« EVOLUÇÃO HUMANA | Entrada | JOHN STEVENS HENSLOW, RIP »

maio 16, 2008

DORMIR, TALVEZ SONHAR

mother_and_baby_sloth.jpg

A crítica ao estilo de vida da preguiça começa com a sua primeira descrição por Gonzalo Fernandez de Oviedo y Valdes em 1526 no seu “História Geral e Natural das Índias Ocidentais”. Valdes, encarregado pela Coroa Espanhola de documentar as novas terras descobertas por Colombo, não hesita em afirmar não existir animal mais feio ou inútil que a simpática senhora que vemos aqui na foto (com sua cria pendurada). A bem da verdade, a reputação do próprio Valdes também não era assim grande coisa- de seu livro dizia Frei Bartolomeu de las Cazas: “contém quase tantas mentiras quanto palavras.”

As coisas não melhoraram com o passar do tempo, e as injúrias foram-se acumulando. Segundo os empregados dos Jardins Zoológicos, os bichos estavam o dia todo a dormir. Em média 16 horas por jornada estariam inconscientes.

Agora a equipe de Niels Rattenborg, do Instituto Max Planck de Ornitologia, resolveu tirar a questão a limpo: as preguiças no seu ambiente natural dormem o dia todo? A equipe aborda o problema de uma maneira pioneira, utilizando uma versão miniaturizada e portátil do leitor de EEG, o aparelho que mede as ondas cerebrais. Rattenborg e sua equipa foram ao Instituto de Investigação Tropical Smithsonian no Panamá, onde vestiram três fêmeas adultas da espécie Bradypus variegates com gorros contendo os mini-leitores. Depois libertaram-nas e cinco dias depois foram busca-las à selva.

Rattenborg comunica a conclusão do estudo na última edição da revista “Biology Letters”. As preguiças no mato dormem pouco mais de nove horas e meia por dia. Destas, à volta de duas horas são dedicadas ao sono REM- aquele no qual os olhos se mexem rapidamente debaixo das pálpebras, quando o blog esta a correr atrás da Nastassja Kinski e o Sócrates esta a voar num DC-10 da saudosa PanAm fumando Chesterfields sem filtro (na época recomendados por 9 entre 10 médicos). A explicação mais aceite para a discrepância destes números com os obtidos em cativeiro parece ser simples: o tédio. Engaiolodas, sem precisar de ir buscar comida ou fugir de predadores, as preguiças dormem.

Quando estão em sono REM, que sonham as preguiças? O trabalho nao especula, nem será este o novo desafio do grupo, que agora quer saber quanto tempo dormem os avestruzes in natura.

Publicado por tentilhão às maio 16, 2008 06:59 PM

Comentários

Comente




Recordar-me?