« dezembro 2008 | Entrada | fevereiro 2009 »

janeiro 26, 2009

Darwin na Blogsfera II

gse_multipart26233[1].png

O físico e divulgador de ciência Carlos Fiolhais está a brindar todos os interessados em Darwin e Evolução com uma bela sequencia de posts no site De Rerum Natura . Como este a respeito da primeira referência conhecida a Darwin em Portugal, na tese doutoral de Júlio Henriques, em 1865.

Publicado por tentilhão às 02:39 PM | Comentários (0)

Darwin na Blogsfera

header[1].png

Já está no ar online o site Darwin 2009 do Ciência Viva, com informações, eventos, vídeos e muito mais.

Publicado por tentilhão às 02:29 PM | Comentários (0)

janeiro 25, 2009

Esperança de Vida

Toumai (“Esperança de vida” na língua Goran) é o hominídeo mais antigo descoberto até hoje. O nome científico da espécie de Toumai é Sahelanthropus tchadensis, uma referência ao Deserto Dujarab, no Tchad, onde entre Julho de 2001 a Março de 2002 foram encontrados um crânio pequeno de 340-360 cm3 (o de um humano moderno tem em média 1350 cm3), cinco fragmentos de mandíbula e alguns dentes. Não há ossos do resto do esqueleto, mas o formato do forâmen maior, a abertura na base do crânio onde se encaixa a coluna vertebral, indica que Toumai era possivelmente bípede. Estes restos, encontrados por Adoum Mahamat, Djimdoumalbaye Ahounta, Gongdibé Fanone e Alain Beauvilain tem cerca de 7 milhões de anos de idade. Está disponível no youtube em versão integral um documentário sobre a sua descoberta, reconstrução e a controvérsia sobre a sua posição na nossa árvore genealógica.


(Parte 1 de "Pre-Human: Riddle of The Toumai Skull)"

Publicado por tentilhão às 12:16 PM | Comentários (0)

janeiro 22, 2009

Falsos Parentes

piltdown2-1.jpg

A fraude canónica da ciência, e o "nec plus ultra" da sacanagem em Biologia, foi certamente o Homem de Piltdown. Eoanthropus dawsoni era supostamente o fóssil de um hominídeo datado do Pleistoceno. O nome vulgar seguiu a regra comum em espécimes de hominídeos, sendo derivado do local de descoberta (Homem de Peking, o Homem de Java, etc), Piltdown em Sussex, Inglaterra. O cavalheiro teve seu debut social ao ser apresentado em reunião da Royal Society em Londres, em dezembro de 1912. Imediatamente tornou-se uma sensação, não só na comunidade científica, como também na comunicação social da época. O Homem de Piltdown seria o famigerado Elo perdido, um título itinerante em biologia humana, que hoje em dia se encontra em posse, diriam alguns, do Presidente Bush, diriam outros, do grande Steven Seagal.

A fraude durou quase meio século, até 1953. A bem da verdade, Eoanthropus não se enquadrava na sequência de hominideos predominante, e mesmo muitos dos antropólogos que não suspeitavam da sua autenticidade acreditavam que ele representava uma linhagem menor, um cul-de-sac da evolução humana.

O caso de Piltdown foi obviamente premeditado e laboriosamente executado, e por isso a fraude persistiu durante tanto tempo. Se me permitem um momento Martha Stewart, aqui vai a receita do Homem de Piltdown, segundo uma equipa de investigadores do British Museum:

1 crânio humano medieval
1 mandíbula de orangotango de Sarawak
Dentes fossilizados de chimpanzé a gosto
Temperar com solução férrica e ácido crómico

A historia do Homem de Piltdown tem um elenco enorme de suspeitos; o acusado mais frequente é o próprio descobridor, Charles Dawson. Os participantes das escavações em Sussex e da análise de Eoanthropus incluíram figuras como Sir Arthur Woodward, curador de história natural no British Museum, Conan Doyle (o criador de Sherlock Holmes) e Pierre Teilhard de Chardin*, vários dos quais foram apontados à vez como sendo o culpado. Como no caso de Jack o Estripador, a fraude de Piltdown originou muitas teorias, algumas banais, outras apontando vastas conspirações. E como no caso do entusiasta amador da cirurgia em Whitechapel, não sabemos de quem foi a culpa.


* Pierre Teilhard de Chardin foi um padre Jesuíta que se dedicou a biologia, tentando adaptá-la aos desígnios Divinos. Em termos objectivos, está para a Biologia séria, com B maiúsculo, como Britney Spears está para a mecânica quântica. A sua obra "The Phenomenon of Man" foi objecto de uma devastadora crítica do nobel Peter Medawar, de onde tiro esta pérola: “It would have been a great disappointment to me if Vibration did not somewhere make itself felt, for all scientistic mystics either vibrate in person or find themselves resonant with cosmic vibrations; but I am happy to say that on page 266 Teilhard will be found to do so.”

Publicado por tentilhão às 08:47 AM | Comentários (0)

janeiro 21, 2009

Hoje na FCG: NO CAMINHO DA EVOLUÇÃO IV

bannerciclodarwin2[1].jpg


Nada escapa aos atentos leitores do blog. De facto, a imagem que acompanha o post de ontém sobre a conferência “Como nos tornámos humanos?” não é da Professora Eugénia Cunha, e sim a reconstrução de um hominídeo extincto, o Sahelanthropus tchadensis, alias Toumai, de quem falaremos mais este fim de semana. O Toumai vai-se-nos juntar na nossa exposição “A Evolução de Darwin”. Já agora apresentamos a Prof. Cunha:


eugenia[1].jpg
A conferência começa às 18h00, Auditório 2. Como sempre, teremos transmissão em directo para os que não puderem estar presentes.

Publicado por tentilhão às 01:28 PM | Comentários (0)

janeiro 20, 2009

COMO NOS TORNÁMOS HUMANOS

toumai2[1].jpg

Em antecipação à próxima etapa do ciclo “No Caminho da Evolução" (amanhã, quarta feira, dia 21 de Janeiro, as 18 horas na Fundação Calouste Gulbenkian), a Dra Eugénia Cunha oferece-nos um resumo da sua conferência entitulada COMO NOS TORNÁMOS HUMANOS:

"Esta pergunta recorrente que se coloca desde sempre, vai buscar respostas a várias ciências e permanece um dos maiores desafios da antropologia e da biologia. Leva-nos a uma inevitável e fascinante viagem ao nosso interior e no tempo porque o entendimento de onde viemos elucida também sobre para onde vamos. E no exercício de mergulhar no passado, há que recuar até há cerca de 7 milhões de anos para encontrar os mais prováveis candidatos a primeiros hominídeos.
Desde eles até ao presente, passamos por uma cadeia impressionante de antepassados, directos e indirectos, que vamos colocando na nossa árvore evolutiva, densamente ramificada mas da qual só conhecemos uma parte dos inquilinos. Falaremos de alguns deles, onde, como surgiram e como se relacionam connosco. As peças do puzzle vão surgindo com as novas descobertas e com a reavaliação de outras. Cada uma dessas peças conta-nos uma história. Mas cada vez mais, não são só os fósseis que permitem reconstruir a nossa história natural. O acesso ao nosso genoma e ao de alguns dos outros primatas levou-nos para uma nova era em que se procura identificar os genes e as alterações genéticas que nos tornaram únicos.
A nossa singularidade remete-nos inevitavelmente para o órgão mais complexo do universo, o nosso cérebro. Recentemente, foi sugerido que um determinado gene, o HAR1F, possa vir a ajudar a perceber porque somos os mais encefalizados de todos os primatas. Mas temos que reconhecer que somos muito mais do que genes. A velha máxima “ somos aquilo que comemos” continua válida e o segredo do aumento do nosso cérebro, um autêntico devorador energético, parece ter sido contrabalançado por uma concomitante redução do aparelho gastrointestinal viabilizada por uma mudança na dieta. A incorporação de mais carne na dieta terá facilitado o crescimento cerebral. A hipótese ETH- Expensive- tissue hypothesis é aqui cruzada com o aumento do período de gestação, com a prematuridade do recém-nascido humano e com o crescente investimento parental por parte dos humanos como uma explicação possível para o facto de o nosso cérebro ser três vezes maior do que aquilo que seria de esperar. Mas este não é o nosso único traço distintivo.
O bipedismo e a nossa linguagem têm sido cruciais para termos chegado onde hoje estamos. A chave está no cruzamento de todos estes traços distintivos, dos genes a eles subjacentes e na sua correcta contextualização ecológica. Sabendo que a evolução não é gratuita e que só quando os benefícios de uma dada mudança evolutiva superam os custos é que o processo avança, é um desafio destrinçar as cada vez mais peças chave deste intrincado ser que somos com a certeza de que muitas das questões só serão respondidas ao longo do próximo século, quiçá, no próximo grande aniversário de Darwin que, acredito, continuaria a dizer” Light will be thrown on the origin of man and history”."

Publicado por tentilhão às 06:34 PM | Comentários (0)

janeiro 18, 2009

Uma Imagem Dominical

sy10250.jpg

Estátua de Charles Darwin em frente da biblioteca da sua aldeia natal, Shrewsbury.

Publicado por tentilhão às 08:18 PM | Comentários (0)

janeiro 16, 2009

Leviathan

“Na América do Norte um urso negro foi observado por Hearne a nadar durante horas com a boca aberta ao máximo apanhando assim, como uma baleia, insectos na água. Mesmo num caso tão extremo quanto este, se o suprimento de insectos fosse constante, eu posso ver sem qualquer dificuldade uma raça de ursos tornar-se, pela selecção natural, cada vez mais aquática na sua estrutura e nos seus hábitos, com uma boca cada vez mais larga, até se produzir uma criatura tão monstruosa quanto uma baleia.”
(Charles Darwin, "A Origem das Espécies")

Talvez o leitor não encontre esta passagem na sua cópia da "Origem" (o blog espera que o leitor preparado tenha uma em casa). A discrepância tem uma razão simples: o trecho está na primeira edição, mas depois foi cortado por Darwin nas subsequentes. Fez muito bem em tirar tamanho disparate, afinal hoje todos sabemos que o ancestral das baleias mais parecia um lobo:

Publicado por tentilhão às 08:06 PM | Comentários (0)

janeiro 13, 2009

Imperdível: Darwin Podcasts

darwin_iot_400.jpg


O jornalista da BBC e escritor Melvyn Bragg tem agora online uma ótima série de podcasts sobre a vida e obra de Charles Darwin. Os entrevistados incluem biógrafos de Darwin, como James Moore, historiadores como Jim Secord e cientistas como o biólogo Steve Jones.

* O blog agradece a Greg King e Miguel Godinho pelo link.

Publicado por tentilhão às 10:54 AM | Comentários (0)

janeiro 12, 2009

PORCELANA PARTIDA

373.jpg

Segundo o noticiário financeiro, está prestes a encerrar as suas actividades a fábrica de porcelanas e cristais Waterford Wedgwood. O que temos nós do blog a ver com isto? Acontece que esta empresa resultou da fusão em 1986 da Waterford Glass (com a qual não temos de facto nada a ver) com a Josiah Wedgwood and Sons.

O senhor Josiah Wedgwood fundou a Wedgwood and Sons em Stoke-on-Trent, Inglaterra, no ano de 1759. Teve com ela enorme sucesso, tanto em termos monetários como em termos de prestígio. Foi graças a esta ascenção que Josiah, filho de um artesão pobre, pôde criar fortes e duradouros laços com outra rica família local. Josiah tornou-se um grande amigo de Erasmus Darwin, e os dois conspiraram para juntar as suas respectivas linhagens. A sua filha Susannah casar-se-ia com um médico e financeiro, Robert Darwin, filho de Erasmus. Susannah e Robert teriam seis filhos ao todo, e o penúltimo seria Charles Darwin.

Outro filho de Josiah, também chamado Josiah Wedgwood II ("Uncle Jos" para o nosso herói), seria o principal responsável por obter do cunhado Robert permissão para que Charles embarcasse na viagem do Beagle. Ao retornar da sua volta ao mundo em cinco anos Charles Darwin resolveu que tinha chegado a hora de casar (não sem antes comparar as vantagens relativas do casamento e da compra de um cão). Charles, neto de Josiah, logo encontrou seu par: Emma, também neta de Josiah (filha de Josiah II). A confusa teia que ligava as duas famílias era muito mais intricada, e uma das irmãs de Charles, Caroline casou-se com outro neto de Josiah (e filho de Josiah II), Josiah III (atenção aos numerais romanos, se não é impossivel de seguir esta história).

A Wedgwood and sons, fornecedora dos Reis e Rainhas do Reino Unido desde 1765, esta agora reduzida a fazer saldos de liquidação de inventário.

Publicado por tentilhão às 01:32 PM | Comentários (0)

janeiro 11, 2009

Village Iguanas

090105-pink-iguana-photo_big.jpg

A estrela da semana é uma nova iguana descoberta no laboratório natural de Charles Darwin, as Ilhas Galápagos. Ainda sem nome científico atribuído, a iguana rosada é a terceira espécie de iguana terrestre encontrada nos Galápagos, todas do género Conolophus. A iguana de mais de um metro de comprimento e peso médio de 12 quilos foi descrita na revista “Proceedings of the National Academy os Sciences” por Gabriele Gentile e sua equipe na Universidade Tor Vergata, Roma.

É fácil perceber porque Darwin não encontrou esta espécie, afinal as iguanas rosadas actualmente habitam apenas uma área, em torno do Vulcão Wolf, na ilha de Isabela. Na realidade, a iguana rosada já era conhecida na ilha desde pelo menos 1986 quando guardas florestais a avistaram. Gentile não disputa este facto, como disse a agência Reuters: “Não fomos os primeiros a ver esta forma, mas somos os primeiros a dizer o que é, e afirmar que é uma espécie nova.”

A iguana rosada pode ser a mais antiga das três espécies das ilhas, tendo em torno de 5.6 milhões de anos. Tristemente, ela poderá também se tornar a primeira das três a ser extinta. Segundo Gentile, que diz ter observado em torno de 40 indivíduos, a população toda pode ter menos de 100 iguanas.


Publicado por tentilhão às 05:15 PM | Comentários (0)

janeiro 10, 2009

DARWIN NAS BANCAS

A revista "Visão" desta semana traz uma reportagem extensa de Alexandra Rosa sobre a vida e obra de Charles Darwin- com direito a um espiadela no que vem ai na exposição "A Evolução de Darwin" (já só falta um mês para a abertura).

Publicado por tentilhão às 12:12 PM | Comentários (0)

janeiro 07, 2009

Regrets, I've had a few

É notório que quando Sinatra chegava a parte do seu clássico "My Way" (se nunca ouviu, vá a um karaoke. Como está previsto em decreto lei, não existe karaoke sem "My Way") onde lamentava os poucos arrependimentos da sua vida, estava a falar principalmente de Ava Gardner. Sinatra e Gardner, o seu grande amor, tiveram um casamento conturbado que terminou em divórcio amargo. Percebe-se a fascinação do cantor, além de linda Ava era esperta e, como era de se esperar, um tanto cruel. Quando soube que seu ex-marido tinha-se casado novamente com a então muito jovem e, digamos assim, menos desenvolvida Mia Farrow, comentou:

"Hah! I always knew Frank would wind up in bed with a boy."

ava_gardner___frank_sinatra.jpg


Tenho certeza que apenas certos problemas decorrentes da natureza linear do fluxo do tempo impediram que Charles Darwin passasse noitadas no karaoke no pub da aldeia de Downe (ver abaixo) a entornar whisky e oferecer aos vizinhos sua própria versão da música.

009.jpg

A sua inspiração seria não uma mulher, mas os eventos de 6 de janeiro de 1832. Darwin estava prestes a realizar um sonho de longa data: conhecer as Canárias. Seguiria os passos do seu herói Humboldt. Enfim veria a grande árvore-dragão. O Beagle avistou Tenerife ao raiar do dia. O mesmo Darwin que até agora se encontrava enfermo, a recusa-se a sair da sua cabine, registava agora no seu diário uma agitação constante, com frequentes visitas ao convés para examinar a ilha:

"Agora são cerca de 11 horas da manhã e eu preciso ver novamente este objecto da minha ambição, tão longamente desejado."

Photo9_DragonTree_Dixem.jpg

E logo a seguir, o desastre:

"Ó miséria, miséria- estavamos a preparar para largar âncora a 1/2 milha de Santa Cruz quando um barco se juntou a nós trazendo uma sentença de morte. O cônsul declarou que nos deviamos submeter a uma rigorosa quarentena de doze dias (...) foi logo decidido pelo Capitão que se içassem as velas e seguissemos viagem rumo as Ilhas de Cabo Verde."

A razão da quarentena imposta a todos os navios recém chegados da Inglaterra foi comunicada à tripulação do Beagle pelo vice-cônsul Britânico nas Canárias. As ilhas tinham recebido notícias de um surto de cólera na Inglaterra. Não havia que discutir, e Darwin ficou arrasado. O Capitão FitzRoy tomou nota do efeito da notícia no seu companheiro de viagem:

"Ter visto (o pico de Tenerife)- ter ancorarado e estado a ponto de desembarcar, e entretanto ser obrigado a ir embora sem a menor perspectiva de ver Tenerife de novo- foi para ele uma verdadeira calamidade."

Foi a segunda paragem sem ida a terra firme do Beagle a decepcionar Darwin, depois da Madeira. Ele já trabalhava como naturalista a bordo, colhendo peixes, algas e invertebrados marinhos. Mas Darwin ansiava mesmo era por passear pelas florestas tropicais. Quando teria finalmente a chance de descer daquele maldito barco?

Publicado por tentilhão às 12:43 PM | Comentários (0)

janeiro 04, 2009

O Beagle Avista Portugal

732px-Madeira_Ancient_Map2.jpg

A 4 de Janeiro de 1832, o HMS Beagle passou pela primeira vez por águas Portuguesas. Uma semana após ter finalmente zarpado de Devonport, o Beagle chegou à costa da Madeira, perto de Porto Santo. Entretanto o mau tempo que acompanhava a nau desde sua partida não permitiu que ela ancorasse. O mar agitado teve um efeito devastador sobre o jovem Charles Darwin, ele nem pode avistar a ilha:

“Eu estava tão doente que sequer me pude levantar para ver a Madeira quando estivemos a apenas 12 milhas de distância.” (Diário de bordo de Darwin).

O contratempo deve ter custado a Darwin mais do que a sua primeira expedição naturalista da viagem. Alguns dias antes, a 23 de Dezembro, o seu diário regista que para matar o tempo antes do início da viagem (o Beagle esteve semanas ancorado em Devonport à espera de condições favoráveis), Darwin e dois companheiros de bordo, Sullivan e Bynoes, fizeram uma competição de tiro com espingarda. O prémio seria:

“(…) várias garrafas de vinho a serem pagas e bebidas nas ilhas Madeira.” (Diário de bordo de Darwin).

O diário não nos diz o resultado da competição. Mas sabemos que Charles esteve grande parte da sua juventude de arma em punho, e segundo todos os relatos era um excelente atirador.

O Beagle continuou viagem rumo a Tenerife, destino que Darwin aguardava com grande ansiedade, pois era lá que um de seus heróis, o explorador Alexander von Humboldt teve algumas de suas mais famosas aventuras. Darwin e seu mentor, Henslow, tinham mesmo feito planos para uma viagem às Canárias, e Charles passava horas a ler e reler Humboldt:

“(…) chego a casa e leio Humboldt: o meu entusiasmo é tão grande que mal consigo estar sentado (…) nunca estarei em paz até ver o pico de Tenerife e a grande árvore-dragão”
(Carta de Darwin a sua irmã Caroline, 28 de Abril, 1831).

Embora o convite para se juntar à tripulação do Beagle tivesse levado ao cancelamento dos seus planos com Henslow, Darwin tinha ainda o consolo de que as Canárias se encontravam no seu roteiro de viagem.

Publicado por tentilhão às 12:30 PM | Comentários (0)

janeiro 02, 2009

"Creation"

O ano começa com uma excelente notícia, vem ai em 2009 “Creation”, uma grande produção sobre a vida de Charles Darwin. O filme tem como ponto de partida o livro “Annie’s Box” de Randal Keynes. Keynes trata dos conflitos provocados pelas idéias revolucionárias de Darwin no seio da sua própria família, especialmente com sua mulher, Emma, detentora de fortes convicções religiosas. Keynes é um descendente directo de Darwin (bem como de outro génio, o economista John Maynard Keynes), e sua obra apresenta uma visão muito pessoal. O título do livro refere-se a uma caixa que Keynes encontrou com vários objetos de uma das filhas de Darwin, Annie, inclusive uma mecha dos seus cabelos e o mapa da sua campa. A morte precoce de Annie, aos 10 anos, é considerado por muitos biógrafos o evento que mais profundamente abalou a fé cristã de Darwin.

Desde sua volta da viagem do Beagle em 1836, Darwin tinha já a certeza de que uma interpretação literal da Bíblia era incompatível com os factos não só da biologia, mas também da geologia. Mas nada disto impugnava a sua crença na benevolência divina, ainda que esta agisse por meio de Leis Naturais, e não pela intervenção directa e constante por via de milagres. Era um deísmo científico comum na sua época, e mesmo antes- Newton reconhecê-lo-ai imediatamente.

Muitos argumentos justificam uma expectativa positiva para “Creation”, mais o mais forte deles é que o filme trará Jennifer Connely no papel da senhora Darwin. Sobretudo ela dá credibilidade ao dilema Darwiniano (“publish and be damned”). Qualquer um hesitaria em publicar qualquer coisa para não deixar esta senhora triste.

jennifer_connelly1.jpg

Ah, sim, parece que também há um gajo qualquer como Charles Darwin- antes conhecido como u, dos mais importante cientista dos últimos séculos, explorador, escritor, pai de muita Biologia, mas que doravante será mais frequentemente lembrado como o marido da Jennifer.

Publicado por tentilhão às 12:12 PM | Comentários (0)

janeiro 01, 2009

2009: O ANO DARWIN

darwin_1.jpg

E lá vamos nós...

Publicado por tentilhão às 06:19 PM | Comentários (0)