« agosto 2007 | Entrada | outubro 2007 »

setembro 26, 2007

Chava Alberstein

Nasceu a 8 de Dezembro de 1947 na cidade de Szczecin, no norte de Polónia e emigrou para Israel com a familia aos quatro anos. Passou a infância e a juventud em Kiryat Chaim. Em 1964, aos dezassete anos, a sua actuação num clube nocturno de Jaffa abriu-lhe as portas para o seu primeiro contrato discográfico. Com a CBS.
Quando foi chamada para prestar serviço nas Forças de Defesa Israelitas, dedicou-se ao entertenimento das tropas com actuações musicais - o que foi determinante para o seu lançamento artístico.

Na decada de 80, começa a escrever as suas próprias canções, como o seu disco Mehagrim (Imigrantes) o prova.

Durante a Primeira Intifada questionou publicamente a política do governo israelita e a sua canção «Chad Gadya» fez transbordar a taça: foi banida da Rádio.

Gravou mais de 50 discos, muitos deles discos de ouro ou de platina. Seis de eles receberam o prémio Kinor David (Arpa de David). É uma das mais famosas cantoras israelitas em yiddish mas canta igualmente em hebreu, árabe e inglês.

Melache Meluche

Rivkele

Nafshi

The Ladder

Words

E.. não sendo possível ouvir Chava cantar «Chad Gadya», deixo-vos uma outra interpretação:

Ofra Haza (*) - 1979 - Chad Gadya

(*) Ofra Haza (Tel Aviv, 19 de Novembro de 1957 — Tel Aviv, 3 de Fevereiro de 2000) foi uma cantora israelita de raízes iemenitas que alcançou grande popularidade no Médio Oriente e a nível internacional.
Ofra nasceu no seio de uma família de judeus do Iémen que emigraram para Israel fugidos da perseguição movida naquele país. Cresceu em Tel Aviv, no bairro desfavorecido de Hatikvah.

Publicado por samartaime às 12:14 AM | Comentários (0)

setembro 23, 2007

Lido no «Assumidamente» :

« First they ignore you, then they laugh at you, then they fight you, then you win.

Finalmente, em Portugal, passa a haver menção expressa na lei penal nos crimes que tenham por base o ódio ou o seu incitamento, a orientação sexual da vítima.
Durante muito tempo pugnei neste blog pela menção expressa da homofobia no Código Penal (fi-lo, por exemplo, neste post - se tiverem tempo e interesse sigam os links e encontrarão certos paradeiros bizarros...). Muitos foram os que a diziam desnecessária. Lembro-me bem de uma polémica discussão sobre o tema que alimentei com o João Miranda, do blog Blasfémias (estou velha e sem pachorra para politicamente-correctices, e como não me apetece linkar o dito blog, não linko, que aqui mando eu e mai' nada). Do lado de lá muitas vozes - talvez a mais exaltada tivesse sido a da Zazie, do blog Cocanha (que também não linko por ser uma homófoba de primeira), que é uma espécie de fiel escudeira de tudo quanto seja anti-homossexual. Na altura, uns quantos (citar ainda mais nomes seria conceder espaço em demasia a tal "facção" neste post) se uniram em torno da ideia de que a orientação sexual já estava implícita e que não havia necessidade de autonomizá-la no Código Penal. Eram os tempos da Comissão de Reforma da Lei Penal.
Volvido este tempo, extinta a Comissão, é finalmente publicado em Diário da República o texto final do novo Código, que entrou em vigor no passado sábado, dia 15 de Setembro. Do meu ponto de vista, de forma louvável, no crime de homicídio qualificado passou a estar incluída a especial perversidade de pessoas do mesmo sexo que com a vítima tenham mantido relação análoga às dos cônjuges. Mas as melhorias não se ficam por aqui. Afinal, a referência implícita não pareceu suficiente ao legislador ordinário, tal como eu e muitos outros defenderamos. Dá-me, por isso, um gozo enorme (enorme, mesmo) publicar aqui no Assumidamente esta alteração legislativa. Desde que este blog nasceu, já algumas coisas, ao nível legislativo e não só, mudaram. Ainda não todas as que desejaríamos e também não sabemos se sempre para melhor. Mas que tem sido gratificante poder discutir estes assuntos com @s leitor@s e, de vez em quando, colher alguns frutos pelo tempo investido, lá isso tem. E no sábado, mais do que nunca antes, tornou-se verdade para mim o título deste post: First they ignore you, then they laugh at you, then they fight you, then you win.
Keep it in mind.

Excertos do Código Penal, de acordo com a redacção introduzida pela Lei n.º 59/2007 de 4 de Setembro, com referência expressa à orientação sexual:

Artigo 132.º
Homicídio qualificado

1 — Se a morte for produzida em circunstâncias que revelem especial censurabilidade ou perversidade, o agente é punido com pena de prisão de doze a vinte e cinco anos.

2 — É susceptível de revelar a especial censurabilidade ou perversidade a que se refere o número anterior, entre outras, a circunstância de o agente:

a) Ser descendente ou ascendente, adoptado ou adoptante, da vítima;
b) Praticar o facto contra cônjuge, ex-cônjuge, pessoa de outro ou do mesmo sexo com quem o agente mantenha ou tenha mantido uma relação análoga à dos cônjuges>, ainda que sem coabitação, ou contra progenitor de descendente comum em 1.º grau;
c) Praticar o facto contra pessoa particularmente indefesa, em razão de idade, deficiência, doença ou gravidez;
d) Empregar tortura ou acto de crueldade para aumentar o sofrimento da vítima;
e) Ser determinado por avidez, pelo prazer de matar ou de causar sofrimento, para excitação ou para satisfação do instinto sexual ou por qualquer motivo torpe ou fútil;
f) Ser determinado por ódio racial, religioso, político ou gerado pela cor, origem étnica ou nacional, pelo sexo ou pela orientação sexual da vítima;
g) Ter em vista preparar, facilitar, executar ou encobrir um outro crime, facilitar a fuga ou assegurar a impunidade do agente de um crime;
h) Praticar o facto juntamente com, pelo menos, mais duas pessoas ou utilizar meio
particularmente perigoso ou que se traduza na prática de crime de perigo comum;
i) Utilizar veneno ou qualquer outro meio insidioso;
j) Agir com frieza de ânimo, com reflexão sobre os meios empregados ou ter persistido na intenção de matar por mais de vinte e quatro horas;
l) Praticar o facto contra membro de órgão de soberania, do Conselho de Estado, Representante da República, magistrado, membro de órgão de governo próprio das Regiões Autónomas, Provedor de Justiça, governador civil, membro de órgão das autarquias locais ou de serviço ou organismo que exerça autoridade pública, comandante de força pública, jurado, testemunha, advogado, todos os que exerçam funções no âmbito de procedimentos de resolução extrajudicial de conflitos, agente das forças ou serviços de segurança, funcionário público, civil ou militar, agente de força pública ou cidadão encarregado de serviço público, docente, examinador ou membro de comunidade escolar, ou ministro de culto religioso, juiz ou árbitro
desportivo sob a jurisdição das federações desportivas, no exercício das suas funções ou por causa delas;
m) Ser funcionário e praticar o facto com grave abuso de autoridade.


Artigo 240.º
Discriminação racial, religiosa ou sexual

1 — Quem:
a) Fundar ou constituir organização ou desenvolver actividades de propaganda organizada que incitem à discriminação, ao ódio ou à violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual, ou que a encorajem; ou
b) Participar na organização ou nas actividades referidas na alínea anterior ou lhes prestar assistência, incluindo o seu financiamento;
é punido com pena de prisão de um a oito anos.
2 — Quem, em reunião pública, por escrito destinado a divulgação ou através de qualquer meio de comunicação social ou sistema informático destinado à divulgação:
a) Provocar actos de violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual; ou
b) Difamar ou injuriar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual, nomeadamente através da negação de crimes de guerra ou contra a paz e a humanidade; ou
c) Ameaçar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, religião, sexo ou orientação sexual;
com a intenção de incitar à discriminação racial, religiosa ou sexual, ou de a encorajar, é punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos. »

Assumidamente, 18:SET:2007
Coming out da Mente Assumida

[ Um abraço e um obrigada à «Mente Assumida» ( e amiga) pelo seu incansável trabalho de esclarecimento e divulgação sobre «pormenores técnicos» que nos são fundamentais! ]

Publicado por samartaime às 06:59 PM | Comentários (0)

setembro 21, 2007

Adeus verão!...

Will Smith

Renee Fleming

Leontyne Price

Renee Olstead

RAY BROWN TRIO (Jeff Hamilton,Gene Harris,Ray Brown )

Angelique Kidjo

Wijnand Van Klaveren


Publicado por samartaime às 11:33 PM | Comentários (0)

setembro 17, 2007

Jocelyn Pook

Donne musicanti

Migraña

How sweet the moonlight- Andreas Scholl

National Theatre / Saint Joan / Bernard Shaw

Mais informação sobre Jocelyn Pook :


Jocelyn Pook - minibiografia

Jocelyn Pook - Obras

Publicado por samartaime às 09:04 AM | Comentários (0)

setembro 16, 2007

Lisboa, 2001 : fim de tarde na Expo

Dulce Pontes & Simone

«A ilha do meu fado»


Publicado por samartaime às 11:49 PM | Comentários (0)

setembro 15, 2007

D A R F U R

Por Darfur 2.gif

Darfur Awareness Week Video

DARFUR

The Genocide In Darfur

Publicado por samartaime às 06:45 PM | Comentários (0)

setembro 13, 2007

Outros dias, outros modos... A mesma guerra.

"A Song For George W. Bush" (David Slattery/Original)

Iraq War Song - Culture Club (Boy George)

Luar Na Lubre, El Derecho de Vivir En Paz (Vitor Jara)

Publicado por samartaime às 07:54 PM | Comentários (0)

setembro 04, 2007

T E R E Z Í N : para que não esqueçam!

1942

JewishChild1.jpg

Cerca de 15.000 crianças com menos de 15 anos passaram por Terezín. Desses, cerca de 200 sobreviveram.

Cerca de 144 000 judeus adultos foram deportados para Terezín.
Deles, mais de trinta dezenas de milhar morreram em Terezín por más condições de vida (fome, stress, doenças e ainda uma épidemia de tifo no fim da guerra), largas dezenas foram assassinados nos «duches» de gás e mais de
oitenta mil foram deportados para Auschwitz e outros campos de extermínio.
Quase no fim da guerra, ao chegar a Terezín, o exército soviético terá encontrado apenas 19 000 sobreviventes.

Resultado dos malefícios da época e da «inesperada» concentração de pessoas cultas e artistas, o Teresienstadt (getto, prisão, campo de concentração e de assassínio) foi aproveitado pelos nazis como «exemplo» de «colónia judia culta»: compunha-se, escrevia-se, até se faziam espectáculos.

O novo trabalho de Anne Sofie von Otter é precisamente uma homenagem ao trabalho desses artistas internados e/ou assassinados em Terezín e que no meio do horror espavorido e execrável ali mesmo continuaram a sua obra morrendo e cantando para morrer vivendo.
Simultaneamente, Anne Sophie von Otter cumpre o dever da solidariedade juntando-se aos que lutam para que a memória da nossa desumanidade jamais seja esquecida.

É deste inestimável cd que vos deixo, abaixo, algumas faixas:

Ich wandre durch Theresienstadt
«Je marche à travers Theresienstadt»
Composer:
Ilse Weber (1903-1944), Composer
(assassinada em Auschwitz)
Title:
Ich wandre durch Theresienstadt
Artists:
Anne Sofie von Otter, Mezzo-Soprano
Bengt Forsberg, Piano
Bebe Risenfors, Accordian
Sung Text: Ilse Weber (1903-1944), Author


Und der Regen rinnt
«Et la pluie tombe»
Composer:
Ilse Weber (1903-1944), Composer
Title:
Und der Regen rinnt
Artists:
Anne Sofie von Otter, Mezzo-Soprano
Bengt Forsberg, Piano
Bebe Risenfors, Double Bass
Sung Text: Ilse Weber (1903-1944), Author

L'etoile a pleuré rose...
Composer:
Hans Krása (1899-1944), Composer
(assassinado em Auschwitz)
Title:
Tri pisne na slova basni Arthura Rimbauda v prekladu V. Nezvala
Ctyrversi (Vierzeilengedicht)
Artists:
Christian Gerhaher, Baritone
Ib Hausmann, Clarinet
Philip Dukes, Viola
Josephine Knight, Cello
Sung Text:
Arthur Rimbaud (1854-1891), Author

Vsechno jde!
Vsechno jde! (Terezín March)
(arranged by Moshe Zorman);
Anne Sofie von Otter, Mezzo-Soprano;
Bengt Forsberg, Piano;
Bebe Risenfors, Accordian;
Sung Text: Karel Svenk , Author
(assassinado em Auschwitz)


Sonata para um violino
Composer:
Erwin Schulhoff (1894-1942), Composer
(morto de tuberculose no campo de
concentração de Wulzburg)
Title:
Sonata for violin solo (1927)
3. Scherzo
Artists:
Daniel Hope, Violin

Probdena noc (Durchwachte Nacht)
«Nuit blanche»
Composer:
Pavel Haas (1899-1944), Composer
(assassinado em Auschwitz)
Title:
Ctyri Pisne na slova cinske poezie (Vier Lieder nach Worten chinesischer Poesie)
Probdena noc (Durchwachte Nacht)
Artists:
Christian Gerhaher, Baritone
Gerold Huber, Piano
Sung Text:
Wej Jing-wu , Author

Wir reiten auf holzernen Pferden
«Nous cavalons sur des chevaux de bois»
Composer:
Martin Roman (1910-1996), Composer
(sobrevivente)
Title:
«Cabaret Karussell» (excerto)
Artists:
Anne Sofie von Otter, Mezzo-Soprano
Bengt Forsberg, Piano
Sung Text:
Manfred Greiffenhagen (1896-1945), Author
(assassinado em Terezín)

Recording Information
Terezín · Theresienstadt von Otter
1 CD 477 654-6
Recording Date:
February 2007
Live / Studio:
Studio
Recording Location:
Bavaria Musikstudios, München, Germany
Produced by:
Valerie Gross, Executive Producer
Dr. Marion Thiem, Executive Producer
Sid McLauchlan, Recording Producer
Balance Engineer:
Andrew Wedman
Format:
DDD Stereo 96 kHz 24 Bit
Deutsche Grammophon

Informação sobre Terezín :

Terezín

Fotos de Terezin

Memorial de Terezin

Terezín - o Getto «modelo»

Sobre Anne Sophie von Otter e o cd Terezín/ Theresienstadt

Publicado por samartaime às 09:44 AM | Comentários (0)

setembro 02, 2007

Pois

Estou farta da precocidade dos jovens cinquentões a cheirar a fénico Laurent!

Só quero ver quando eles forem jogar à carica na berma do passeio aí do bairro !

Publicado por samartaime às 02:47 PM | Comentários (0)

Depois

do exame de cuspo a condutores de veículos ligeiros,

da apalpação e rapto das maçarocas de Aljezur,

do pontapeamento dos arcos costais do energúmeno dos milheirais,

do botok nas fissuras da desgraça de cara do talzinho,

da alcandoração do sr. Meneses

e do notório deboche sado-masoquista íntrinseco ao bailinho da Madeira,

vou ali num instantinho ao funeral do nado da somague e já volto.

Andamos cá num speed que até tenho medo que alguma lesmação retroactiva se enfarte!

Adeuzinho!

Publicado por samartaime às 01:33 AM | Comentários (0)