« fevereiro 2011 | Entrada | abril 2011 »

março 29, 2011

Tão pouca é a vida



Tão pouca é a vida,
o deslumbrado delírio da vida.

No tear se tecem os fios, o desenho das rendas,a
renda dos dias.
Ignoro quantos,
quantas tardes no fluir da paixão, quanto ouro e
azul na idade das mãos,
que idade no tear das mães.

Foram belas também no sonho antigo,
passearam entre os lírios,
desatavam a cabeleira e os vestidos,
iam à beira mar.

José Agostinho Baptista



Publicado por samartaime às 11:47 PM | Comentários (0)

Livro de Horas extraordinárias (2)



ENCANTATÓRIA

Custa é saber
como se invoca o ser
que assiste à escrita,
como se afina a má-
quina que a dita,
como no cárcere
nu se evita,
emparedado, a lá-
grima soltar.

Custa é saber
como se emenda morte,
ou se a desvia,
como a tecla certa arreda
do branco suporte
a porcaria.




LUIZA NETO JORGE





Publicado por samartaime às 06:54 PM | Comentários (0)

Livro de Horas extraordinárias (1)



RIFÃO QUOTIDIANO

Uma nêspera
estava na cama
deitada
muito calada
a ver o que acontecia

chegou a Velha
e disse
olha uma nêspera!
e zás, comeu-a

é o que acontece
às nêsperas
que ficam deitadas
caladas
a esperar o que acontece.




MÁRIO HENRIQUE LEIRIA





Publicado por samartaime às 06:52 PM | Comentários (0)

março 20, 2011

JAPÃO



Japão 5.jpg

Japão 4.jpg

Japão 3.jpg

Japão 6.jpg

Japão 8.jpg





Publicado por samartaime às 11:23 AM | Comentários (0)

março 19, 2011

Crucifixos nas escolas




A presença dos crucifixos nas escolas poderá não ser um atentado aos direitos humanos.

Mas é, com toda a certeza, uma grave falta aos deveres públicos da escola.

A não ser que se pretenda encher as paredes das salas de aula com crucifixos, budas, mesas pé-de- galo, alguidares com água para recolha noturna do grande astral, mapas astrológicos, fotos do Dalai Lama, Biblias e Corões e até com as inefáveis e estimulantes imagens do Kama Sutra - por que não?

É interessante notar como é fácil as pessoas entenderem que ter na parede uma bandeirola do Benfica é uma apologia do Benfica e não entenderem que ter um crucifixo é uma apologia do «crucificado».

Por questão de forma, os simbolos devem estar ausentes dos espaços públicos democráticos, que são pertença de todos os cidadãos.

Os conteúdos, sempre impositivos, não fazem parte da democracia: são apanágio das ditaduras.




Publicado por samartaime às 03:17 PM | Comentários (2)

março 18, 2011

Que faremos deste desconserto?




[...]

Nascemos rebarbativos
dum coito de ideias tolas
estamos vivos estamos vivos
fomos feitos em ceroulas.


Nascemos intempestades
dum parto de ideias falsas.
Somos homens na verdade
assim o provam as calças.


Ary, «Trovas genealógicas»



Publicado por samartaime às 05:19 PM | Comentários (0)

março 17, 2011

Assim vai a nova democracia egipcia




Arranca a fazedura da nova constituição:

Art. 75 (?) - As mulheres não podem candidatar-se à Presidência da República.

Art. 157 (?) - Um egipcio casado com uma estrangeira não pode candidatar-se à Presidencia da República.

Art.? - Mantem-se o estado de exceção decretado pela ocasião do assassinato de Sadat.




Publicado por samartaime às 10:33 PM | Comentários (0)

Gisela João - prova de artista




Lisboa, Jardim da Estrela, 4 de março de 2011

Gisela João "Malhão de São Simão" from Tiago Pereira on Vimeo.




Gisela João from Tiago Pereira on Vimeo.




Gisela João 2 from Tiago Pereira on Vimeo.



Publicado por samartaime às 06:37 PM | Comentários (0)

março 14, 2011

Naby



Dem naa




Suma reree



naby-PT.jpg


Na sexta-feira dia 18 de Março às 21h30, o Institut français du Portugal e a Embaixada do Principado de Andorra em Portugal, em parceria com a Sounds Good, apresentam, em estreia nacional, o cantor senegalês NABY, vencedor do Prémio Revelação Radio France International 2009.

É um concerto único que se realiza no âmbito da Festa da Francofonia 2011 e tem lugar no Institut français du Portugal.

Após muitos anos no meio underground de Dakar, Naby atingiu a consagração em 2004, com os seus primeiros concertos a solo, em primeira parte de nomes como, Youssou n'Dour, Alpha Blondy ou Positive Black Soul, tornando-se rapidamente numa das maiores promessas do seu país.

Em 2008 gravou, entre Dakar e Paris, o seu álbum de estreia "Dem Naa". Os temas são um convite à viagem num misto de reggae, hip hop, soul e funk... Este disco valeu-lhe , em 2009, para além do Prémio Revelação da prestigiada Radio France International (Prix Découvertes RFI 2009), a primeira parte em concertos de Angélique Kidjo e Tiken Jah Fakoli, entre muitos outros, bem como a presença em alguns dos maiores festivais europeus e mundiais.



Publicado por samartaime às 07:02 PM | Comentários (0)

março 11, 2011

«A Grande Onda de Kanagawa» voltou



great-waveHokusai.jpg

Hokusai (1760 – 1849)




Publicado por samartaime às 03:20 PM | Comentários (0)

março 10, 2011

Les dix stratégies
de manipulation de masses



Noam Chomsky


Le linguiste nord-américain Noam Chomsky a élaboré une liste des « Dix Stratégies de Manipulation » à travers les média. Nous la reproduisons ici. Elle détaille l'éventail, depuis la stratégie de la distraction, en passant par la stratégie de la dégradation jusqu'à maintenir le public dans l'ignorance et la médiocrité.

1/ La stratégie de la distraction

Élément primordial du contrôle social, la stratégie de la diversion consiste à détourner l’attention du public des problèmes importants et des mutations décidées par les élites politiques et économiques, grâce à un déluge continuel de distractions et d’informations insignifiantes. La stratégie de la diversion est également indispensable pour empêcher le public de s’intéresser aux connaissances essentielles, dans les domaines de la science, de l’économie, de la psychologie, de la neurobiologie, et de la cybernétique. « Garder l’attention du public distraite, loin des véritables problèmes sociaux, captivée par des sujets sans importance réelle. Garder le public occupé, occupé, occupé, sans aucun temps pour penser; de retour à la ferme avec les autres animaux. » Extrait de « Armes silencieuses pour guerres tranquilles »


2/ Créer des problèmes, puis offrir des solutions

Cette méthode est aussi appelée « problème-réaction-solution ». On crée d’abord un problème, une « situation » prévue pour susciter une certaine réaction du public, afin que celui-ci soit lui-même demandeur des mesures qu’on souhaite lui faire accepter. Par exemple: laisser se développer la violence urbaine, ou organiser des attentats sanglants, afin que le public soit demandeur de lois sécuritaires au détriment de la liberté. Ou encore : créer une crise économique pour faire accepter comme un mal nécessaire le recul des droits sociaux et le démantèlement des services publics.


3/ La stratégie de la dégradation

Pour faire accepter une mesure inacceptable, il suffit de l’appliquer progressivement, en « dégradé », sur une durée de 10 ans. C’est de cette façon que des conditions socio-économiques radicalement nouvelles (néolibéralisme) ont été imposées durant les années 1980 à 1990. Chômage massif, précarité, flexibilité,
délocalisations, salaires n’assurant plus un revenu décent, autant de changements qui auraient provoqué une révolution s’ils avaient été appliqués brutalement.


4/ La stratégie du différé

Une autre façon de faire accepter une décision impopulaire est de la présenter comme « douloureuse mais nécessaire », en obtenant l’accord du public dans le présent pour une application dans le futur. Il est toujours plus facile d’accepter un sacrifice futur qu’un sacrifice immédiat. D’abord parce que l’effort n’est pas à fournir tout de suite. Ensuite parce que le public a toujours tendance à espérer naïvement que « tout ira mieux demain » et que le sacrifice demandé pourra être évité. Enfin, cela laisse du temps au public pour s’habituer à l’idée du changement et l’accepter avec résignation lorsque le moment sera venu.


5/ S’adresser au public comme à des enfants en bas-âge

La plupart des publicités destinées au grand-public utilisent un discours, des arguments, des personnages, et un ton particulièrement infantilisants, souvent proche du débilitant, comme si le spectateur était un enfant en bas-âge ou un handicapé mental. Plus on cherchera à tromper le spectateur, plus on adoptera un ton infantilisant. Pourquoi ? «Si on s’adresse à une personne comme si elle était âgée de 12 ans, alors, en raison de la suggestibilité, elle aura, avec une certaine probabilité, une réponse ou une réaction aussi dénuée de sens critique que celle d’une personne de 12 ans». Extrait de «Armes silencieuses pour guerres tranquilles»


6/ Faire appel à l’émotionnel plutôt qu’à la réflexion

Faire appel à l’émotionnel est une technique classique pour court-circuiter l’analyse rationnelle, et donc le sens critique des individus. De plus, l’utilisation du registre émotionnel permet d’ouvrir la porte d’accès à l’inconscient pour y implanter des idées, des désirs, des peurs, des pulsions, ou des comportements…


7/ Maintenir le public dans l’ignorance et la bêtise

Faire en sorte que le public soit incapable de comprendre les technologies et les méthodes utilisées pour son contrôle et son esclavage. « La qualité de l’éducation donnée aux classes inférieures doit être la plus pauvre, de telle sorte que le fossé de l’ignorance qui isole les classes inférieures des classes supérieures soit et demeure incompréhensible par les classes inférieures. Extrait de « Armes silencieuses pour guerres tranquilles »


8/ Encourager le public à se complaire dans la médiocrité

Encourager le public à trouver « cool » le fait d’être bête, vulgaire, et inculte…


9/ Remplacer la révolte par la culpabilité

Faire croire à l’individu qu’il est seul responsable de son malheur, à cause de l’insuffisance de son intelligence, de ses capacités, ou de ses efforts. Ainsi, au lieu de se révolter contre le système économique, l’individu s’auto-dévalue et culpabilise, ce qui engendre un état dépressif dont l’un des effets est l’inhibition de l’action. Et sans action, pas de révolution!…


10/ Connaître les individus mieux qu’ils ne se connaissent eux-mêmes

Au cours des 50 dernières années, les progrès fulgurants de la science ont creusé un fossé croissant entre les connaissances du public et celles détenues et utilisées par les élites dirigeantes. Grâce à la biologie, la neurobiologie, et la psychologie appliquée, le « système » est parvenu à une connaissance avancée de l’être humain, à la fois physiquement et psychologiquement. Le système en est arrivé à mieux connaître l’individu moyen que celui-ci ne se connaît lui-même. Cela signifie que dans la majorité des cas, le système détient un plus grand contrôle et un plus grand pouvoir sur les individus que les individus eux-mêmes




Publicado por samartaime às 06:25 PM | Comentários (0)

março 09, 2011

A Conspiração do silêncio:
Portugal e o fim do império colonial



Elsa Peralta (*)


« Após períodos de grandes febres – levantamentos, guerras, revoluções, massacres, genocídios – as sociedades acumulam silêncios para que todos os cidadãos prossigam a sua vida em conjunto. É somente depois que as memórias dolorosas retornam à superfície das sociedades. E então, às vezes, conflitos começam [ii].

Com estas palavras, o reputado historiador francês Benjamin Stora abre o prefácio à obra colectiva Les Guerres de Mémoires, la France et son Histoire dirigida por Pascal Blanchard et Isabelle Veyrat-Masson, um livro que procura fornecer uma visão panorâmica sobre os vários conflitos que irrompem na sociedade francesa como resultado do embate público entre diferentes versões sobre o passado nacional. Estes conflitos são não apenas factores de destabilização da integridade da narrativa nacional, pondo em causa o próprio modelo republicano que lhe dá forma, como também captam a atenção para acontecimentos históricos sobre os quais antes recaía uma aparente amnésia colectiva.

Estes fenómenos não são exclusivos do contexto social e político francês, embora aí se tenham revelado em tempos recentes particularmente expressivos, mas antes são extensíveis a outros colectivos que têm de lidar com acontecimentos violentos ou episódios traumáticos dos seus respectivos passados nacionais. Estes acontecimentos são tanto mais problemáticos quanto a sua capacidade de destabilizar ou desestruturar narrativas estabelecidas e indisputadas sobre a identidade colectiva. Daí que, como refere Stora, um aparente esquecimento possa ser produtivo em períodos de grande conturbação política e social, pois mexer nas feridas do passado nestes momentos poderia abalar irremediavelmente as fundações em que assenta a solidariedade colectiva e, nesse sentido, pôr em causa o projecto nacional. É preciso tempo para lembrar o que não é passível de ser esquecido.

Enquanto isso não acontece, a lembrança contida na fala ou no corpo daqueles que viveram essas “grandes febres” de que fala Stora volve-se em silêncio. Um silêncio que mascara a culpa, o ressentimento, o medo e a vergonha, por baixo de uma superfície anódina e banal que serve de filtro à forma como os colectivos se relacionam com os traumas do passado. Através de um acordo tácito, socialmente estabelecido, capaz inclusivamente de vincular percursos sociais altamente assimétricos, estabelecem-se “conspirações de silêncio”, como as designou Eviatar Zerubavel[iii], mediante as quais se dita o que se pode - e o que não se pode - falar acerca do que é calado. Até que o silêncio é quebrado, e o que todos sabem existir sob a superfície do discurso público não mais pode ser ignorado.

Através do romance, tantas vezes auto-biográfico, da arte, do documentário, ou do humor, o indizível é dito, em tom emocional, parcial, implicado, explosivo. É geralmente nestas condições que o conflito emerge. As versões públicas autorizadas que sancionam o esquecimento destes passados por via da sua integração intencional num esquema de recordação abrangente e trivial, bem como os pactos de silêncio que se mantêm no tecido social, são destabilizados por incómodas e imprevistas erupções da memória que trazem à superfície as ambiguidades dos legados problemáticos. Emanadas a partir da experiência retida ou por via do estabelecimento de um diálogo criativo com o passado, estas erupções não carecem de aval público nem de acuidade para serem legítimas no seio dos debates sobre a memória, pois a sua autenticidade reside na capacidade que têm de instarem a uma revisão do passado à luz das condições contextuais do presente que convidam à sua actualização.

Em Portugal, pelo facto das formulações da identidade nacional estarem tão fortemente associadas ao império, o seu fim não é recordado de uma forma especialmente efusiva. Nos palcos da memória veiculada pelas instâncias oficiais, na escola, em exposições, em ocasiões de estado, ou pela esfera mediática, em concursos televisivos, na música, e por vezes na literatura, o império mantém-se indisputável fonte orgulho colectivo, concebendo a identidade nacional à luz de um quadro idílico de trocas interculturais e de diálogos civilizacionais estabelecidos por via das extensões imperiais da nação. Salvo em raras excepções, como o caso da série Debret do artista plástico Vasco Araújo, que expõe cruamente as assimétricas relações de poder subjacentes ao projecto imperial mediante a exposição da violência exercida sobre os corpos colonizados, a memória pública associada ao império português, aqui concebido na sua longa duração, é francamente celebratória e apologética.

Talvez por isso, tanto no domínio académico como no de uma esfera mais ampla da designada sociedade civil, tenha sido notória a desatenção aos aspectos mais problemáticos da história do império, nomeadamente os associados ao seu fim, como a guerra colonial e o súbito repatriamento do ultramar de centenas de milhar de portugueses quando são concedidas as independências às colónias portuguesas em África. Também no domínio privado, das sociabilidades mais íntimas, se aprendeu a não perguntar sobre a guerra, ou a recordar África, e o retorno, de acordo com um punhado de lugares-comuns imputrescíveis, criando assim as condições para a transmissão geracional do silêncio. Acresce que, contrariamente ao verificado em outros contextos nacionais marcados por processos de descolonização, em que representantes das populações repatriadas, como os pieds-noirs em França, têm mantido uma voz activa nas guerras da memória, não se verificou em Portugal o desenvolvimento de um movimento associativo suficientemente forte para dar corpo e expressão identitária a um colectivo delimitável pela experiência do repatriamento, capaz de, a partir daí, contribuir para a problematização da memória do império colonial português.

Contudo, a expressividade da população portuguesa implicada no retorno, eventualmente envolvendo mais do que o meio milhão de pessoas identificado por Rui Pena Pires no estudo sociográfico publicado em 1984[iv], é um indicador suficiente para supor que as representações detidas por esta população, embora informadas por vivências específicas bem como por trajectórias sociais particulares, são influentes na forma como o colonialismo português e o seu fim são recordados e esquecidos. Porém, o facto de o repatriamento ter sido rápido e súbito, tendo sucedido maioritariamente em 1975, e de ter ocorrido num momento de agitação social e política, bem como a ideia de que a integração foi relativamente fácil, são factores que contribuem para um alheamento em relação às fracturas deixadas na sociedade portuguesa por este fenómeno em particular, e pelos legados coloniais em geral.

Este alheamento tem, porém, encontrado a sua expressão de protesto no campo da literatura, onde é notória uma obsessão memorialista associada ao fim do império, primeiro com a publicação de autobiografias ficcionadas ou romances autobiográficos focados na guerra colonial e, mais recentemente, na própria experiência colonial, com extensões para a descolonização e subsequente repatriamento. Geralmente relatos retrospectivos escritos na primeira pessoa, intersectando trajectórias individuais com a experiência colectiva do colonialismo português, estas narrativas sempre denunciam, independentemente da sua forma e conteúdo, as tensões geradas pelos legados coloniais, enunciando uma relação visceral com este passado, impressa no corpo, evocada pelos sentidos ou actualizada pelos afectos.
» [...]


Notas da autora relativas aos parágrafos selecionados:

[ii] Benjamin Stora, “Preface”, Pascal Blanchard et Isabelle Veyrat-Masson (dir.), Les guerres de mémoires, la France et son histoire,Paris, La Découverte, 2008, p.7.

[iii] Eviatar Zerubavel, The Elephant in the Room: Silence and denial in everyday life, Oxford and New York, Oxford University Press, 2006, p.2.

[iv] Rui Pena Pires et al, Os Retornados: Um Estudo Sociográfico, Lisboa, Instituto de Estudos para o Desenvolvimento, 1984.




(*) Elsa Peralta

Doutorada em Ciências Sociais (especialidade Antropologia Cultural) pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, onde foi Assistente e depois Professora Auxiliar. É actualmente investigadora de pós-doutoramento no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Honorary Research Fellow na Universidade de Manchester. Co-editora, com Marta Anico, das obras Património e Identidade: Ficções Contemporâneas (Celta, 2006) e Heritage and Identity: Engagement and Demission in the Contemporary World (Routledge, 2009) e autora de A Memória do Mar: Património, Tradição e (re)imaginação Identitária na Contemporaneidade (ISCSP, 2008), bem como de vários artigos científicos, tem focado a sua investigação nas temáticas do património e da memória cultural, das identidades, da cultura e do significado. Mais recentemente tem-se dedicado à investigação da memória (e do esquecimento) do império colonial português no espaço público nacional no período pós-colonial.





Fonte: BUALA



Publicado por samartaime às 05:20 PM | Comentários (0)

março 08, 2011

Memórias particulares



[...]« Mas, lido o livro numa noite, de uma assentada, percebi uma coisa. A minha África é diferente da África dela. Não encontro, nas memórias da minha família, desprezo ou ódio. Nenhum. Só culpa. A minha África é uma história que cada um de nós carrega em silêncio, sem nunca lhe mexer. Porque magoa. É uma história com apenas quatro personagens: o jovem goês; a negra, menina-mulher, sozinha na beira de um caminho de poeira vermelha a chorar, sem homem e sem filho; a enfermeira, a mais bonita do lar da rua da Sociedade Farmacêutica, que se casou com o goês e fez seu o filho da negra; o menino sem memória, mulato, que se aninha no colo da enfermeira portuguesa e lhe pede “mamã, faz-me cabelo de branco”. »


ana de amsterdam




Publicado por samartaime às 11:35 AM | Comentários (0)

março 03, 2011

Revolução pacífica na Islândia:
silêncio dos media



Por incrível que possa parecer, uma verdadeira revolução democrática e
anticapitalista ocorre na Islândia neste preciso momento e ninguém fala
dela, nenhum meio de comunicação dá a informação, quase não se vislumbrará
um vestígio no Google: numa palavra, completo escamoteamento. Contudo, a
natureza dos acontecimentos em curso na Islândia é espantosa:

um Povo que corre com a direita do poder sitiando pacificamente o palácio presidencial,
uma "esquerda" liberal de substituição igualmente dispensada de"responsabilidades" porque se propunha pôr em prática a mesma política que a direita, um referendo imposto pelo Povo para determinar se se devia reembolsar ou não os bancos capitalistas que, pela sua irresponsabilidade, mergulharam o país na crise,

uma vitória de 93% que impôs o não reembolso dos bancos, uma nacionalização dos bancos

e, cereja em cima do bolo deste processo a vários títulos "revolucionário": a eleição de uma assembleia constituinte a 27 de Novembro de 2010, incumbida de redigir as novas leis fundamentais que traduzirão doravante a cólera popular contra o capitalismo e as aspirações do Povo por outra sociedade.

Quando retumba na Europa inteira a cólera dos Povos sufocados pelo garrote
capitalista, a actualidade desvenda-nos outro possível, uma história em
andamento susceptível de quebrar muitas certezas e sobretudo de dar às lutas
que inflamam a Europa uma perspectiva: a reconquista democrática e popular
do poder, ao serviço da população.

Mais info, aqui: http://www.cadtm.org/Quand-l-Islande-reinvente-la

Desde Sábado 27 de Novembro, a Islândia dispõe de uma Assembleia
constituinte composta por 25 simples cidadãos eleitos pelos seus pares. É
seu objectivo reescrever inteiramente a constituição de 1944, tirando
nomeadamente as lições da crise financeira que, em 2008, atingiu em cheio o
país.

Desde esta crise, de que está longe de se recompor, a Islândia
conheceu um certo número de mudanças espectaculares, a começar pela
nacionalização dos três principais bancos, seguida pela demissão do governo
de direita sob a pressão popular.

As eleições legislativas de 2009 levaram
ao poder uma coligação de esquerda formada pela Aliança (agrupamento de
partidos constituído por social-democratas, feministas e ex-comunistas) e
pelo Movimento dos Verdes de esquerda. Foi uma estreia para a Islândia, bem
como a nomeação de uma mulher, Johanna Sigurdardottir, para o lugar de
Primeiro-ministro.




FONTE: 24 de Janeiro de 2011, Jean REX
http://www.parisseveille.info/quand-l-islande-reinvente-la,2643.html




Publicado por samartaime às 11:00 PM | Comentários (0)