« INTERLÚDICO: CO-EVOLUÇÃO | Entrada | O ARQUIPÉLAGO MALAIO (Wallace p. II) »

julho 08, 2008

ALFRED RUSSEL WALLACE

Wallace2-744514[1].jpg
A.R. Wallace

(continuação de "Portas da Percepção")

Alfred Russel Wallace era um naturalista profissional. O convite para Charles Darwin viajar no Beagle especificava claramente que a tarefa era não remunerada. O Capitão Fitzroy procurava uma pessoa de um certo estatuto social, com meios para pagar os próprios custos durante a viagem. Darwin, com fortunas em ambos os lados da família, precisou somente da autorização do seu pai para fazer a viagem. Já Wallace vinha de uma família de classe média baixa, e que passava por dificuldades financeiras. Pagou a sua primeira viagem com o dinheiro que economizou trabalhando como agrimensor (cerca de 100 libras) e com adiantamentos do seu agente, Samuel Stevens. Stevens era especializado em suprir a febre de objectos e espécimes dos colecionadores Victorianos, e levantou fundos com promessas de fantásticas criaturas tropicais.

A necessidade foi de certa forma a mãe da invenção. Forçado a acumular não só os espécimes de interesse científico ou estético, Wallace precisava do maior número possível de peles, ossos, plantas, etc… para venda. Foi assim que percebeu a extrema variabilidade entre os indivíduos da mesma espécie. Não havia dois indivíduos iguais! As características “médias” não tinham realidade física, o tipo perfeito de uma espécie era um conceito com existência apenas teórica. Darwin observará isto também, mas sobretudo depois de terminada a sua viagem do Beagle, quando estudou a diversidade de espécies domesticadas, e durante os 8 anos de sua vida que dedicou ao estudo intensivo dos… percebes (sim, esses mesmo que se comem nas cervejarias).

A primeira viagem de Wallace, à Amazónia no HMS Mischief foi marcada por desastres e tragédias. O naturalista convidou o irmão mais novo para ser seu ajudante no trabalho de campo. No Brasil, o jovem Edward Wallace contraiu febre amarela e morreu no Pará, a 8 de Junho de 1851. Alfred continuaria na Amazônia até o ano seguinte, quando em Julho assegurou um lugar de volta ao Reino Unido na nau Helen. Pouco depois, o Capitão John Turner disse-lhe calmamente: “Temo que o navio está em chamas. Venham ver o que pensam.” Não havia muito o que pensar, o Helen ardeu espectacularmente e depois foi a pique, levando consigo para o fundo toda a colecção de Wallace. A tripulação esteve ainda 10 dias à deriva em botes salva-vidas antes de ser resgatada por uma embarcação precária que ia para Londres por via de Cuba.

O Naturalista foi salvo da ruína total pela indemnização de 150 libras que recebeu da seguradora pela sua coleta perdida (Samuel Stevens era um agente competente). Amanhã veremos como Wallace investirá este dinheiro.

Publicado por tentilhão às julho 8, 2008 11:03 AM

Comentários

Comente




Recordar-me?