réalité, mon univers est la création, c'est mon univers de réalité.» Louise Nevelson


Black Box_louise-nevelson.jpg
Black Box
Wood, board, paper and paint
h: 36 x w: 36 in / h: 91.4 x w: 91.4 cm

Black MooII_louise-nevelson.jpg
Black Mool

Mirror shadow III-detail)_louise-nevelson.jpg
Mirror shadow II (detail)

mirror shadow XV_louise-nevelson.jpg
Mirror shadow XV

Mirror-shadow XVI_louise-nevelson.jpg
Mirror-Shadow XVI
Wood painted black
h: 62 x w: 105 x d: 15 in / h: 157.5 x w: 266.7 x d: 38.1 cm


Moontide II_louise-nevelson.jpg
Moontide II
Wood (painted black)
h: 50 x w: 76 x d: 11 in / h: 127 x w: 193 x d: 27.9 cm


open zag VIII_louise-nevelson.jpg
Open Zag VIII
black painted wood
h: 50 x w: 62 x d: 8 in / h: 127 x w: 157.5 x d: 20.3 cm

The Drum_louise-nevelson.jpg
The Drum

Transoarent Sculture_louise-nevelson.jpg
Transparent Sculpture
Lucite and electric base
h: 32.5 x w: 25.5 x d: 8.8 in / h: 82.6 x w: 64.8 x d: 22.4 cm

Untitled II_louise-nevelson.jpg
Untitled II

untitled_louise-nevelson.jpg
Untitled
Wood, board, paper and paint
h: 36 x w: 36 in / h: 91.4 x w: 91.4 cm

Nevelson.jpg
«I have built a reality for myself.»

«Louise Berliawsky est né en 1899 à Kiev (Russie). Sa famille émigre aux Etats-Unis en 1905. Elle se marie en 1920, devient Louise Nevelson et commence, la même année, à apprendre le dessin, la peinture, le chant, l’art dramatique. A la fin des années 20, Louise Nevelson suit un enseignement à l’Art Students League de New York. Elle travaille par la suite avec Hans Hofmann à Munich (1931), puis, plus tard, avec Diego Rivera à New York et Mexico dont elle sera l’assistante sur certains projets.A partir de 1933, Nevelson expose gravures et peintures, montre pour la première fois son travail de sculpteur en 1936. Sa première exposition personnelle a été organisée en 1941. De 1949 à 1950, elle étudie la terre cuite, l’aluminium, le bronze au Sculpture Center, puis la gravure avec Stanley William Hayter à l’Atelier 17. Elle est, dans les années 50, l’un des premiers sculpteurs américains à présenter des assemblages. L’artiste enchâsse, dans des caisses empilées, des reliques de pièces de bois de toutes sortes, construisant ainsi des architectures abstraites, monumentales et baroques ; ces pièces, comme leur titre, suggèrent un monde imaginaire et poétique. Les premières sculptures de Louise Nevelson sont entièrement repeintes de noir mat ; elles deviendront plus lumineuses et lyriques par la suite, blanches ou or, l’artiste y incluant des miroirs ou du Plexiglas. Louise Nevelson , dans les années 80, répondra à la commande publique en découpant le métal en cases et fragments qu’elle assemble, créant ainsi de grandes sculptures urbaines. L’oeuvre de Louise Nevelson, qui a reçu tout au long de la carrière artistique de l’artiste des prix importants, fait aujourd’hui partie des collections muséales les plus importantes. Louise Nevelson est morte en 1988 à New York. »


nevelson 2.jpg (1899-1988)
Dvorak, «Slavonic Dance, nº8»

«Escultora norte-americana de origem ucraniana, nasceu em Kiev. Uma das mais criativas e fantásticas escultoras do séc. XX. Sofreu influência da arte pré-colombiana e as suas obras escapam a qualquer classificação, sendo de imediato identificadas. Trabalhou com os mais diversos materiais, desde alumínio ao bronze passando pelo pexiglás, cartão, madeira [chegando a utilizar móveis, cadeiras, portas e janelas da própria casa ]numa expressividade plástica a que se não pode ficar indiferente.»

Publicado por samartaime às 09:58 PM | Comentários (0)

outubro 10, 2006

GERMAINE RICHIER (1904 - 1959)

ou a escultura da angústia


Germaine Richier 01.jpg «Je suis plus sensible à un arbre calciné qu’à un pommier en fleurs»

Germaine 03- l orage.jpg
L' Orage
1947 - 1948
80 cm x 200 cm x 52 cm
Bronze
Centre Pompidou; Paris.

Germaine R  - L'eau.jpg
L'eau
1953 - 1954
62 cm x 147 cm x 98 cm
Bronze
Centre Pompidou, Paris


Germaine R - La montagne.jpg

Germaine R - La montagne B.jpg
La montagne
1955-1956
180cmX325cmX125cm
Bronze patiné
Centre Pompidou, Paris

Germaine R par Rogi André.jpg
Fotografia de Rogi André « Germaine Richier»

Germaine R - l'ouragane.jpg
L'Ouragane
1948 - 1949
179cmX67cmX50cm
Bronze
Centre Pompidou, Paris

Germaine R - Le diabolo.jpg
Le Diàbolo
1950
160cmX49cmX60cm
Bronze
Centre Pompidou, Paris.

Germaine Richier 02.jpg«La vie n’appartient pas toujours aux choses sereines»


Mais informação:

Germaine Richier

La mise en forme des forces de la nature ( Pierre Barbancey)

Germaine Richier ou la stratégie de la mante religieuse ( Arnaud Spire)


Publicado por samartaime às 02:42 PM | Comentários (0)

outubro 03, 2006

JANELA VOADORA

Música Sefardita


Ensemble Antequera, «Nani nani»

Flory Jagoda, «La Jave de Espanja»

Judy Frankel, «La vida do por el raki»

Lena Rothstein, «Dia de Shabbat»

Lija Hirsch y Gertru Pasveer, «Bendigamos»

Michele Baczynsky y Talita Koumi «Xinanay xinanay»

Ruth Yaakov Ensemble, «Salgash madre»

[ Com a colaboração da NA]
(Files retirados)

Mais informação sobre os Sefarditas :

Sefardita

Século de ouro dos Sefarditas

Canções e Romances Sefarditas

Do êxodo ao êxito dos Sefarditas


EXTRAPROGRAMA MAS DANADA DE COINCIDENTE : Pedro Álvares Cabral seria marrano?

Aceitam-se palpites, sugestões, pareceres, achegas, adendas, prolegómenos, prefácios e outras elucubrações. Quem ganhar terá direito a comer um pastel de nata na nave principal dos Jerónimos!

Dicas? Nanja eu, que sou adepta da Intifada de cebolada.

Pilantrhahmed Al Intifahd.jpg
Pilantrhahmed Al Intifahd (foto da clandestinidade)

Publicado por samartaime às 10:06 AM | Comentários (0)

julho 28, 2006

JANELA VOADORA

« SAFO DE MITILENE » :

um cdê diferente

AngeliqueNena 01.jpg

Poemas de Safo (*)
Música de Angelique Ionatos
Vozes de Angelique Ionatos e Nena Venetsanou

(*) Poemas de Safo transcritos para o grego moderno pelo poeta Odysseus Elytis (1911-1996)

ASTÉRON PANTON o kallistos (Angelique)


«De tous les astres le plus beau»

Vesper, ramenant tout ce qu’ avait disdpensé
L’Aurore lumineuse
Tu amènes la brebis, tu amènes la chèvre
Mais tu emmênes loin de sa mére l’ enfant!


GRIGORA I ORA pérassé (Nena e Angelique)

«L’ heure a si vite passée»

La lune
a fui
et les Plêiades
Il est minuit
L’ heure passe
et je suis couchée, seule
Eros qui donne la douleur
Eros qui tisse les mensonges
Eros encore a ébranlé mon coeur
comme un vent de montagne s’ abattant
sur les chênes


I MEN IPPION stroton (Nena)

«Pour les uns une armée à cheval»

Pour les uns une armée à cheval et pour
d’ autres à pied
ou une escadre: voilá, disent-ils, sur la terre
noire
ce qu’il y a de plus beau, mais pour moi
c’est
de voir quelqu’un d’aimer quelqu’un.


KI ANAMESSA se malaka (Angelique )


« Et sur une couche douce et moelleuse »
elle a éntendu son corps
celle qui dort sur les seins d’une tender
amie
Ah! Puisse cette nuit me durer
autant que deux nuits entières
Puisse-je , o Aphrodite à la couronne d’or,
du sort cette part obtenir

PALI PALI o érotas (Angelique e Nena)

De noveau l’ amour

Eros encore, le délieur de membres,
me secoue, doux-amer invincible animal,
Atthis, il t’est devenu odieux de penser
à moi, et vers Andromède tu voles

Eros qui donne la douleur
Eros qui tisse les mensonges
Eros encore a ébranlè mon coeur
comme un vent de montagne s’abattant
sur les chênes

[Files retirados]

Para conhecer melhor este trabalho, três links:

Angelique Ionatos

Nena Venetsanou

Odysseus Elytis


ionatos AA.jpg
Angelique Ionatos
venetsanou4.jpg

elytis.gif
Odysseus Elytis

Publicado por samartaime às 01:10 PM | Comentários (0)

julho 17, 2006

A inesperada antecipação das vindimas




INVERTE EURÍDICE
(1ª versão)

As tuas palavras transportam
o antigo e inapagável mito,
daquele que cantava a afugentar
a fera da tristeza e se atreveu
a descer ao incêndio da
desesperança eterna, para
salvar a quem amava.


A cinza fria é talvez o pior
dos dejectos. E escapar-lhe o
mais humano dos desígnios. Assim
retoma a tua corda, estrada
salvadora por cima das
mortíferas chamas do desânimo e
inverte essa euridice e o seu
fatal reflexo.Depois é sempre
o mais belo itinerário.

Inês Lourenço (inédito)


250px-Gustave_Moreau_Orph%C3%A9e_1865.jpg
Gustave Moreau, Orfeu.
Renee Fleming, Gypsy Melody ( Dvorak) (File retirado)




Para a Inês Lourenço:

MITO APÓCRIFO
(versão final)

Orfeu da amizade que nisso me reverti
por não ver nela menor qualidade.

Por certo as Mênades me esperam
já adiante

E também eu cumprirei o
mais humano dos desígnios
que a corda é mais forte em mim e o
Depois é sempre
o mais belo itinerário

dos eternos peripatéticos
tragicamente cantantes.

Manuela Imar

16:JUL:06







ATÉ ÀS VINDIMAS, AMIG@S !... QUE AS FÉRIAS NOS SEJAM MEIGAS E TENHAM ALGUM MAR!

Publicado por samartaime às 12:56 PM | Comentários (0)

julho 11, 2006

Bom dia!

Hoje eu queria cantar para os meus amig@s que estão tristes.
Hoje eu queria encher de música esta nesga de vida que sou
para ver um sorriso azul nos olhos dos meus amig@s que estão tristes.
Mas nem as palavras vejo, tenho , invento.
Que nestas horas de ser preciso ser capaz
não canto não rio não choro
sou merda.

Publicado por samartaime às 09:47 AM | Comentários (0)

junho 15, 2006

Prelúdios-intensos para os desmemoriados do amor


I

Toma-me. A tua boca de linho sobre a minha boca
Austera. Toma-me AGORA, ANTES
Antes que a carnadura se desfaça em sangue, antes
Da morte, amor, da minha morte, toma-me
Crava a tua mão, respira meu sopro, deglute
Em cadência minha escura agonia.

Tempo do corpo este tempo, da fome
Do de dentro. Corpo se conhecendo, lento,
Um sol de diamante alimentando o ventre,
O leite da tua carne, a minha
Fugidia.
E sobre nós este tempo futuro urdindo
Urdindo a grande teia. Sobre nós a vida
A vida se derramando. Cíclica. Escorrendo.

Te descobres vivo sob um jogo novo.
Te ordenas. E eu deliquescida: amor, amor,
Antes do muro, antes da terra, devo
Devo gritar a minha palavra, uma encantada
Ilharga
Na cálida textura de um rochedo. Devo gritar
Digo para mim mesma. Mas ao teu lado me estendo
Imensa. De púrpura. De prata. De delicadeza.

(Hilda Hilst)

Hilda.jpg

Publicado por samartaime às 01:15 AM | Comentários (0)

maio 29, 2006

Chagal.jpg
Chagal, A mulher e as rosas


Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.

(Pablo Neruda )

Pablo%20Neruda.jpg

Publicado por samartaime às 11:22 AM | Comentários (0)

maio 23, 2006

Piero della Francesca

delparto.jpg

Madonna del parto
1467
Detached fresco
206 x 203 cm
Santa Maria a Nomentana, Monterchi

Publicado por samartaime às 07:53 PM | Comentários (0)

maio 17, 2006

e ao sétimo dia cumpriu-se o descanso

(Foto «samartaime», Lisboa, 2006)

mas...


Bom é que não esqueçais
Que o que dá ao amor rara qualidade
É a sua timidez envergonhada
Entregai-vos ao travo doce das delicias
Que filhas são dos seus tormentos
Porém, não busqueis poder no amor
Que só quem da sua lei se sente escravo
Pode considerar-se realmente livre.

(Fernando Pessoa)


Dolores Pradera, abre tu balcon
(file retirado)

Publicado por samartaime às 09:34 PM | Comentários (0)

maio 06, 2006

Não sei como dizer-te que minha voz te procura e a atenção começa a florir, quando sucede a noite esplêndida e vasta. Não sei o que dizer, quando longamente teus pulsos se enchem de um brilho precioso e estremeces como um pensamento chegado. Quando, iniciado o campo, o centeio imaturo ondula tocado pelo pressentir de um tempo distante, e na terra crescida os homens entoam a vindima - eu não sei como dizer-te que cem ideiias, dentro de mim te procuram.
Quando as
folhas da melancolia arrefecem com astros
ao lado do espaço
e o coração é uma semente inventada
em seu escuro fundo e em seu turbilhão de um dia,
tu arrebatas os caminhos da minha solidão
como se toda a casa ardesse pousada na noite.
- E então não sei o que dizer
junto à taça de pedra do teu tão jovem silêncio.

Quando as crianças acordam nas luas espantadas
que às vezes se despenham no meio do tempo
- não sei como dizer-te que a pureza,
dentro de mim, te procura.
Durante a
primavera inteira aprendo
os trevos, a água sobrenatural, o leve e abstracto
correr do espaço –
e penso que vou dizer algo cheio de razão,
mas quando a sombra cai da curva sôfrega dos meus lábios,
sinto que me faltam
um girassol, uma pedra, uma ave – qualquer
coisa extraordinária.
Porque não sei como dizer-te sem milgares
que dentro de mim é o sol, o fruto,
a criança, a água, o deus, o leite, a mãe,
que te procuram.

HERBERTO HELDER

herberto_helder.jpg

Publicado por samartaime às 07:16 AM | Comentários (0)

abril 29, 2006

Hilda Hilst

Se for possível, manda-me dizer:
- É lua cheia. A casa está vazia –
Manda-me dizer,
e o paraíso há de ficar mais perto,
e mais recente me há de parecer teu rosto incerto.
Manda-me buscar se tens o dia tão longo como a noite.
Se é verdade que sem mim só vês monotonia
e se te lembras do brilho das marés
de alguns peixes rosados numas águas
e dos meus pés molhados,
manda-me dizer:
- é lua nova –
e revestida de luz volto pra te ver.

HILDA HILST
(1930- 2004)


Hilda.jpg

Publicado por samartaime às 07:34 PM | Comentários (0)

abril 15, 2006

Mais três poemas de António Maria Lisboa...

Vírgula

Eu menino às onze horas e trinta minutos
a procurar o dia em que não te fale
feito de resistências e ameaças — Este mundo
compreende tanto no meio em que vive
tanto no que devemos pensar.

A experiência o contrário da raiz originária aliás
demasiado formal para que se possa acreditar
no mais rigoroso sentido da palavra.

Tanta metafísica eu e tu
que já não acreditamos como antes
diferentes daquilo que entendem os filósofos
— constitui uma realidade
que não consegue dominar (nem ele próprio)
as forças primitivas
quando já se tem pretendido ordens à vida humana
em conflito com outras surge agora
a necessidade dos Oásis Perdidos.

E vistas assim as coisas fragmentariamente é certo
e a custo na imensidão da desordem
a que terão de ser constantemente arrancadas
— são da máxima importância as Velhas Concepções
pois
a cada momento corremos grandes riscos
desconcertantes e de sinistra estranheza.

Resulta isto dum olhar rápido sobre a cidade desconhecida. Mais
E abstraindo dos versos que neste poema se referem ao mundo humano
vemos que ninguém até hoje se apossou do homem
como frágil véu que nos separa vedados e proibidos.


ANTÓNIO MARIA LISBOA

Publicado por samartaime às 01:38 AM | Comentários (1)

Comutador

Ergo-me de ti no zimbório
de folhas na penedia do castelo medieval
de limos na umidade da praia
de cristais entre os rochedos do Cabo Horn

Caminho de gelo na floresta
de sôfrego na vastidão do deserto
de louco na brancura do hospício

Eu abismo, eu cratera
inclinei-me e vi um espetáculo caprichoso: uma unha branca
uma unha branca a viver assim despreocupada

OGIVA-BORBOLETA
Arco-de-Cor caldo muito triste
Casulo de quem ninguém falou
Teia-de-Aranha exposta à loucura e ao tempo
Andorinha-Azul de chapéu mole e baratas na cama
VENTOINHA.

ANTÓNIO MARIA LISBOA

Publicado por samartaime às 01:27 AM | Comentários (0)

Conjugação

A construção dos poemas é uma
vela aberta ao meio e coberta de bolor é a
suspensão momentânea dum arrepio num dente fino Como
Uma Agulha A construção dos poemas
A CONSTRUÇÃO DOS POEMAS é como matar muitas pulgas
com unhas de oiro azul é como amar formigas
brancas obsessivamente junto ao peito olhar uma
paisagem em frente e ver um abismo ver o abismo e
sentir uma pedrada nas costas sentir a pedrada e
imaginar-se sem pensar de (repente NUM TÚMULO
EXAUSTIVO.

ANTÓNIO MARIA LISBOA

Publicado por samartaime às 12:48 AM | Comentários (0)

abril 11, 2006

As cinco letras em vidro

É um estilete de luz
a imensidade de que és feita
e contorna um azul-sonho-neve
igual aos cabelos que descobri a saírem da tua boca
- dos teus olhos de imaginação
- dos teus lábios curvos de aurora.

Saímos
enquanto as pessoas olhavam admiradas o Arco do Triunfo
deixando escorrer dos bolsos fitas e serpentinas
para tudo se passar como no pássaro
para deixar objectivamente escrito
nas margens do rio
do Mar
- o continente submerso
- o navio de todos os amantes
por onde rola a carruagem em que viajamos
pintada de Liberdade e de Poesia
contigo a dormir sobre o meu peito.

POR ISSO EU SENTI SER FÁCIL O SUICÍDIO
FÁCIL E POSSÍVEL.

Fixou-se no muro da tua residência
sobre a porta que se abre ao visitante
um símbolo mágico e de cabala
- a oportunidade do meu regresso
- a história maravilhosa que te direi na viagem.

Procurei
nas folhas espalhadas pelo nosso leito
a recordação do que há-de vir
- apenas no esparso
- no diverso
- no acto simultâneo de defesa
- no viajar de aeróstato incógnito de distância
- na noite mágica

NA PRIMEIRA GRANDE NOITE MÁGICA QUE NÓS
TIVEMOS.

Abriu-se a janela que caminhava sozinha
e saiu um sonho simples de criança:

O METEORO DA TRANSFORMAÇÃO

pousado a um canto o meu Jogo de Cabala

(um montinho de quadrados,
de círculos, de triângulos,
dispostos geometricamente
sobre um tabuleiro grande)

o meu Tratado de Magia Humana

(um caminho de ogivas, um
relógio a dar horas sobre
um túmulo em pé, os postes
magnéticos, os cordões da angústia)

FALO - no Laboratório Mágico ao dar-se a aparição espon-
tânea de Lautréamont e Freud que traziam sobre as
sobrancelhas um corte fino a atravessá-Ias lado a
lado: -
Ao aparecer a mulher escandalosamente
vestida de vermelho
ele dirige-se para a jovem
e os outros passeiam sobre as rochas
onde fica oculto o corpo do homem que chega continuamente
MUDO APONTA O HORIZONTE.

ANTÓNIO MARIA LISBOA

(1928 - 1953)

Publicado por samartaime às 12:32 AM | Comentários (0)

março 23, 2006

J A N E L A V O A D O R A

Dinah Washington (1924 - 1963)
Dinah-.jpg
Gary Kelley, «Jazz Diva - Dinah Washington», pastel.

Blue Gardenia
Invitation
Let's fall in love

Dinah images.jpg

E do famoso «A night at Birdland»,
com Art Blakey e Dizzy Gillespie

There goes my heart
What a difference a day made
Bitter Earth


Um fim de semana meigo e com beijos alegres, para tod@s

( files retirados)


Publicado por samartaime às 11:03 PM | Comentários (0)

dezembro 18, 2005

JANELA VOADORA

1.jpg

MARIA CALLAS
New York, 1923 - 1977, Paris


«Je veux vivre dans ce rêve»

Da ópera Carmen, de Bizet« L'amour»

(Files retirados)

Publicado por samartaime às 10:54 AM | Comentários (1)