« outubro 2007 | Entrada | dezembro 2007 »

novembro 30, 2007

What Samartaime Means
S is for Special

A is for Abstract

M is for Moral

A is for Arty

R is for Rebellious

T is for Tender

A is for Ambitious

I is for Important

M is for Mesmerizing

E is for Earnest

What Does Your Name Mean?

Ena pá! ...
Vou de fim de semana que isto é muita qualidade para tão pouco de gente!
Valha-me o inefável santo ambrósio mais a imarcescível corte celestial!

( A culpa foi da Mente, a quem invejei a panóplia!)

Publicado por samartaime às 09:01 PM | Comentários (0)

novembro 25, 2007

Os putos

Vamos lá ver se crescem depressa, que isto já passou «os limites» da paciência

Publicado por samartaime às 05:58 PM | Comentários (0)

novembro 20, 2007

Pier Paolo Pasolini

Pasolini 001.jpgPasolini 003.jpg
( Bolonha, 5 de março de 1922 - assassinado em Ostia, 2 de novembro de 1975 )


Trasumanar e organizzar
Garzanti editore

«Hierarquia»

Se chego numa cidade
além do oceano
Chego muitas vezes numa cidade nova, transportado pela dúvida.
Convertido de um dia pro outro em peregrino
de uma fé na qual não creio;
representante de uma mercadoria há muito depreciada,
mas é grande, sempre, uma estranha esperança --
Desço do avião com o andar culpado,
o rabo entre as pernas, e uma necessidade eterna de mijar,
que me faz caminhar um tanto vergado com um sorriso incerto --
Safar-se da alfândega e, muitas vezes, dos fotógrafos:
administração de rotina que cada um trata como exceção.
Depois o desconhecido.
Quem passeia às quatro da tarde
ao longo dos canteiros cheios de árvores
e pelos bulevares de uma cidade desesperada onde europeus pobres
vieram recriar um mundo à imagem e semelhança do deles,
forçados pela pobreza a fazer de um exílio a vida?
De olho no meu trabalho, nos meus deveres --
Depois, nas horas vagas,
começa minha busca, como se também ela fosse culpa --
A hierarquia está porém bem clara na minha cabeça.
Não há Oceano que resista.
Dessa hierarquia os últimos são os velhos.
Sim, os velhos, a cuja categoria começo a pertencer
(não falo do fotógrafo Saderman que com sua mulher
amiga já da morte me acolhe sorrindo
no pequeno estúdio de toda a sua vida)
Sim, existem alguns velhos intelectuais
que na Hierarquia
se colocam à altura dos michês mais bonitos
os primeiros a serem encontrados nos lugares que a gente logo descobre
e que como Virgílios nos conduzem com popular delicadeza
alguns velhos são dignos do Empíreo,
são dignos de figurar junto ao primeiro garoto do povo
que se dá por mil cruzeiros em Copacabana
ambos são o meu guia
que me segurando pela mão com delicadeza,
a delicadeza do intelectual e a do operário
(além do mais desempregado)
a descoberta da invariabilidade da vida
requer inteligência e amor
Vista do hotel da rua Resende Rio --
a ascese precisa do sexo, do caralho --
aquela portinhola do hotel onde se paga o cubículo --
se olha o Rio por dentro, numa aparência da eternidade,
a noite de chuva que não refresca,
e banha as ruas miseráveis e os escombros,
e as últimas cornijas do liberty dos portugueses pobres
milagre sublime!
E portanto Josué Carrea é o Primeiro na Hierarquia,
e com ele Harudo, que veio criança da Bahia, e Joaquim.
A favela era como Cafarnaum sob o sol --
percorrida pelos regos dos esgotos
barraco sobre barraco
vinte mil famílias
(ele na praia me pedindo cigarro como um prostituto)
Não sabíamos que pouco a pouco nos revelaríamos,
prudentemente, uma palavra após a outra,
dita quase distraidamente:
sou comunista, e: sou subversivo;
sou soldado numa divisão especialmente treinada
para lutar contra os subversivos e torturá-los;
mas eles não sabem;
ninguém se dá conta de nada;
só pensam em viver
(me falando do subproletariado)
A Favela, fatalmente, nos esperava
eu, grande conhecedor, ele, guia --
seus pais nos acolheram, e o irmãozinho nu
recém-saído de trás do oleado --
pois é, invariabilidade da vida, a mãe
conversou comigo como Maria Limardi, me preparando uma limonada
sagrada do hóspede; a mãe de cabelos brancos mas ainda jovem na carne;
envelhecida como envelhecem os pobres, embora moça;
sua gentileza e a de seu companheiro,
fraternal com o filho que por sua exclusiva vontade
era agora como um mensageiro da Cidade --
Ah, subversivos, procuro o amor e encontro vocês.
Procuro a perdição e encontro a sede de justiça.
Brasil minha terra,
Terra dos meus verdadeiros amigos,
Que não se ocupam de nada
Ou se tornam subversivos e como santos ficam cegos.
No círculo mais baixo da Hierarquia de uma cidade
imagem do mundo que de velhos se fez novo,
coloco os velhos, os velhos burgueses,
porque um velho proletário da cidade continua sempre moço
Não tem nada a perder --
anda de calção e camiseta como o filho Joaquim.
Os velhos, a minha categoria,
queiram eles ou não --
Não se pode fugir do destino de possuir o Poder, ele se coloca sozinho
lenta e fatalmente nas mãos dos velhos,
mesmo que tenham as mãos furadas
e sorriam humildemente como mártires sátiros --
Acuso os velhos de terem apesar de tudo vivido,
acuso os velhos de terem aceitado a vida
(e podiam não aceitá-la, mas não existem vítimas inocentes)
a vida se acumulando deu o que queria dar --
acuso os velhos de terem feito a vontade da vida.
Voltemos à Favela
onde as pessoas ou não pensam em nada
ou querem se tornar mensageiras da Cidade
ali onde os velhos são filo-americanos --
dentre os jovens que jogam bola com bravura
em frente a cumeeiros encantados sobre o frio Oceano,
quem quer alguma coisa e sabe que quer, foi escolhido por acaso --
inexperientes em imperialismo clássico
em qualquer delicadeza para com o velho Império a ser desfrutado
os Americanos separam uns dos outros os irmãos supersticiosos
sempre aquecidos por seu sexo como bandidos por uma fogueira de sarças
É assim por puro acaso que um brasileiro é fascista e um outro é subversivo;
aquele que arranca os olhos
pode ser tomado por aquele a quem se arrancam os olhos.
Joaquim não poderia jamais se distinguir de um fascínora.
Por que então não amá-lo se o fosse?
Também o fascínora está no vértice da Hierarquia,
com seus traços simples apenas esboçados
como seu olho simples
sem outra luz que não a da carne
Assim no cume da Hierarquia
encontro a ambigüidade, o nó inextricável.
Ó Brasil, minha desgraçada pátria,
devotada sem escolha à felicidade
(de tudo o dinheiro e a carne são donos
enquanto tu és assim tão poético)
dentro de cada habitante teu, meu concidadão,
existe um anjo que não sabe de nada,
sempre debruçado sobre seu sexo,
e, velho ou jovem, se apressa
a pegar em armas e lutar,
indiferentemente, pelo fascismo ou pela liberdade --
Ó Brasil, minha terra natal, onde
as velhas lutas -- bem ou mal, já vencidas --
para nós, velhos, voltam a fazer sentido --
respondendo à graça dos delinqüentes ou dos soldados
à graça brutal.

(Tradução de Michel Lahud)

pierpaolo1975.jpg


Aqui: quase tudo sobre Pasolini

Lamento per la morte di Pasolini , Giovanna Marini

Alberto Moravia - Orazione funebre per la Morte di Pasolini

Pasolini sulla morte di Marilyn Monroe (from La Rabbia)

Oedipus the King Part 1

Callas & Pasolini - Medea (the film)

Pasolini's Trilogy of Life - 3 preview trailers

Publicado por samartaime às 04:57 PM | Comentários (0)

novembro 17, 2007

CapaDisfun%C3%A7%C3%A3o20001.jpg


Ontem já estava à venda na FNAC/ Chiado

Publicado por samartaime às 01:00 AM | Comentários (0)

novembro 16, 2007

E mais outra!...


Professores das AEC não recebem !...

As Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC), há quem as designe de Actividades de Empobrecimento Curricular, nasceram algo tortas e, como diz a sábia voz do povo, «aquilo que nasce torto, tarde ou mal se endireita».
Não querendo tomar a parte pelo todo, não me atrevo, para já, a juntar-me ao exército, que tem visto as suas fileiras engrossarem, daqueles que diabolizam as AEC. Apesar de não ser novidade para ninguém que me conheça que não concordo com o modelo adoptado nem com os objectivos (se é que estes existem) que estas se propões alcançar. Todavia, posso afirmar, convictamente, que este modelo contribui para o empobrecimento dos professores envolvidos no projecto.
A trabalharem desde Setembro sem receberem um cêntimo pelos seus serviços é absolutamente inaceitável. Não esqueçamos que estes profissionais trabalham a «Recibo Verde», portanto há uma boa parte do ano em que não recebem coisa alguma. Isto já é preocupante. Pensar que estas pessoas desde Julho que não auferem qualquer vencimento suscita-me algumas questões: Quem paga a renda / prestação da casa? Quem paga a alimentação? Quem paga a água, a luz, o telefone? Como é que se vive assim? Não esqueçamos que muitos têm que se deslocar em transporte próprio para a (s) escola (s) onde leccionam. Não sei se esta situação se está a passar em todo o país. Em Viseu esta é uma realidade dramática. Parece que os vencimentos estão a ser processados…estavam…estarão…Ninguém sabe ao certo.
O que sei é que há gente a vivenciar situações dramáticas. Um amigo disse-me que não sabe se o dinheiro que ainda lhe resta será suficiente para o combustível que lhe permita deslocar-se às várias escolas em que trabalha. Aqui está outra aberração: contratam imensa gente e depois atribuem apenas 12 horas a cada professor, horas distribuídas por distintos locais, obrigando a várias deslocações diárias.
Se não expusesse esta situação vergonhosa e lamentável hoje, tenho a sensação de que nem dormiria em paz. Outros há que estão, dado o adiantado da hora, tranquilamente a sonhar com a cabeça na almofada. Enquanto isso, muitos fazem das tripas o coração, encetando majestosos malabarismos, para fazerem face às necessidades básicas do quotidiano.
Que vergonha!!!


Publicado em CEGUEIRALUSA

Publicado por samartaime às 12:27 AM | Comentários (0)

novembro 15, 2007

Mais uma!

Ex.mo Senhor Ministro das Finanças

Victor Lopes da Gama Cerqueira, cidadão eleitor e contribuinte deste País, com o número de B.I. 8388517, do Arquivo de identificação de Lisboa, contribuinte n.º152115870 vem por este meio junto de V.Ex.a para lhe fazer uma proposta:

A minha Esposa, Maria Amélia Pereira Gonçalves Sampaio Cerqueira, foi vítima de CANCRO DE MAMA em 2004, foi operada em 6 Janeiro com a extracção radical da mesma.

Por esta "coisinha" sem qualquer importância foi-lhe atribuída uma incapacidade de 80%, imagine, que deu origem a que a minha Esposa tenha usufruído de alguns benefícios fiscais.

Assim, e tendo em conta as suas orientações, nomeadamente para a CGA, que confirmam que para si o CANCRO é uma questão de só menos importância.

Considerando ainda, o facto de V. Ex.ª, coerentemente, querer que para o ano seja retirado os benefícios fiscais, a qualquer um que ganhe um pouco mais do que o salário mínimo, venho propor a V. Ex.ª o seguinte:

a) a devolução do CANCRO de MAMA da minha Mulher a V. Ex.ª que, com os meus cumprimentos o dará à sua Esposa ou Filha.

b) Concomitantemente com esta oferta gostaria que aceitasse para a sua Esposa ou Filha ainda:

c) os seis (6) tratamentos de quimioterapia.

d) os vinte e oito (28) tratamentos de radioterapia.

e) a angustia e a ansiedade que nós sofremos antes, durante e depois.

f) os exames semestrais (que desperdício Senhor Ministro, terá que orientar o seu colega da saúde para acabar com este escândalo).

g) ansiedade com que são acompanhados estes exames.

h) A angústia em que vivemos permanentemente.

Em troca de V. Ex.ª ficar para si e para os seus com a doença da minha Esposa e os nossos sofrimentos eu DEVOLVEREI todos os benefícios fiscais de que a minha Esposa terá beneficiado, pedindo um empréstimo para o fazer.

Penso sinceramente que é uma proposta justa e com a qual, estou certo, a sua Esposa ou filha também estarão de acordo.

Grato pela atenção que possa dar a esta proposta, informo V.Ex.a que darei conhecimento da mesma a Sua Ex.ª o Presidente da República, agradecendo fervorosamente o apoio que tem dispensado ao seu Governo e a medidas como esta e também o aumento de impostos aos reformados e outras...

Reservo-me ainda o direito (será que tenho direitos?) de divulgar esta carta como muito bem entender.

Como V. Ex.ª não acreditará em Deus (por se considerar como tal...) e por isso dorme em paz, abraçando e beijando os seus, só lhe posso desejar que Deus lhe perdoe, porque eu não posso (jamais) perdoar-lhe.

Atentamente

Victor Lopes da Gama Cerqueira

> 19/Outubro/2007>

(e-mail em circulação na net)

Publicado por samartaime às 11:21 PM | Comentários (0)

novembro 12, 2007

O futebol e os broncos

O clube de futebol, como qualquer banco, tasca, indústria & afins e desafins, é uma empresa para dar lucro.

Em todas elas os broncos rendem como cães de trenó, para que os lucros sejam cada vez maiores.

Em todas elas os broncos rebentam: uns mais cedo, outros mais tarde. Conforme esse tempo de duração, uns chegam a chefe de qualquer espécie, outros nem isso.

Em todas elas se compram e vendem broncos: umas compram pernas, outras braços, outras cérebros.
Em todas elas os broncos se vendem tentando fazer valer os seus dotes de pernas ou de braços ou de cérebros.

Subjacente a qualquer empresa, existe uma praça de jorna de broncos onde se tenta comprar o melhor e mais barato para garantir a desglobalização dos lucros ao mais baixo custo.

O objectivo dos broncos, em qualquer praça de jorna, é tentarem vender pernas, braços e cérebros pelo maior preço - em busca de melhor salário para mais vida fácil.

O sonho de todos os broncos é «subirem na vida» como o Jardim Gonçalves e um dia terem dinheiro e poder para se perdoarem as próprias dívidas e as dos filhos.

Não posso culpar os broncos por fazerem render o seu peixe e sonharem. Se o fazem vendendo as pernas, os braços ou os cérebros - o que têm de melhor - já me parece prova de inteligência e honestidade bastante.

Triste é ver a quem tem pernas comprarem-lhe a cabeça. E a quem tem cabeça pagarem-lhe as pernas.

No futebol tal e qual, já que não é mais que um pequeno conjunto dentro do conjunto maior vida - logicamente falando.

O problema é um falso problema: não nos reconhecemos nos broncos, sonhamos que somos Tarzans.

E por que não?

Publicado por samartaime às 07:10 PM | Comentários (0)

novembro 11, 2007

Boa Sorte / Good Luck

Vanessa da Mata e Ben Harper

Publicado por samartaime às 07:12 PM | Comentários (0)

novembro 08, 2007

Quem me avisa....

emelbes.jpg
(Anónimo na net)

Publicado por samartaime às 02:11 PM | Comentários (0)

novembro 07, 2007

Rasha

Rasha - A Nubian Lullabay

Rasha

Rasha and her Band

Rasha - ya sudan ma3lesh


Publicado por samartaime às 02:36 PM | Comentários (0)