« Presidente da Ucrânia manda matar
animais de rua em nome do EURO 2012
| Entrada | «É grego ou fala grego?» »

junho 08, 2012

VOLTAIRE JOHNSON




Por que razão me ferias com os teus rudes lugares,
se não querias que te falasse deles?
E me sufocavas com a tua estupidez,
se não querias que ta mostrasse?
E por que me picavas com os pregos da má-fé,
se não querias que eu os arrancasse
para tos atirar à cara?
E por que me matavas de fome por eu recusar obedecer-te,
se não querias que minasse a tua tirania?
A minha alma poderia ter sido tão serena
quanto a de William Wordsworth, se não fosses tu!
Mas que cobardia a tua, Spoon River,
ao pretenderes encerrar-me num círculo mágico
desenhado pela espada da Verdade!
E lamentares-te depois, maldizendo as queimaduras que sofreste
e também a minha força, que de pé permaneceu, a rir-se,
por entre os mais irónicos relâmpagos!


EDGAR LEE MASTERS

Spoon River Antology (1915)


Trad. José Miguel Silva // Relógio d’Água, 2003




Publicado por samartaime às junho 8, 2012 07:44 AM

Comentários

Comente




Recordar-me?

(pode usar HTML tags)