« junho 2008 | Entrada | outubro 2008 »

julho 09, 2008

Gaivota 3.JPG
(foto «samartaime»)


«A viagem é uma sucessão de irreparáveis desaparições.»

Paul Nizan(1905-1940)


Publicado por samartaime às 11:27 AM | Comentários (0)

julho 07, 2008

Pastoral


Quando era mais jovem
tinha a certeza
que devia fazer algo da minha vida.
Agora, mais velho,
caminho por vielas
admirando as casas
dos muito pobres:
telhados desengonçados
pátios cheios de
velho arame de capoeiras, cinzas,
móveis desconjuntados;
as cercas e os anexos
construidos com aduelas
e tábuas de caixotes, todos,
com alguma sorte,
sujos de um verde-azulado
cuja pátina
me agrada mais
que qualquer cor.

    Ninguém
acreditará que isto
seja tão importante para a nação.


William Carlos Williams

Trad. de José Agostinho Baptista





Publicado por samartaime às 04:13 PM | Comentários (0)

julho 04, 2008


FLORES`À BEIRA DO MAR

Quando sobre a nítida, florida orla da
pastagem, o oceano invisível e salgado

ergue a sua forma - chicória e margaridas
atadas, soltas, quase não parecem flores

mas somente cor e movimento - ou talvez a
forma - do desassossego, enquanto

fechado em circulo o mar se move tranquilamente
como um planta sobre o caule


William Carlos Williams

Trad. José Agostinho Baptista


Publicado por samartaime às 11:46 PM | Comentários (0)

julho 03, 2008

A Dr.ª Ferreira Leite e os homossexuais


Disse a Dr.ª Ferreira Leite na TV - e o Público, qual espadilha, confirma - ,
que não tem nada contra a homossexualidade. Entendo-a: como qualquer tecnocrata foi clara, eficiente e banal.
No seguimento do seu raciocínio e já um tanto agastada pelo peso do esforço de entendimento, adiantou a Dr.ª Ferreira Leite que, no entanto, é contra o casamento legal entre homossexuais.
Aqui, baralhei-me.
A Dr.ª Ferreira Leite defende, implicitamente, dois tipos de casamento: o legal e o ilegal. E é aqui que a porca torce o rabo: não entendo essa figura do casamento ilegal. Sempre pensei que o casamento ou era ou não era. O casamento ilegal é que não entendo mesmo: lá vou ter de esperar que o Pacheco Pereira troque em miúdos essa complexidade inóspita!
A Dr.ª Ferreira Leite mais uma vez me azedou o leite sem que lhe veja utilidade.
Querem ver que eu, que sou contra o casamento, que vivo há 30 e tal anos com a mesma pessoa, não querem lá ver que, calhando, não só estou casada contra a minha vontade como ninguém se lembrou de me participar o tal do meu casamento e, ainda por cima, só 30 anos depois, qual Conde de Monte-Cristo do matrimónio, sei que estou num casamento ilegal?
E isso dá direito a quê?
A prisão preventiva?
A cadeia?
A pulseira electrónica?

A estrela amarela ao peito?

A cruz roxa na testa?

Não contente, a Dr.ª Ferreira Leite com receio de não ter sido suficientemente explícita esclareceu «que não se pode dar o mesmo estatuto» - aos homossexuais, evidentemente.
Que nisto do estatuto é que reside o busílis do desempenho ou não do papel – sociologicamente falando;
e, muito paralela e popularmente dito, de ter ou não ter papel passado - civilmente falando.

No Teatro, o faz de conta da vida, o problema não se põe: qualquer homossexual pode, com toda a dignidade, representar o papel de casado e dar um enxurro de porrada na mulher que nem a ASAE se alarma.
Mas podemos muito bem à saída ouvir comentários do tipo: «Viste como o cabrão do maricas fez aquilo bem?».
Estes comentadores são os seus companheiros de ocasião, Dr.ª Ferreira Leite.
Esperava melhor da sua capacidade.
Na Vida a homossexualidade existe, simplesmente.
E os «actos que definem socialmente a homossexualidade» são ainda mais comuns e correntes do que os tecnocratas e burocratas da moral vigente sempre pretenderam e pretendem fazer crer.
Olhe à sua volta, olhe os seus pares, olhe o seu povo.
Não lhes olhe as carteiras: olhe-lhes «as cadeiras».
E quando, desassombradamente embora, voltar a assumir que pretende discriminar os homossexuais unicamente pela sua diferença, lembre-se que é concorrente a um lugar político.
E que mesmo eu, que não gosto do político José Sócrates, votaria nele contra si.

Publicado por samartaime às 07:47 PM | Comentários (0)

julho 02, 2008

A Drª Ferreira Leite e os homossexuais



Disse a Dr.ª Ferreira Leite na TV - e o Público, qual espadilha, confirma - ,
que não tem nada contra a homossexualidade. Entendo-a: como qualquer tecnocrata foi clara, eficiente e banal.

No seguimento do seu raciocínio e já um tanto agastada pelo peso do esforço de entendimento, adiantou a Dr.ª Ferreira Leite que, no entanto, é contra o casamento legal entre homossexuais.
Aqui, baralhei-me.

A Dr.ª Ferreira Leite defende, implicitamente, dois tipos de casamento: o legal e o ilegal. E é aqui que a porca torce o rabo: não entendo essa figura do casamento ilegal. Sempre pensei que o casamento ou era ou não era. O casamento ilegal é que não entendo mesmo: lá vou ter de esperar que o Pacheco Pereira troque em miúdos essa complexidade inóspita!

A Dr.ª Ferreira Leite mais uma vez me azedou o leite sem que lhe veja utilidade.
Querem ver que eu, que sou contra o casamento, que vivo há 30 e tal anos com a mesma pessoa, não querem lá ver que, calhando, não só estou casada contra a minha vontade como ninguém se lembrou de me participar o tal do meu casamento e, ainda por cima, só 30 anos depois, qual Conde de Monte-Cristo do matrimónio, sei que estou num casamento ilegal?
E isso dá direito a quê?
A prisão preventiva?
A cadeia?
A pulseira electrónica?
A estrela amarela ao peito?
A cruz roxa na testa?


Não contente, a Dr.ª Ferreira Leite com receio de não ter sido suficientemente explícita esclareceu «que não se pode dar o mesmo estatuto» - aos homossexuais, evidentemente.

Que nisto do estatuto é que reside o busílis do desempenho ou não do papel – sociologicamente falando;
e, muito paralela e popularmente dito, de ter ou não ter papel passado - civilmente falando.

No Teatro, o faz de conta da vida, o problema não se põe: qualquer homossexual pode, com toda a dignidade, representar o papel de casado e dar um enxurro de porrada na mulher que nem a ASAE se alarma.
Mas podemos muito bem à saída ouvir comentários do tipo: «Viste como o cabrão do maricas fez aquilo bem?».
Estes comentadores são os seus companheiros de ocasião, Dr.ª Ferreira Leite.
Esperava melhor da sua capacidade.

Na Vida a homossexualidade existe, simplesmente.
E os «actos que definem socialmente a homossexualidade» são ainda mais comuns e correntes do que os tecnocratas e burocratas da moral vigente sempre pretenderam e pretendem fazer crer.

Olhe à sua volta, olhe os seus pares, olhe o seu povo.
Não lhes olhe as carteiras: olhe-lhes «as cadeiras».

E quando, desassombradamente embora, voltar a assumir que pretende discriminar os homossexuais unicamente pela sua diferença, lembre-se que é concorrente a um lugar político.
E que mesmo eu, que não gosto do político José Sócrates, votaria nele contra si.


Publicado por samartaime às 12:05 PM | Comentários (0)

julho 01, 2008

Lizz Wright



Orchard.jpg


«Leave Me Standing Alone»


«This Is»


«Song For Mia»


Lizz Wright.jpg «Coming Home».


Publicado por samartaime às 10:25 PM | Comentários (0)